2016 - Um ano da Reação; 2017 - Um ano de Resistência

24/01/2017 22:54

Secretariado Internacional da Liga pela Quinta Internacional - Sat, 31/12/2016 - 16:45.

 

Dois mil e dezesseis (2016) foi um ano de eventos importantes. Na Síria, na União Europeia, na América do Sul, nos EUA, esses eventos não foram positivos para as lutas da classe operária e das forças progressistas que lutam por direitos democráticos. Pelo contrário, foram negativos.

Na Síria, o ano terminou com a queda de Aleppo ao regime brutal de Assad e à possibilidade de uma "paz dos vencedores". Na UE, a simpatia por refugiados sírios afogados em 2015, deu lugar a cercas de arame farpado e paredes, a ascensão de partidos populistas racistas e o Brexit. Nos Estados Unidos, Trump ganhou, embora com uma minoria do voto popular, instalando o governo mais direitista em décadas com um forte controle tanto das casas do Congresso quanto da Casa Branca.

Na América Latina, a "onda rosa" de presidentes populistas e socialistas do século XXI está retrocedendo rapidamente. O Brasil está trancado em uma profunda recessão econômica e a Venezuela à beira do colapso econômico. Na Ásia e no Oriente Médio, "homens fortes", como Narendra Modi, da Índia, Rodrigo Duterte, da Turquia, Recep Tayyip Erdoğan e Abdel Fattah el-Sisi, do Egito, estão enfrentando repressão. De fato, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, é uma espécie de garoto-propaganda para esse grupo. Até mesmo o prêmio Nobel da Paz, Aung San Suu Kyi, está presidindo a limpeza étnica do exército birmanês da minoria Rohingya.

Isso indica um aumento do que Karl Marx definiu como bonapartismo, um sinal infalível de tensões crescentes dentro da sociedade que exigem que o Estado se eleve acima, reprimindo as forças contendentes e dispensando as válvulas de segurança democráticas normais do sistema.

Exceções parciais a este quadro sombrio foram a luta dos estudantes sul-africanos por educação gratuita, a campanha de Sanders e Black Lives Matter nos EUA e o movimento que reelegeu Jeremy Corbyn como líder do Partido Trabalhista na Grã-Bretanha. Devemos esperar que eles sejam tokens para o futuro.

No entanto, negativos e positivos, todos estes desenvolvimentos revelam um capitalismo global e sistema estatal em crescente caos. Dentro dos estabelecimentos governamentais burgueses, há um forte giro para a direita. Em 2016, as instituições da globalização e sua ideologia dominante, o neoliberalismo, almejada por forças populistas que enfatizaram a reconquista da soberania nacional e a defesa da cultura "nativa", ao mesmo tempo em que visavam minorias e imigrantes. No Paquistão, a repressão continua em Baluquistão, enquanto o primeiro-ministro da província rejeita o mal-estar como "um punhado de malfeitores, manipulados pela agência de inteligência indiana, envolvidos em atividades contra a paz".

As forças que fizeram avanços não incluem apenas "homens fortes" que corroem os direitos democráticos, mas também movimentos populistas de direita, desafiando ou afastando os partidos do tradicional establishment burguês. Isso atesta duas coisas: um período historicamente severo de crises do capitalismo e uma crise igualmente profunda de liderança da classe trabalhadora. As estatísticas mostram salários estagnados ou em queda, ruptura ou falência dos serviços sociais e uma enorme desigualdade social. Isso explica facilmente a ansiedade e a raiva expressas em eleições e referendos, mesmo quando são dirigidas de forma errônea aos mais vulneráveis: os que buscam asilo por causa de guerras ou de minorias étnicas e raciais de longa data.

Em toda parte, o centro político, associado ao neoliberalismo e à globalização, está cedendo, isto é, está perdendo sua base popular. O centro de colapso inclui também o "establishment" do movimento operário; Os sindicatos e os partidos reformistas que se adaptaram fortemente ao neoliberalismo nos anos 90 e no início dos anos 2000. 
A direita tem avançado não apenas por bodes expiatórios de imigrantes poloneses ou mexicanos ou refugiados sírios, mas também por ataques demagógicos contra a globalização e seus planos de livre comércio.

Trump atacou de forma selvagem a Parceria Trans-Pacífico (TPP), a Associação Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP) e a Área de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA) como forma de deslocamento e encolhimento das indústrias norte-americanas. Marine Le Pen da Frente Nacional Francesa e Nigel Farage do Partido da Independência do Reino Unido, atacaram os ditames burocráticos da União Europeia aos Estados membros em seus orçamentos nacionais.

A decisão do referendo britânico representa um grande desafio para a UE e seus governantes, a Alemanha e a França. A Comissão, o Conselho de Ministros e o Banco Central terão de impor condições punitivas aos islandeses e à sua amada cidade, "pour encourager les autres", para que não façam o mesmo. Na Grã-Bretanha, o conflito sobre Brexit será longo e amargo e apresentará novas e indesejáveis ​​"surpresas", políticas e econômicas. Mas dentro das paredes da zona do euro, também, tudo está longe de ser bom.

O sistema bancário italiano está à beira de uma grande crise, com seu poder de resgate estatal paralisado por uma dívida pública de 132% do PIB, enquanto seu setor financeiro acumulou US$ 360 bilhões em empréstimos ruins. A Grécia não escapou de sua crise, apesar de outra parcela de austeridade aplicada pelo governo do Syriza. O ministro das Finanças alemão e principal torturador dos gregos, Wolfgang Schäuble, exige mais "reformas estruturais", insistindo que o alívio da dívida "não ajudaria".

Até agora, no entanto, a Alemanha não vê necessidade de abandonar políticas, como a taxa de câmbio fixa, que a levou a prosperar em relação e à custa da maioria dos outros países da UE, durante a década que se seguiu à crise bancária. A "liderança" da Alemanha, se persistir em seu curso atual, poderá derrubar todo o projeto europeu.

Na Alemanha, Espanha e Itália, novos partidos populistas se uniram; A Alternative für Deutschland, Ciudadanos, uma renovada Liga do Norte e o ambíguo "nem direita nem esquerda" Movimento Cinco Estrelas. Acrescentam à antiga Frente Nacional estabelecida na França, ao Geert Wilders Party pela Liberdade na Holanda e aos governos chauvinistas na Hungria e na Polônia. As eleições na França e na Holanda em maio podem muito bem ver choques adicionais.

Os slogans de "retomando o controle", levantados pelos populistas de direita, referem-se a um sentimento generalizado de desamparo entre milhões desde o crash de 2008. Qualquer que seja o partido que estivesse no poder, os resgates dos bancos e cortes nos gastos sociais foram adiante. Mas os banqueiros e os CEOs das grandes corporações escaparam impunemente. Na verdade, eles continuaram a embolsar seus enormes salários e bônus.

Na América Latina, os países da chamada Pink Wave (onda cor-de-rosa) foram duramente atingidos pela falência causada pelo colapso dos preços do petróleo e pela queda da demanda chinesa.

O desencantamento com os principais partidos, à direita ou à esquerda, recebeu inicialmente uma voz populista de esquerda nos movimentos Indignados e Ocupar, incorporados no slogan "não nos representam". Isto foi lançado não apenas contra os partidos conservadores ou partidos "socialistas" que estavam no governo mas também contra os partidos de oposição tradicionais, cujas políticas semelhantes àquela o desde o Crash privaram os eleitores de qualquer escolha. 
Mesmo quando a Syriza da Grécia foi eleito com um claro mandato popular para resistir ao pacote da Troika após um pacote de cortes e privatizações, Schäuble insistiu que "as eleições não mudam nada. Existem regras". Em agosto de 2015, apesar de uma clara vitória no referendo, o Syriza se rendeu incondicionalmente.

Na Síria, o ano viu o que começou como uma revolução democrática e se tornou em uma guerra civil transformando o país em um inferno na terra para o seu povo e um poço para as rivalidades das grandes potências imperialistas e regionais: Rússia, EUA e UE em uma primeira categoria e Turquia, Irã e Arábia Saudita na segunda.

2016 começou com a inundação contínua através do Mar Egeu de refugiados das zonas de guerra sírias, afegãs e outras, buscando asilo na Europa. A UE tentou e não conseguiu organizar uma partilha de refugiados. Caiu em meio a uma explosão de racismo anti-imigrante, fomentada pelos meios de comunicação de direita, governos de direita chauvinistas como o da Hungria Viktor Orbán e de países populistas da UE. Esses, liderados pela Hungria construíram cercas fronteiriças cobertas com arame farpado em todo o continente.

A resposta da UE aos números contínuos em busca de asilo, em maio, foi recorrer ao presidente Erdoğan, subornando-o para "fechar a torneira" dos migrantes que cruzam o Egeu. O preço foi o silêncio sobre a repressão de Erdoğan contra dezenas de milhares de seus oponentes após o golpe militar de 12 de setembro abortivo. Isso incluiu tentativas de destruir o partido pró-curdo da esquerda, o HDP, e intensificar a guerra contra os curdos no sudeste do país.

Outro "preço" do golpe para as potências ocidentais foi uma aproximação entre Erdoğan e Putin, que abriu o caminho para a liquidação da resistência em Aleppo, para um cessar-fogo russo-turco e uma conferência de paz. As vítimas de tal acordo reacionário serão, não apenas o restante da resistência síria a Assad, mas os curdos, tanto em Rojava como na Turquia.

Acrescente-se a isto os crimes largamente não comentados sobre a brutal ditadura no Egito, pior do que o de Mubarak, derrubado em 2011, trarão fim a um surto revolucionário regional que começou com tanta esperança na Primavera Árabe.

O novo período também tem afetado os regimes bolivariano, populista e social-democrata da América Latina. Na Argentina e no Brasil, reconhecidamente as partes menos radicais da "Pink Tide", os partidos de direita derrubaram os presidentes Cristina Kirchner e Dilma Rouseff em dezembro de 2015 e maio-agosto de 2016.

Na Venezuela, berço da Revolução Bolivariana, o regime do sucessor de Hugo Chávez, Victor Maduro, está em crise terminal. O modelo do socialismo do século XXI, baseado em grande parte na exportação de matérias-primas, mas não expropriando a classe capitalista ou destruindo seu estado, provou ter apenas vantagens temporárias, dependendo em grande parte das taxas de crescimento insustentáveis ​​de dois dígitos da China. Sua rejeição implícita do socialismo revolucionário do século XX foi agora cruelmente exposta como não sendo uma nova solução para as massas empobrecidas.

Nos EUA, o ano que começou com o otimismo dos acordos de Paris sobre as mudanças climáticas, por mais mínimas que sejam suas provisões, terminou com a eleição de um presidente que encheu sua administração com negadores de mudanças climáticas e executivos de combustíveis fósseis. Mais de um século de imperialismo tem demonstrado a incompatibilidade do desenvolvimento capitalista com a manutenção do ambiente natural de que depende toda a vida. A insaciável busca do capital pelo lucro máximo impulsiona sua exploração, não só trabalhadores, mas também dos recursos naturais, desprezando os efeitos a longo prazo de qualquer um deles.

O impacto catastrófico das alterações climáticas, da desertificação, das inundações e de outros fenômenos meteorológicos extremos, bem como a fome e as epidemias, só podem ser atenuados, e pelo menos invertidos a longo prazo, se o controle sobre a produção for removido das mãos do grande capital, que trouxeram a humanidade à beira do desastre. Somente a revolução socialista permitirá o uso ótimo planejado dos recursos sob o controle da maioria e um equilíbrio do desenvolvimento entre a cidade e o país, não somente em nível nacional mas global.

Donald Trump é um símbolo adequado da nova desordem mundial. Suas ameaças de registro de muçulmanos e prisão e deportação de 3 milhões de "ilegais" irão inflamar as tensões dos EUA com os países islâmicos e latino-americanos, enquanto sua política da Primeira Guerra Mundial ameaça conflitos com outros grandes atores, particularmente a China. Suas políticas comerciais, se seguidas, podem até mesmo levar ao colapso das instituições da globalização pós-1991. O aumento dos gastos com armamento está na agenda de muitos países. Em todos os continentes, país após país é assolado por crises políticas internas e confrontos cada vez mais frequentes entre si.

Cem anos depois de Lênin ter escrito o “Imperialismo, a fase mais elevada do capitalismo”, a precisão de sua descrição como uma época de "luta particularmente intensa pela divisão e redivisão do mundo" é mais clara do que nunca. O surgimento de duas novas potências imperialistas, a Rússia e a China, no novo século já desestabilizou a "nova ordem mundial" anterior estabelecida após o colapso da União Soviética. Para a China, em particular, um maior crescimento irá desafiar o domínio de outras potências em mais e mais regiões do mundo.

No entanto, tudo não está bem dentro da própria China. No final de seus primeiros cinco anos no cargo, Xi Jinping não conseguiu implementar seu programa de submeter a indústria estatal e bancária às "forças de mercado" contra a intransigência de burocratas entrincheirados, temerosos de perder suas posições privilegiadas. Ao mesmo tempo, a burguesia nascente, embora sem liderança política, está buscando seus próprios interesses enviando seu capital para o exterior, enfraquecendo sua moeda, o yuan, no processo. Na corrida até o 19º Congresso do Partido em novembro, podemos esperar um aumento do calor entre as facções quando Xi se prepara para seu segundo mandato.

Durante sua campanha eleitoral, Trump atacou brutalmente as políticas comerciais e monetárias da China. Desde então, seus Tweets que condenam a construção militar da China no Mar da China Meridional continuaram a provocação. O que a China tem que temer do imprevisível Trump é que ele vai cumprir suas promessas de enfrentar a China em matéria comercial e de política monetária. Militando contra isso em curto prazo é a dependência contínua entre as economias chinesa e americana.

A própria afirmação da China de controle das Spratlys, construindo ilhas artificiais capazes de uso militar, causou sérios atritos com a intenção dos EUA de manter sua própria sequência de bases e uma presença naval em uma área onde US$ 5 trilhões do comércio mundial passa por apertados estreitos de imensa importância estratégica. É claro que, nos próximos anos, isso poderia se tornar um barril de pólvora se os EUA e seus aliados procurarem conter a China e a China tentar evitar a ameaça de ser bloqueada em um futuro conflito. Uma corrida de rearme naval já está em andamento com consequências incalculáveis.

A única resposta é resistência internacional dos trabalhadores 
Estes atritos sobre comércio e recursos, juntamente com as guerras regionais sangrentas e prolongadas e novas guerras frias, deve ser um sério aviso para os trabalhadores da Europa, América do Norte, na verdade, de todo o mundo.

A lição a ser tirada da debacle do Syriza no governo, e o avanço paralisado do Podemos, é que o novo partido que a classe operária precisa urgentemente não pode ser nem uma federação da esquerda com uma estratégia reformista parlamentar, nem uma classe populista de todos os tipos aliança. Muito menos pode ser um partido reformado da burguesia imperialista, como os democratas americanos, como Bernie Sanders está defendendo. Mesmo o movimento de Corbyn no Reino Unido falhará se seus líderes fizerem concessões políticas grandes para cohabitar com a direita na "igreja ampla" do Labour Party, esperando uma vitória da eleição em 2020.

O que precisamos são partidos da classe trabalhadora travando uma luta de classes militante diariamente. Esses partidos precisam estar lutando contra os patrões no local de trabalho, nas ruas contra policiais racistas, contra os fascistas, organizando a defesa da classe trabalhadora ou comunidades minoritárias. Nos tempos das eleições, eles precisam lutar independentemente de todos os partidos burgueses e pequenos burgueses. Os seus programas devem basear-se nos objetivos finais e imediatos que a classe operária necessita, não naqueles supostamente atraentes para as classes médias ou para os setores atrasados ​​dos trabalhadores.

Nos muitos países ao redor do mundo com regimes ditatoriais e autoritários eles terão que organizar na ilegalidade para as inevitáveis ​​crises revolucionárias que atingirem esses regimes. Eles precisam ser intransigentes no internacionalismo, no antirracismo e na defesa dos oprimidos. Eles precisam ser claramente socialistas, anticapitalistas e revolucionários em seus objetivos estratégicos.

Embora a fundação de novos partidos operários, quer através de divisões nos atuais partidos reformistas de massas, quer de partidos trabalhistas ou operários, muitas vezes significa uma aliança entre reformistas e revolucionários, os dois programas são, em última instância, incompatíveis e irreconciliáveis. Como Rosa Luxemburgo observou, as duas tendências não são apenas rotas diferentes para o mesmo objetivo, seus dois objetivos são contrapostos.

Quaisquer que sejam as diferenças na gravidade de seu impacto em diferentes países, a crise capitalista é internacional e, portanto, internacional também deve ser a solução da classe operária para ela. A este respeito, os movimentos mais recentes representaram um retrocesso comparado com o internacionalismo dos movimentos anteriores com os seus cercos na cimeira, fóruns sociais e ações internacionalmente coordenadas.

A classe operária grega foi, essencialmente, deixada para lutar por conta própria. Tanto na Síria como na Ucrânia, as ilusões de diferentes fações da esquerda, quer num imperialismo "democrático" da OTAN, quer numa Rússia "anti-imperialista", conduziram à fraca solidariedade internacional com as forças progressistas dos dois países.

Um importante primeiro passo seria um grande número de combatentes ativos contra a austeridade, o racismo, a guerra e a destruição ambiental a se juntarem nas manifestações contra o G20, que se reúne em Hamburgo em 7 e 8 de Julho de 2017. Um encontro semelhante, O Fórum Social Europeu, em 2002, lançou o maior movimento mundial antiguerra da história.

Essa reunião de organizações e partidos envolvidos ativamente na resistência, mais aqueles de emigrados e grupos de refugiados, poderia elaborar um plano para ações sustentado em escala continental. Esforços similares devem ser feitos em outros continentes, especialmente em países que podem ser arrastados para conflitos uns contra os outros. Se fizermos isso, 2017 pode ser um ano de surpresas desagradáveis ​​para os nossos governantes e um ano digno para comemorar o maior evento na história da libertação humana desde a Revolução Francesa.

Cem anos atrás, no contexto da carnificina no Somme, a supressão das primeiras greves em tempos de guerra na Alemanha e a repressão do Levante de Páscoa na Irlanda, a perspectiva do movimento revolucionário no final de 1916 parecia realmente desoladora. Menos de um ano depois, a Revolução Russa mudou o rumo da história, deu ao movimento socialista um novo modelo de organização política e estabeleceu o primeiro estado operário. Ao entrar em 2017, ela continua a ser a nossa inspiração.

 

 

Tradução Liga Socialista em 24/01/2017