Alemanha: a extrema direita está crescendo - e a resistência?

12/12/2017 23:57

Bruno Tesch, December 4, 2017 Wed, 06/12/2017 - 13:30            -                     

Dez mil manifestantes mobilizaram-se na cidade de Hanôver, no norte de Alemanha, no dia 2 de dezembro, contra a conferência do partido de extrema direita, Alternative für Deutschland -  AfD  (Alternativa para a Alemanha), que conseguiu 12,6% nas eleições de setembro e entrou no parlamento do país pela primeira vez. O AfD também tem assentos em 14 dos 16 parlamentos dos Länder (estados) da Alemanha.

Protestos

Desde o início da manhã, 1.500 manifestantes montaram quatro bloqueios e um quinto foi atacado maciçamente pela polícia, com cassetetes, spray de pimenta e jato d’água. Muitos manifestantes foram feridos, sendo que um teve a perna quebrada. Esta ação direta efetivamente conseguiu impedir o caminho dos 600 delegados para o local, atrasando a abertura da conferência por uma hora. Mas, depois de seu constrangimento sobre os tumultos durante a cimeira do G20 em Hamburgo, os 5.000 policiais estavam melhor preparados. O Zoológico do distrito foi transformado em uma verdadeira fortaleza e o tráfego de trens e ônibus e automóveis no local foram interrompidos.

No caso, os bloqueios foram realizados principalmente por grupos radicais esquerdistas, anti-racistas e anti-capitalistas, bem como por alguns jovens membros do Die Linke (Partido de Esquerda) e os sindicatos. Os membros da ArbeiterInnenmacht, a seção alemã da LFI e a REVOLUTION juntaram-se às ações, bloqueando as ruas em direção ao centro de convenções do AfD. Também nos juntamos na manifestação após os protestos, distribuindo folhetos pedindo uma frente unida contra o racismo. (http://arbeiterinnenmacht.de/2017/11/30/gemeinsam-kaempfen-afd-stoppen/)

Os bloqueios poderiam ter sido mais eficazes se as forças maiores dos sindicatos e dos partidos reformistas se juntassem a eles, mas os organizadores da manifestação principal mudaram a rota da manifestação para longe do local da conferência do AfD. Na verdade, o chefe distrital da confederação sindical, a DGB, Reiner Eifler, até explicou que esperavam "um efeito cascata".

Além dos refugiados, que não formaram um bloqueio distinto, a maior parte da manifestação representava organizações e movimentos de esquerda, incluindo importantes delegações de organizações de migrantes curdos e do Die Linke. Havia muito menos dos sindicatos. Os representantes da Igreja receberam o direito de falar, mas não apareceram na marcha, nem as ONGs.

O rápido aumento do AfD e a quase paralisia dos partidos governamentais "tradicionais", dos Democratas Cristãos/União Social Cristã e dos social-democratas, deixam claro que o padrão de alianças locais, unidas para se oporem a eventos particulares ou incidentes racistas, não é suficiente para lutar contra o racismo ou para defender os interesses mais amplos dos trabalhadores e dos imigrantes.

Dirk Schulze, do sindicato de engenharia, IG-Metall, disse à Neue Presse Hannover: "O AfD é um partido anti-trabalhador. Ele questiona a co-determinação sindical e se pronunciou contra a elevação da idade de aposentadoria e redução pensões ". Muito verdade, mas uma Grande Coalizão entre CDU/CSU e o SPD provavelmente implementará essas medidas!

Se, como parece cada vez mais provável, tal Grande Coalizão toma posse, então o AfD, com 94 deputados, será o principal partido da oposição no Bundestag (parlamento alemão). Certamente, ele usará sua tribuna parlamentar para atrair eleitores desiludidos pelo funcionamento dos serviços sociais e para culpar os imigrantes. Isso será ainda mais perigoso se os sindicatos continuarem a frear a resistência dos trabalhadores, como fizeram no passado, quando o SPD estava no governo, mesmo como parceiro menor em uma coalizão.

Tudo isso mostra a importância não apenas das mobilizações anti-AfD ou Pegida, absolutamente necessárias, mas de uma frente unida da classe trabalhadora contra qualquer governo que ataque as conquistas da classe trabalhadora. A esquerda radical, já na vanguarda de manifestações como em Hamburgo e Hanôver, precisa pressionar muito mais os sindicatos e os partidos reformistas, o SPD, bem como o Partido Esquerda, Die Linke, para uma frente unida de resistência. Somente se houver a alternativa de uma classe poderosa, notoriamente a classe trabalhadora, o pântano do populismo racista e do fascismo possa ser drenado e uma alternativa revolucionária seja oferecida.

Qual direção para o AfD depois de Hanover?

Embora o grande avanço do AfD tenha vindo da reação contra a decisão de Angela Merkel para deixar entrar mais de um milhão de refugiados, principalmente da Síria e outras partes do Oriente Médio, já estava bem a caminho de se estabelecer como um partido de direita antes disso. Em 2013, apenas um ano após a sua fundação, conquistou 4,7%, apenas perdendo o limite de cinco por cento para entrar no parlamento.

No ano seguinte, ganhou 7,1% nas eleições europeias. A partir de 2015, abriu campanha abertamente sobre slogans racistas como "O Islã não pertence à Alemanha", "Pare a islamização!" E "Queremos a nossa terra natal de volta". Exige que as fronteiras externas da UE sejam "completamente fechadas".

O AfD reflete a crise na sociedade burguesa, mas não é um bloco unificado. Após a sua entrada no Bundestag, o congresso em Hanôver foi o fórum no qual resolveram os conflitos entre as correntes e estabeleceram a direção da marcha do partido.

Desde a sua fundação, a liderança do AfD se moveu mais e mais para a direita. Originalmente, o partido era principalmente anti-europeu, com o objetivo de se tornar o partido irmão dos conservadores britânicos. Foi dirigido por Bernd Lucke, professor de economia, e Olaf Henkel, ex-presidente do conselho de industriais alemães. Seu principal objetivo era deixar a UE e a zona do euro, que combinava com uma versão extrema do neoliberalismo.

Desde o início, no entanto, também incluiu uma ala populista nacionalista e de direita, e apelou pelo apoio da direita. Com a chamada "crise de refugiados", a ala direita expulsou os professores e "moderados". Alguns daqueles que iniciaram a remoção da liderança antiga, como Frauke Petry, mais tarde foram vítimas dos elementos crescentes de direita, nacionalistas, völkisch (populistas) e até elementos fascistas atraídos para o partido.

O crescimento da ala direita no próprio AfD, uma aliança entre forças nacionais-conservadoras e extrema direita e até mesmo fascistas, foi revelado nas eleições para os dois presidentes do partido em 2 de dezembro. Enquanto o ex-presidente Jörg Meuthen, supostamente moderado economista foi reeleito, o segundo colocado foi contestado.

O candidato "apenas conservador" e líder do AfD-Berlim, Georg Pazderski, foi desafiado por uma candidata menos conhecida, a direita, Doris Fürstin von Sayn-Wittgenstein. Esta aristocrata ultradireita, que rejeita a colaboração com todos os outros partidos e exige a promoção da "Pátria" em vez do "multiculturalismo", ganhou quase metade dos votos. Ela foi candidata da extrema direita do partido em torno de Björn Höcke, líder do AfD na Thüringia, que colabora estreitamente com organizações como Pegida e "Die Identitären". Ela tornou-se famosa por seu anti-semitismo, marcando o memorial do holocausto em Berlim como um "memorial vergonhoso".

Neste ponto de crise e caos, Alexander Gauland, o líder da facção parlamentar, entrou em cena. Os outros candidatos retiraram-se e ele se tornou presidente do partido, seu verdadeiro líder. Ele pertence à maioria da linha dura. Gauland, um ex-político CDU de longa data, elogiou o exército alemão nas Segunda e Primeira Guerras mundiais. Politicamente, ele representa a tradição nacional-conservadora, claramente preparada para trabalhar em estreita colaboração com aqueles como Höcke e modelar o AfD em torno da estratégia do FPÖ na Áustria.

O conteúdo das políticas do AfD não mudou nos sete meses desde a adoção de seu programa em Colônia. As propostas programáticas das associações dos Länder da Alemanha Oriental, exigindo um perfil mais "social" para o AfD, foram adiadas e transferidas para uma comissão de estratégia. Isso não altera o fato de que a maioria mudou para a direita, já que a ala pro-patrão não tem dificuldade em combinar racismo, retórica anti-establishment e neoliberalismo. Assim, o caminho parece estar aberto aos estrategistas do partido nacionalista de direita, que dependem da mobilização dos elementos reacionários da sociedade.

Atualmente, a maioria do AfD tem o objetivo estratégico de se juntar a um governo de coalizão, mas, como afirma Gauland, apenas em "pé de igualdade", semelhante ao Freedom Party, FPÖ, na Áustria. Se eles entrarem no governo apenas como parceiros pequenos, temem que isso seja desgastante, como os liberais, FDP, há alguns anos atrás. Gauland e seus apoiadores claramente querem seguir o modelo FPÖ. A facção de extrema direita em torno de pessoas como Hans-Thomas Tillschneider só quer entrar no governo se eles tiverem a maioria, seja por eleição ou algum tipo de golpe, eles deixam claro.

Por esta razão, o AfD continuará a avançar para a direita nos próximos meses e anos, dependendo ainda mais do racismo e apelando para a "pátria", o povo (volk) e o solo. Continuará a ser aberto a movimentos de rua como Pegida, ao qual, de qualquer maneira, as portas do partido nunca foram fechadas.

Ao mesmo tempo, no entanto, também funcionará por sua própria "normalização" nos municípios, onde as alianças iniciais com forças burguesas "respeitáveis" são apenas uma questão de tempo e em parlamentos terrestres individuais, onde buscará cooperação com a CDU sobre questões conservadoras de direita "clássicas", como deportações, "combate ao crime" e combate ao "extremismo de esquerda".

Claramente, tudo isso sublinha a necessidade de o movimento de esquerda e trabalhista alemão ir além de um dia de ações contra as convenções da direita. Precisamos de uma frente da classe trabalhadora contra os racistas: uma que defenda todas as comunidades de imigrantes e as conquistas sociais, bem como as organizações da classe trabalhadora.

 

Traduzido por Liga Socialista em 12/12/2017