Ameaça de outra Guerra da Coréia

18/08/2017 19:47

Dave Stockton Sáb, 12/08/2017 - 19:48

O presidente dos EUA, Donald Trump, até agora um fracasso espetacular em suas políticas domésticas, está compensando isso ao exercer seu poder como comandante-chefe da nação mais poderosa do mundo. Tendo lançado 59 mísseis de cruzeiro Tomahawk em uma base aérea síria e matado 39 lutadores do ISIS com a "Mãe de todas as bombas" no Afeganistão em abril, ele agora ameaça a Coréia do Norte com uma guerra devastadora, convencional ou mesmo nuclear.

"A Coréia do Norte não faz mais ameaças aos Estados Unidos", advertiu. "Eles serão respondidos com fogo, fúria e, francamente, poder, como o que este mundo nunca viu antes". Mais tarde, ele falou:

"Minha primeira ordem como presidente era renovar e modernizar nosso arsenal nuclear. Agora é muito mais forte e mais poderoso do que nunca. Esperemos que nunca possamos usar esse poder, mas nunca haverá um tempo em que não seremos a nação mais poderosa do mundo! "

Note que a última frase, não se destina apenas a Pyongyang, mas a Pequim, Moscou e até Berlim. Aqui, Trump está falando para toda a classe dominante dos EUA. O que ele está dizendo em vigor é: "Mesmo que, eventualmente, nos alcance economicamente, ou até nos ultrapasse, nunca deixaremos você pensar em desafiar a nossa hegemonia militar absoluta no mundo". Atrás dessa afirmação reside o reconhecimento que, se alguma vez acontecesse, os EUA poderiam esperar ser despojados e humilhados, assim como despojou e humilhou os antigos poderes imperialistas depois de 1945.

As ameaças repetidas da América têm, tanto quanto mais, a ver com o desenvolvimento da rivalidade estratégica com a China, assim como impedir a Coreia do Norte de adquirir uma arma nuclear. Sob Trump, como sob Obama, os EUA estão ocupados construindo uma rede de proteção sobre os estados menores do Leste e do Sudeste Asiático, como operou desde 1949 na Europa, onde se chama OTAN.

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, James Mattis, que anteriormente havia advertido a Coreia do Norte que enfrentaria o "fim de seu regime e a destruição de seu povo" se atacasse Washington ou seus aliados, disse que a política dos EUA é liderada por um esforço diplomático, sob o secretário de Estado Rex Tillerson e o embaixador da ONU Nikki Haley, que "tem tração diplomática" e está ganhando "resultados diplomáticos". Mattis, apelidado de "Mad Dog", não é claramente o cachorro mais louco dos menus da Casa Branca.

Quaisquer diferenças que possam existir ao longo da retórica, esta é uma continuação da abordagem "cassetete e cenoura" à diplomacia que caracteriza o novo período de rivalidade inter-imperialista, que abriu sob Bush e Obama.

Pyongyang também pode ameaçar. 

Sem dúvida, a Coreia do Norte respondeu com suas próprias ameaças pitorescas. O general Kim Rak Gyom, chefe do Exército Popular da Coreia, respondeu que seu país, nos próximos dias, completaria planos para lançar quatro foguetes Hwasong-12, mísseis de alcance intermediário, que iriam sobre o Japão e depois pousariam no Mar em torno de Guam, "envolvendo" a ilha. Guam é um território não incorporado dos EUA, efetivamente uma colônia, conquistada da Espanha na guerra de 1898. É o lar da base da Força Aérea de Andersen, a Base Naval para a Sétima Frota e Frotas do Pacífico e vários outros ativos militares que, juntos, ocupam 29% da ilha.

Ao mesmo tempo, o Washington Post informou convenientemente que "uma análise previamente secreta da Agência de Inteligência de Defesa" afirma que Pyongyang produziu "uma ogiva miniaturizada que pode caber dentro de um dos mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) que está testando". Se fosse verdade, cruzaria uma das "linhas vermelhas" de Trump que, na sua opinião, pelo menos, justificaria um ataque à Coreia do Norte.

Assim, as ameaças e contra-ameaças dos líderes contêm o potencial muito real de sair do controle e produzir um desastre. Os povos da Coreia do Norte e do Sul, de fato do mundo, têm uma boa causa para estar ansiosa de que o bombardeio e a necessidade subsequente de salvar a imagem de Trump e Kim pudessem conduzir para colocar o outro no teste final.

Kim Jong-un, como seu pai e seu avô, é apresentado na mídia ocidental como um tirano de lata, cuja busca de armas nucleares é evidência de megalomania. Certamente é verdade que o regime é uma ditadura brutal, mas não está sozinho no mundo com essa conta. Longe de ser evidência de insanidade, o desenvolvimento de uma bomba nuclear é uma resposta racional a décadas de hostilidade dos EUA. Para o regime, essa arma e os meios para a sua entrega, oferece a única garantia de sobrevivência.

A notícia oficial de Pyongyang explicou a lógica no ano passado; "A história prova que a poderosa dissuasão nuclear serve como a mais forte espada preciosa para a agressão frustrante de fora. O regime de Saddam Hussein no Iraque e o regime de Gaddafi na Líbia não conseguiram escapar do destino da destruição depois de serem privados dos seus alicerces pelo desenvolvimento nuclear e abandonar os programas nucleares por sua própria iniciativa".

Que Kim e seu regime pretendem continuar com a aquisição do "dissuasor final" é, portanto, inquestionável. Uma vez que eles têm "a bomba", eles talvez calculem que, como acontece com Israel, Paquistão e Índia, as potências imperialistas de todos os lados aceitarão um fato consumado e negociarão algum tipo de "variante" que permita uma desvalorização e uma transferência de recursos escassos para o desenvolvimento econômico. É a rapidez do progresso que eles fizeram nos últimos anos, o que explica a maior ênfase que os EUA, mesmo antes de Trump, colocaram em exigir o fim dessa "provocação".

Claramente, a retórica crescente de Washington e Pyongyang pode ser vista como uma questão de blefe - até mesmo a referência atraente aos mísseis lançados em Guam é realmente muito cuidadosamente redigida: Dependendo do que significa "em torno de Guam", não é literalmente uma ameaça para atacar o território dos EUA. Da mesma forma, Trump e seus conselheiros sabem que no primeiro sinal de um ataque dos EUA, a capital da Coréia do Sul, Seul, passaria por bombardeio de artilharia e bombardeio imediato e que a China, sem dúvida, mobilizaria suas próprias forças. No entanto, os confrontos militares podem desenvolver uma dinâmica própria e, se Trump e seus generais pensarem que foi blefe, suas ameaças podem se transformar em ações, com resultados pouco calculáveis.

Seja qual for a confusão em torno das posições de Pyongyang e Washington, seu confronto tornou uma coisa muito clara: O papel fundamental da China. Tendo sido o principal da Coréia do Norte, às vezes apenas, aliado por décadas, a decisão de Pequim de apoiar a recente imposição de sanções do Conselho de Segurança da ONU ao país veio ser uma surpresa para muitos. Seguiu-se a declaração de Xi Jinping, depois de uma conversa telefônica com Trump, que "a China e os EUA têm um interesse comum em perceber a desnuclearização da península coreana e manter a paz e a estabilidade na península coreana".

Com efeito, este é um reconhecimento de um problema com o qual Washington deve ser familiar, o estado do cliente que decide perseguir seus próprios interesses e não os do seu mestre. Isto e os limites da paciência da China já foram delineados por um editorial no Global Times, que declarou: "A China também deve deixar claro que se a Coreia do Norte lança mísseis que ameaçam o solo dos EUA primeiro e os EUA retaliam, a China permanecerá neutra. Se os EUA e a Coréia do Sul realizam greves e tentando derrubar o regime norte-coreano e mudar o padrão político da península coreana, a China os impedirá de fazê-lo".

Supondo que Pequim sabe que a Coréia do Norte não vai atacar o "solo dos EUA" e que a Coréia do Sul certamente não atacará o Norte, isso é principalmente um aviso para os EUA e, mais uma vez, a picada está na cauda. Que a China poderia agora estar em posição de "impedir que isso acontecesse" foi uma das implicações de um show de força sem precedentes para marcar o 90º aniversário da fundação do Exército de Libertação do Povo no dia 1º de agosto.

Nenhum desses aniversários já foi celebrado antes e, ao contrário dos desfiles tradicionais no dia 1º de maio, isso não foi realizado em Pequim, mas na base de treino de táticas combinadas de Zhurihe Mongólia Interior com as tropas em fardas de combate, e não com uniforme cerimonial. O desfile também mostrou as últimas armas da China, incluindo o J-20 stealth fighter jet e os avançados mísseis de longo alcance DF-31AG. Grande parte deste armamento nunca tinha sido visto em público antes.

Se o PLA é realmente capaz de prevenir um ataque dos Estados Unidos deve ser questionável, apesar do hardware. Este é um exército que na verdade não lutou contra ninguém há décadas e, na última vez que fez, contra o Vietnã em meados da década de 70, conseguiu um nariz sangrento. No entanto, a importância real da posição da China é o objetivo da desnuclearização, o que significaria o desmantelamento do que a Coréia do Norte já alcançou. O que ainda não é claro é se Pequim já decidiu que isso exigirá uma mudança de regime de sua própria criação. O apoio às sanções da ONU, que ainda não inclui energia ou suprimentos alimentares, é, no entanto, uma advertência de que Kim e seu círculo saberão interpretar.

Se essa é a política de longo prazo de Pequim, então o compromisso implícito para remover a "ameaça nuclear" seria a aceitação dos EUA de que a península coreana está agora dentro da esfera de influência da China. Isso, no entanto, é o que todas as administrações dos EUA têm tentado impedir. Para eles, o objetivo estratégico geral é que a Coreia, toda a Coreia, deve ser parte integrante de uma aliança militar para evitar a expansão chinesa.

É este confronto subjacente entre os EUA e a China que é a força motriz por trás da "crise coreana" e o torna o precursor de futuros conflitos que irão moldar o resto do século. Aqui e agora, os socialistas e os trabalhadores e os movimentos de juventude em geral precisam protestar nas ruas contra a ameaça de ataque contra a Coréia do Norte. Uma derrota e humilhação para Trump seria uma vitória para as forças de protesto em todo o mundo, não menos nos próprios Estados Unidos.

Isso não significa que damos qualquer apoio político a Kim Jong-un e ao seu regime, mas a intervenção dos EUA não é projetada para promover a democracia, nem trará a paz e estabilidade aos povos da região. Muito pelo contrário. Por todas estas razões, trabalhamos para a derrota de todas as intervenções dos EUA, tanto durante seu planejamento quanto durante a execução. Ao mesmo tempo, precisamos apoiar os militantes sindicais e os movimentos de juventude na Coréia do Sul, que se opuseram repetidamente às ameaças belicosas de seus próprios governos de direita e dos EUA.

  • Tirem as mãos da Coreia do Norte - que todas as tropas dos EUA, incluindo a Sétima Frota e todas as bases aéreas, saiam da Coreia e de toda a região! 
  • O movimento contra a guerra em todo o mundo deve mobilizar ações de massa nas ruas contra todas as ameaças à Coreia! 
  • Abaixo com o guerreiro da classe dominante, Trump, e sua administração reacionária!

 

Traduzido por Liga Socialista em 18/08/2017