Ataque de mísseis à Síria: Trump brinca com fogo

11/04/2017 22:58

 

O ataque dos EUA a uma base aérea síria perto de Homs marcou uma escalada perigosa e dramática do conflito naquele país. Na noite de 6 a 7 de abril, a Marinha dos EUA lançou até 60 mísseis e danificou gravemente a base aérea.

A ordem de ataque de Trump pegou muitos de surpresa e levantou a preocupação de milhões sobre o que isso significa para o futuro. Durante anos, ele fez campanha veementemente contra o engajamento de Obama com a guerra civil síria e argumentou contra os apelos de Hillary Clinton para uma intervenção direta. Mais recentemente, ele declarou que a remoção do Assad não era mais um objetivo. Este ataque de mísseis marca uma política inteiramente nova, ou é este o caso de um presidente que quer provar que ele pode agir de forma decisiva e rápida depois de tantos fracassos na frente doméstica?

Claramente, Assad, seu regime, seus partidários em Moscou e em Teerã foram preparados para usar qualquer meio bárbaro para perseguir seus próprios objetivos. Assad, seu exército e seus serviços secretos afogaram o povo sírio em sangue, instigando uma guerra civil que causou a morte de centenas de milhares e expulsou milhões de seus lares, tornando-os refugiados em seu próprio país ou no exterior. É altamente provável que fosse Assad e sua força aérea que usassem armas químicas em Khan Sheikhoun, embora por isso eles recorreram a uma ação tão bárbara, quando eles estavam ganhando na guerra civil e quando os EUA aceitaram que Assad iria permanecer no cargo, não está claro. Pode ser que o regime sírio, ou seus apoiadores iranianos, temiam um acordo russo-americano para "pacificar" o país à custa dele. Nos próximos dias ou semanas, esses motivos podem se tornar mais claros.

O que está imediatamente claro, porém, é que a decisão de Trump de bombardear uma base aérea síria não tem nada a ver com "preocupações humanitárias". Se sua preocupação era parar com a morte de pessoas inocentes, por que nenhuma ação contra níveis semelhantes de barbaridade contra o povo do Iêmen pela Arábia Saudita?

Quaisquer que fossem as implicações estratégicas, o bombardeio visava claramente afirmar a presidência de Trump como uma força poderosa e determinada em casa e no exterior. Ao ordenar o ataque aéreo, Trump foi capaz de unir todo o establishment político dos EUA, republicanos e democratas atrás dele. Depois de uma série de derrotas e declínio de popularidade, ele agora está jogando a carta da "unidade nacional".

Assim como o Congresso dos Estados Unidos, todos os aliados da OTAN na Europa apoiaram rapidamente a iniciativa "medida" dos EUA. Não só May ou Netanyahu aplaudiram a resposta rápida, mas também Merkel e Holland emitiram uma declaração conjunta de "compreensão" para o ataque.

Para Trump, também é claramente um aviso ao Irã e à Rússia. Dado que foi ordenado enquanto o presidente da China, Xi Jinping, era um convidado na casa de férias de Trump, também foi um grande desprezo a Pequim, a principal fonte de apoio econômico, militar e diplomático da Coréia do Norte. Mesmo se, como relatado, a Rússia foi advertida do ataque de antemão, o que significa que a Síria também foi avisada, a fim de limitar o efeito do ataque aéreo, no entanto, foi uma demonstração para a administração russa que os EUA estão dispostos a intervir na sua esfera de influência sem demasiada preocupação pelas consequências a longo prazo.

Não está claro se o ataque marca uma mudança estratégica na política dos Estados Unidos sobre a Síria e contra a Rússia, ou se o objetivo de Trump é limitado a uma demonstração de força para garantir um maior envolvimento dos EUA nas negociações sobre a Síria e a reordenação do Oriente Médio. O que é claro, no entanto, e neste aspecto há uma continuidade em sua política, é que ele está preparado para usar medidas drásticas, mudanças rápidas, respostas rápidas, a fim de obter rápidas vantagens táticas e políticas para implementar a sua política "América em primeiro lugar".

Sob a presidência Trump, o imperialismo estadunidense não só se tornou uma força determinada a reafirmar seu domínio global, mas também uma força que é muito menos previsível, o que é provável que faça mudanças rápidas na política e se envolva em ataques e giros rápidos. Trump quer apresentar isso como um sinal de força. Na realidade, é também um sinal de fraqueza e a falta de pensamento estratégico.

Enquanto os comentaristas superficiais vêm isso como resultado de sua personalidade, de uma "escolha errada" nas eleições norte-americanas, isso é, na verdade, um reflexo da crescente instabilidade e da luta cada vez mais nítida para a redistribuição do mundo.

O ataque contra a base aérea da Síria, se ela foi "calculado" para intimidar Assad e Putin a aceitarem mais influência dos EUA na mesa de negociações sobre o futuro do país, ou projetado para forçar a China a pressionar a Coréia do Norte para a submissão, certamente está brincando com fogo. O que pode ser entendido como uma operação "limitada" pode levar a um conflito de agudização não só com o regime sírio, mas também com seus patrocinadores em Moscou e Teerã, ou mesmo com Pequim.

Na própria Síria, não há motivo para torcer. Os líderes da oposição síria são, na melhor das hipóteses, insensatos em aplaudir os ataques aéreos. Alguns podem realmente ser pouco mais do que desesperados EUA-fantoches. Um compromisso mais forte dos EUA não ajudará o povo sírio como um todo, isso para não falar das forças democráticas e da minoria nacional curda. Só garantirá que o futuro da Síria será ainda mais dependente das lutas entre os diferentes imperialistas e as potências regionais reacionárias. No pior dos casos, poderia até transformar uma guerra de representação em um choque global entre as grandes potências.

Portanto, os revolucionários têm de condenar os ataques aéreos, assim como condenam todos os apelos à intervenção imperialista, sejam eles "unilaterais" ou via ONU. Eles precisam exigir a retirada imediata de TODAS as tropas imperialistas: EUA, Rússia ou Europa Ocidental de toda a região e o fim das intervenções das potências regionais: Irã, Estados do Golfo, Turquia, ou seus representantes, na Síria. Eles precisam pedir apoio humanitário imediato ao povo sírio, financiado pelas grandes potências, a abertura das fronteiras para os milhões de refugiados, não só para os estados vizinhos, mas para a União Europeia.

São os trabalhadores e camponeses sírios, e as minorias nacionais como o povo curdo, que precisam conter Assad e o arco de forças reacionárias como o Estado Islâmico, não os imperialistas como Putin ou Trump.

 

 

Artigo do Secretariado Internacional da Liga pela Quinta Internacional Sex, 07/04/2017

Traduzido por Liga Socialista em 11/04/2017