Bolivianos tomam Paulista e pedem justiça

02/07/2013 19:59

 

Rico Rodrigues

1 de Julho 2013

 

Hoje, segunda-feira dia 1 de Julho, cerca de 500 Bolivianos realizaram uma marcha na cidade de São Paulo. Partiram do Brás, pegaram a Consolação para chegar na Paulista, onde se concentraram em frente do Consulado Boliviano, na altura do MASP.

A causa é a morte de Brayan, uma criança de 5 anos, que foi assassinada por bandidos que assaltaram a casa de uma família boliviana. Os manifestantes pedem justiça e segurança ante a justiça brasileira, que não se preocupa com os imigrantes. Também reivindicam ao cônsul, que também não se preocupa com eles, que preste atenção aos problemas da população boliviana no Brasil.

Embora a reivindicação pela justiça é muito ampla e também deixa o espaço aberto para reivindicações falsas e reacionárias – como a redução da maioridade penal -, a organização dos imigrantes para seus direitos é justa e muito importante. A questão da imigração no Brasil cresce em importância. Além das manifestações de Bolivianos, temos também o caso de imigração de Haitianos, sobre tudo no estado de Acre.

O Brasil conseguiu consolidar-se como um poder econômico hegemônico na América Latina. Isso não só significa que uma grande parte do capital da região se concentra aqui, mas também que grandes empresas brasileiras começam mais e mais a explorar os trabalhadores em outros países da região, concentrando o lucro em suas mãos – como, por exemplo, a Petrobras, a Vale e o banco Itaú. Por isso é muito provável que a imigração de Latino-Americanos ao Brasil continuará aumentando, e com isso aumenta-se também a probabilidade de surgirem respostas reacionárias e racistas. Esse perigo é ainda maior agora com a onda de ufanismo que se está desenvolvendo pelo país.

Por isso é necessário que as organizações da classe trabalhadora levem a sério essa questão e apresentem as repostas corretas, para incluir os companheiros e companheiras, trabalhadores imigrantes, na luta e na representação sindical no Brasil. O movimento sindical precisa responder reivindicando e lutando por direitos iguais para todos, se sejam Brasileiros ou não. Os sindicatos precisam começar a sindicalizar estes trabalhadores.

Igualmente os imigrantes, nesse caso os Bolivianos, precisam se organizar para defender seus direitos, e também discutir as suas pautas, não deixando espaço para reivindicações reacionárias. O grito para julgar jovens é compreensível ante um assassinado de uma criança, mas a repressão contra a juventude não resolve esse problema!

 

  • Pela igualdade de direito para todos, Brasileiros e imigrantes!
  • Pelo direito e a possibilidade de organização e sindicalização dos imigrantes, juntos nas organizações da classe trabalhadora!
  • Por um programa de sindicalização de imigrantes pelos sindicatos brasileiros!
  • Contra a repressão! A pauta contra a violência é a educação e a justiça social, acessível a todos e todas!