Cuba: no frio ou no fogo?

02/02/2015 22:11

 

Jeremy Dewar, Workers Power 381 Mon, 26/01/2015 - 13:36

 

"Estes 50 anos têm demonstrado que o isolamento não tem funcionado. É hora de uma nova abordagem."

Com estas palavras, o presidente Barack Obama anunciou em 17 de dezembro o primeiro abrandamento em relação a Cuba desde a revolução de 1959, a expropriação dos capitalistas estrangeiros americanos e outros em 1961 e a condenação da invasão da Baía de Porcos no mesmo ano.

Este foi o culminar de 18 meses de negociações secretas, organizadas pelo Canadá e facilitadas pelo Papa Francisco. O Canadá é um dos maiores parceiros comerciais de Cuba, sendo responsável por 17% das exportações de Cuba, enquanto o Papa é o líder espiritual não só de 10 milhões de católicos de Cuba (60% da população), mas também muitos dos 1,8 milhões de emigrados concentrados em Miami, New York, New Jersey e Califórnia.

Embargo 

No entanto, o regime de sanções dos EUA - o mais extenso da história - continua em vigor. Como os republicanos dominam tanto o Senado quanto a Câmara dos Deputados, e ambos são ferozmente contra qualquer coisa que Obama propõe e estreitamente ligados aos capitalistas cubanos exilados, as sanções não podem ser retiradas em qualquer momento breve. A Lei de Resistência Estrangeira (1962) e as Normas de Controle dos Ativos Cubanos (1963) proibiu todo o comércio com Cuba por empresas e indivíduos norte-americanos, seja com base nos EUA ou não. Transferências de dinheiro privados também foram proibidas, negando o acesso de Cuba a uma moeda forte, enquanto as viagens a Cuba foram proibidas.

O embargo de Cuba a empurrou ainda mais firmemente para os braços da URSS e do seu bloco econômico, Comecon. Em 1965, o Movimento 26 de Julho, que havia liderado uma revolução com um programa burguês pela soberania nacional, sob o capitalismo, fundiu-se com o pequeno Partido Comunista Cubano. Até o final da década, quase toda a economia de Cuba foi nacionalizada e a produção organizada de acordo com um plano burocrático.

O colapso da União Soviética em 1991 tirou o mercado de exportação de Cuba, incluindo a sua tábua de salvação, o comércio de açúcar em troca de petróleo, que respondeu por 73% das exportações de Cuba, que recebia nominalmente cerca de quatro vezes mais pelo açúcar do que o preço do mercado mundial. No entanto, isso não conduziu a uma restauração do capitalismo, como ocorreu na Europa Oriental.

O Imperialismo norte-americano viu sua chance de finalmente derrubar um regime "comunista" apenas a 170 km ao sudeste de seu território. Em 1996, Bill Clinton assinou a lei Helms-Burton. Sua finalidade era literalmente matar Cuba de fome e fazê-la submissa. Cuba tem que importar cerca da metade de sua comida. A lei penalizou empresas estrangeiras que negociam com Cuba e barrou seus funcionários de entrarem nos EUA. Além disso, são banidas das atividades em Wall Street todos que mantém relação com Cuba e os navios que foram a Cuba nos últimos seis meses, forçando as empresas a declarar a natureza de sua atividade na ilha.

O fato de que isso viola abertamente o "direito internacional", tantas vezes citado pelos imperialistas quando está ao seu favor, não contou para nada.

Sobrevivência

Como Cuba sobreviveu a esse isolamento? Sua sobrevivência surpreendeu quase todos os comentaristas, especialmente os logistas Cubanos baseados nos Estados Unidos, que implacavelmente defendem uma política de privatização, o desmantelamento dos mecanismos de planejamento e exposição completa de todas as partes da economia para o mercado. Eles têm consistentemente colocado a culpa de tudo na teimosia do "maldoso" Fidel Castro.

Certamente, o colapso econômico no início de 1990 era grave. Mais que 80% do comércio exterior foi perdido. As importações caíram de US $ 8 bilhões para US $ 2 bilhões em três anos. O PIB caiu 31,6% entre 1989 e 1993. A produção de açúcar, dependente das exportações para o bloco soviético, diminuiu cerca de 60% entre 1989 e 1995. Mesmo em 2000, a sua saída era apenas a metade do seu valor de 1989.

Além da repressão política, que, por exemplo, proíbe a crítica pública do programa econômico do regime, é, sem dúvida, a manutenção do apoio de massa, que fez esta sobrevivência possível. Embora houve protestos e confrontos com a polícia em Havana, em 1994, ainda não surgiu nenhum movimento de massas contra o regime.

O governo convocou a massa escassa de tudo, incluindo do abastecimento de alimentos, no "período especial". O abastecimento de energia em colapso com as importações soviéticas de petróleo que secaram. As coisas recuperaram apenas ligeiramente quando a Venezuela, sob Hugo Chávez, concedeu exportações de petróleo em condições favoráveis, a partir de 2000.

O regime começou reformas econômicas menores. Em 1993, o uso de moeda forte e a transferência de dólares norte-americanos no exterior foram legalizadas. As fazendas estatais foram convertidas em cooperativas, mercados de agricultores foram liberalizados e um setor privado limitado foi introduzido. O investimento estrangeiro, na forma de empreendimento conjunto com o Estado, também foram incentivados, especialmente no turismo, que era para substituir o açúcar como o principal setor econômico.

Paralelo a isso, o governo começou a reduzir o setor estatal. De 1989 a 1998, a proporção de trabalhadores empregados pelo Estado caiu de cerca de 95 para 79%. Muitos acabaram no setor informal, que foi gradualmente legalizado.

As reformas tiveram seu preço, pago pela classe trabalhadora. Reais despesas sociais per capita diminuíram 78%. Uma sociedade de duas classes emergiu gradualmente: os que tinham acesso ao dólar, principalmente no turismo, e aqueles que não o fizeram.

Com dólares, os cubanos poderiam comprar bens de consumo escassos que não se encontram disponíveis. Os trabalhadores qualificados, médicos, professores e mecânicos, abandonaram seus postos de trabalho e começaram a trabalhar como motoristas de funcionários do hotel ou de táxi. Hotéis e resorts se tornaram zonas privilegiadas, que os cubanos comuns não podem entrar. Prostituição, enormemente reduzida após a revolução, começou a florescer novamente, junto com o mercado negro.

Em 2000, havia 400 empreendimentos conjuntos, com investimentos estrangeiros estimados em mais de US $ 2 bilhões, sendo as forças militares cubanas detentora das ações mais importantes. Em 1999, Carlos Lage, vice-presidente do Conselho de Estado de Cuba e membro do Bureau político, explicou sua estratégia econômica: "Todas as passadas e futuras mudanças serão realizadas dentro de nosso sistema socialista".

Mas ele continuou: "A propósito, Cuba oferece condições para os investidores que eles não encontram na maioria dos países do Terceiro Mundo: a segurança, a estabilidade e uma população com um elevado nível de saúde e educação;  uma economia que encontrou o seu próprio caminho e crescimento contínuo, um país sem corrupção, sem drogas e sem crime organizado."

A burocracia cubana estava tentando tirar um curso semelhante ao da China. Mas a própria burocracia não é um bloco monolítico. As elites partidárias tradicionais vêem as reformas do mercado como um mal necessário, e quer manter o controle estatal e o planejamento burocrático. Outra tendência vê cada vez mais as reformas de mercado como um desejável caminho a seguir e está ansiosa para expandi-las.

Em cada ponto de viragem, em 1991, 2001 e 2011, o regime conduziu "consultas" em massa e não apenas dentro do partido, mas também à população em geral. Às vezes, tem até alterado seus planos à luz da crítica.

O jornal oficial do partido juventude, Juventude Rebelde declarou mesmo (com razão) que o planejamento burocrático e a falta de democracia dos trabalhadores são os principais problemas de Cuba: "O socialismo só é possível com transparência, democracia e existência de um real controle dos trabalhadores". No entanto, seu significado é limitado, porque ele não reflete os interesses materiais de qualquer facção da burocracia dirigente.

Vida após Fidel 

No final de 2007, com 81 anos Fidel Castro renunciou a todos os seus cargos no estado, devido a problemas de saúde. Em fevereiro de 2008, a Assembleia Nacional elegeu o sucessor designado de Fidel como o novo chefe de Estado: o seu irmão mais novo, Raúl Castro, um linha-dura stalinista conhecido como o "punho da Revolução". Ele se encaixa para que a reputação e a natureza do stalinismo que é agora, sob seu governo, que se move para restaurar o capitalismo avançando ainda mais.

Em setembro de 2010, o governo anunciou a demissão de meio milhão de trabalhadores do setor Estatal, cerca de 10% da força de trabalho de Cuba, enquanto outro meio milhão será demitido nos próximos anos. O auto-emprego foi ampliado para 178 atividades, créditos financeiros foram introduzidos para novos empresários e as licenças foram emitidas para 250 mil freelancers econômicos. A agricultura no setor privado, que já representa 71% da produção, também foi aumentada.

Até o final de 2015, 1,8 milhões de trabalhadores vão trabalhar no setor privado, elevando-se de 5 para 45% do PIB. Raúl Castro explicou esta nova política com as palavras: "Temos que apagar para sempre a noção de que Cuba é o único país do mundo onde se pode viver sem trabalhar".
Em janeiro de 2014, primeira zona de livre comércio de Cuba no novo porto de El Mariel foi inaugurada por Raúl Castro, juntamente com a presidente do Brasil, Dilma Rousseff. O governo do Brasil financiou 75% do porto, construído sob o controle da construtora multinacional brasileira Odebrecht.

Dois meses depois, a Assembleia Nacional aprovou uma lei abrindo todos os setores para o investimento estrangeiro, com exceção da saúde, educação e imprensa. Ela garante isenções fiscais por oito anos e proteção de bens e lucros. A convertibilidade da moeda entre o dólar e o peso também está programada para acontecer.

É por isso que a pressão sobre os EUA para mudar o curso tem aumentado, e porque os poucos políticos cubanos republicanos exilados perderam a influência. Empresas norte-americanas estão sendo convidadas para realizar seus lucros na ilha. A verdadeira razão para o embargo está sendo enfraquecida.

Como Julia E. Sweig, diretora de Estudos Latino-americanos no Conselho de Relações Exteriores colocou: "Você vê que não são "jogadores" chegando da Venezuela, mais proeminente do Brasil, China, alguns da Rússia, um pouco do México. A Europa agora está envolvida em um diálogo político profundo, que vai resultar em mais investimentos de seus países-membros, e eu acho que Cuba tem uma espécie de uma fatia reservada dessa carteira para os Estados Unidos".

A revolução política 

No entanto, ele não pode ir por esse caminho. Muito frequentemente a revolução cubana foi escrita de fora e o retorno do capitalismo é anunciado como apenas uma questão de tempo. A classe trabalhadora cubana é altamente politizada. Porque o regime nunca poderia realmente se defender militarmente; mesmo na crise da Baía dos Porcos que teve de armar e mobilizar 100 mil voluntários, o Partido Comunista Cubano assenta muito mais apoio popular do que outros regimes stalinistas pós-capitalistas.

Trabalhadores cubanos e os jovens têm todos os motivos para recear qualquer reaproximação com os EUA. Não só existe a memória histórica da vida do ex-fantoche dos EUA Fulgencio Batista, mas também 55 anos de invasão e cerco. Este será um obstáculo à capacidade dos EUA de evocar uma "revolução colorida", liderado por seus lacaios, ao longo das linhas da Geórgia, Ucrânia e em outros lugares.

A abertura da economia, por outro lado, vai continuar a fragmentar a burocracia e criar oportunidades para a oposição da classe trabalhadora surgir. É vital que um partido trotskista revolucionário seja formado no próximo período, para defender as conquistas da revolução cubana. Estas não são poucas, com uma taxa de mortalidade infantil menor do que os EUA e maior expectativa de vida do que qualquer país latino-americano. Mas, para isso, ele também terá que destruir o aparato burocrático que, finalmente, só pode levar o país de volta à exploração capitalista.

 

 

 

Traduzido por Liga Socialista, Brasil, 02/02/2015.