Dólares e Caças F15: como o Ocidente pretende conquistar Ucrânia

13/04/2014 11:58

KD Tait Sat, 2014/05/04 – Tradução Eloy Nogueira

 

Um pacote de austeridade, para a "prevenção de catástrofe financeira", aprovado pelo parlamento ucraniano, Verkhovna Rada, em 29 de março , corre o risco de libertar o povo da Ucrânia com firmeza no arrocho do imperialismo ocidental.

A lei, aprovada por um parlamento expurgado de partidários do ex-presidente Yanukovych , confirma que a questão decisiva que caracteriza a luta recente pelo poder era se a Ucrânia seria subordinada à exploração imperialista da Rússia ou ao bloco EU/EUA e aos seus instrumentos, o Banco Mundial e o FMI.

A guerra já foi declarada. Ainda não uma guerra travada com balas e bombas, mas uma guerra econômica com bilionárias batalhas pelo controle de vastos recursos naturais e humanos da Ucrânia. Tal como acontece com todas as guerras, serão os pobres e os oprimidos, a classe trabalhadora, que terão seus postos de trabalho, condições de vida e esperanças para um futuro melhor sacrificados no altar do capital financeiro.

"Bem-vindo ao inferno"

Quando o novo presidente Arseniy Yatsenyuk, o candidato escolhido a dedo por Victoria Nuland, a secretária de Barack Obama para os Assuntos Europeus e da Eurásia, tomou o poder em fevereiro, ele admitiu seriam necessárias "medidas extremamente impopulares" para restaurar a estabilidade econômica.

Ele disse: "Estamos à beira de um desastre e este é o governo de suicídios políticos. Então , bem-vindo ao inferno. "

Agora ucranianos, incluindo aqueles ingênuos o suficiente para pensar que a vitória do movimento Maidan levaria a prosperidade e democracia, podem ver o que ele quis dizer. As medidas atingem uma série padrão de "reformas" neoliberais em troca de bilhões de dólares em empréstimos, não para ser gasto com o bem-estar das pessoas, mas para fazer o pagamento da dívida aos bancos internacionais e bilionários.

O Ministério das Finanças da Ucrânia diz que precisa de 35 bilhões de dólares ao longo dos próximos dois anos para evitar a inadimplência. O ministro das Finanças é Oleksandr Shlapak, um ex-banqueiro e um representante do segundo mais rico oligarca da Ucrânia, Ihor Kolomoisky, que dirige o seu império de negócios da Suíça. O novo governo é apoiado por muitos dos bilionários mais ricos da Ucrânia que têm sido impostos como governadores de importantes cidades no Leste, cujas populações se opuseram ao Maidan "revolução".

Muitos desses oligarcas anteriormente apoiavam Yanukovich. Eles se juntaram ao novo governo para proteger os impérios econômicos que ganharam por fraude e roubo, após o colapso da URSS.

O novo governo é dominado por uma quadrilha de bilionários com nenhum outro interesse do que defender o seu direito de saquear a economia nacional. Eles vão usar a sua influência para resistir vigorosamente a qualquer tentativa de desafiar o monopólio do poder político e econômico que eles têm desfrutado por duas décadas. A ideia de que eles representam de alguma forma um triunfo na batalha contra a corrupção é uma piada de mau gosto.

Os cortes já descritos são apenas a primeira onda de punições em um programa de austeridade projetado pelo FMI. Eles vão cair quase inteiramente nas costas de classe operária da Ucrânia, que é em si desproporcionalmente concentrada na industrializada região russófono leste.

Os preços do gás vão subir 50%; outras utilidades em 40% depois que o FMI insistiu que o preço pago pelo consumidor pela energia deve incluir uma margem saudável de lucro.

Impostos especiais de consumo sobem como um foguete a 39% sobre o álcool , 31,5% sobre o tabaco e 42,5% sobre a cerveja, aumentando o caráter já regressivo da tributação e, portanto, privilegiando ainda mais o rico.

Quase 80 mil pessoas serão demitidas do Ministério da Administração Interna, o Serviço de Segurança, o Gabinete da Guarda do Estado, gabinete do promotor. Dado o anúncio de uma "guarda nacional" voluntária é claro que estes cortes vão remover o aparelho do Estado daqueles que não suportam a "revolução" e abrir caminho para os fascistas e nacionalistas radicais que fizeram.

A economia tem previsão de contração de 3%, enquanto a inflação vai subir 14%. O salário mínimo não vai subir com a inflação, o que significa, efetivamente, uma redução salarial de 14% em um país com um dos mais baixos salários da Europa.

Em troca, o FMI vai fornecer à Ucrânia entre US $ 14 e U$ 18 bilhões em empréstimos ao longo dos próximos dois anos. O Banco Mundial está considerando fornecer entre U$ 1 e U$ 3 bilhões. Outros US $ 10 bilhões em empréstimos virão a partir da "comunidade internacional" (as grandes potências imperialistas ocidentais) sendo que os EUA já “doou” US $ 1 bilhão em garantias de empréstimos. Isso equivale a quase o pagamento da dívida da Ucrânia. A rebatida do capital financeiro internacional significa que os governos imperialistas ocidentais irão pedir dinheiro emprestado aos bancos para emprestar para a Ucrânia, para cobrir as suas dívidas com os mesmos bancos.

Tudo isso é apenas a ponta fina da cunha. Em maio, os oligarcas Maidan têm que ganhar uma eleição. A escala completa do "inferno" que eles e seus mestres ocidentais estão preparando não será revelada até então. As consequências de tomar "remédio" do FMI pode ser visto na Grécia, onde resgates do FMI foram garantidos, acabando com pensões, saqueando centenas de milhares de trabalhadores, fechando escolas e hospitais e dirigindo milhões de gregos comuns na pobreza.

A força motriz para subordinar Ucrânia ao ditado do FMI é a necessidade de monopolizar o acesso à sua mão de obra barata e os recursos naturais, a fim de aumentar as taxas de lucro estagnadas nos “corações” imperialistas. O objetivo é garantir a integração da Ucrânia como uma semi-colônia dentro da órbita da exploração dos imperialistas ocidentais.

F15s e canhoneira diplomática

Dado o nível de integração da economia do leste da Ucrânia com a da Rússia, a revolução neoliberal iminente diminuirá drasticamente a influência russa e perturbará um setor crítico do comércio exterior imperialista russo e de investimento. A capital russa não vai se render facilmente seu acesso, quase um monopólio, para o leste maciço da Ucrânia, relativa e economicamente improdutivo, mineração e fabricação complexa. Isto para não falar nada da resposta da classe trabalhadora cuja subsistência depende desses setores.

Consequentemente, a "terapia de choque" planejada para a Ucrânia exige a ameaça da força para sustentar e protegê-la de seus adversários internos e externos. Daí a recente campanha da mídia sobre a Crimeia e a suposta ameaça iminente de uma invasão russa da Ucrânia Oriental. Mais importante ainda, os avanços ocidentais na frente econômica terem sido acompanhados por um aumento das participações militares.

Grã-Bretanha, França e Estados Unidos enviaram aviões extras para a Polônia e os países bálticos sob a forma de um falso pretexto transparente de que estes membros da OTAN estão de alguma forma ameaçados pela Rússia. Os EUA enviaram um grupo de porta-aviões para o Mediterrâneo e um destróier para o Mar Negro. As forças da OTAN estão atualmente realizando os seus próprios exercícios de guerra na Bulgária. A OTAN e as autoridades georgianas reuniram-se em 02 de abril para discutir um plano de via rápida para os membros da OTAN. Mais provocativo de tudo, a OTAN vai realizar exercícios militares conjuntos em território ucraniano.

Claro, a Rússia é em si uma potência imperialista. Sua ocupação na Chechênia e apoio a Assad na Síria espelha precisamente desrespeito das potências imperialistas ocidentais para a democracia e a vida humana. Mas, em relação aos EUA e UE, é uma potência imperialista muito mais fraca.

No contexto da Ucrânia, no entanto, é uma defensiva contra a tentativa das principais potências da OTAN de estenderem "seu" território. A queixa da Rússia é que o golpe fascista e neoliberal em Kiev, que visa, em última instância a adesão à UE e à OTAN. Termina a neutralidade da Ucrânia pós Guerra Fria e se torna cúmplice do cerco militar da OTAN à Rússia. Embora os socialistas não se preocupem com os protestos cínicos de potências imperialistas, as preocupações da Rússia claramente têm uma base material.

Tanques russos não avançaram através da fronteira da Ucrânia. Não havia paraquedistas ou desembarques de anfíbios. As tropas e base naval de Sebastopol estão lá por um acordo internacional e representam um estratégico trunfo para o imperialismo russo. Portanto, o exército russo mobilizou para garantir a península contra as tentativas do regime nacionalista em Kiev para impor seu domínio.

Esta foi uma ação motivada puramente por interesses militares egoístas, mas, no entanto, uma ação para a qual contou com o apoio da esmagadora maioria da população. Os crimeanianos não queriam que o regime de Kiev impusesse um oligarca como governador da Crimeia, como em Kharkov, Donetsk e outras cidades de oposição ao governo golpista. O regime de Kiev se recusou a reconhecer o primeiro-ministro eleito pelo parlamento da Crimeia, uma vez que é uma prerrogativa do Presidente da Ucrânia.

Por mais imperfeito que fosse o referendo, ninguém desafia seriamente o fato de que ele representa a vontade da maioria do povo crimeaniano. Por outro lado, o expurgo da Verkhovna Rada, o acordo de austeridade construído com o FMI, a integração das milícias fascistas em uma "guarda nacional", estes não tinham qualquer mandato democrático.

Os oligarcas nomeados para governar as cidades orientais proibiram manifestações e encorajaram as gangues fascistas para atirar nos manifestantes. Em Kiev, fascistas patrulham as ruas e atacam os comunistas. No oeste, o Partido Comunista da Ucrânia (KPU) e outros socialistas foram expulsos das ruas.

Quando a eleição vier, em maio, será realizado sob as coronhadas de Svoboda e do Setor de Direita.

O principal inimigo está em casa

Avanço da OTAN para a Europa Oriental e seus exercícios militares na Ásia Central, representa uma continuação de sua finalidade; o alicerce de uma aliança militar entre as potências imperialistas ocidentais que busca conter e flanquear estrategicamente Rússia.

Quando o Pacto de Varsóvia foi dissolvido , após o colapso da União Soviética, as potências da OTAN prometeram que não iriam avançar "uma polegada" para a Europa Oriental . No entanto, como o produtor de cinema Sam Goldwyn disse uma vez: "um contrato verbal não vale o papel em que está escrito".

De acordo com os narizes do tolo Gorbachev, posteriormente, o incompetente bêbado Yeltsin, a OTAN absorveu Polônia, Hungria e República Checa. Apenas Belarus, Ucrânia, Bósnia-Herzegovina, Macedônia, Sérvia, Kosovo, Montenegro e Moldávia permanecem fora da OTAN dos antigos estados do Bloco Oriental. Destes, os estados que compõem a ex-Iugoslávia estão sob a hegemonia da OTAN, Moldova foi subordinado ao Acordo de Associação à UE imperialista e a Ucrânia foi cortejar membros da OTAN durante vários anos.

Claro, os socialistas revolucionários não derramam lágrimas sobre as desventuras de um "grande poder", que não só restaurou o capitalismo, mas tornou-se nesse processo a segunda potência imperialista. Mas, menos ainda podemos tomar pelo valor nominal as alegações dos EUA/UE de serem desinteressados, defendendo a liberdade nacional da Ucrânia, Geórgia, dos Países bálticos ou a Polônia, assimilando-os em seus impérios neoliberais e militares.

A OTAN não está procurando um confronto militar direto com a Rússia. Mas está tentando flexionar sua força militar para forçar Moscou a aceitar a sua expansão, como parte de seu plano para cercar a Rússia com estados potencialmente hostis. Ao longo da última década, isto foi combinado com o "soft power", um processo de fomentação de revoltas de libertação pseudodemocráticas e pseudonacionais (as "revoluções coloridas").

A extensão da força militar dirigida contra a Rússia é simplesmente o aspecto militar da unidade do imperialismo ocidental para negar à Rússia o acesso aos mercados estrangeiros. Acesso privilegiado ao trabalho e matérias-primas nesses mercados só pode vir a ser defendido pela força. A luta pela divisão e redivisão da Europa só pode ser alcançada através do conflito militar direto ou capitulação política. Compromissos instáveis​​, como os assumidos pela Ucrânia, são cada vez mais insustentáveis em um período de aguçamento da rivalidade interimperialista.

Qual é então a tarefa dos socialistas revolucionários na Europa Ocidental e Central e na América do Norte? Ela é a que tem sido por cem anos: para expor e mobilizar contra os projetos de seus próprios governantes. Isso não significa encobrir, e muito menos apoiar, os projetos imperialistas de inimigos desses governantes. A repressão da Rússia, da Chechênia para a Síria, merece a exposição mais severa e condenação. Assim, também, do regime de Putin, que persegue seus opositores políticos e as pessoas LGBT.

No entanto, a afirmação de Karl Liebknecht e de Rosa Luxemburgo "o inimigo principal está em seu próprio país" se aplica literalmente neste caso, onde temos um bilionário programa de propaganda da mídia e do Estado para a revolução Maidan, a menos genuína e menos democrática de todas as revoluções coloridas .

O cerco da Rússia pela OTAN é uma estratégia de agressão militar hostil. Da mesma forma, as sanções econômicas, boicotes e bloqueios são um ato de guerra econômica. A escalada de tais medidas cria a perspectiva de uma nova guerra fria, outra desculpa para o aumento da despesa militar, o perigo de guerras por procuração entre os aliados ocidentais e russos e, em última instância, a própria guerra interimperialista.

Nossos aliados nesta luta são as pessoas que sentem o cerco imperialista apertando ao redor de seus pescoços, a classe trabalhadora da Ucrânia. No Oriente e no Ocidente da mesma forma, eles vão estar na ponta da austeridade do FMI; eles vão povoar o inferno que Yatsenyuk e seus pretorianos fascistas irão desencadear.

Nos potências imperialistas ocidentais, os revolucionários devem lutar por uma resposta da classe trabalhadora, que visa parar a máquina de guerra de seus próprios governantes e condenar todos os regimes imperialistas, democráticos ou não. Devemos fazer isso em conjunto com a classe operária da Rússia em sua luta para parar de intervenções militares de Putin e acabar com a intimidação econômica dos vizinhos da Rússia. Juntos, uma luta internacionalista da classe trabalhadora é necessária para apoiar os trabalhadores na Ucrânia lutando para resistir à austeridade, rejeitar o regime fantoche imperialista e permitir à classe trabalhadora da Ucrânia determinar o seu futuro por si mesma.

Qualquer tentativa de dividir a Ucrânia entre a Rússia e o Ocidente deve ter uma oposição tão forte quanto a tentativa de aproveitá-la em sua totalidade para o Ocidente. É, no entanto, claro que uma Ucrânia unida, democrática e independente é impossível sem uma luta para desapropriar a ditadura política e econômica das elites dominantes e, para que o poder seja tomado exclusivamente pela classe trabalhadora, que vai usá-lo em seus próprios interesses.

Os trabalhadores da Ucrânia, acossados por inimigos imperialistas do exterior e internamente por inimigos fascistas e nacionalistas, não podem ter sucesso na construção de um país onde o poder está nas mãos de pessoas comuns, onde a economia é executada no interesse de muitos, não poucos, sem o apoio de seus irmãos e irmãs na Europa. Em nível europeu a luta pela autodeterminação da classe trabalhadora da Ucrânia será uma derrota para o imperialismo e abre o caminho da luta para uma Europa dos trabalhadores, uma Europa baseada na livre associação dos estados socialistas independentes. É por isso que estamos lutando.