Eleição alemã: outro governo Merkel em perspectiva

26/09/2017 20:17

(Martin Suchanek Qua, 20/09/2017 - 08:56)     -       

 

Mesmo antes das eleições gerais da Alemanha em 24 de setembro, o resultado já parece certo. O partido conservador, os democratas-cristãos de Angela Merkel, a União Democrata Cristã (CDU) e sua ramificação bávara, União Social Cristã (CSU), serão novamente o partido mais forte do parlamento. Em comparação com 2013, pode haver uma perda de talvez 5%, mas essa foi uma vitória esmagadora em que o partido ganhou 7,7% em seu recorde anterior.

Dada a turbulência política que a Alemanha viu nos últimos dois anos, a crise política da União Europeia e o aumento das tensões com os EUA sob Trump, essa estabilidade é bastante notável. Na verdade, na época em que líderes e partidos políticos de longa data em muitos países foram derrotados ou destruídos, é praticamente único.

Merkel

Claro que parte da razão dessa estabilidade é econômica. Embora tenha sofrido uma série de contratempos nas suas tentativas de reorganizar a Europa, ou seja, a União Europeia, sob a sua hegemonia, e as tensões com os EUA se tornaram mais abertas, o imperialismo alemão conseguiu usar o seu domínio na UE e a zona do euro para que outros paguem pela crise. Não só manteve suas exportações industriais, mas aumentou-as.

Isso permitiu certo grau de estabilidade socioeconômica interna e a integração contínua das seções centrais da classe trabalhadora industrial e dos trabalhadores qualificados em serviços e no setor público. As taxas de desemprego diminuíram desde que a recessão global e os salários dos trabalhadores nas indústrias de exportação realmente aumentaram nos últimos anos. Embora esses aumentos não tenham sido amplos, e tenham sido concedidos em vez de conquistados por luta, eles levaram a um fortalecimento da colaboração de classe e corporativismo nos grandes multinacionais.

Onde as rodadas nacionais foram acompanhadas por uma ação industrial, isso foi controlado e estritamente confinado a mobilizações, em grande parte "rituais" organizadas pelo aparelho sindical. A Grande Coalizão entre a CDU e os socialdemocratas (SPD), era uma expressão política disso e a força do capital alemão, incluindo os superlucros obtidos do mundo semicolonial, era a base material para essa colaboração de classe.

Claro, o SPD pode acabar sofrendo o dano colateral político de sua própria política. Em 2013, teve um resultado desastroso com apenas 25,7%. Embora seja o novo líder, o ex-chefe do parlamento da UE, Martin Schulz, ainda afirma estar lutando para ser chanceler em um governo liderado pelo SPD, é quase certo que o partido perderá mesmo em relação a 2013. As pesquisas de opinião sugerem apenas 21 a 23 por cento dos votos. Schulz tentou inicialmente, com algum sucesso, apresentar-se como mais à esquerda, com ênfase na "justiça social", mas isso foi ofuscado pelo registro do governo do SPD.

Além disso, suas próprias promessas pareciam bastante suspeitas quando ele começou a "atacar" Merkel pela direita sobre a questão da imigração e então descartou qualquer coalizão com o Left Party (Partido Esquerda). Em vez disso, ele ofereceu uma coalizão com o Partido Verde e o FDP (neo) liberal como sua alternativa governamental a uma Grande Coalizão renovada. Não é de admirar que a campanha do SPD não só carece de credibilidade, mas também parece bastante surreal.

Mesmo assim, seria errado sugerir que Merkel e a CDU se beneficiaram apenas da fraqueza e da desilusão dos adeptos da classe trabalhadora no SPD. Ela também ganhou a partir da instabilidade global, o surgimento das forças da direita e populistas na Europa e em outros lugares e, talvez o mais importante, dos aspectos irracionais e ameaçadores de Trump e seu gabinete. Neste contexto de aventureirismo e populismo, ela se apresenta como uma força para a estabilidade em um mundo cada vez mais instável. Juntamente com Macron e o governo francês, ela promete estabilizar a UE e aumentar o papel da Europa, isto é, do imperialismo alemão no mundo.

Isso permitiu-lhe reestabilizar a CDU/CSU e consolidar seu domínio do campo conservador. No entanto, como ficou claro na chamada "crise de refugiados", sua liderança foi desafiada do direito, não apenas na União Europeia, pelos governos da Hungria ou mesmo da Áustria, mas em casa pelo surgimento de uma extrema direita, partido racista, a Alternative for Germany, AfD, atualmente com cerca de 10% nas pesquisas. Isso ainda é muito menor que o Front National na França ou o Freedom Party na Áustria, mas mostra que houve uma importante mudança de direita nas seções da população alemã. É mais marcado entre as partes da pequena burguesia e dos estratos médios, mas também a aristocracia trabalhista e as camadas desiludidas e desmoralizadas dos desempregados ou da classe trabalhadora pouco remunerada e precária.

Claramente, no momento, o AfD não é uma opção governamental para a classe dominante alemã, porque rejeita o projeto de unificação de capitalismo europeu e quer se livrar do Euro, que é um ganho histórico da burguesia alemã. No entanto, se a colaboração planejada entre a Alemanha e a França não superar a crise contínua da UE, mesmo as seções do capital financeiro alemão poderiam se voltar para uma estratégia muito diferente. Tal mudança poderia abrir o caminho para a entrada do AfD em um governo liderado pela CDU sem Merkel, mas isso claramente não está nas cartas em 2017. No entanto, não deve ser esquecido que, no ponto alto da "crise de refugiados" Merkel enfrentou uma enorme oposição de direita dentro de seu próprio partido, particularmente de sua ala bávara, a CSU.

Por enquanto, no entanto, Merkel se restabeleceu como líder incontestável dos conservadores. Seu partido estará na posição confortável de escolher entre três possíveis parceiros da coalizão. Em primeiro lugar, poderia continuar a Grande Coalizão com o SPD. Claramente, isso permitiria que ela dominasse e silenciasse os sindicatos, em caso de recessão econômica e aumento das tensões sociais. No entanto, entrar em uma coalizão novamente, como um parceiro ainda mais fraco, poderia ser politicamente suicida para o SPD. Como demonstra a política da Agenda 2010, do Blairismo no Reino Unido ou de Hollande na França, isso não pode ser descartado, particularmente porque não existe no horizonte um reformista de esquerda como Jeremy Corbyn em um partido que tem sido fortemente ligado ao imperialismo alemão por décadas.

As outras opções para a CDU são o Partido Verde e o Partido Democrático Alemão (FDP). Muitos na CDU prefeririam uma coalizão com o FDP, o mais neoliberal e pró mercado livre, de todos os partidos alemães. Nas últimas eleições, não conseguiu passar o limiar de 5%, mas, com 10% nas pesquisas, agora é provável que volte a entrar no parlamento. Para a burguesia alemã, o FPD ainda pode desempenhar uma função útil, garantindo que um governo não "esqueça" evidentemente os interesses econômicos mais abertos. Uma vez que, apesar da aparência estável da política alemã, os últimos anos viram um movimento para a direita, uma coalizão entre FDP e CDU poderia ganhar uma maioria absoluta, mesmo que o AfD ganhasse em torno de 10%.

O terceiro concorrente do governo com os conservadores é o Partido Verde. Já em coligação com o SPD sob Schröder, este partido provou sem qualquer dúvida que pode ser "confiável" para servir à classe dominante. Hoje, os Verdes se mudaram para a direita e estão fazendo uma campanha aberta para uma coalizão com a CDU.

Os ataques do próximo governo

Então, Merkel tem muitos parceiros potenciais para o seu quarto mandato e uma série de aspectos-chave da política do próximo governo já são claros e mais ou menos incontestáveis ​​para todos eles.

A primeira e mais importante tarefa é enfrentar a crise da UE. Juntamente com o governo francês sob Macron, o objetivo será fazer outro impulso para a unificação capitalista sob o domínio alemão. A este respeito, a Brexit, que de outra forma é uma compensação para a UE, pode se tornar uma vantagem, uma vez que remove o obstáculo mais sério para uma unidade política e militar mais forte. Também é claro que, ao contrário de Juncker, que em breve chegará ao fim do seu mandato como chefe da Comissão Europeia, os estrategistas "pró-europeus" alemães e franceses defenderão uma "Europa de duas velocidades" para integrar o núcleo da UE, mantendo os países mais fracos e "mais lentos" na sua periferia. Isso também poderia ser usado para disciplinar uma série de países "desobedientes" da Europa Oriental.

Em segundo lugar, o próximo governo combinará isso com uma política racista de vedação da Europa. Tal como acontece com o acordo com a Turquia, a UE está estabelecendo centros na África para o processamento de "migração selecionada" tanto dos estados do Mediterrâneo como de países como o Sudão, a fim de impedir que os "migrantes descontrolados" cheguem à UE.

Isto será combinado com um impulso para o fortalecimento do "papel e responsabilidade globais da Europa", codificando para uma maior intervenção estrangeira, não só na frente político-diplomática e econômica, mas também militar. Portanto, o governo alemão aumentará suas despesas com armas. Utilizará o "unilateralismo" de Trump, e sua posição "anti-europeia", para justificar o aumento do militarismo europeu/alemão. Os planos para um "exército europeu", em estreita colaboração militar, também foram revividos à luz do Brexit.

O outro aspecto disso será o aperto da segurança interna e das leis "antiterroristas", uma colaboração mais estreita entre os serviços secretos e policiais dos estados europeus e a redução dos direitos democráticos. Tal política irá inevitavelmente acompanhar o nacionalismo "democrático", embora uma versão "europeia", com o racismo continuado contra os muçulmanos alimentando constantemente o racismo e o chauvinismo. Como podemos ver na França com o prolongamento permanente do estado de emergência e as primeiras frases duras contra ativistas anti-G20, essa política de "lei e ordem" também será dirigida contra a esquerda e o movimento trabalhista.

Além disso, haverá também uma série de sérios ataques sociais e econômicos na própria classe trabalhadora. Em primeiro lugar, o próximo governo liderado pela CDU rejeitará quaisquer medidas sérias que possam reduzir as divisões crescentes dentro da classe trabalhadora alemã. Na última década, quase metade da classe trabalhadora alemã, muitas mulheres, jovens e oprimidas racialmente, foram forçadas nas chamadas "relações de trabalho atípicas". Atualmente, há cerca de 18,5 milhões de trabalhadores com baixa renda com empregos inseguros e precários, não abrangidos por acordos coletivos, de uma força de trabalho total de 42,5 milhões. Além disso, existem milhões de desempregados, trabalhadores de baixa remuneração e pensionistas que vivem abaixo da linha de pobreza, e seus números estão aumentando.

O último governo introduziu um salário mínimo de € 8,50 por hora, não o suficiente para um padrão de vida aceitável ou para uma pensão decente, mas mesmo essa leve reforma foi diluída com "exceções". É esta seção da classe trabalhadora, que não é organizada e é mais ou menos negligenciada abertamente pelos líderes sindicais, que será mais atingida por novos ataques à segurança social, pelas privatizações e pelo aumento dos preços da habitação. No entanto, como pode ser visto a partir da crise atingindo a indústria automobilística, os empregos dos trabalhadores industriais bem remunerados também podem estar sob ameaça.

Há, no entanto, dois fatores que poderiam realmente prejudicar o próximo governo alemão. O primeiro deles é a crise da UE em curso e a perspectiva de aumentar a instabilidade política em escala global, o segundo é a possibilidade de uma grande recessão econômica ou crise cíclica atingindo o capital da Alemanha em grande escala.

Revolucionários e as eleições

Para revolucionários e ativistas da classe trabalhadora e dos movimentos sociais, surge a questão, como usar as eleições e as campanhas eleitorais para preparar a resistência contra os ataques do próximo governo Merkel.

O SPD, o partido social-democrata "tradicional" e os líderes sindicais que representa, estão fortemente ligados ao imperialismo alemão. Se eles acabam em uma coalizão ou em "oposição" no próximo parlamento, perderão as eleições porque se amarraram a Merkel, ao capital alemão e seu projeto "europeu" quase sem reservas. Embora seja um partido operário burguês, isto é, um partido que defende firmemente o sistema burguês, e apesar de que esteja organicamente ligado à classe trabalhadora, o Gruppe ArbeiterInnenmacht, seção alemã da LFI (Liga pela Quinta Internacional), não pedirá voto para ele.

Em vez disso, pedimos um voto para Left Party. Claro, esse partido também é, sem dúvida, reformista. É um partido operário burguês como o SPD. Difere do SPD, no entanto, porque representa aqueles trabalhadores, jovens, imigrantes (se tiverem direito a voto) que querem lutar contra qualquer continuidade da política da Grande Coalizão. O Left Party é o único partido que rejeita as intervenções militares e a OTAN ou, de fato, uma aliança militar europeia. Rejeita a militarização e o aumento das despesas de armamento. Rejeita a austeridade, privatização e cortes sociais. Rejeita os acordos racistas com a Turquia e o policiamento do Mediterrâneo.

É claro que isso acontece com base em um programa de reforma social, ao invés da revolução socialista, e apresenta muitas utopias sobre uma "Europa pacífica, social, democrática, ecológica ..." sem desafiar a propriedade privada e o Estado burguês aparelho. Onde governa a nível regional, em Berlim, Brandemburgo e Turíngia, demonstrou o caráter burguês de seu programa e política na prática.

No entanto, milhões de trabalhadores alemães votarão por isso, mesmo que tenham dúvidas sobre suas credenciais. Eles vão fazer isso porque, nesta eleição, é o único partido que entrará no parlamento, com uma estimativa de 8 a 10 por cento, para o qual uma votação representa uma rejeição da política do governo e de todos os partidos de oposição burguesa do AfD da extrema direita para o FDP e os Verdes.

É por isso que pedimos uma votação para o Left Party. Nosso apoio é crítico, por isso, não descartamos nossas críticas de seu programa e estratégia, ou sua política contra a classe trabalhadora, onde governa regional e localmente. No entanto, um voto para o Left Party será uma medida do potencial de uma luta contra os ataques capitalistas do próximo governo e das forças de extrema-direita e abertamente racistas, como o AfD.

Combinamos nosso apoio nas eleições com um apelo ao Left Party, sua liderança, seus membros, seus eleitores, para preparar ativamente a luta contra o próximo governo. Para facilitar isso, pedimos a convenção de uma conferência de ação - não apenas para analisar o resultado das eleições e o programa do próximo governo, mas para discutir e acordar sobre uma linha de ação unificada contra essas políticas.

O Left Party, tanto a sua liderança como os seus ativistas, deve assumir a liderança ao chamar essa conferência junto com outras forças como a aliança anti-G20, que mobilizou dezenas de milhares em julho, os movimentos antirracistas e as organizações de imigrantes, que reuniu 7000 contra todas as deportações e pelo direito de permanecer em 16 de setembro e os sindicatos que atualmente estão fazendo campanha contra a privatização no setor da saúde e por um aumento maciço de empregos.

Obviamente, tal conferência é de todos aqueles que querem lutar contra os ataques do próximo governo, não deve limitar-se a questões domésticas alemãs. A luta contra a militarização e a intervenção estrangeira deve estar no topo da agenda, ao lado de tomar a iniciativa de uma ampla coordenação das lutas europeias. A formação de um eixo Merkel-Macron não pode ser travada apenas no terreno nacional, deve ser combatida pela unidade da classe trabalhadora em toda a Europa e globalmente.

 

Traduzido por Liga Socialista em 26 de dezembro de 2017