Eleições na Áustria: é hora de retomar a luta!

23/11/2017 17:44

Lucia Siebenmorgen Tue, 11/07/2017 - 15:47             -                         

Os resultados das eleições de Áustria no dia 15 de outubro não foram surpresa. Conforme previsto pelas pesquisas, o Partido Popular Austríaco, de Sebastian Kurz, o ÖVP, foi o maior partido com 31,5%, enquanto o segundo lugar foi ocupado por seus ex-sócios da coalizão, o Social Democrata, SPÖ, com 26,9%. Logo atrás do SPÖ, com 26%, o Partido da Liberdade da Áustria, FPÖ, de direita, liderado por HC Strache. Este foi o segundo melhor resultado do FPÖ e fazer uma coalizão com o ÖVP é o resultado mais provável.

Isso significaria intensificação contínua do racismo, desmantelamento do estado do bem-estar social e envenenamento da opinião pública. Esta pode ser uma perspectiva desencorajadora para muitos, mas também tem o potencial de mobilizar a classe trabalhadora contra as políticas de direita. Apesar de toda a ideologia reacionária, podemos esperar mais luta de classes na Áustria a médio prazo, e não menos.

Os Verdes apenas conseguiram 3,8% dos votos, abaixo de 8,6%, e, portanto, nem entrarão no parlamento. Seu resultado provavelmente reflete apoiadores voltando-se para o SPÖ diante da ameaça da direita, mas também não foi ajudado por conflitos internos em que o partido de fato expulsou sua própria organização de juventude, o líder do partido desistiu e o deputado verde Peter Pilz fundou sua própria lista para garantir seu mandato. Ainda assim, com a lista "Pilz", que fica com 4,4 por cento, há uma lista burguesa esquerda no parlamento.

Adicionando os 5,3% conquistados pela New Áustria, NEOS, que representa uma UE economicamente liberal e um "estado magro", o novo parlamento terá uma maioria de dois terços comprometida com posições claramente neoliberais e defenderá o fortalecimento da economia em detrimento da população trabalhadora.

Quem votou em favor do quê?

O ÖVP aumentou o seu voto em quase um milhão de votos, ganhando ambos do Partido da Liberdade e de ex-adeptos do super-rico empresário Frank Stronach nas últimas eleições. O FPÖ também ganhou de "Team Stronach", bem como da Aliança para o Futuro da Áustria, BZÖ, que se separou do partido sob Jörg Haider em 2005. Estas mudanças mostram claramente o quão perto são os eleitores do Partido do Povo e do Partido da Liberdade.

A participação do SPÖ na votação, 26,9%, foi a mesma que em 2013, mas foi historicamente o seu pior resultado. Entre os "trabalhadores", que na Áustria, não inclui funcionários públicos e empregados oficiais, o partido só ganhou cerca de 20%, confirmando a perda de apoio a longo prazo. O partido, no entanto, pegou votos dos Verdes, que também perderam alguns votos para o renegado Verde, Peter Pilz e o Partido Popular. Os Verdes não ganharam uma maioria em um único município nesta eleição, o que é uma deterioração significativa. Curiosamente, eles também perderam nas regiões onde estão no governo regional.

KPÖ PLUS

O Partido Comunista que, juntamente com os jovens expulsos do Verde, participou das eleições como KPÖ PLUS, atingiu apenas 0,7%, resultado ainda menor do que nas últimas eleições quando o Partido Comunista estava sozinho. Nossa avaliação de que esta nova aliança poderia criar um polo de atração e mobilizar aqueles à esquerda do SPÖ na direção de um novo partido dos trabalhadores foi comprovadamente errada. Este fracasso certamente pode ser atribuído, em parte, à falta de vontade de se manter como uma aliança ainda maior, mas claramente algumas pessoas optaram por votar SPÖ por razões táticas. Com o seu programa completamente reformista, o KPÖ PLUS não pôde se diferenciar fundamentalmente dos social-democratas, e muito menos apresentar uma alternativa socialista. Apesar de tudo isso, o KPÖ PLUS deve usar sua reputação e alcance para organizar a resistência nas ruas contra os ataques do próximo governo.

Um olhar à frente

O programa econômico da coalizão provável entre a ÖVP e a FPO já é bastante claro. Ambas as partes são a favor de um "alívio fiscal" que beneficiaria principalmente pessoas ou empresas com altos rendimentos. Ambos pediram ataques contra a renda mínima e, enquanto o ÖVP exige que os cidadãos não austríacos recebam benefícios sociais somente após cinco anos, o FPÖ quer tornar o rendimento mínimo apenas disponível para os austríacos.

No que diz respeito aos novos impostos, ambos opõem-se a um imposto sobre herança, mesmo que apenas se aplique a heranças superiores a um milhão de euros, afetando apenas cerca de 1% da população. Os impostos sobre a riqueza não são defendidos por Kurz ou Strache, que querem reduzir ou mesmo eliminar o imposto das corporações sobre lucros retidos. Isso levaria a uma perda de receita de até quatro bilhões de euros. A redução proposta de impostos sobre a folha de pagamento, que beneficiará os empreendedores e pretende fortalecer a Áustria como local de negócios, também levará a uma redução no orçamento do estado.

Ambas as partes também exigem mais sanções para os desempregados. A Strache deixou sua demanda pela abolição da afiliação obrigatória à "Câmara do Trabalho", que presta serviços aos trabalhadores, mas mostra claramente em que lado ela está. Para as mulheres, ambas as partes têm pouco a oferecer, o cuidar das crianças deve permanecer na família, o que significa a não expansão de centros de assistência à infância, e que deve haver um "período de reflexão" mais longo antes dos abortos.

É claro que todas essas propostas significam reduções nas receitas do estado e cortes correspondentes no bem-estar e serviços sociais. A tão provável coalizão ÖVP-FPÖ é dirigida contra as pessoas que já estão no fundo do poço da sociedade em qualquer caso: trabalhadores com baixos rendimentos, famílias com várias crianças, solteiros e pais solteiros. Os cidadãos não-austríacos ou os migrantes, especialmente os muçulmanos, também serão particularmente afetados. Pode-se presumir que os ataques maciços ao estado de bem-estar social seguirão enquanto os direitos trabalhistas estão sendo desmantelados e as leis racistas implementadas.

O que deve ser feito?

O fato de o SPÖ não vencer as forças racistas e reacionárias já estava claro antes das eleições. O partido tentou se apropriar das demandas do direito, como uma proibição de revestimentos faciais em público, dirigida contra burkas e niqabs, mas isso só fortaleceu a direita. A fim de contrariar o aumento das políticas de direita, que não é um fenômeno puramente austríaco, precisamos de uma forte oposição à esquerda fora do parlamento. Mesmo que o novo governo se concentre primeiro nas minorias, satisfazendo assim partes do seu eleitorado, isso acabará por atacar-nos a todos, por isso há necessidade de resistência e solidariedade massivas com todos aqueles que são alvo primeiro de leis repressivas e racistas.

Um governo do ÖVP-FPÖ não será controlado por um Peter Pilz no Parlamento, que também adota posições de direita, mas só pode ser confrontado com uma resistência popular nas ruas, nas fábricas e nas escolas e universidades. A esquerda não deve descansar após as eleições e queixar-se do mau resultado do KPÖ PLUS. Em vez disso, devemos carregar a resistência nas ruas e construir uma poderosa aliança contra os iminentes ataques. Apelamos, portanto, a todas as forças progressistas de esquerda para que organizem uma conferência de resistência conjunta, em que serão discutidas publicamente as contra-estratégias e os temas de campanha e as forças serão reunidas. Nesta situação, no entanto, também é necessário discutir os resultados ruins de novos projetos de esquerda, como Aufbruch ou KPÖ PLUS. A construção de uma força anticapitalista ainda exige uma coisa acima de tudo: um claro programa revolucionário.

 

Traduzido por Liga Socialista em 23/11/2017