Em Santa Catarina, morre motorista atingido por bala de borracha da PM

01/02/2015 11:07

 

O fato aconteceu no dia 11 de janeiro de 2015, na casa da mãe do motorista Santos, em Biguaçu, na grande Florianópolis. Era um churrasco familiar e o irmão dele bebeu demais e começou a criar confusão. Chamaram Santos para contê-lo e também a polícia. 

O incidente aconteceu na noite do dia 11, na casa da mãe de Santos, em Biguaçu, na grande Florianópolis. Em um churrasco familiar, o irmão dele bebeu demais e o motorista foi chamado para contê-lo. Os PMs confundiram os irmãos e segundo a mãe deles os soldados ordenaram que Santos saísse de casa com as mãos erguidas. Santos obedeceu e se ajoelhou estendendo os braços para ser algemado. Foi quando recebeu dois disparos de taser (choque) e caiu. Tentou levantar mas foi atingido por dois tiros de bala de borracha no peito, desmaiando logo em seguida.

Santos foi socorrido e encaminhado ao Pronto Atendimento, mas as feridas evoluíram para infecção que foi fatal. Uma verdadeira tragédia que tem se repetido constantemente em nosso país.

Infelizmente a ação dos policiais no Brasil ainda é muito retrógrada, agindo como se o povo fosse um inimigo em potencial. Assim ela é treinada, como se ainda tivéssemos em uma ditadura militar. Quando os policiais saem para as ruas, já saem com a agressividade estimulada para uma guerra. Uma guerra contra seu próprio povo. O povo que ela deveria proteger.

Essa polícia mostra claramente que no capitalismo não existe uma verdadeira democracia. Existe uma democracia para a minoria rica e poderosa, que se utiliza dos estado e seus órgãos de repressão (polícia e judiciário) para impor sua ditadura à grande maioria, pobre e trabalhadora.

Para nós está cada vez mais claro que, como dizia Marx, no capitalismo os trabalhadores não têm nada a perder, a não ser as algemas. Por isso, defendemos o fim da polícia e sua substituição por unidades de defesa da classe trabalhadora, comandadas por representantes eleitos na própria unidade e com mandato revogável. Essa unidade deverá prestar contas de suas ações aos moradores e trabalhadores da comunidade onde atua.

Paralelo a isso temos que construir a revolução socialista, para derrubarmos o estado burguês e construirmos sobre seus escombros uma nova sociedade, justa e igualitária; uma sociedade socialista.