Espanha: derrotar o golpe de Rajoy contra a Catalunha

30/09/2017 22:13

(Dave Stockton Thu, 21/09/2017 - 15:42)    -   

 

A atual crise política aguda na Espanha começou com a decisão do parlamento catalão em 6 de setembro de realizar um referendo de independência vinculativo em 1 de outubro. No dia 7 de setembro, o governo do primeiro ministro Mariano Rajoy apelou ao tribunal constitucional de Madri para suspender a decisão de realizar o referendo. Isso o tribunal atendeu imediatamente.

Carles Puigdemont, que lidera o "Juntos para o Sim", Junts pel sí, governo de coalizão, eleito em setembro de 2015, originalmente buscou um referendo negociado com o governo espanhol, mas Rajoy repetidamente rejeitou isso. Daí o pedido de Puigdemont para um referendo unilateral, que ele atravessou no parlamento catalão com pouco ou nenhum debate, alienando partidos que apoiam o direito de realizar um referendo, mas não necessariamente um voto de secessão.

As ações arrogantes do governo do Partido Popular, destinadas a ilegalizar e frustrar a conduta da votação por incursões da Guarda Civil e confisco de cartazes, panfletos e urnas, criaram uma grande crise que reuniu catalães que apoiam e se opõem à independência.

Em 20 de setembro, foi relatado que dez milhões de cédulas foram apreendidas e confiscadas. Além disso, 12 altos funcionários do governo local e líderes empresariais foram detidos. Rajoy até fez uma ameaça pouco velada para invocar o artigo 155 da Constituição espanhola, que suspenderia o Estatuto da Autonomia do Catalão e até a prisão de seu governo e funcionários públicos, como prefeitos das cidades, que permitam que o referendo continue. Isso equivaleria a nada menos que um golpe de estado.

As últimas notícias, que os Guardas Civis entraram em edifícios do governo em Barcelona, ​​incluindo o Ministério da Economia, sugerem que isso já está em andamento. Iniciou imediatamente uma resposta irritada dos políticos catalães. Em Madri, deputados da esquerda republicana catalã, o Esquerra ou ERC, saíram do Congresso, com um jovem soldado, Gabriel Rufián, explodindo para Rajoy: "tire suas mãos sujas das instituições catalãs".

O líder da esquerda, o prefeito de Barcelona, ​​Ada Colau, estreitamente ligado ao Podemos, pediu às pessoas que "defendam as instituições catalãs". A mais esquerda das duas principais federações sindicais, as Comissões dos Trabalhadores, CCOO, disse que seus membros haviam tomado as ruas para bloquear uma grande estrada em Barcelona. 
 
A resposta de grandes multidões de manifestantes foi imediata, cercaram os edifícios do governo. As forças de segurança espanholas também tentaram atacar a sede do partido de esquerda, a Candidatura da Unidade Popular, o CUP, mas, depois que multidões de manifestantes bloquearam o seu caminho por oito horas, foram obrigados a retirar-se sob zombarias e gritos de triunfo das multidões.
 
 
Finalmente, o governo catalão afirmou que o governo central "de fato suspendeu o governo local na Catalunha esta manhã".

O clube de futebol do FC Barcelona também disse em um comunicado: "O FC Barcelona, permanece fiel ao seu compromisso histórico com a defesa da nação, com a democracia, com a liberdade de expressão e com a autodeterminação e, condena qualquer ato que possa impedir o livre exercício desses direitos".

A resposta de Rajoy foi uma transmissão de TV em que, como um professor de escola, ele pediu aos catalães que "parem essa escalada de radicalismo e desobediência de uma vez por todas".

Embora possa haver um elemento de blefe por parte de Rajoy, ele está, sem dúvida, brincando com fogo. Qualquer grande repressão policial certamente provocará mobilizações e ocupações de massa irritadas em Barcelona e em toda a Catalunha. Esta resposta será totalmente justificada e toda a esquerda internacionalista deve fazer tudo o que estiver ao seu alcance para reproduzi-lo em Madri e em outras cidades.

A constituição não democrática de 1978 nega expressamente o direito à autodeterminação das nacionalidades minoritárias da Espanha. Proclama "a unidade indissolúvel da nação espanhola, a terra comum e indivisível de todos os espanhóis". A defesa e a afirmação do direito dos catalães à autodeterminação é uma demanda democrática elementar e deve ser apoiada por trabalhadores e socialistas em toda a Espanha e, de fato, em toda a Europa.

Isso não significa que os socialistas devem defender um voto Sim, isto é, se separar, e muito menos defender uma declaração unilateral de independência pelo atual governo catalão. Claramente, no entanto, todas as imposições de Madri, e até mesmo uma suspensão definitiva do Estatuto de Autonomia ou a prisão de ministros de governo ou prefeitos da cidade, devem sofrer resistência por ações de massa nas ruas, incluindo uma greve geral por tempo indeterminado.

No entanto, também precisamos estar cientes de que esse conflito poderia desencadear forças perigosas e destrutivas do chauvinismo nacional, dividindo e envenenando a consciência da classe trabalhadora e da juventude de todo o estado espanhol. Não é de admirar que tanto Rajoy quanto Puigdemont dirigem partidos neoliberais, de direita, burgueses e ficarão encantados em ver os trabalhadores e outras forças progressistas divididos e fazendo enfrentamentos, uns contra os outros.

A resposta a esse perigo, no entanto, é para todas as forças progressistas, os partidos e grupos de esquerda, os sindicatos, a juventude radical, para se mobilizar nas ruas e praças em todo o estado espanhol para pôr fim à tomada de Rajoy, para forçar a cessação imediata das ações da Guarda Civil na Catalunha e, de fato, a retirada imediata e incondicional de todas as forças repressivas para que os catalães possam realizar seu referendo. Todos devem poder votar sem pressão ou coerção e com tempo e espaço suficientes para realizar um debate democrático.

Não há dúvida de que os catalães constituem uma nação distinta com a sua própria língua e cultura no estado espanhol. Este é um fato que deveria ter sido explicitamente e inequivocamente reconhecido na constituição pós-Franco. Sob a monarquia, e depois sob a ditadura de Franco, eles, como os bascos, os galegos e outras comunidades linguísticas menores, sofreram uma severa opressão nacional por um estado centralizado e autoritário, de língua castelhana.

Com a queda da ditadura de Franco, a maioria desses elementos de opressão foram removidos e a autonomia permitiu grandes melhorias em relação ao uso da linguagem e à floração da cultura. O que resta de opressão foi, basicamente, a negação dos governos de Madri e do poder judiciário sobre o direito de tomar uma decisão sem obstáculos sobre a separação ou não.

A Catalunha é mais industrializada e mais rica que qualquer outra região, além daquela em torno da própria Madri. Muitas das demandas nacionalistas dos catalães, como o fim do pagamento líquido de impostos, que são usados ​​para apoiar e desenvolver as partes mais pobres da Espanha, ou a visão frequentemente expressada de que os catalães trabalham mais e, inerentemente, mais progressistas, são simplesmente exemplos de um chauvinismo que os trabalhadores deveriam rejeitar completamente.

A criação de um estado catalão independente certamente não diminuirá as divisões dentro da classe trabalhadora, seja da região ou do estado. Se, como antes, apenas uma minoria realmente vota e o resultado é "Sim", isso deixará uma maioria profundamente infeliz com a decisão. Pior do que isso, qualquer decisão unilateral do governo Puigdemont alienaria uma grande parte da pluralidade de língua espanhola: 45,92% usam principalmente o espanhol, 35,54% usam principalmente o catalão e 11,95% usam ambos os idiomas de forma igual. Em suma, o novo país nasceria com um enorme déficit democrático. A Espanha, além disso, perderia uma parte militante de seu movimento da classe trabalhadora.

Na véspera da crise, as pesquisas mostraram que, enquanto cerca de 60% dos catalães queriam um referendo, mais de 50% votariam "Não". As ações de Rajoy poderiam mudar rapidamente isso se seu golpe "legal" se transformar em repressão real. Parte do motivo do crescimento do nacionalismo nos últimos anos é, sem dúvida, o efeito de um governo e judiciário de direita em Madri, que é um bloqueio do progresso, mas parece difícil romper eleitoralmente em uma base pan-espanhola.

Essa hegemonia da direita é o produto dos fracassos do movimento operário e da juventude radical, no período recente, para conseguir superar seu domínio com ocupações de praças, as greves gerais de um dia e manifestações em massa e até o súbito aumento de Podemos. Todos esses movimentos poderosos, que tinham um grande potencial, eventualmente quebraram a questão da liderança. Nem os partidos reformistas, sejam eles antigos, o PSOE e a IU, ou novos, Podemos, nem os horizontais e esquerdistas populistas, poderiam concentrar os movimentos na questão do poder.

A divisão dos trabalhadores e da juventude de Barcelona e Madrid não ajudará a resolver isso. Pelo contrário, só irá piorar a situação. O que é necessário, e urgentemente, é construir uma força política espanhola em todo o estado, um novo partido dos trabalhadores com um programa revolucionário e anticapitalista. A união de suas forças deve começar agora em um movimento não apenas para impedir o golpe de Rajoy na Catalunha, mas também para expulsá-lo do poder em Madri.

 

 

 

 

Traduzido por Liga Socialista em 30/09/2017