Grande vitória do movimento popular. Governos recuam e tarifas são reduzidas!

21/06/2013 11:36
Eloy Nogueira

 

Há vários dias que as manifestações que começaram nas capitais, com destaque para São Paulo, se espalharam por todo o país, conquistando até mesmo apoio internacional. A intransigência do prefeito Haddad (PT) e a truculência da polícia do governo Alckmin, com certeza, foram o combustível para a indignação de todo o povo brasileiro que respondeu ocupando as ruas de suas cidades.

Diante de tantos confrontos, os prefeitos iniciam o recuo e começam a decretar a redução das tarifas do transporte coletivo. Sem sombra de dúvida, essa já é uma grande vitória do movimento. Porém, o povo continua nas ruas, o que mostra que a luta não é apenas pela redução das tarifas. São várias as reivindicações, como por exemplo, Passe Livre para os estudantes e desempregados, fim da corrupção, contra a Copa, Saúde, Educação etc.

Essas reivindicações são justas, mas sem uma pauta concreta e sem uma liderança que unifique todos em torno dela, não existe como cobrar do governo. Portanto, está faltando uma organização que ajude a levar o movimento a vitória final. As condições e reivindicações existem, mas também existe uma crise de liderança, que é o antigo problema da classe trabalhadora.

Os anarquistas participam do movimento exigindo a retirada de bandeiras de partidos políticos. Com eles fazem coro os fascistas. Não podemos concordar com isso. Os partidos sempre estiveram presentes nos grandes movimentos populares desse país, como na campanha pelas eleições diretas, pela constituinte e no Fora Collor. Inclusive, se hoje podemos fazer atos, passeatas, dizer abertamente nossas reivindicações é porque partidos e organizações de esquerda que viviam na clandestinidade lutaram por isso. Não podemos esquecer que muitos de seus militantes foram torturados e assassinados pela ditadura militar. Portanto, a participação dos partidos políticos nas manifestações é democrática. O que devemos impedir é que políticos oportunistas (de direita ou de esquerda) venham fazer das manifestações palanque eleitoral.

Para ajudarmos ao povo brasileiro que ocupa as ruas do país a encontrar o verdadeiro caminho da vitória, precisamos superar o sectarismo existente na esquerda brasileira, convocando os socialistas, comunistas e anarquistas a se unirem para JUNTOS, ajudarem a classe trabalhadora na continuidade desse processo.

O movimento não pode parar. O próximo passo é a organização de encontros nas cidades onde ocorreram as manifestações, abertos a todos, inclusive aos sindicatos e centrais sindicais. Nesses encontros deveremos discutir a situação política do mundo e do país, afinal, esse movimento que acontece agora no Brasil, também acontece na Europa, nos países árabes, Turquia e outros. Portanto, consideramos que não são acontecimentos isolados. A partir dessa discussão, devemos construir uma pauta de reivindicações para ser discutida em nível nacional. Isso significa, Elegermos delegados em cada Encontro, para realizarmos um Congresso Nacional Popular, que irá debater as pautas e construir a pauta nacional de reivindicações do povo brasileiro.

Esse é apenas o próximo passo que deverá ser dado. É fundamental para unirmos a esquerda e espantarmos de vez o fantasma do fascismo que está presente nos movimentos.

  • Não é só pela redução da tarifa!
  • Por um movimento amplo e democrático!
  • Por Transporte Público, Saúde e Educação de qualidade e para todos!
  • Pela estatização do transporte público sob o controle dos trabalhadores e usuários, com a massiva redução das passagens!
  • Pela retirada do Congresso, dos Projetos de Leis que atacam os direitos dos trabalhadores!
  • Pela revogação das Reformas da Previdência dos governos Lula e FHC!
  • Contra a violência e a presença dos vândalos nas manifestações!
  • Por uma sociedade justa e igualitária. Uma sociedade socialista!