GREVE NA VOLKS. É necessário ampliar; é necessário apoiar!

09/01/2015 23:17

No dia 06 de janeiro de 2015, mais de 800 trabalhadores da Volks de São Bernardo do Campo foram demitidos ao retornarem das férias coletivas de 30 dias. Segundo a Volks, essa demissão em massa “...representa a primeira etapa de adequação de efetivo e otimização de custos para estabelecer condições para um futuro sólido e sustentável para a Unidade Anchieta, tendo como base o cenário de mercado e os desafios de competitividade”.

No final de 2014, a empresa apresentou uma proposta de redução da carga horária com redução dos salários, como condição para a manutenção do emprego. Essa proposta, de forma correta, foi rejeitada em assembleia.

Os trabalhadores da Volks mostraram maturidade e consciência de classe ao tomarem essa decisão. Eles sabem muito bem que nesses acordos quem sai perdendo é sempre o trabalhador.

Em outros momentos, a própria Volks rompeu acordos realizados com o coletivo dos trabalhadores. Por que dessa vez seria diferente?

Na Mercedes-Benz o clima também é tenso. A categoria realizou uma paralisação de 24 horas em solidariedade aos 244 companheiros que foram demitidos. A empresa suspendeu o contrato de outros 750 trabalhadores até o dia 30 de abril.

No dia 6 de janeiro, a partir das 7 horas, mais de 7 mil metalúrgicos da Volks, decidiram em assembleia nos portões da empresa a “cruzarem os braços” por tempo indeterminado. A greve, segundo a direção do sindicato, conta com adesão de 90% da categoria que tem um total de 13 mil trabalhadores na base da Volks, na Unidade Anchieta. A categoria respondeu com firmeza a esse duro ataque da Volkswagen.

Nessa situação precisamos apoiar a greve e os trabalhadores da Volks, bem como os de qualquer outra empresa que insista na demissão em massa. Para que essa greve seja vitoriosa, tem que se ampliar para as outras montadoras do país. Além disso, as direções e bases das diversas categorias do país precisam começar a discutir sobre a necessidade de uma Greve Geral.

  • Apoio incondicional à greve dos trabalhadores da Volks;
  • Ampliar a greve para outras montadoras do país;
  • Contra as demissões em massa. Empresa que demitir em massa deve ser estatizada sob o controle dos trabalhadores;
  • Nenhum direito a menos. Contra a redução dos salários;
  • Preparar a GREVE GERAL!