MTST – São Bernardo, a luta continua!

03/10/2017 16:23
Liga Socialista

A Liga Socialista destaca a importante vitória dos companheiros do MTST. Esse tipo de vitória é muito difícil de se conseguir, ainda mais na atual conjuntura. Que sirva de exemplo e estímulo à todas as categorias de trabalhadores em luta e aos movimentos sociais.

A ocupação MTST em São Bernardo, vista de dentro

Trabalhadores sem teto ocupam terreno para cobrar dos governos municipal e federal uma solução para o problema da moradia; são 60 mil metros quadrados que estavam havia 40 anos sem cumprir sua função social.

Pelo menos 6.500 pessoas ocupam um terreno na rua João Augusto de Souza, em frente à fábrica da Scania, no bairro Planalto, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista.

Esta é a maior ocupação já realizada pelo MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto). O que pedem é uma solução para o problema da moradia, com um cadastro em um programa habitacional, por exemplo. Muitos dos que estão ali são desempregados. Outros recebem salários tão baixos que têm que escolher entre pagar o aluguel ou comprar comida.

No terreno não há luz, água nem energia elétrica. Uma cozinha improvisada serve café da manhã, almoço, um lanche e o jantar – tudo feito com alimentos doados. A Guarda Civil Metropolitana (GCM) de São Bernardo mantém uma viatura em cada rua que dá acesso ao terreno para impedir a chegada de carros com mantimentos.

A cada dia chega mais gente, relatam os coordenadores. A ocupação começou no dia 2 de setembro, quando cerca de quinhentos trabalhadores sem teto colocaram de pé as primeiras barracas de lona e ripa de madeira.

Com 60 mil metros quadrados, o espaço estava desocupado havia 40 anos e a construtora MZM, que já pediu reintegração de posse mas ainda não conseguiu, não declarou o que pretende fazer ali.

No último sábado (16), um homem que estava no local foi atingido por um disparo. Segundo o dirigente do MTST Guilherme Boulos, o tiro veio de um dos prédios que cerca o terreno.”

Fonte: MTST (A ocupação MTST em São Bernardo, vista de dentro - Posted on 

7)

 

SÃO BERNARDO: NOTA DO MTST SOBRE O JULGAMENTO DO TJ

Hoje, 2 de outubro, o Tribunal de Justiça julgou a ação de reintegração de posse da Ocupação Povo Sem Medo de São Bernardo do Campo.

O pedido dos advogados do MTST foi de que a reintegração fosse rejeitada, dado que o terreno da construtora MZM estava abandonado há mais de 40 anos, sem cumprir qualquer função social. De outro lado, houve uma atuação de setores políticos – em especial a Prefeitura de São Bernardo – para um despejo imediato, apostando no conflito e sem garantir uma solução para o problema habitacional das mais de 7 mil famílias que estão na ocupação.

A decisão do TJ de suspender a realização do despejo até uma reunião de negociação do Gaorp, envolvendo todas as partes, está longe de ser ideal. Mas, neste momento, significou a derrota daqueles que queriam assistir um massacre.

Para a reunião foram convocados a Prefeitura, os Governos Estadual e Federal, além do MTST e da empresa proprietária. O MTST seguirá apostando decididamente na construção de uma alternativa que garanta o direito à moradia dos sem-teto da ocupação Povo Sem Medo. Neste sentido, tomaremos as ruas nos próximos dias para pressionar o Poder Público, em todas as esferas, para um compromisso de desapropriação ou compra do terreno ocupado.

Reafirmamos que qualquer tentativa de desocupação sem solução habitacional não será aceita e encontrará resistência. 

A luta segue!

Movimento dos Trabalhadores Sem Teto”

Fonte: MTST (SÃO BERNARDO: NOTA DO MTST SOBRE O JULGAMENTO DO TJ - Posted on 02/10/2017)

 

Abaixo a declaração do companheiro Guilherme Boulos, liderança do MTST.

"Companheiros/as, acabou agora pouco o julgamento no TJ. O despejo está suspenso até a realização de uma reunião de conciliação do Gaorp com todas as partes: Movimento, MZM, prefeitura, estado e governo federal. Encaramos isso como uma Vitória importante porque tira a corda do pescoço e dá mais tempo para buscarmos uma solução. Neste sentido, a posição do Movimento é adiar a marcha marcada para amanhã para conseguirmos preparar melhor e fazer com mais força daqui a 10 ou 15 dias. Agradecemos todo o apoio e força que vocês têm dado e continuamos contando com todos! Grande abraço, Guilherme Boulos."

Nós, da Liga Socialista, damos destaque à fala do companheiro Boulos, “...qualquer tentativa de desocupação sem solução habitacional não será aceita e encontrará resistência”.

 

Conclusão:

Isso é muito importante, pois na atual conjuntura, não podemos ter ilusão nos governos e nas instituições burguesas. Por isso, apoiamos incondicionalmente o MTST e principalmente os companheiros da ocupação em São Bernardo, no ABC paulista.

Nós, aproveitamos o momento para deixar claro que não podemos esperar muito do estado burguês, principalmente na atual situação em que se instala um governo de exceção no país. Mais do que nunca precisamos discutir e organizar a luta por um estado socialista. Uma luta que não é só dos trabalhadores sem teto, mas de toda a classe trabalhadora.

O estado burguês está em frangalhos, as Instituições estão falidas pela corrupção e pelo crime organizado que tomou conta das mesmas. Por isso, a saída verdadeira para a classe trabalhadora e o povo pobre está na construção de um verdadeiro governo operário, baseado principalmente em órgãos de poder direto da classe trabalhadora, como a 100 anos atrás na Rússia o governo operário era baseado nos Soviets.

Tais órgãos da classe trabalhadora inevitavelmente surgirão das bases dos movimentos de protesto quando estes adotam uma luta ofensiva e questionam as instituições da burguesia. A forma dessas organizações dependerá das circunstâncias - o ponto decisivo é que os trabalhadores e os pobres assumam o controle dos assuntos públicos em sua região e em todo o país em suas próprias mãos. Esta é a essência da proposta de um governo operário baseado em órgãos de poder dos trabalhadores.

Liga Socialista