O novo governo da Ucrânia ... do Euromaidan para Euro catástrofe

28/01/2015 19:32

 

KD Tait Sat, 2015/10/01 - 00:02

 

O Parlamento da Ucrânia aprovou um programa de terapia de choque econômico descrito por um deputado da coalizão governista como tão grave quanto um "genocídio". O governo diz que essas medidas são necessárias para reformar a economia de falência da Ucrânia. O primeiro-ministro Arseniy Yatseniuk revelou a escala da sua ambição: "tudo o que não foi feito nos últimos 23 anos, precisa ser feito em 23 meses".

Por "tudo", ele quer dizer a vitória irreversível de uma contra-revolução neoliberal. A desregulamentação e privatização destruirão as medidas de proteção social ainda remanescente da velha economia planificada soviética.

A classe trabalhadora da Ucrânia está entre as mais pobres da Europa. Seus oligarcas estão entre os mais ricos do mundo. Depois de duas décadas de exploração por uma elite cleptocratica, os operários e camponeses da Ucrânia serão agora objeto de maior extorsão, para garantir a integração econômica do seu país na esfera da exploração pela UE e pelo FMI.

A pilhagem da economia da Ucrânia pelos oligarcas garantiu que a crise econômica de 2008 destruísse a sua moeda e deixasse o país mancando sobre empréstimos e resgates da Rússia e do FMI. Os oligarcas zelosamente guardaram seus privilégios, perseguindo suas intrigas entre facções e assegurando as consequências do colapso econômico que fizeram-se sentir mais agudamente por ucranianos comuns. O ressentimento ao crescente empobrecimento nas mãos de uma elite que ostensivamente exibia a sua riqueza e evitava as humilhações cotidianas de pobreza e corrupção, alimentava as raízes da hostilidade popular ao governo e oligarcas.

Para muitos ucranianos, todas as esperanças de qualquer melhoria foram investidas em forças externas, particularmente a próspera União Europeia. Assim, quando o ex-presidente, Viktor Yanukovych, atrasou a assinatura do Acordo de Associação UE-Ucrânia, em Novembro de 2013, as esperanças de uma grande parte da população para o crescimento econômico e as reformas democráticas através de uma maior integração com a Europa foram frustradas.

Milhares acabaram por protestar em Kiev Maidan Nezalezhnosti (Praça da Independência) e uma aliança de oligarcas, fascistas e os liberais que se uniram para dar expressão política de um movimento de massa cujas contradições foram encobertas por uma hostilidade comum para a Rússia e uma sensação de que a Europa seria a campeã de suas diversas aspirações. O movimento EuroMaidan nasceu.

Em 21 de fevereiro, no ano passado, Yanukovych fugiu e um governo de coalizão foi formado o qual excluiu o partido liberal UDAR porque seu líder, Vitali Klitschko, que tinha laços estreitos com os Democratas Cristãos da Alemanha, denunciou a violência do braço armado do movimento fascista. Dentro de meses, a Crimeia foi anexada pela Federação Russa, a guerra civil grassava na região de Donbas, Ucrânia haviam assinado o Acordo de Associação de livre comércio e um novo governo pautado, no Verkhovna Rada (Parlamento Unicameral da Ucrânia).

O Governo

O governo, que foi formado na sequência da fuga de Yanukovych pregou suas cores anti-Rússia firmemente ao mastro. Dentro de dois dias, o Parlamento aprovou uma lei abolindo a proteção limitada concedida para línguas minoritárias, de um só golpe, confirmando os temores dos 30% russófonos ucranianos de que o governo vai promover a Russophobia para reforçar o seu apoio em detrimento da minoria. O veto desta provocação, por ação do presidente Oleksandr Turchynov, veio tarde demais e foi assim mesmo visto como uma manobra cínica, dada a presença de vários ministros virulentamente anti-Rússia no governo.

Primeiro-Ministro Interino Yatseniuk não tinha ilusões sobre a popularidade das medidas que pretendia impor, descrevendo seu governo como "suicídios políticos". Em uma pesquisa com 3.200 pessoas em toda a fortaleza do sudeste do ex-presidente Yanukovych, 74% pensavam que o novo regime era ilegítimo.

Esse governo foi dissolvido em setembro de 2014 pelo presidente recém-eleito, Petro Poroshenko, que reivindicou que novas eleições eram necessárias para "purgar" o parlamento dos que estavam obstruindo a aplicação das reformas econômicas e da busca da guerra no leste.

Outubro devidamente viu um novo grupo de MPs retornar ao parlamento, com o partido de oposição das Regiões reduzido a uma cadeira. As negociações para formar um governo terminou com cinco dos seis partidos representados no parlamento se inscrevendo para um acordo de coalizão que estabeleceu adesão à OTAN, "reforma" econômica e a promoção de valores nacional-patrióticos como suas principais prioridades.

O governo interino anterior aprovou uma lei sobre "lustração sociais", que previa a purga dos funcionários estaduais ligados ao regime Yanukovych. Desejo de reforma democrática genuína, um refreamento dos oligarcas, era um sentimento honesto expresso por muitos defensores do EuroMaidan, e compartilhado por muitos de seus adversários.

No entanto, um olhar para os ministros nomeados para levar a cabo o programa do governo revela que EuroMaidan até agora tem feito pouco para sacudir o patronato, o clientelismo e interesses mútuos que há muito tempo determinaram a composição dos governos da Ucrânia. O fracasso da EuroMaidan para estabelecer estruturas democráticas ou da classe trabalhadora duráveis ​​que poderiam ter mobilizado oposição a um novo governo estabelecido é em grande parte responsável por isso. Isso também diz algo sobre a natureza de classe das camadas dominantes do movimento.

Presidente Poroshenko, o famoso "rei do chocolate", é um oligarca e operador político que teve uma mão em todos os governos desde o final da década de 1990, mais recentemente atuando como ministro das Relações Exteriores de Yanukovych. Embora muitas vezes apresentado como um "pragmático" e um candidato de compromisso, ele descreveu sua abordagem para a guerra civil da seguinte maneira: "Vamos ter empregos, eles não vão! Teremos pensões, eles não! Teremos benefícios para aposentados e crianças, eles não. Nossos filhos vão para escolas e creches, os filhos deles vão se sentar em porões! Eles não são capazes de fazer qualquer coisa ... E é assim que vamos ganhar esta guerra!"

O ex-presidente interino Turchynev passou a presidir o poderoso Conselho de Segurança Nacional e Defesa. Um pastor evangélico cristão e, por vezes Batista, sua opinião de que a sodomia é uma perversão, sem dúvida, pelo visto com simpatia por Yatseniuk, que se opôs publicamente ao casamento gay em 2007. Os partidários de esquerda de EuroMaidan, que denunciaram corretamente os casos de homofobia entre a oposição no leste, são visivelmente menos volúveis, quando confrontado com os pontos de vista igualmente reacionários da principais figuras do governo de Kiev.

O mesmo Yatseniuk foi aprovado pessoalmente como o homem de Washington em Kiev pelo Departamento de Estado dos EUA, sua enviada Victoria Nuland e seu infame telefonema para o embaixador dos EUA que vazou para toda a Ucrânia. Essas conexões são reforçadas por sua Fundação Open Ucrânia, uma ONG em parceria com a Otan e o Departamento de Estado dos EUA, entre outros. Ele expressou sua oposição à língua russa com um estatuto oficial e não é nenhuma surpresa que seu vice-primeiro-ministro seja Vyacheslav Kyrylenko, arquiteto da revogação da lei "Sobre os princípios da política de língua oficial". Ele nomeou o seu próprio advogado, Hanna Onyschenko, como seu ministro do Gabinete de Ministros.

Atendendo a John Brennan, chefe da CIA, recente interessado no país, Valentyn Nalyvaichenko, ex-embaixador da Ucrânia nos Estados Unidos, sem dúvida, encontrou utilidade em seu emprego anterior para seu novo papel como chefe do serviço secreto da Ucrânia, a SBU.

O ideólogo da direita, Serhiy Kvit, mantém seu cargo de ministro da Educação. Sua filiação passada do grupo "Tryzub", o principal componente da coalizão setor direita, sem dúvida, garantiu que as portas fossem abertas para visitas de propaganda do batalhão neonazista Azov para várias escolas. Também deixa claro como ele vai interpor novas aulas obrigatórias de "educação patriótica nacional" do governo nas escolas.

Dos 20 ministros, oito já atuaram como ministros ou assessores do governo de Yulia Tymoshenko. Pelo menos seis são empresários ou banqueiros, entre os quais uma menção especial deve ser feita do Ministro da Política Agrária e Alimentação, Oleksiy Pavlenko, um banqueiro de investimento, que também é chefe de sua própria empresa agrícola, com vários outros interesses, inclusive como membro do conselho de uma agroindústria ligada a um aliado próximo de Yulia Tymoshenko. Dada a sensibilidade política da energia na Ucrânia, é revelador que um Ministro de Combustível e Energia, tenha as qualificações de Volodymyr Demchyshyn que parece ter a sua carreira como especialista para evitar impostos para Ernst & Young e seu tempo como chefe de Investimento Capital Ucrânia.

O papel do Partido Radical e da Frente Popular em patrocinar comandantes de milícias neonazistas nas eleições recentes tem sido tratado em outro lugar. A eleição de parentes de vários políticos proeminentes fará pouco para incutir confiança nas credenciais democráticas do novo regime. Nem será a nomeação de Yuriy Stets, anteriormente chefe do Canal 5, estação de TV do Poroshenko, como o ministro da Política de Informação, onde vai dirigir um novo ministério cuja criação foi denunciada pelos jornalistas ucranianos e pelos Repórteres Sem Fronteiras como um ataque à liberdade de imprensa.

Longe de fazer uma limpeza de todo o passado de clientelismo e nepotismo, credenciais anticorrupção do governo são limitados à nomeação de três "especialistas" estrangeiros, aparentemente porque eles serão menos ligados a interesses estabelecidos adquiridos. O novo ministro da Economia e Comércio é Aivaras Abromavicius. Seu registro passado como gestor da carteira do fundo de investimento Leste Capital e chefe de operações da Brunswick Emerging Markets certamente vai acelerar a integração da Ucrânia na zona de livre comércio da UE. Alexander Kvitashvili, que supervisionou a privatização do sistema de saúde da Geórgia sob o fantoche dos EUA, Mikhail Saakashvili foi escolhido para completar o desmantelamento parcial de Yanukovych do serviço de saúde da Ucrânia.

A economia da Ucrânia é fortemente dependente do FMI. Isso pode ajudar a explicar a nomeação de Natalie Jaresko, uma ex-burocrata do Departamento de Estado dos EUA, como a nova ministra das Finanças. Ela foi, diversas vezes, CEO de uma empresa de “private equity” que distribuiu os fundos do governo dos EUA, CEO do fundo de investimento Horizonte Capital baseado em Kiev, um consultor financeiro para o ex-presidente Yuschenko e chefe de seção econômica na embaixada dos EUA em Kiev.

O programa do governo

As únicas coisas realmente novas nesta situação são que, pela primeira vez desde a independência, a Ucrânia tem um governo com uma maioria parlamentar esmagadora e ele mudou-se decisivamente para acabar com estatuto de não-alinhamento do país. Um compromisso de ingressar na OTAN era um elemento central do acordo de coligação. O parlamento votou 303 contra 8 para revogar a legislação sobre o estado de não-alinhados que proibia-o de adesão à OTAN.

Fraqueza militar da Ucrânia, e uma relutância em antagonizar a Rússia entre os membros da UE, significa que esta é uma declaração de intenções, em vez de um passo decisivo no caminho para a adesão. No entanto, a resposta da OTAN e dos EUA é instrutiva: um porta-voz da Otan disse: "A nossa porta está aberta e Ucrânia vai se tornar um membro da OTAN a seu pedido e cumprirá as normas e aderirá aos princípios necessários", uma opinião ecoada pela porta-voz do Departamento do Estado, Marie Harf, que disse que qualquer pedido seria "... consideradO pelos seus méritos".

A importância geo-estratégica da Ucrânia, tanto para a Rússia, que se opõe à extensão da aliança da OTAN hostil à sua porta, e para os EUA, que quer exatamente isso, a fim de dominar a região do Mar Negro, significa que este ato provocativo confirma o papel do país como um peão no "grande jogo" da rivalidade interimperialista.

A reforma democrática tão ardentemente desejada por ucranianos não é uma característica do acordo de coligação. Algumas pequenas reformas no sistema eleitoral será feita, mas as demandas populares para a adoção de procedimentos de impeachment contra o presidente e o desmantelamento da imunidade para o Ministério Público e os juízes estão longe de ser encontrada.

Programa nacional do governo é efetivamente uma dose medicinal de FMI tão tóxica que é mais provável que possa matar o paciente do que curá-lo. Uma vez que o "paciente", neste caso, são indústrias da Ucrânia não competitivas extrativistas, suas indústrias pesadas e os meios de produção e tecnologia militar de exportação para a Rússia que dependem de energia subsidiada para operar de forma produtiva, e sua proteção social do estado restante, assassinato a sangue frio pode ser uma descrição mais precisa do que o FMI tem em mente.

O programa econômico para 2015-20 prevê a demissão de 10% dos funcionários públicos. "Ineficientes" benefícios sociais para crianças, mães, pensionistas e recrutas serão cortados. A indexação da inflação para os salários vai parar. O controle de preços sobre os medicamentos será derrubado e a indústria farmacêutica "desregulamentada". Subsídios para o carvão e o gás serão abolidos e os preços subirão por 3 e 5 vezes, respectivamente, acima daqueles já impostos. As indústrias de mineração de carvão serão privatizadas e as minas que não podem ser vendidas serão fechadas. O orçamento militar aumentará para 5% do PIB, pago em parte por um corte de 40% no orçamento da saúde e um corte de 20% para a educação. Centenas de escolas rurais serão fechadas porque há "muito poucos alunos". As reivindicações sindicais da educação para aumentar as horas para professores vai acabar com 100 mil postos de trabalho.

Essas são as credenciais da "revolução democrática" do EuroMaidan tão futilmente defendida por muitos esquerdistas ocidentais. O programa econômico e político do novo governo, que ditou o preço da ajuda europeia e do FMI, prova que as esperanças de EuroMaidan de salvação Europeia eram ilusões.

Contradições internas

Este é um programa para a catástrofe social. Para impô-lo, os oligarcas governantes têm substituído a retórica dos "valores europeus" com a narrativa venenosa de uma "revolução nacional para derrubar o jugo russo". Algumas pequenas reformas, sem dúvida, serão concedidas para a intelectualidade liberal que ganham a vida demonizando um terço da população como "moskalis" e "terroristas".

O legado da URSS pesa como um pesadelo na mente dos nacionalistas da Ucrânia, que devem construir uma narrativa nacional que representa a antítese dessa história. Assim, o colaborador nazista Stepan Bandera é um ser "admirado" e a UPA genocida considerada como "heróis". Essas ucranianos que combateram no Exército Vermelho ou como guerrilheiros soviéticos, devem ser varridos com a história e seus memoriais destruídos. Uma semana depois do massacre de 48 manifestantes anti-governo em Odessa, o ex-governador de Kherson, Odarchenko, do partido Pátria nacionalista, foi capaz de fazer um discurso para veteranos do Exército Vermelho WW2 no qual ele chamou Hitler de "libertador". O passado soviético da Ucrânia, o que deu ao país um legado da indústria em grande escala e uma classe operária industrial, deve ser finalmente liquidado e transformado em um conto de colonização alienígena sob o tacão do imperialismo russo.

O movimento EuroMaidan já desapareceu das ruas. Presumidamente, muitos dos que ocuparam a praça acreditam que eles têm agora o tipo de governo que vai implementar pelo menos algumas das suas aspirações. Claramente, o governo terá de completar o seu nacionalismo com uma medida superficial anti-corrupção e profunda de populismo anti-oligárquico.

O compromisso da Yatseniuk de fazer em 23 meses o que uma geração de políticos não conseguiu fazer em 23 anos cairá inevitavelmente de forma mais dura sobre as costas da classe trabalhadora e camponeses pobres. No entanto, não foi a classe trabalhadora que obstruiu este projeto por duas décadas, mas o equilíbrio relativo de poder que prevaleceu entre esses oligarcas com base principalmente no leste e os do oeste.

Sucesso ou fracasso para Yatseniuk e do FMI depende de sua capacidade de impor seu programa contra os oligarcas que estão ameaçados pela destruição do comércio com a Rússia e o fim do ganso de ouro dos subsídios estatais às indústrias improdutivas. Alguns oligarcas estão a acumular uma vasta riqueza e legitimidade através do percurso europeu, mas para outros não há futuro no novo mercado de comércio livre que irá dizimar a indústria transformadora ucraniana.

A política interna da Ucrânia e as suas instituições refletem esse fato básico da economia política;  há dois campos de capitais, com base nas duas metades do país que têm bases econômicas muito diferentes, o controle das estruturas do Estado permite que cada um comande os votos de uma população com uma história distinta e narrativa nacional. O fato de que os ucranianos orientais têm simpatias históricos e culturais com a Rússia, e os ucranianos ocidentais antipatia histórica para a Rússia e uma consciência nacional que olha para o oeste e para Europa, explica o "nacionalismo" da pátria e da Frente Popular, e o caráter "pró-russo" do Partido das Regiões.

Para ucranianos comuns, atitudes rivais para as guerras civis do século 20 e ao legado da URSS e da ocupação nazista, estão profundamente enraizadas e que têm consequências na forma como eles vêem seu status dentro Ucrânia hoje. Para os oligarcas, estas ideologias concorrentes são apenas ferramentas para serem cinicamente utilizadas em suas lutas de clãs para o controle de todo o estado, que é usado tanto como uma fonte de enriquecimento pessoal quanto um meio para reprimir seus oponentes.

A escalada da tensão inter-imperialista provocada pela moagem da crise econômica mundial trouxe a Rússia e os EUA para o conflito, primeiro no Oriente Médio e agora na Europa Oriental. Sua luta pela influência quebrou o consenso oligárquico da Ucrânia e desencadeou o veneno do nacionalismo.

Socialismo

A luta contra os oligarcas e agendas nacionalistas reacionárias foi obstruída pelo legado do stalinismo. Após a independência, a expropriação política da classe trabalhadora ucraniana pela burocracia soviética foi transferida para o Partido Comunista e, ultimamente, para o Partido das Regiões. Como resultado, embora a classe trabalhadora no leste manteve a sua posição relativamente privilegiada, em comparação com o oeste mais agrícola, ela não conseguiu isso através da sua própria mobilização independente, mas permanecendo dependente do nexo de interesses empresariais, burocracias sindicais oficiais e uma classe política herdada da economia planificada.

Esta confiança é agora reforçada a partir de ambos os lados; pela existência de um regime ultra-nacionalista em Kiev, que promove visões pejorativas da consciência da classe trabalhadora no leste e pela aparente coincidência de interesses, por exemplo, defendendo a indústria pesada, a leste.

A escalada da crise social e econômica na Ucrânia irá expor as tensões nesta relação. A tarefa dos socialistas na Ucrânia é explorar essas tensões, expondo o fato de que todos os oligarcas e as potências imperialistas concorrentes têm uma causa comum que é manter todos os setores da classe trabalhadora politicamente dependente dos representantes do sistema capitalista.

A criação de um partido da classe trabalhadora que pode dar a liderança para a juventude e pobres de todo o país e seja politicamente independente de todos os oligarcas é a prioridade mais urgente. Isso significa que um partido que defende a revolução socialista para colocar a economia sob o controle da classe trabalhadora, organizada por conselhos operários democráticas e defendida pela população armada no lugar da polícia e do exército e os serviços secretos leais ao Estado capitalista. Esta é a única maneira que a classe trabalhadora pode terminar a sua exploração e reorganizar a produção para atender às necessidades das pessoas comuns em vez de encher as contas bancárias suíças de oligarcas ladrões.

A tarefa dos socialistas na Europa e na Rússia é ajudar nesta luta de se opor às tentativas de suas próprias classes dominantes para subordinar os trabalhadores ucranianos para rivalizar com agendas nacionalistas, para impor a seus funcionários públicos e procuradores como líderes e para forçar a Ucrânia a escolher entre a exploração nas mãos de um ou outro campo imperialista. Isto significa uma luta intransigente contra a militarização da Europa Oriental pela OTAN, a luta contra a ofensiva de propaganda imperialista e mobilizar a oposição da classe trabalhadora para o apoio do governo para a ofensiva austeridade do regime ultranacionalista de Kiev.

À medida que a ofensiva de austeridade Yatseniuk, apoiada pela UE e pelos EUA, ganha velocidade, a possibilidade de despertar os trabalhadores e jovens da Ucrânia ocidental e central de seus sonhos de um estilo de vida europeu vai crescer e as oportunidades para reunir as pessoas que trabalham da Ucrânia irá aumentar. No entanto, para ter sucesso, um partido também terá que provar sua independência do imperialismo russo e seus agentes no leste. Esta é a única esperança para salvar o país a partir da estrada da destruição nas mãos dos imperialistas e dos oligarcas igualmente.

 

 

 

 

 

Traduzido por Liga Socialista, Brasil, 28/01/2015.