Os líderes do Syriza se rendem: agora é engrossar as fileiras para resistir

08/03/2015 22:01

Dave Stockton Wed, 25/02/2015 - 16:24

 

Em suas declarações, após o acordo com os representantes da Zona do Euro em 20 de Fevereiro, Alexis Tsipras falava como típico político burguês. Ele alegou ter vencido a batalha, quando, na realidade, ele tinha perdido. Mesmo o observador mais simpático teria de reconhecer que o Syriza capitulou ao ultimato brutal do Eurogrupo, que foi, efetivamente, "aceitar os termos ou os caixas eletrônicos existentes em todo o país não serão capazes de emitir Euros a partir de quarta-feira, 24 de fevereiro".

A Grécia e seu governo estão claramente de volta sob a supervisão do Banco Central Europeu, da Comissão Europeia e do FMI. O único "ganho" foi que estes são agora referidos como "as instituições". Em cada questão-chave, a Grécia, sob o governo Syriza, enfrenta a mesma situação de antes; Tsipras se compromete a cumprir os acordos feitos pelos governos anteriores, ou seja, o odiado "Memorando" que levou a €62,5 bilhões em medidas de austeridade entre 2010 e 2014.

Aqui, também, tudo o que mudou foi o nome. O que foi o "Memorando" é agora o "Master Financial Assistance Facility Agreement" (Acordo Principal de Mecanismo de Apoio Financeiro). Como o "Memorando", este exclui qualquer "ação unilateral" por Atenas, compromete o governo a atingir superávits primários, embora o valor ainda está para ser definido, e reconhece a validade de toda a dívida existente.

Tsipras teria que dizer que este é um negócio terrível, que nos rouba quase toda a liberdade de ação e cospe na vontade democrática da maioria esmagadora do povo grego, pelo menos, teria sido honesto. Ele teria permitido ao povo debater quais ações poderiam ser tomadas com a cabeça limpa. Em vez disso, ele está enganando o povo grego. Ele afirma que o acordo atingido em 20 de fevereiro representou "um passo decisivo para deixar a austeridade, os salvamentos e a Troika para trás" e que "a Grécia alcançou um importante sucesso negocial na Europa". Nem a afirmação é verdadeira.

A declaração final elaborada pelo Eurogrupo, os ministros das Finanças da zona do euro, na sexta-feira estipularam, "As autoridades gregas se comprometem a abster-se de qualquer reversão de medidas e alterações unilaterais as políticas e reformas estruturais que impactam negativamente as metas fiscais, recuperação econômica ou a estabilidade financeira, avaliada pelas instituições [UE, BCE e FMI]".

Tudo isso equivale a mudar o rótulo do frasco do veneno, e não o seu conteúdo. Não é de admirar, Wolfgang Schäuble, Ministro das Finanças da Alemanha, pagou os insultos que recebeu por cantar em triunfo: "Estar no governo é um encontro com a realidade, e a realidade muitas vezes não é tão boa quanto um sonho", acrescentando: "Os gregos certamente terão dificuldade para explicar o acordo aos seus eleitores".

Também não é apenas uma questão de uma batalha que está sendo perdida. A razão pela qual as pessoas votaram em Syriza, e por que sua popularidade subiu para mais de 50% desde a eleição, foi que Tsipras e seus colegas prometeram negociar uma grande redução da dívida, livrar a Grécia da ditadura da Troika e para reverter a unidade com a austeridade, a criação de postos de trabalho, restaurar os salários e pensões e reverter as privatizações.

Agora, toda a estratégia do Syriza, de tentar ganhar concessões dos "parceiros europeus" da Grécia, na esperança de que a Itália ou a França, ou mesmo o Banco Central Europeu, seja mais misericordioso do que Ângela Merkel e Wolfgang Schäuble, provou ser uma ilusão e terminou em um fiasco completo.

Da Itália Matteo Renzi, da França François Hollande e do BCE Mario Draghi, deram ao Ministro das Finanças, Yanis Varoufakis, uma recepção simpática em sua turnê pelas capitais da Europa, mas mostrou-se com as palhetas quebradas, e indisposição para apoiá-lo, quando Schäuble e o Diretor do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, foi para matá-lo.

A Alemanha, apoiada pelos governos, como da Espanha, da Irlanda e de Portugal, que têm vitimado os seus próprios povos e temido que um sucesso grego encorajasse rivais de esquerda em casa, sem rodeios todos recusaram até as concessões mais nominais.

É verdade, a percentagem do excedente orçamental que a Grécia será obrigada a executar não foi especificado. Esta é a coisa mais próxima de uma concessão que Varoufakis pode apontar; que poderia ser o excedente de 1,5% que pediu, em vez dos 4% anteriormente especificado.

Mas somente um tolo poderia ser capaz de apostar que a Alemanha acabará por ceder e permitir isso em negociações futuras. Em todo o caso, como poderia um governo que prometeu aumentar os salários do setor público, reempregar centenas de milhares e renacionalizar empresas privatizadas, também executar qualquer tipo de excedente orçamental?

Os escassos quatro meses de extensão do acordo de resgate, com a restrição de que qualquer reforma deve ser aprovada pelas "Instituições", mostra que as alegações de ter rasgado o Memorando e enviado o pacote da Troika foram glorificações vazias. O povo ria da ostentação de Varoufakis, quando ele rompeu as negociações com o BCE, a Comissão da UE e do FMI em favor de negociações com os governos individuais. Na época, Dijsselbloem engasgou "você acabou de matar a Troika" e Varoufakis respondeu: "Uau!" Mas o ex-holandês social-democrata riu por último.

Para as demandas sociais do Syriza tem havido um massacre absoluto desses, porque a continuação do segundo resgate só cobre a liquidez dos bancos gregos e a continuação dos pagamentos aos detentores de bônus e credores. De fato, ao longo do segundo resgate apenas 11% dos empréstimos nunca foram para o orçamento do governo grego, o resto foi embolsado pelos próprios credores, com apenas um clique de um mouse em Frankfurt. Então, a promessa de 300 mil novos postos de trabalho o privado, público e setores sociais, e o aumento do salário mínimo a partir de €580 para €751, foi jogada fora. Em vez disso, há uma proposta para aumentar o salário mínimo "ao longo do tempo", mas de uma forma que as salvaguardadas a competitividade e produtividade. Além disso - "o local e o calendário de mudanças para o salário mínimo será feito em consulta com os parceiros sociais Europeus e das instituições internacionais." Em suma isso também à mercê do trio linha dura.
A promessa de travar privatizações também foi completamente abandonada, incluindo o de Piraeus e da Corporação do Poder Público da Grécia. Em vez disso, o governo não só prometeu, "a não reverter as privatizações que foram concluídas", mas, além disso, "naqueles em que o processo de licitação foi lançado, o governo vai respeitar o processo, de acordo com a lei".

Algumas promessas permanecem: até 300 kWh de eletricidade franqueada por mês e subsídios de alimentos para as 300 mil famílias que não têm renda; derrubada de impostos sobre o combustível de aquecimento; assistência médica gratuita e seguro médico para desempregados, proteção para as pessoas com hipotecas em atraso contra a apreensão de sua propriedade.

Tais medidas devem ser objeto de nova negociação, mas dentro do contexto de uma promessa ameaçadora para "avaliação e controle de gastos" em todas as áreas do governo e para "identificar as medidas de redução de custos através de uma revisão completa do gasto por cada ministério".

O povo Grego que trabalha não se deixa enganar por muito tempo pelo giro que apresenta derrotas estratégicas como vitórias táticas. Eles não esqueceram o que eles votaram para todas aquelas medidas apenas algumas semanas atrás.

Stathis Kouvelakis, um economista marxista e membro do comitê central do Syriza, tem sido muito franco:

"Essencialmente, a implementação das medidas fundamentais do programa eleitoral Thessaloniki do Syriza está sujeita à aprovação prévia dos credores, de forma eficaz totalizando a anulação do programa. Além disso, ele reconhece os termos odiosos dos acordos de empréstimo, que contribuiu para enfraquecer ainda mais a posição grega de negociação sobre o assunto. É óbvio que, ao aceitar esse quadro como um suposto "compromisso honrado", o governo Syriza está tendo suas mãos amarradas." (https://www.jacobinmag.com/2015/02/greece-syriza-backtrack-europe- negoti ... )

Curiosamente, Varufakis, que se descreve como um "marxista errático", revelou a contradição de sua visão estratégica em 2013, é um típico do clássico reformismo ou da Social-Democracia:

"... A esquerda deve admitir que não estamos prontos para ligar o abismo que o capitalismo europeu em colapso vai abrir com  o funcionamento de um sistema socialista, aquele que é capaz de gerar prosperidade partilhada para as massas. Nossa tarefa deve então ser dupla: Para apresentar uma análise da situação atual, que não-marxistas, bem intencionados europeus, que foram atraídos pelas sereias do neoliberalismo, acharam-se perspicazes. E para acompanhar esta sonora análise apresentaram propostas para estabilizar a Europa, para acabar com a espiral descendente que, no final, só reforça os irracionais e incuba o ovo da serpente. Ironicamente, aqueles de nós que detestam a Zona Euro têm uma obrigação moral de salvá-lo!"

Esta é precisamente a síndrome reformista que Trotsky apontou quando se refere a um alemão social-democrata do início dos anos 1930 que perguntou: "Nós herdeiros alegres devemos esperar à beira do leito de um capitalismo mortalmente doente ou devemos procurar médicos para ajudar sua recuperação? Sempre, é claro, esses senhores respeitáveis ​​decidiram que o segundo era o caso. Mas esses médicos "socialistas", uma vez que tenham efetuado uma recuperação, ou pelo menos impedido marxistas genuínos de levar toda a classe operária em uma luta para pôr fim ao sistema, então são expulsos pelo paciente recém robusto, com insultos e golpes. Quanto às reformas que os bons médicos esperam efeito, como uma contrapartida para os seus serviços, elas são bruscamente julgadas impedimentos para uma recuperação mais rápida".

Não seria nenhum serviço para a classe trabalhadora grega esconder a escala da entrega, não importa o quão brutal e repugnante aqueles que forçaram sejam líderes Syriza. Ao mesmo tempo, temos de salientar que os principais inimigos do povo grego que trabalha não são "os alemães", nem mesmo os burocratas de Bruxelas, mas o capitalismo em declínio. É, portanto, o nosso primeiro dever tentar tudo que estiver ao nosso alcance para mobilizar as forças do Norte e da Europa Ocidental para expor e frustrar seus planos.

No entanto, os indivíduos e os partidos de esquerda em toda a Europa estão todos preparados com suas desculpas para os líderes Syriza; "O que mais eles poderiam ter feito?", "Eles ganharam tempo para uma luta de volta mais tarde", "eles ganharam algumas concessões". Esta é a solidariedade com as forças erradas. Não estão apenas prolongando ilusões, mas estão preparando também uma desilusão mais amarga e destrutiva, num futuro próximo.

O pior resultado será se os líderes Syriza forem capazes de usar a imensa esperança e prestígio do partido construído entre 2010 e 2015, para voltar a apresentar a Grécia para a continuação da austeridade. Se um governo Tsipras torna-se o avalista de um negócio podre com os eurocratas liderados pela Alemanha, vai dificultar e dificultar a resistência da classe trabalhadora, desmoralizar todo um setor da esquerda, e preparar a ascensão das forças de direita. Seu próprio destino acabará por ser o do Pasok: esquecimento eleitoral.

Em uma escala europeia, tal resultado faria o colapso desonroso e miserável dos partidos de esquerda reformistas e grupos populistas agrupados inevitavelmente em torno do Partido da Esquerda Europeia. Enquanto ele vai provar a veracidade da revolucionária crítica leninista do reformismo em todas as suas formas, novas ou antigas, de euro-comunista ou social-democrata, se ele vem ao preço de desmobilizar a resistência grega, será um preço muito alto a pagar.

Isto poderia levar a recuos semelhantes e derrotas na Espanha, Portugal e Irlanda, onde a estratégia Syriza tem sido apontada como a resposta à austeridade e ao Estado de eurocratas. Os únicos vencedores de uma derrota sem luta seria as populistas de direita (UKIP, Pegida) se não os fascistas imediatos como Golden Dawn ou Jobbik. Além disso, os organizadores de derrotas e negociadores de rendição, ou seja, os burocratas das principais centrais sindicais e os líderes socialdemocratas dos trabalhadores seriam reforçados mais uma vez. Se a sua crítica permanece passiva e à margem da luta, a esquerda vai encontrar-se mais isolada e impotente do que nunca e seu "eu avisei" será ignorado ou ridicularizado. E com toda a razão!

Tal resultado não é inevitável, se a esquerda de luta, derruba este acordo-rendição e convoca os trabalhadores gregos, militantes e jovens à resistência. E se, também, recebe o máximo de apoio por parte dos trabalhadores e militantes de esquerda em toda a Europa que deve perceber que os gregos estão lutando por eles. A grande derrota na Grécia será uma derrota para todos nós que lutamos contra a austeridade, da Ucrânia a Portugal.

Um sinal importante para a ação seria se a esquerda dentro do Syriza, que estava muito quieta durante os meses que antecederam a eleição, lute para rejeitar o acordo. No Parlamento, todos os deputados de esquerda devem votar contra. Nas ruas de Atenas e outras cidades gregas, manifestações contra as condições impostas por Berlim e Bruxelas precisam crescer em força. As assembleias e comitês de ação que vimos em 2010-12 precisam ser revividos e se tornarem ainda mais forte. Nesses corpos, uma nova estratégia baseada na rejeição absoluta das condições da UE para o cumprimento de todas as promessas em programa do Syriza, deve ser lançada.

A perspectiva precisa ir além da ideia de uma coalizão parlamentar da esquerda e da direita, para uma luta nas ruas e nos locais de trabalho por um governo dos trabalhadores que renunciará a totalidade da dívida, e porá fim à miséria imposta sobre nos últimos cinco anos e fará com que os ricos paguem. Isto significará de imediato uma nacionalização dos bancos e o bloqueio de todas as outras transferências para o exterior, a imposição de controle dos trabalhadores sobre todos os setores ameaçados de privatização, como os portos, e a tributação dos ricos, a fim de proporcionar o alívio e trabalho para os desempregados e inseguramente empregados.

Por último, mas não menos importante, o recurso deve ser feito agora, ao movimento integral dos trabalhadores em toda a Europa para tomar medidas para forçar o fim da chantagem econômica e as ameaças de um bloqueio financeiro da Grécia por políticos, banqueiros e burocratas de toda a União Europeia.

Se a Grécia é jogada para fora da Zona do Euro, voltando ao drama como o KKE e partes da ANTARSYA argumentam, haverá solução fácil. Em uma Grécia capitalista, a nova moeda vai desvalorizar, os salários serão cortados ainda mais e os preços em espiral ascendente. O argumento de que isso vai estimular indústrias e agricultura é um disparate. A Grécia é um país muito pequeno para considerar autárquica.

Se o socialismo em um só país, a utopia reacionária dos stalinistas, não cogita em grandes semi-continentes como a ex-URSS e China, em seguida, o capitalismo em um só país é ainda menos possível de solução, pois os capitalistas gregos terão de ser aplacados, procurando o apoio de potências imperialistas alternativas como a Rússia e a China.

Na verdade, seria necessário mover o mais rápido possível para uma economia socializada e democraticamente planejada. Uma revolução grega teria de se espalhar rapidamente, num primeiro momento para os países da Europa que sofrem os mesmos efeitos da crise e das "soluções" dos governantes da UE contra a classe trabalhadora. Se isso não acontecer, está destinado a derrota.

Por todas estas razões, é necessário lançar um movimento massivo de solidariedade com a resistência grega frente ao continente, ligando-o à resistência “em casa” contra nossas próprias classes dominantes. O nosso principal objetivo deve ser o de substituir a Europa dos bilionários pelos  Estados Unidos Socialistas da Europa.

 

 

Traduzido por Liga socialista em 8 de março de 2015.