Os primeiros 100 dias de Trump

21/06/2017 20:45

Marcus Otono, Red Flag Nº 13, June 2017 Wed, 14/06/2017 - 08:32

Nos EUA, os primeiros 100 dias do presidente no cargo são sempre um teste da mudança de direção, se houver, de uma administração para a próxima. Isso é especialmente verdadeiro este ano, com a varredura republicana de ambas as casas do Congresso dos EUA, bem como na Presidência, além de manter a maioria das casas estaduais e governos.

Que foram 100 dias tumultuados, isso é inquestionável. Começando com as manifestações do Dia da Posse e a marcha massiva das mulheres no dia seguinte, Trump foi assediado com a resistência a sua agenda declarada. Em fevereiro, houve uma greve "Day Without Immigrants" (Dia Sem Imigrantes). Então, em 8 de março, houve uma greve "Day Without Women". Em abril vimos uma enorme "Marcha pela Ciência", desafiando os ataques da administração na pesquisa sobre mudanças climáticas.

E então houve o Primeiro de Maio. Pela primeira vez desde as grandes greves e manifestações que marcaram outro "Day Without Immigrants" em 2006, milhares de imigrantes, trabalhadores e seus apoiadores e aliados participaram de ações em cidades de todo o país. Eles incluíam não apenas marchas e manifestações, mas também greves e boicotes. Embora certamente não tenha ascendido ao nível de uma "greve geral", ultrapassou os punhados de socialistas que normalmente marcam o Dia 1º de Maio nos EUA. Como era de se esperar, as cidades maiores, notadamente Los Angeles, Chicago e Nova York, tinham as maiores multidões, com cerca de 30 mil em Los Angeles

A multidão em Los Angeles foi composta por uma mistura de grupos socialistas reformistas, radicais e revolucionários e mostrou uma tendência crescente para os vários segmentos políticos se juntarem em oposição à agenda de Trump. Uma vez que os latinos e outros imigrantes estão suportando o peso dos ataques da administração Trump, eles são agora a parte mais visível na liderança desta luta.

Essa cooperação em linhas de "identidade" mostra que todas as comunidades de oprimidos racial e socialmente começam a ver a unidade em ação como um objetivo necessário e realizável. Não precisa ser repetido para conscientizar que uma lesão a uma "identidade" é uma lesão a todos.

Claro, isso ajuda que a maioria das pessoas sob ataque sejam da classe trabalhadora. Isso traz as organizações de trabalhadores mais radicais, como as "Alternative Labor Organizations" (ALOs) -Organizações Alternativas de Trabalhadores - e os militantes locais das duas grandes federações, a AFL-CIO, com 9 milhões de membros e a Change to Win, com 4,2 milhões, para a luta em apoio de seus membros e Comunidades.

Esse envolvimento dos sindicatos é talvez o mais positivo de uma perspectiva socialista para o Dia 1º de Maio de 2017. Pela primeira vez desde a Posse de Trump, a resistência aos ataques da administração teve liderança e direção da classe trabalhadora organizada significativa.

Em muitas das pequenas manifestações em todo o país, mesmo em lugares que nunca ouviram falar do Primeiro de Maio, as ALOs assumiram a liderança na organização de protestos, manifestações e marchas. Esta é também uma tendência positiva, na medida em que as ALOs, por sua própria natureza, têm menos restrições sobre ações de trabalhadores, como greves, do que seus irmãos mais "oficiais" em sindicatos. Eles também têm menos a perder e muito mais a ganhar, sendo representantes voluntários de grupos de salários mais baixos, como trabalhadores imigrantes que estão sujeitos aos piores abusos e excessos de seus chefes.

O caráter de resistência a Trump

Desde o dia primeiro de maio, as maiores manifestações e ações têm apoiado os setores oprimidos, aqueles que estão sob o peso dos ataques. Suas táticas, com poucas exceções notáveis, foram manifestações de massa, marchas e manifestações que expressam o desgosto com esses ataques. Até agora, das táticas utilizadas pelos militantes, houve pouca utilização das mais prolongadas que serão necessárias para interromper ou atrasar os próprios ataques.

Dito isto, agrupamentos significativos dentro da resistência estão defendendo estratégias e táticas mais militantes, incluindo os reformistas Democrático Socialistas da América e os vários grupos da tradição trotskista. Esta abordagem mais militante também está começando a incluir a classe trabalhadora organizada em alguns sindicatos e outros grupos dedicados à proteção dos trabalhadores. Das ALOs que organizaram o "Day Without Immigrants " de fevereiro e que no movimento "Ni Una Menos" que desempenhou um papel proeminente nas ações no Dia Internacional da Mulher Trabalhadora, para as ações de maio, as lideranças tornaram-se mais descaradamente socialistas em sua linguagem e defendendo mais táticas militantes como greves e boicotes.

Isso mostra claramente uma resistência que se move em uma direção para a esquerda. Dado que os próprios ataques ainda não começaram a atingir a massa da população, devemos esperar que muito mais siga a liderança à esquerda se pudermos continuar a fornecer uma direção para a resistência real a Trump e sua trama de bilionários.

Um exemplo positivo foi estabelecido pelos trabalhadores do território americano de Porto Rico no dia primeiro de maio. A ilha tem sido assediada por problemas econômicos em muitos aspectos, semelhante aos problemas da Grécia na UE. Desde as práticas bancárias obscenas que em primeiro lugar levaram o governo local a problemas, quando foi atingido pela Grande Recessão, até a austeridade que está sendo requerida para se "recuperar" desses problemas, Puerto Rico resistiu aos ataques mais do que qualquer outro lugar no Estados Unidos.

A "greve geral" do dia primeiro de maio estava mais próxima de uma greve geral real do que em qualquer outro lugar, com a economia impactada significativamente para o dia e manifestações massivas parando setores inteiros da economia, do governo e do dia-a-dia. Foi a resposta do povo de Porto Rico que está sendo chamado para pagar a recuperação dos lucros capitalistas perdidos durante a Grande Recessão, sacrificando suas pensões, salários, benefícios e direitos dos trabalhadores, inclusive de se sindicalizar e negociar coletivamente.

A popularidade de Trump começou no nível mais baixo de qualquer presidente eleito e realmente caiu desde a posse, embora ele ainda tenha um núcleo de apoio que o perdoe de quase qualquer coisa. Além disso, o Partido Republicano também se mostrou dividido em táticas, apesar da maioria.

Estão crescendo as probabilidades de que a incompetência demonstrada por Trump e as divisões dentro da classe dominante possam impedi-lo de terminar seu mandato para o qual foi eleito. Isso levaria seu vice, Pence, a presidente e que continuaria todos os ataques da agenda Trump, juntamente com uma cobertura obscurantista religiosa que seria ainda mais ameaçadora para as mulheres e demais minorias. Ele provavelmente também trará um plano mais focado para que essa agenda seja promulgada em lei. Em outras palavras, podemos ter certeza de que a resistência que acabou de começar será necessária se Trump continuar no governo ou não.

Fazendo a resistência efetiva

Para resumir, precisamos levar todos a ataques em comitês para ações conjuntas, apoiando greves e ocupações, mobilizando manifestações em massa e organizando a legítima defesa não só contra os órgãos opressivos do estado, como a polícia, o ICE, o FBI, mas também contra as milícias da extrema direita, os fascistas. O lançamento de uma greve geral contra qualquer um dos principais ataques de Trump significará organizar a partir da base, não dependendo dos líderes sindicais e comunitários existentes.

Esses comitês não só precisam organizar a resistência aos ataques, mas também iniciar o processo pró-ativamente abordando os problemas de suas comunidades, tirar cada vez mais o poder do estado burguês e construindo um contrapoder da classe trabalhadora e dos oprimidos.

As forças federais e estaduais, no entanto, não se sentarão e se verão substituídas por órgãos do poder dos trabalhadores e, portanto, um movimento de resistência deve se tornar um movimento que se propõe derrubar o poder dos patrões e banqueiros, dos chefes da polícia e dos generais. Para organizar isso, mais do que sindicatos, organizações comunitárias, ou mesmo conselhos de ação, são necessários. A luta pelo poder político requer um partido.

É por isso que precisamos trabalhar incansavelmente para construir um partido de trabalhadores e oprimidos. Precisamos agora de uma voz nos corredores do poder que agora são reservados apenas para os milionários, bilionários e corporações globais. Obviamente, dado o dinheiro dos bilionários e seu controle da mídia, seria difícil conseguir uma verdadeira representação de nossos números no Congresso. No entanto, um partido de trabalhadores seria uma voz para todos nós, uma voz para as lutas no dia a dia em nossas comunidades.

Orientar-se aos Democratas "progressistas", como defendiam os Democrático Socialistas da América, afiliado americano da Internacional Socialista, seria induzir em erro as forças que se reuniram em torno dos movimentos Occupy, Fight for 15, Black Lives Matter e Bernie Sanders. O Partido Democrata mostrou repetidamente sua ineficácia em ajudar os trabalhadores dos EUA e os pobres. Ao longo dos anos de Obama, as coisas pioraram para a maioria com estagnação de salários, benefícios e segurança no emprego. A reação à isso levou diretamente ao surgimento dos fenômenos Tea Party e Trump, ao aumento dos assassinatos de jovens negros e de racistas e fascistas nas ruas.

A razão para isso é fácil de entender. Os democratas são um grupo da elite de Wall Street tanto quanto os republicanos e, como tal, nunca priorizarão nossos interesses, nem no governo, nem na oposição. 

O que precisamos nos EUA é um partido dos trabalhadores para desenvolver uma resistência organizada e efetiva a Trump ou a Pence, caso Trump não complete seu mandato. Deve ser independente de todos os partidos capitalistas e ser um partido de luta, não apenas em momentos de eleições. Deve ser ativo nos sindicatos e nas comunidades. Hoje, ele deve procurar orientar politicamente e encabeçar a resistência a Trump incluindo até uma greve geral.

A Alternativa Socialista, a organização irmã do Partido Socialista no Reino Unido, é a mais ativa dos grupos de extrema esquerda nos EUA hoje. Em 2013, ela conseguiu eleger Kshama Sawant para o Conselho Municipal de Seattle e desempenhou um papel importante no apoio a Bernie Sanders, mas usa o vago slogan de um "partido dos 99%". Poderia ajudar poderosamente o desenvolvimento de um partido dos trabalhadores se rompesse com essa confusão. A Organização Internacional Socialista, ISO, uma vez vinculada ao SWP britânico, defendeu a necessidade do que ele chama de uma coalizão "Vermelho-Verde". Ambos os grupos distantes da esquerda confundem a necessidade de um partido da classe trabalhadora, armados com um programa socialista revolucionário, com slogans populistas e reformistas.

No entanto, se todas as forças de combate dentro do movimento anti-Trump concordam não apenas em coordenar a luta de forma democrática e anti-sectária, mas também para debater quais são os nossos objetivos políticos e qual a forma de partido que precisamos, então, sob as atuais condições favoráveis, grandes progressos podem ser feitos.

 

Traduzido por Liga Socialista em 19/06/2017