Paquistão: Por uma Frente Unida contra o Fascismo Clerical e a Ditadura

03/12/2017 23:31

Revolutionary Socialist Movement, Lahore, November 28, 2017 Wed, 29/11/2017 - 08:06

 

O último fim de semana de novembro foi um pesadelo. Reconhecendo a fraqueza do governo após os escândalos de corrupção, os fascistas clericais usaram o pretexto do projeto de lei eleitoral para mobilizar suas forças nas ruas. Sua agenda não é apenas dirigida contra minorias religiosas, elas são meramente os bodes expiatórios. O seu programa é que um movimento de massas destrua todos os direitos democráticos, legais e políticos da população e é uma ameaça direta aos interesses e organizações da classe trabalhadora e das massas camponesas, particularmente os jovens e as mulheres.
Os militares usaram as mobilizações antigovernamentais para demonstrar seu controle real das forças do Estado ao exigir que o governo aceite as exigências humilhantes do islâmico "Tehreek Labaik Ya Rasool Allah". Ao se unir efetivamente aos islâmicos, os generais esperam assegurar uma base de massa para uma ditadura militar, se eles julgarem necessário. 

Contra esta tempestade de reação, o governo mostrou-se indefeso. Não podemos confiar no gabinete capitalista dos ministros do “Panamá” para defender os poucos direitos democráticos remanescentes que temos. Essas pessoas estão mais preocupadas em manter suas riquezas seguras do que com a vida das massas paquistanesas.

Imagine se trabalhadores, camponeses, jovens ou minorias oprimidas tivessem se atrevido a protestar da maneira que os Maulvis fizeram. O governo não hesitou em autorizar o uso da força mais brutal, incluindo a munição real, para esmagar tais demonstrações. Certamente, o exército teria ajudado. Os Maulvis também teriam aplaudido. Eles estão finalmente todos no campo daqueles que querem empurrar as massas paquistanesas para a lama. 

No entanto, no momento, o perigo imediato não é o governo, mas a ameaça de uma mudança dramática para a direita, possivelmente até uma ditadura militar com o apoio dos Maulvis. Como certamente não podemos confiar no governo existente para evitar isso, devemos confiar em nossa própria força.

Portanto, pedimos a todos os sindicatos, as organizações progressistas de estudantes e mulheres e a esquerda paquistanesa para formar uma frente unida em todo o país. Essas organizações precisam realizar reuniões preparatórias locais e regionais para analisar a situação específica. Nesta base, os apoiadores de uma chamada de frente unida devem concordar em formar comitês de ação conjuntos em cada campus, local de trabalho e distrito da classe trabalhadora onde eles estão presentes.

A tarefa desses comitês deve ser lançar uma campanha de informação, fortalecer organizações da classe trabalhadora e fortalecer nossas capacidades defensivas. Os trabalhadores, de qualquer seita ou nacionalidade, precisam estar preparados para defender suas comunidades contra mobilizações violentas, como as que vimos nos dias 25 e 26 de novembro. Eles também precisam estar preparados para atacar em massa em caso de tentativa de golpe militar. Para isso, é necessário preparar slogans e materiais e organizar reuniões de rua nos distritos dos trabalhadores, dentro ou perto de fábricas e campus.

Nós propomos que as organizações que apoiam o chamado para uma frente unida concordem em se defender mutuamente contra todos os ataques das forças reacionárias. Devemos apontar para a máxima unidade em ação quando se trata de defender nossa classe e nossos direitos democráticos. Ao mesmo tempo, pedimos um debate aberto e vital na frente unida para revitalizar nosso movimento e formar uma nova geração de ativistas da classe trabalhadora. Podemos ter diferenças estratégicas, mas é dever de todos os ativistas e de todas as organizações da classe trabalhadora cerrar nossas fileiras em tempos de perigo. Portanto, pedimos que você distribua o seguinte documento e comprometam suas organizações, sindicatos ou iniciativas a assiná-lo e agir em conformidade com o mesmo.

Para uma Frente Unida contra o Fascismo Clerical e a Ditadura

1. Nós, os signatários desta declaração, chamamos os sindicatos e os partidos de esquerda, todas as organizações progressistas de estudantes, mulheres e camponeses para formar uma Frente Unida contra o Fascismo Clerical e contra qualquer tentativa dos militares de obter mais poder ou estabelecer uma nova ditadura militar. 

2. Como signatários, comprometemo-nos e nossas organizações na construção de uma Frente Unida nacional. 

3. Isso exigirá a formação de comitês de ação a nível nacional, regional e local. 

4. A tarefa desses comitês é lançar uma campanha, elevando nossas vozes contra o fascismo clerical e o governo militar a partir de uma perspectiva da classe trabalhadora.

5. Inclui também o acordo de autodefesa mútua contra ameaças e ataques e o objetivo de organizar as massas trabalhadoras para que possam defender seus distritos e comunidades, suas fábricas e escolas de ataques sectários e fascistas. Também significa organizar e treinar nossa classe para poder atacar em massa em caso de qualquer tentativa de um golpe fascista ou militar.

 

Movimento Socialista Revolucionário, 28 de novembro de 2017

 

 

Traduzido por Liga Socialista em 03/12/2017