Protestos contra ataques de budistas às comunidades muçulmanas

23/06/2014 11:43

Peter Main Fri, 20/06/2014 - 10:35

Colombo, 18 de junho.

 

Mais de 2.000 pessoas se manifestaram hoje, em Colombo, em protesto contra continuados ataques contra as comunidades muçulmanas por chauvinista cingalês e multidões organizadas pela clerical-fascista Bodo Bala Sena, BBS.

O último deles, no domingo 15 de junho, Alutgama, cerca de 40 quilômetros ao sul de Colombo, deixou dois mortos e pelo menos 80, incluindo crianças, gravemente feridas e 10 propriedades queimadas e uma multidão de 1.000 pessoas, liderada pelos monges de BBS, invadiram o distrito. Mais tarde, outras gangues espalharam os ataques às comunidades muçulmanas próximos em Berewala, Welipenna e Dhargatown.

O papel de liderança desempenhado pelos monges BBS sublinha o ponto que qualquer religião pode servir de base para a mobilização de gangues de rua fascistas, cujo verdadeiro objetivo é dividir todos os adversários em potencial da elite dominante. Nos últimos meses, houve várias mobilizações de sucesso de estudantes, pescadores, agricultores e trabalhadores do setor público. Todos protestavam contra as medidas de austeridade impostas pelo governo de Mahinda Rajapakse.

Há, portanto, todas as razões para acreditar nos relatórios que, quando a polícia local tentou impedir a marcha BBS de domingo, ela foi anulada pelo Ministério da Defesa, que é dirigido pelo Gotabaya Rajapakse, irmão do presidente. No rescaldo do massacre, o toque de recolher foi imposto, permitindo a ação de unidades do Exército e da Polícia especializadas para repressão de toda a área, enquanto que nenhuma ação foi tomada contra BBS.

Em face de tais mobilizações fascistas apoiados pelo governo, a esquerda no Sri Lanka precisa dar uma vantagem na formação local de grupos de defesa, controlados democraticamente, para proteger não só as comunidades, mas também os sindicatos e organizações políticas que são essenciais para uma bem-sucedida contraofensiva contra Rajapakse.

A manifestação de hoje, convocada pela linha de frente do Partido Socialista e apoiada não só por organizações muçulmanas, mas também por muitos dos grupos de esquerda, deixa claro que as forças que poderiam dar essa liderança podem colaborar, pelo menos em tarefas práticas. O que é necessário agora é uma frente única contra os fascistas, com base nessas organizações, mas atraindo as bases dos sindicatos, os jovens e as organizações de mulheres e de todos aqueles cujas vidas estão ameaçadas por políticas governamentais.