Recuperação a la Titanic

27/12/2013 18:14

Markus Lehner - Dezembro de 2013

 


Durante a campanha eleitoral na Alemanha, com o clima pró-Merkel e pró-União Democrática Cristã que ela criou, levaria a pensar que para Alemanha "tudo vai bem", a forte turbulência nos mercados financeiros, a crise econômica de 2009, a crise europeia, tudo isso deixamos atrás agora.

Quando o PIB na zona do Euro no segundo trimestre de 2013 cresceu cerca de 0,3 %, pela primeira vez desde o quarto trimestre de 2011, isso foi comemorado como se fosse um grande boom e um abrandamento da crise do Euro foi declarado. A pesquisa de outono de analistas econômicos também foi otimista, caracterizando a economia alemã agora "no início de uma recuperação " (Frankfurter Allgemeine, 13 de Outubro). Qualquer jornal econômico visto com seriedade, na Alemanha, nos EUA ou na Grã-Bretanha, os especialistas concordaram todos uns com os outros sobre as perspectivas econômicas para 2014.

É claro que estas "previsões econômicas" também têm um propósito político, seu otimismo ajuda a aliviar o "estresse" nos mercados e incentiva a aceitação da política de crise. Assim, a projeção de 2012 para 2013 colocou o crescimento do PIB alemão em cerca de 1 %, o que foi então gradualmente reduzido para os 0,4 % de hoje, embora, é claro, só depois das eleições gerais de Setembro. Quando se olha para os números de crescimento econômico desde a severa crise econômica global de 2009, o padrão para a economia global é bastante claro: 2010- 5%, 2011- 3,8%, 2012- 3,1% e agora 2,8% em 2013. Para a economia alemã a tendência não é muito melhor: 4%, 3,3%, 0,7%, 0,4%. Claro, não se pode simplesmente extrapolar isso puramente de forma matemática, mas esses números sugerem que é necessário que haja uma forte evidência para justificar uma previsão de reversão dessa tendência negativa no ano que vem.

Um argumento possível seria que uma recuperação cíclica após 4-5 anos é normal. O problema é que a economia mundial não tem mostrado qualquer desenvolvimento econômico estável desde 2009. Em vez disso, períodos de recuperação dramáticos (início de 2010 a meados de 2011, o primeiro semestre de 2012) seguiram crises igualmente dramáticas (segundo semestre de 2011, segundo semestre de 2012). Isto é comumente chamado de "volatilidade" do ciclo de investimento atual e leva a um planejamento econômico cada vez mais de curto prazo nas empresas. Isso, por sua vez, traz grandes riscos em relação à previsibilidade dos retornos e reembolso de empréstimos. A este respeito, os atuais "booms" são tudo menos sustentável e não promovem realmente prospectivas atividades de investimento.

Mesmo a economia alemã não mostrou uma imagem diferente este ano: depois de números negativos para o quarto trimestre de 2012, o ano começou com um pânico geral em meio a temores de que a recessão da União Europeia tinha se espalhado para a Alemanha, então o crescimento da economia doméstica apresentou números positivos: 0,1% no primeiro trimestre, 0,7% no segundo trimestre, para no segundo semestre desabar novamente, baixando a média do ano para apenas 0,4%.

Existem sinais reais agora que 2014 será diferente? Ao nível da economia global, há cinco questões decisivas.



A ascensão dos "estados tigres"

O desenvolvimento econômico nos "mercados emergentes" (principalmente China, Índia, Brasil, México e Turquia) se deteriorou significativamente em 2013. O modelo de crescimento da China está a atingir os seus limites como resultado de contradições internas (centros industriais dinâmicos ao lado de um setor burocrático estatal cada vez maior, as lutas entre facções internas, o sistema bancário de sombra que reflete um sistema financeiro mal sintonizado com as necessidades do setor industrial), que poderia levar a uma queda nas taxas de crescimento e turbulências no setor bancário, como no primeiro semestre de 2013.

Por causa de graves conflitos internos, uma crise de sua moeda e taxas de crescimento em queda livre, a Índia está se transformando de boom para crise. A taxa de crescimento do Brasil entrou em colapso em 2013, e grandes volumes de capitais foram retirados. Muitos daqueles que basearam seus planos na expectativa de crescimento continuado foram apanhados completamente despreparados quando confrontados com o problema da dívida, com as conhecidas consequências sociais e políticas que se viam no movimento de protesto em Junho.

Isto significa que estas regiões, que eram a base de uma recuperação global em 2013, não estão mais disponíveis como as locomotivas da economia mundial. Embora muitos analistas estejam novamente adulando as perspectivas para 2014, é provável que eles estejam subestimando significativamente os problemas na China e na Índia.
 


A política do FED 

A política do banco central dos EUA, o FED, de bombear grandes quantidades de dólares baratos no mercado por meio de taxas de juro baixas e comprar de volta os títulos do governo e outros títulos dos bancos, "quantitive easing" (QE), foi essencial para toda a "fase de recuperação".

Posteriormente, os bancos centrais europeus e japoneses se voltaram para QE também. Através desta política, os balanços dos bancos foram restaurados e liquidez suficiente foi fornecida para reverter a concessão de empréstimos muito contidos pelos bancos depois de 2008. Até o final de 2012, grande parte da enorme riqueza que havia sido resgatada foi a "ativos seguros", por exemplo em obrigações de empresas de indústria altamente rentável, mas, desde o início de 2013, correu em direção aos mercados de ações até então estagnados, criando um “bull market” em ações aparentemente imparáveis. Isso também reflete um aumento do fluxo de capital que havia sido investido nos "mercados emergentes", por exemplo, como títulos, de volta para os centros imperialistas. Especialmente com o aumento da liquidez no Japão, muito capital de investimento japonês fluiu para os EUA e Europa. Por trás de tudo isso também é um grande medo; o fim de QE e seu impacto sobre os mercados financeiros.

Desde o balanço do FED agora se expandiu para cerca de US$ 4 trilhões, quase um terço do PIB dos EUA, os riscos de política monetária, como a inflação e a dívida, vão se tornar cada vez menos sustentável. Durante muito tempo, por isso, tem-se falado sobre uma estratégia de saída, mas até mesmo o menor indício de um movimento nessa direção leva imediatamente a reações de pânico nas bolsas de valores e a uma reversão rápida. O principal argumento do FED é dizer que a utilização da capacidade do capital investido nos EUA ainda está bem abaixo dos níveis pré-crise, como indicado, por exemplo, pela persistência de elevadas taxas de desemprego. Isso tem sido a justificativa para medidas de política econômica e monetária agora já por vários anos, como se esta baixa utilização fosse apenas uma característica de uma debilidade conjuntural que pode ser compensada por um aumento na oferta de moeda.

Na realidade isso é uma expressão de acumulado excesso de capacidade (no sentido de valorização do capital) em uma vasta gama de setores da economia, como o automotivo, de energia e de serviços, que tem sido obscurecida pelos mercados financeiros inchados.

O efeito real da política do banco central é, na verdade, uma nova expansão do sistema de crédito, que absorve esse excesso de capacidade, em outras palavras, uma repetição do problema que levou à crise financeira de 2006-2008. Do ponto de vista do capital, as alternativas agora são ou a cabeça em uma crise renovada, que poderia, então, dificilmente ser tratada com os mesmos meios que em 2009, ou uma redução real em excesso de capacidade. Isso implicaria numa destruição maciça de capital na forma de encerramentos de empresas, demissões, cortes em serviços sociais e ataques contra os padrões de vida da classe trabalhadora, em suma, o que a teoria neoliberal descreveria como "deixar a crise fazer o seu trabalho”.

Apesar disso, um índice central da economia dos EUA pode ser tomado como representativo da economia mundial; a utilização da capacidade estagnou em uma média de 75 por cento desde 2010 (http://www.markt-daten.de/research/indikatoren/ind.- production.htm).

 

Esta é a expressão mais clara do problema da crise de sobreacumulação. Em "tempos normais" uma taxa de utilização de 80 por cento é considerado como um sintoma de crise, que é então resolvido pela destruição de capital produtivo. A este respeito, a queda média do crescimento da produção industrial, emprego e os indicadores de investimento de capital nos últimos anos não é nenhuma surpresa.


O mundo árabe

Os desenvolvimentos no mundo árabe também são importantes para a economia global, no final das contas a massa de depósitos de petróleo e gás se encontram nessa região. O enfraquecimento da hegemonia dos EUA no mundo, e nesta região em particular, a emergência de novas potências regionais, Catar e Kuwait bem como Arábia Saudita, mas, acima de tudo, a Primavera Árabe, já despertou toda a região. Os novos regimes políticos na Líbia e no Egito, a prolongada guerra civil na Síria e outros riscos políticos têm mantido o preço do petróleo, em contraste com a maioria de outras matérias-primas estratégicas (cobre, ferro, níquel etc.), em um alto nível, geralmente acima de US$ 100 por barril.

Qualquer nova deterioração da situação, como uma intervenção na Síria, elevaria imediatamente o preço do petróleo a níveis que são considerados críticos para a economia global. O outro lado dessa situação é a concentração dos Estados Unidos no desenvolvimento de sua indústria de petróleo nacional, com projetos ambientalmente questionáveis, como o “Fracking” ou a extração de areias betuminosas. Uma grande parte da fraca recuperação da economia dos EUA é baseada em tais projetos, que são altamente especulativos e ecologicamente míopes. Sem dúvida, a solução para os problemas de abastecimento de energia no futuro não será apenas uma questão de especulação e ciclos econômicos, mas de sobrevivência, de guerra e paz.


Os EUA

Desde 2009, a solução para a crise nos centros imperialistas por meio de resgates bancários e programas de estímulo custou muito dinheiro e sobrecarregou orçamentos estaduais. Dada a manutenção da política fiscal neoliberal na maioria dos países, isso levou a cortes "automáticos" no orçamento e ataques sociais constantes. Acima de tudo, nos EUA, o déficit orçamentário e a incapacidade política para resolvê-lo, tornou-se uma crise permanente do sistema político .

O sistema de "freios e contrapesos", a distribuição de poder entre o sistema legislativo e executivo, um sistema eleitoral que garanta uma posição forte no Congresso para uma minoria conservadora, tudo isso tem paralisado a gestão de crise da superpotência remanescente nos últimos anos. Em última análise, esta é uma expressão de divisões extremas dentro da classe dominante nos Estados Unidos. O declínio da indústria dos EUA, a crescente dívida com o resto do mundo, a ascensão de novas potências, particularmente a China, declínio da hegemonia em regiões-chave como no Oriente Médio e na Europa, tudo isso é visto por uma parte da burguesia dos EUA como resultado de uma liderança política fraca. A tudo isso deve ser adicionado o declínio social da "classe média" branca inferior, na sua maioria ex-aristocracia operária, que se voltou para as respostas direitistas e chauvinistas.

O movimento "Tea Party" não é simplesmente um movimento irracional de cristãos fundamentalistas e nacionalistas. É financiado por vários bilionários e tem um império de mídia e uma grande rede político-social. Via as eleições primárias, ele poderia dominar todo o Partido Republicano, incluindo os elementos mais moderados orientados para os setores de petróleo e finanças.

Em contraste, os Democratas representam as partes da burguesia que querem modernizar os EUA para seu novo papel no mundo e para levá-la pronto para a "competição global" com a China e a Europa. Os dois conceitos são incompatíveis, geralmente não oferecem espaço para um compromisso e, estão levando os EUA à beira da insolvência. Isto já está a ameaçar a economia mundial e pode ser o gatilho para uma grande crise como em 2009. Em qualquer caso, a paralisia do sistema político dos EUA como um todo é um fator político e economicamente importante para o desenvolvimento da economia mundial, porque faz uma gestão eficaz e coordenada da crise global mais difícil.

Europa

A crise europeia está longe de ter acabado. No fundo, ela também foi causada pela sistemática sobre-acumulação ao mesmo tempo com uma expansão do capital financeiro, o que levou a uma crise bancária em toda a UE e uma recessão industrial grave em 2009. Além disso, os sistemas bancários, ainda de base nacional, em conjunto com a margem de manobras na política monetária e fiscal dos países membros, levou a formas muito diferentes de crise financeira nacional. Os capitais mais fracos da UE não foram capazes de gerir a sua própria crise bancária e, na esteira dos "pacotes de resgate", ou seja, o resgate dos ativos de grandes investidores, perderam grande parte de sua soberania em relação à política doméstica e industrial. Mesmo se os poderes decisivos na UE, especialmente a Alemanha, foram capazes de estender seu domínio da política econômica da UE de forma significativa, o sistema bancário europeu, incluindo o alemão, ainda é muito fraco e fragmentado em relação aos seus concorrentes de EUA e Japão e, portanto, muito mais vulnerável a qualquer nova onda de choques de mercado financeiro.

Qualquer problema agravaria imediatamente os problemas orçamentários na Grécia, Espanha, Itália e Portugal e prejudicaria a sua capacidade de pagamento, com os riscos já bem conhecidos para os orçamentos de todos os países da UE. O capital alemão, em particular, beneficiou-se enormemente até agora com a crise da União Europeia através da eliminação de concorrentes, menores custos trabalhistas, compras baratas, refinanciamento extremamente barato de sua própria dívida e taxas de câmbio favoráveis para as exportações. No entanto, os riscos de uma crise da UE comprometem qualquer perspectiva de reconstrução da UE como "a economia mais competitiva no mundo", conforme previsto na Agenda de Lisboa.

Estes riscos, que no momento só são expressos em temores de inflação ou irritação a juros baixos em formas mais seguras de investimento, também resultaram na Alemanha no surgimento de uma facção dentro da burguesia que é cada vez mais claramente opositora à facção dominante que ainda vê a modernização da UE como o instrumento central para as ambições globais de competição do capital alemão. Isto se expressa, sobretudo, no aumento da AFD[1]. Assim, mesmo na Alemanha, vemos o crescimento das forças centrífugas que são muito mais aparentes em outros países da UE e que cada vez mais ameaçam rasgar a UE e o projeto Euro. Por isso, a federação do Capital europeu não está economicamente, nem politicamente, preparada para a vinda recessão. De fato, ao contrário, ela agiria como um amplificador de cada nova onda de crise.


Conclusão

No geral, portanto, o desenvolvimento econômico alemão no ano passado não pode servir de base para o otimismo dos "economistas". Os problemas nos "mercados emergentes" e nos EUA levaram a uma forte desaceleração da locomotiva econômica alemã, a indústria de exportação. Isto é revelado pelos números de importações de produtos alemães, até Agosto, que registrou uma queda de cerca de 1 %, no próprio mês de Agosto houve uma queda de 5,8 %. A recuperação no Japão também é inútil, porque é principalmente um concorrente nos mercados mundiais.

Assim, a economia alemã foi impulsionada principalmente pela forte expansão do consumo como resultado do ligeiro aumento dos salários e uma redução acentuada da taxa de poupança seja pelo gasto de poupança ou pelo aumento da dívida. Uma vez que nem as perspectivas de exportação, nem a taxa de investimento e nem os livros de encomendas prestam quaisquer indicadores favoráveis para o próximo período, é questionável até que ponto o consumo interno pode continuar a fornecer tal "ponte". Pelo contrário, tendo em conta as cinco principais áreas de risco examinadas acima, o colapso dessa "ponte vacilante" e um retorno à tendência de queda é possível a qualquer momento.

Pode ser que em 2014 haverá novamente uma breve pseudo-recuperação para um ou dois trimestres. Geralmente, no entanto, a situação para a estabilidade da economia mundial é mais perigosa. A classe operária deve urgentemente se preparar para uma crise mais pesada e estar pronta para a defesa internacional contra a próxima grande ameaça para a sua subsistência. Ou a classe trabalhadora aprende que este sistema precisa ser substituído em sua totalidade por uma alternativa socialista, ou ela será confrontada com dificuldades que antes eram difíceis de imaginar e com a perda de muitos ganhos, conquistados ao longo de muitos anos.

Este artigo foi traduzido do original alemão, que pode ser encontrado em: www.arbeitermacht.de

 

 

[1]   AFD: Alternative für Deutschland (Alternativa para Alemanha). Um novo partido da direita, que é contra a moeda Euro e representa uma ala da burguesia mais crítica a União Europeia. Recebeu 4,8% nas eleições gerais em Setembro e falou assim estreitamente de entrar no parlamento nacional.