Síria - Anos de Guerra?

31/12/2015 16:48

Dave Stockton Sat, 2015/05/12 - 14:30

 

David Cameron admitiu que a guerra contra o ISIS poderia continuar por anos.Todos os especialistas concordam que o poder aéreo militar por si só não pode derrotar ISIS porque não pode ganhar território. Mesmo que eles bombardeiem Mosul e Raqqah, forças ISIS simplesmente desaparecem e se reagrupam, assim como o Taliban tem feito no Afeganistão.

A guerra assimétrica é notoriamente difícil de vencer. No Iraque, os EUA, a França e a Grã-Bretanha foram bombardear alvos ISIS por mais de um ano. Além disso, de acordo com a US National Intelligence, há 190.000 combatentes Peshmerga e 193.000 combatentes iraquianos, armados, que enfrentam a apenas de 20.000 a 32.000 combatentes ISIS, mas nenhum grande avanço foi alcançado.

O que pode ser garantido é que o aumento do bombardeio vai significar aumento de vítimas civis. Raqqah, a capital do "califado" ISIS, já foi alvo de bombardeio francês e russo, é uma cidade de até 400.000 pessoas. De acordo com fontes dentro da cidade, os combatentes jihadistas foram realocados de acampamentos no coração da população civil. Não há bombas "inteligentes" o suficiente para evitar a morte e mutilação de civis. Apenas no mês passado, os EUA bombardearam um hospital no Afeganistão, matando 30 médicos e uma dúzia de pacientes. Lá não havia combatentes do Taliban. Refugiados de Raqqah defenderam junto a Hollande, Cameron e Co. para não bombardear a cidade e nem matar seus parentes.

Qual será a principal consequência de milhares mais vítimas civis? Para cada vítima, haverá cinco ou mais civis irritados pronto para participar de uma luta contra os bombardeiros imperialistas, alguns até mesmo para se juntar ao ISIS.

Se, como toda uma série de especialistas militares britânicos tem testemunhado, bombardeio aéreo por si só não pode derrotar ISIS e, finalmente, lá terá que ser "botas no chão", quais tropas vão estar calçando-as? O regime brutal de Assad, com barris de bombas ou gases para seus inimigos? Ou jihadistas sunitas sectários apoiado pela Arábia Saudita ou Catar? Ou talvez as forças xiitas sectárias do Iraque ou do perverso exército anti-curdo da Turquia? Para fazer essa pergunta é para responder: nenhuma dessas forças vê ISIS como seu principal inimigo. Elas só vão infligir mais violência sobre a população civil e promover uma maior resistência.

Com toda a probabilidade, Reino Unido, França e EUA seriam arrastados para uma guerra terrestre em tais circunstâncias e que seria voltar em um ano de invasão e ocupação duradouras. Só que, desta vez, a França e a Rússia também participariam. Isso seria ainda mais grave do que as guerras da última década. O abate de um avião russo pela Turquia é um presságio dos tipos de "acidentes" que poderiam levar a uma espiral de conflito, valendo os aliados relutantes em lutar entre si.

Diante de uma tal perspectiva perigosa, uma guerra que seria susceptível de comprovar profundamente impopular, mais que o Iraque de Blair e a Falklands de Thatcher, por que Cameron está tão determinado a juntar-se à campanha de bombardeio? Seus motivos são revelados em um artigo no site do Financial Times. Ele relata que,

"Um relatório da Chatham House no mês passado disse que ‘havia preocupações reais que o Reino Unido está se tornando uma força diminuída nos assuntos internacionais, com reduzidas capacidades defensivas e recursos diplomáticos, um parlamento introspectivo e público e um foco excessivamente mercantilista à sua política externa’ (a referência a Osborne e o cortejo de Cameron da China - Ed). A decisão do Sr. Cameron para enviar a RAF para a Síria confirma uma mudança significativa no foco como o primeiro-ministro embarca em seu segundo e último mandato determinado a restaurar a reputação da Grã-Bretanha como um jogador global."

Em outras palavras, depois de ter sofrido uma derrota ignominiosa no Parlamento em 2013, quando ele queria tomar uma ação militar contra Assad, Cameron viu, na sequência dos atentados de Paris, uma oportunidade para reafirmar o lugar da Grã-Bretanha na liga das potências imperialistas com o sangue dos sírios e, talvez, das tripulações britânicas. Vivemos em um mundo precariamente equilibrado, onde a Rússia e a OTAN estão cada vez mais opostos um ao outro, e as tensões US-China estão crescendo. É aquele em que os confrontos entre seus procuradores regionais poderiam levar a colisões diretas entre as potências nucleares. A Grã-Bretanha se juntando à guerra e bombardeando nos céus congestionados do norte da Síria, só irá tornar esta situação ainda mais perigosa.

À medida que os objetivos reais das potências imperialistas começam a emergir, o seu apoio a regimes anti-democráticos em toda a região, como a Arábia Saudita, Egito e, cada vez mais, a Turquia de Erdogan, assim como sua traição das forças da Primavera Árabe, incluindo a revolução síria, esta ação vai feder nas narinas de milhões como já o fazem as guerras do Iraque e do Afeganistão.

Um movimento internacionalista e vozes antiguerra crescendo na Grã-Bretanha irá incentivar aqueles que realmente estão lutando pela democracia e pela liberdade no Oriente Médio e, na verdade, em todos os lugares. É por isso que, com ou sem uma resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas, filiados do Labour Party e os membros dos sindicatos devem continuar a opor-se ao Reino Unido envolvido no bombardeio e comprometer suas organizações em todos os níveis para se opor e reconstruir um movimento antiguerra em massa como o de 2003.

Nesse movimento, temos de chamar para a retirada completa de toda a OTAN e das forças russas do Oriente Médio. Ao mesmo tempo, temos de mobilizar em apoio às forças democráticas e da classe trabalhadora em toda a região, que estão lutando contra Assad, Erdogan, El-Sisi e os déspotas reais na Arábia Saudita e os Estados do Golfo.

 

 

Tradução Liga Socialista