Sri Lanka: Votar Frente de Esquerda ... e organizar para lutar!

23/01/2015 19:03

 

Peter principal Tue, 06/01/2015- 16:58

 

Após ter alterado pela primeira vez a Constituição para permitir a ele próprio um terceiro mandato, em novembro, Mahinda Rajapaksa decidiu realizar uma eleição presidencial em 08 de janeiro, dois anos antes de seu atual mandato expirar. Não havia dificuldade em ver seu motivo. Em setembro sua Alliance tinha visto a sua quota dos votos declinar acentuadamente nas eleições do Conselho Provincial e ele calculou que mais dois anos iria colocar esse terceiro mandato fora de alcance.

Sua ousadia foi sem dúvida influenciada pela fraqueza dos principais partidos da oposição. Falando ao seu ministro da Saúde, Mithripala Sirisena, pouco antes de anunciar a eleição, ele relatou confidencialmente que estava muito confiante, porque não havia candidato alternativo de alguma significância e os partidos de oposição foram todos divididos.

Sua escolha de confidente foi equivocada. Assim que a eleição foi anunciada, o mesmo Mithripala Sirisena foi declarado o candidato comum de todos os principais grupos e partidos da oposição, cerca de 48 organizações ao todo. Desde então ficou claro que isto tinha sido clandestinamente organizado, muito provavelmente com o apoio dos EUA, com bastante antecedência, em um momento em que foi amplamente assumido que o único desafio possível a Rajapaksa viria do ex-primeiro-ministro Ranil Wickremasinghe do United National Party, o partido tradicional dos chefes da ilha.

Rajapaksa divide o país ...

Desde então, 25 de apoiadores parlamentares do Rajapaksa "cruzaram o chão" e abertamente alinharam com Sirisena que também ganhou o apoio do Congresso muçulmano e o Tamil National Alliance. Nas últimas pesquisas de opinião publicadas antes da eleição, o presidente e seu desafiante estavam correndo pescoço a pescoço. Isso certamente revela a hostilidade a Rajapaksa que se acumulou desde sua vitória bárbara sobre o movimento de independência Tamil em 2010.

A família de Rajapaksa, seus três irmãos que são, respectivamente, o Ministro da Defesa, o ministro do Desenvolvimento Econômico e do Presidente do Parlamento, São apontados agora como responsáveis por cerca de 85% de todos os gastos do governo. Essa concentração de poder e de clientelismo significa que outros setores da classe dominante do Sri Lanka e seus puxa-sacos foram excluídos. A  base da campanha da Sirisena é a promessa de mudança.

Como uma figura sênior de longa data do governo e do Secretário-Geral do Sri Lanka Freedom Party (Partido da Liberdade do Sri Lanka) que formou a Aliança com Rajapaksa, todas as alegações de diferenças passadas sobre a política são inteiramente falsas. Sirisena, por exemplo, foi o secretário de Defesa, no momento do banho de sangue final em que civis tâmeis foram abatidos indiscriminadamente para levar a guerra a um fim.

Onde pode haver de fato uma diferença política é no que diz respeito à política externa. Onde Rajapaksa tem favorecido um giro para a China e atraiu fundos de investimentos importantes para o desenvolvimento de infra-estruturas, em particular, Sirisena é conhecido por ter ligações estreitas com os EUA através dos Clintons.

... E da Quarta Internacional

O que o seu recorde e perspectivas deixam claro é que Sirisena não representa qualquer tipo de mudança fundamental de Rajapaksa, ele é apenas o candidato de uma asa diferente da burguesia local com o apoio de uma potência imperialista diferente. Não existe nenhum motivo para qualquer organização da classe trabalhadora apoiar sua candidatura.

No entanto, a seção do Sri Lanka da Quarta Internacional, Nava Sama Samaj Party, NSSP, fez exatamente isso. Vickramabahu Karunaratne, o líder de longa data do NSSP, tinha realmente ido longe demais para angariar apoio para Wickremasinghe da UNP. A justificativa para isso é que o regime de Rajapaksa estava se tornando cada vez mais fascista e que Wickremasinghe, chamou para uma ampla frente de oposição em defesa da democracia, tinha praticamente se tornado um "social-democrata" e, portanto, merecedor de apoio.

Quando essa "ampla frente de oposição" em vez optar por Sirisena, Karunaratne aceitou humildemente e pediu votos para alguém que, até novembro, era um membro sênior do "regime fascista". Isso, no entanto, era demais, pelo menos para alguns de seus companheiros do NSSP que iniciaram a publicação de um jornal independente, voz esquerda, em que eles chamam o voto para o candidato da Frente de Esquerda.

A Frente de Esquerda é certamente o mais importante desenvolvimento de esquerda no Sri Lanka em muitos anos. Foi criado por iniciativa do Front Line Socialist Party, (Partido Frente de Linha Socialista), FLSP, um movimento de esquerda procedente da divisão do JVP, o partido anteriormente maoísta cujo chauvinismo cingalês trouxe para aliança com Rajapaksa contra o governo UNP de Wickremasinghe em 2005 e desde então no governo de Rajapaksa.

Após a separação, o que viria a se tornar o FLSP reconheceu a necessidade de rever a história de seu antigo partido e resolveu trabalhar no sentido de um novo partido de esquerda, que iria rejeitar o chauvinismo, mas também a "teoria dos estágios" da revolução. Esse processo claramente ainda não está completo, mas a proposta de campanha eleitoral esquerda unida em torno de um programa comum foi um passo positivo que foi apoiado pelo Socialist Party of Sri Lanka (Partido Socialista do Sri Lanka), SPSL, a seção da Liga pela Quinta Internacional.

As discussões programáticas que se seguiram atraíram uma ampla gama de grupos de esquerda, incluindo o maoísta CP, o United Socialist Party (Partido Socialista Unido), seção do CWI, o grupo pós-modernista, Praxis, o New Communist Party (Novo Partido Comunista), ambas as alas do NSSP antes de dividir e a SPSL. A SPSL propôs seu programa de ação como base para a campanha eleitoral, mas, após este ser rejeitado, concordou em dar apoio crítico ao candidato da Frente de Esquerda, alegando que o programa adotado, embora fraco em suas exigências sobre a questão nacional e formulação de slogans governamentais, foi explícito em seu apelo a expropriação das grandes indústrias, bancos e latifúndios imperialistas, a formação de conselhos de operários e camponeses e da introdução de uma economia planificada.

Além disso, através das diferentes organizações envolvidas, a Frente de Esquerda tinha verdadeiros laços de organizações sindicais que representam cerca de 20 por cento da força de trabalho sindicalizada. Isso colocou sua candidatura em uma posição diferente da do Partido Socialista Unido que, apesar de ter votado para apoiar o programa comum, saiu da Frente de Esquerda porque insistiu que o candidato deveria ser um membro do USP.

A decisão de montar uma campanha eleitoral unida, e usar a campanha principalmente para discutir o socialismo revolucionário, pagou dividendos nos pareceres das partes envolvidas, onde cada um dos quais era livre para apresentar a sua própria propaganda e declarar nos alto-falantes em reuniões de campanha. O último comício em Colombo atraiu cerca de 1.500 adeptos e foi uma conclusão bem sucedida para uma campanha que cobriu toda a ilha e levantou os argumentos a favor de uma solução revolucionária para os problemas profundos da ilha.

Qualquer que seja o candidato que se integrar aos burgueses ganha a eleição, o seu programa será a continuação das austeridade e privatização dos serviços. É inteiramente possível que o resultado será disputado porque poucos esperam que Rajapaksa siga "tranquilamente", mesmo se ele perder. Em qualquer caso, os trabalhadores e camponeses de Sri Lanka terão de organizar-se para uma luta para defender seus interesses contra o novo governo e seus apoiadores internacionais. Será nessa luta que um novo partido operário revolucionário para o Sri Lanka tem de ser construído.

 

 

Traduzido por Liga Socialista, Brasil, 23/01/15