VITÓRIA! Greve na Volks termina com a reintegração dos 800 trabalhadores demitidos.

16/01/2015 14:42

Desde 2012, o governo brasileiro concedeu “incentivos tributários” para o setor, por meio de desconto no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Em troca, as fabricantes deveriam manter o nível de emprego. Porém, a empresa afirmava que havia um excedente de 2 mil trabalhadores na fábrica e que a estabilidade dependia da redução da jornada de trabalho com a redução dos salários. Essa era a proposta inicial da empresa, que foi recusada pela categoria, em dezembro de 2014.

Diante disso, a empresa avançou contra os trabalhadores, demitindo 800 trabalhadores, por telegrama, no retorno das férias coletivas. Assim, a greve na Volks teve início no dia 06/01, em uma assembleia nos portões da empresa, com mais de 7 mil trabalhadores presentes. No dia 12/01, os trabalhadores fizeram uma passeata que fechou a rodovia Anchieta, demonstrando a força e a firmeza da categoria, que não estava disposta a recuar.

Ontem, dia 15/01, décimo dia de greve, a adesão ao movimento paredista era de 100%, mais de 13 mil trabalhadores. A categoria deu seu recado, mostrando que estava mais forte que nunca. O radicalismo tomou conta do movimento que não abriu mão da reintegração dos 800 companheiros demitidos. A empresa, que produz os modelos Gol, Pólo, Pólo Sedan, Saveiro e Saveiro Cross, viu toda a sua produção paralisada desde a deflagração da greve.

Hoje, 16/01 (sexta-feira), a empresa vendo que o movimento avançava recuou na mesa de negociação.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, a proposta da empresa foi apresentada na assembleia que recebeu com entusiasmo e gritos de satisfação. A proposta aprovada pela assembleia apresenta os seguintes pontos:

1.     REINTREGAÇÃO DOS 800 TRABALHADORES DEMITIDOS.

2.     R$ 10.576 de PLR E ABONO PAGO AINDA NO MÊS DE JANEIRO.

3.     REAJUSTE SALARIAL EM 2016 PELO INPC INTEGRAL.

4.     REAJUSTE SALARIAL A PARTIR DE 2017 – INFLAÇÃO MAIS GANHO REAL.

5.     ESTABILIDADE NO EMPREGO ATÉ 2019.

6.     SERÁ ABERTO UM PROGRAMA DE DEMISSÃO VOLUNTÁRIA, QUE NÃO SERÁ PARA TODOS. O PDV SERÁ ABERTO A UM GRUPO DE 2.500 TRABALHADORES.

Para entendermos a importância dessa greve e de sua VITÓRIA incontestável, é importante a leitura e compreensão da atual conjuntura, com um Congresso Nacional extremamente reacionário e com o governo Dilma, reeleito, que mostra suas garras contra a classe trabalhadora, com a decretação de uma “Reforma da Previdência” através de Medidas Provisórias, pelo anúncio do novo Ministério onde ficou clara a presença da direita reacionária, derrotada nas eleições, e as medidas já tomadas mostrando os cortes no orçamento da União que levará a uma política de “austeridades”.

Diante disso, a greve radicalizada e a fascinante vitória dos trabalhadores da Volks mostram a direção correta para toda a classe trabalhadora. Ficou claro que os empresários acumularam “muita gordura” nos três primeiros mandatos do governo PT. Agora é hora de fazer queimar essa “gordura”. Contra as demissões em massa, a retirada de direitos e o arrocho salarial, a resposta é uma só, GREVE!

Esse é o exemplo que deve ser seguido pelos trabalhadores da Mercedes-Benz e de qualquer empresa, em qualquer lugar do país, que aplique a demissão em massa. A CUT precisa olhar para esses movimentos e unificar as lutas, conforme seus princípios de fundação, para levar a classe trabalhadora a grandes vitórias.

  • Parabéns aos trabalhadores de luta da Volks!
  • Parabéns ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC pela condução da greve!
  • Viva a luta da classe trabalhadora!
  • Somos fortes, somos CUT!