1º de maio de 2021: Pelo internacionalismo socialista contra as crises do capitalismo

02/05/2021 15:51

International secretariat Thu, 29/04/2021 - 14:24

 

A tripla crise de recessão global, pandemia e destruição ambiental está moldando a situação da classe trabalhadora e de todos os oprimidos. Milhões morreram no ano passado como resultado da infecção por coronavírus. Outros milhões perderam seus empregos e renda. Pessoas nos países do Sul global, mulheres, jovens e idosos, os nacionalmente e racialmente oprimidos, são atingidos de forma particularmente dura pela crise. São eles que suportam o peso da superexploração, sistemas de saúde falidos ou ausentes, trabalho reprodutivo privado, desastres ambientais, guerras e ocupação.

Ao mesmo tempo, muitos de nós somos alvo do populismo de direita e do fascismo nas ruas, de regimes e ditaduras cada vez mais autoritários e repressivos, de fechamentos racistas de fronteiras e de ataques de forças policiais e reacionárias. O feminicídio, a violência doméstica, os ataques ao direito à autodeterminação de mulheres e pessoas LGBTIAQ aumentaram em todo o mundo e atingiram proporções ainda mais assustadoras.

No entanto, a recessão e a crise não afetam apenas a grande massa de trabalhadores superexplorados e os socialmente oprimidos. Também está atingindo com força total milhões de trabalhadores em melhor situação em grandes corporações e no setor público. Indústrias inteiras estão enfrentando reestruturação e demissões em massa em uma escala histórica, para aumentar os lucros, conquistar mercados e vencer na competição global.

A recessão de 2020 não será substituída por uma recuperação duradoura. Em vez disso, as taxas de crescimento da economia global se transformarão em um flash, com base em pacotes de estímulo de bilhões de dólares. Os desequilíbrios econômicos continuarão a piorar, os países do Sul global, em particular, continuarão a se encontrar nas garras da pandemia e da crise. Enquanto a população nos estados imperialistas pode pelo menos esperar por vacinas contra Corona, bilhões de pessoas em países pobres têm que sobreviver sem vacinas ou seguridade social.

A outra grande crise, a catástrofe ambiental, que é muito mais ameaçadora para a humanidade a longo prazo, também continua avançando, apesar das vídeo-cúpulas do clima e dos anúncios de um "Novo Acordo Verde". O aumento da competição global não permite uma política ambiental coordenada internacionalmente, investimentos muito divulgados como em veículos elétricos não irão resolver o problema, mas apenas mudar sua forma, em alguns casos até intensificá-lo.

Os sinais são de que a economia mundial e a política global estão claramente caminhando na direção de uma competição acirrada. A luta para redividir o mundo entre os EUA e a China e as outras potências e blocos mais fracos, como a UE liderada pela Alemanha, o Japão ou a Rússia, está se intensificando. Sob o novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, essa luta está apenas assumindo uma "nova" forma. O aventureiro populista e unilateralista Trump deve agora ser seguido pelo renascimento da aliança transatlântica de "democracias" sob a liderança dos Estados Unidos. Isso não evitará o perigo de guerra, mas sim ameaçará uma corrida militar intensificada entre as antigas e as novas grandes potências. O rearmamento geral e as guerras na Síria, Ucrânia ou no Cáucaso podem vir a ser prelúdios para a próxima conflagração mundial em apenas alguns anos.

A classe dominante não tem solução

As estratégias das classes dirigentes revelam-se falsas soluções às nossas custas e são incapazes de dar uma resposta às grandes questões do nosso tempo. As classes dominantes estão respondendo à crise global do capitalismo com formas diferentes, mas basicamente nacionais, de gestão de crise.

Os novos movimentos de direita e as forças populistas estão respondendo à sua própria maneira. O racismo, o chauvinismo e o nacionalismo são meios insubstituíveis para eles atrelarem as camadas pequeno-burguesas, mas também os trabalhadores atrasados, à carroça de uma facção da classe dominante em nome da "nação", ou de uma luta pseudo-radical do "povo" contra a "elite". Eles deliberada e conscientemente agitam ressentimentos nacionais, religiosos, racistas e sexistas, promovem o atraso e o irracionalismo e os transformam em um movimento de desespero social com retrocesso agressivo em todos os níveis. Onde eles ganham cargos governamentais, eles os usam para alimentar ataques às conquistas democráticas e sociais, aos movimentos democráticos, aos oprimidos e à classe trabalhadora por um lado, e para dividir a classe e os próprios oprimidos, por outro.

Os pretensos democratas do campo burguês, os liberais, os conservadores moderados ou os verdes também jogam a carta nacional. Enquanto uma ala do capital clama mais uma vez por ataques e cortes neoliberais, a outra aposta no aumento da intervenção do Estado. Mas o New Deal Verde e as promessas keynesianas de reforma também estão inextricavelmente ligados a uma política econômica que visa a dominação do mercado por "suas próprias" corporações e a garantia da dominação mundial em nome da "democracia".

Assim, o nacionalismo passa a ser a consequência inevitável da competição imperialista, da luta pela redivisão do mundo. Para a classe trabalhadora, isso significa que ela deve lutar contra os dois campos políticos, o antigo e o novo imperialismo, em todos os lugares deve reconhecer sua "própria" classe dominante como o principal inimigo.

As crises globais: econômica, pandêmica e ambiental, só pode ser resolvida internacionalmente. Mas é precisamente isso que o capitalismo, por sua própria natureza, está se mostrando incapaz de fazer. Por mais importante que seja assumir a luta pelo lockdown solidário e contra os programas de austeridade, fechamento de fábricas, destruição do meio ambiente e ataques aos direitos democráticos, local ou nacionalmente, isso pode ser apenas o começo. As causas da pandemia, das mudanças climáticas e da crise econômica global não podem ser superadas ou eliminadas em uma fábrica, nem mesmo em um país. A solução só pode ser internacional.

Resistência e luta de classes

Globalmente, a classe trabalhadora está na defensiva e isso, juntamente com o avanço das forças reacionárias, alimenta a ideia de muitos trabalhadores e esquerdistas de que só podemos escolher entre dois campos burgueses, o da reação pseudo-radical, populista ou o do centro "democrático". Para muitos, uma política de classe independente parece impraticável, na melhor das hipóteses, um objetivo abstrato para um futuro indeterminado. Primeiro, eles pensam, temos que lutar contra os males do populismo de direita e do bonapartismo, na forma de Trump, Bolsonaro, Modi, Orban, Le Pen, Putin ou o regime de Pequim, em aliança com a ala democrática da burguesia. Uma política de reforma anti-neoliberal ou uma versão mais esquerdista do New Deal Verde é, para eles, o melhor objetivo "realista". Neste cenário, uma mudança no equilíbrio de poder só seria possível em aliança com uma ou outra ala da classe dominante, seja com a burguesia liberal ou com as grandes potências supostamente "mais sociais" e "anti-imperialistas" como a China e a Rússia.

Todas essas estratégias levam a um beco sem saída. Eles subordinam os interesses da classe trabalhadora e das massas oprimidas aos interesses de uma ou outra ala da burguesia. Um papel particularmente triste é desempenhado pelos grandes aparatos do movimento dos trabalhadores, os sindicatos burocratizados e controlados de cima para baixo, os reformistas, os partidos operários burgueses, bem como os regimes e movimentos populistas de esquerda nos países do Sul global.

Em última análise, a política das burocracias sindicais e da socialdemocracia, mas, em última análise, também dos partidos de esquerda, equivale a uma política de unidade nacional com o capital, governos de coalizão e parceria social nos locais de trabalho. Sob o controle burocrático, essas organizações que, apesar da perda de membros, continuam a abranger milhões e milhões de assalariados, não podem realizar seu potencial. Ao contrário, as lideranças burocráticas atuam como um obstáculo, um freio, muitas vezes até mesmo um oponente direto de qualquer mobilização de massa. Eles não estão apenas seguindo uma política equivocada, mas também espalhando uma falsa consciência na classe.

Um subconjunto dessa dependência dos partidos e poderes imperialistas liberais é a tentativa generalizada de reviver uma versão radical da socialdemocracia, seja fundando novos partidos com um programa keynesiano radical combinando movimentos sociais com eleitorismo, seja assumindo o liberalismo burguês ou velhos partidos socialdemocratas. Na verdade, vimos o primeiro falhar no caso do Syriza e do Podemos e o último na forma de corbynismo no Labour Party britânico. Os antigos “partidos de esquerda” stalinistas há muito experimentam o mesmo método. Hoje, vemos um híbrido dos dois no caso dos Socialistas Democratas da América (DAS) e sua chamada “ruptura suja” com o partido de Joe Biden e Hilary Clinton. Os ideólogos desse neo-reformismo tentam cooptar um marxismo desnaturado com a ajuda de um luxemburguês revivido, do Gramscianismo ou do Kautskyismo.

Mobilizações

Apesar desses obstáculos poderosos, apesar da pandemia e da crise, uma resistência impressionante também foi levantada no ano passado em todo o mundo. A revolução em Mianmar, o movimento grevista de trabalhadores e camponeses indianos são destaques impressionantes das lutas democráticas e sociais. Eles colocam, mais uma vez, a questão de como a luta por demandas democráticas e sociais básicas pode ser ligada à luta pela revolução socialista. Em suma, eles mostram a necessidade de um programa de revolução permanente.

Na Bielo-Rússia, no Líbano, na Nigéria e em muitos outros países, movimentos de massa se mobilizaram contra os regimes reacionários e a miséria social, criando situações e crises pré-revolucionárias. A situação explosiva na América Latina, Oriente Médio, África e grande parte da Ásia, significa que mais lutas de massa são prováveis ​​no próximo período e podem escalar para situações revolucionárias. Como nas revoluções árabes após 2011, a questão então será como esses movimentos podem alcançar a vitória revolucionária.

Nos países imperialistas, principalmente nos EUA, enormes movimentos de massa, sobretudo Black Lives Matter, mobilizaram milhões de pessoas e inspiraram a juventude racialmente oprimida em todo o mundo. Exemplos semelhantes de internacionalismo espontâneo também são mostrados pelo movimento grevista de mulheres e partes importantes do movimento ambientalista, os quais mobilizaram milhões em todo o mundo, mesmo durante a pandemia. No plano das lutas sindicais e laborais, vimos o início de ações transnacionais e coordenadas em empresas individuais, como a Amazon.

Mas, apesar de uma crise histórica e da ameaça de cortes profundos, as camadas centrais da classe trabalhadora, especialmente nos países imperialistas, muitas vezes permaneceram à margem desses movimentos e mobilizações. As lutas no local de trabalho contra fechamentos e demissões em massa foram numerosas, mas permaneceram isoladas umas das outras e sob o controle da burocracia sindical e dos funcionários do local de trabalho.

Essa política paralisante dos aparatos e partidos reformistas explica por que a classe trabalhadora não pôde assumir um papel de liderança na maioria dos movimentos. Como resultado, a liderança dos movimentos de resistência caiu quase que involuntariamente para as forças politicamente pequeno-burguesas e suas ideologias. O domínio de tais ideologias; a política de identidade, inter-seccionalismo, pós-colonialismo, feminismo, populismo de esquerda, nos movimentos dos últimos anos é em si um resultado da política burguesa prevalecente e da consciência burguesa associada na classe trabalhadora. O fato de muitos ativistas verem uma alternativa nas teorias e programas pequeno-burgueses radicais é a punição inevitável para a parceria social e as políticas social-chauvinistas das burocracias sindicais e dos partidos reformistas.

Os revolucionários só podem ganhar ativistas dos movimentos liderados pela pequena burguesia para uma política operária revolucionária se combinarem o apoio às suas lutas com uma crítica paciente dos programas e teorias pequeno-burguesas. Eles também devem travar uma luta implacável contra as direções burocráticas e reformistas da própria classe trabalhadora. Em termos concretos, isso significa que eles têm que lutar pela renovação da luta de classes dos sindicatos e construir movimentos de base democráticos contra a burocracia. A denúncia por si só não vai quebrar a supremacia burocrática, eles têm que cobrar essas mesmas lideranças sem esconder suas críticas. Eles devem lutar para que todas as organizações operárias rompam com a burguesia. Em países onde o movimento operário está política e organizacionalmente ligado aos partidos burgueses, eles devem clamar pela construção de um partido de massas independente da classe trabalhadora. Nos EUA, por exemplo, o DSA deve lutar por um rompimento consistente com o Partido Democrata. Em outros países, como a Alemanha, isso significa trabalhar pela criação de um novo partido operário revolucionário.

Em todos os casos, os revolucionários devem propor uma frente única de todos os partidos, organizações e movimentos da classe trabalhadora, bem como dos oprimidos, em um programa de ação contra a crise, a pandemia, a destruição ambiental, o racismo e o sexismo. Tal programa deve incluir, por exemplo, demandas contra ameaças de demissão, contra desemprego, aumento de aluguel e por acesso gratuito a um sistema de saúde para todos, por um lockdown solidário. Isso também significa desafiar a propriedade privada dos meios de produção, por exemplo, exigindo a expropriação da indústria farmacêutica e um plano global de produção e distribuição gratuita de vacinas para todos. Trata-se da desapropriação sem indenização de todas as empresas privadas do setor saúde sob controle dos trabalhadores; a expropriação de todas as empresas que ameaçam demissões em massa e cortes.

Essas, e todas as outras grandes lutas sociais, só podem ser vencidas se forem baseadas em mobilizações de massa da classe trabalhadora. Portanto, todas as suas organizações devem ser chamadas a participar da luta comum, pondo em movimento as grandes organizações de massa e ao mesmo tempo expondo suas lideranças ao teste da prática.

Tal luta requer estruturas democráticas: deve ser baseada em assembleias nos locais de trabalho e nos bairros, em comitês de ação com mandatos eleitos e revogáveis ​​e em convenções partidárias. Finalmente, um movimento de massa também deve construir órgãos de autodefesa que possam protegê-lo dos ataques de fura-greves, gangues de direita ou da polícia. Para articular a resistência em nível continental e global, é necessário um movimento internacional, uma revitalização dos fóruns sociais, que, no entanto, devem ser não apenas órgãos de discussão, mas também coordenadores das decisões da luta comum.

Mas isso por si só não será suficiente, porque o que é necessário é uma resposta política à crise de liderança da própria classe trabalhadora: novos partidos revolucionários e uma Quinta Internacional baseada em um programa de demandas transitórias para a revolução socialista; um partido mundial que representa uma resposta verdadeiramente internacional e global à tripla crise da humanidade.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/1-may-2021-socialist-internationalism-against-crises-capitalism)

Tradução Liga Socialista em 2/05/2021