A Comuna de Paris: expropriação dos expropriadores

04/04/2021 10:37

Janosch Janglo Qui, 18/03/2021 - 07:58

 

Há 150 anos atrás, em 18 de março de 1871, após a França ter sido derrotada na guerra franco-prussiana, o exército francês planejou desarmar a Guarda Nacional de Paris e apreender 227 peças de artilharia que o povo de Paris havia financiado e salvado dos invasores alemães. O chamado governo de defesa nacional temia mais as massas armadas do povo do que os prussianos que sitiavam Paris. Como resultado, houve um levante popular na cidade e deu-se início à primeira tentativa de "expropriar os expropriadores", como disse Marx.

Marx e Engels acompanharam os acontecimentos na França de muito perto por duas razões. Em primeiro lugar, desde a década de 1830, o país tinha sido um laboratório de lutas de classes, um local de teste para o proletariado mais consciente do mundo no terreno político de duas revoluções políticas burguesas: a de 1830 e especialmente a de 1848. Sua análise da ação política da classe trabalhadora francesa na revolução de 1848 e a subsequente contrarrevolução permitiu-lhes ir além das formulações do "Manifesto Comunista" e das "Lutas de Classe na França" quanto ao futuro estado do proletariado (realização de democracia, ditadura do proletariado).

Em segundo lugar, os "Pais do Marxismo" não eram, de forma alguma, neutros em relação à guerra entre a Prússia e a França. Mesmo uma vitória da odiada Prússia, eles argumentaram, seria um passo à frente porque unificaria a Alemanha, mesmo que de cima. Superar a colcha de retalhos de pequenos estados na Alemanha estimularia o crescimento das forças produtivas e o tamanho da classe trabalhadora. Isso, por sua vez, aumentaria as possibilidades de fortalecer as organizações de trabalhadores.

No entanto, as ações da Comuna de Paris tiveram um significado muito mais direto para a estratégia e táticas dos comunistas, bem como para a doutrina marxista do estado. Marx e Engels não hesitaram, mas imediatamente tomaram partido da Comuna. Os trabalhadores insurgentes parisienses mostraram ao proletariado mundial a forma de sua futura forma de governo. Aqueles que caíram merecem um agradecimento eterno por isso!

Apreensão do poder pela Comuna

O Comitê Central da Guarda Nacional, fortemente proletarizado no decorrer do cerco da cidade e cada vez mais assumindo o papel de uma organização política, tomou o poder em Paris e instigou a ocupação de pontos estrategicamente importantes da cidade, bem como dos prédios públicos. O quartel, o prédio do comando da polícia, o Ministério da Justiça e a prefeitura foram ocupados em poucas horas. Enquanto isso, preparou rapidamente as eleições de 26 de março para o "Conselho Municipal de Paris". Este conselho eleito formou a Comuna de Paris de 1871.

A Comuna imediatamente começou a derrubar as condições sociais na França. O objetivo não era mais apenas defender a cidade, mas, acima de tudo, eliminar a velha opressão e garantir o domínio do proletariado. Para este objetivo, a Comuna decidiu por várias medidas revolucionárias, incluindo: a substituição do exército permanente pelo armamento geral do povo; a entrega de fábricas abandonadas ou em desuso às cooperativas de trabalhadores; a remuneração dos funcionários administrativos e governamentais com o salário normal de trabalho; a eleição das chefias de fábrica diretamente pelos trabalhadores; a redução da jornada de trabalho; a abolição da separação dos ramos executivo e legislativo; a revogação imediata de todos os cargos administrativos, judiciais e de ensino e a separação entre igreja e estado.

Além disso, para todos os serviços, altos e baixos, pagava-se apenas os salários que outros trabalhadores recebiam. Para melhorar as condições de vida da população, duramente castigada pela guerra e pelo cerco, decreta-se o perdão retroativo dos aluguéis dos apartamentos, a suspensão das vendas e a devolução dos objetos penhorados, bem como a abolição de trabalho noturno para auxiliares de padeiro, foi proclamada a proibição de rescisão de contratos de arrendamento e a abolição de casas de penhores.

As conquistas importantes do município também incluíram a igualdade entre homens e mulheres. As mulheres ganharam o direito ao trabalho e à igualdade de remuneração dos homens pela primeira vez e ganharam outros direitos, como a igualdade de filhos legítimos e ilegítimos e a secularização das instituições educacionais e de enfermagem. Mulheres e órfãos de Guardas Nacionais que morreram em defesa de Paris passaram a ter direito a uma pensão, independentemente de serem legítimos ou ilegítimos. O nascimento da Comuna foi também o nascimento da Liga Feminina para a Defesa de Paris. O programa da Liga era de luta, exortando as mulheres, entre outras coisas, a "Apoiar as comissões do governo servindo na enfermagem, colocando minas e construindo barricadas".

Revolução a meio caminho

A comuna era composta por uma maioria de blanquistas que reconheciam a necessidade de tomar o poder político, mas, se necessário, isso deveria ser feito por uma determinada minoria "que poderia levar as massas adiante com sua visão e atividade e manter o poder em suas mãos por centralização estrita "(Anton Pannekoek:" O Novo Blanquismo ") até que a massa da população o seguisse para a revolução. Eles também tinham a visão correta de que os guardas burgueses deveriam ser desarmados e os trabalhadores armados e organizados em uma milícia operária.

A minoria no conselho da Comuna era composta de proudhonistas, a maioria dos quais membros da Associação Internacional dos Trabalhadores (mais tarde chamada de Primeira Internacional) que queria subverter o capitalismo pela construção pacífica do sistema cooperativo. Assim, eles se apegaram à ilusão de que poderiam superar o capitalismo pacificamente, embora o exército do capitalismo estivesse às portas e não tivesse intenção de competir pacificamente com o proletariado pelo poder.

Infelizmente, nas semanas que se seguiram, este grupo foi essencialmente responsável pelos decretos econômicos que levaram a graves erros políticos e resultaram na supressão sangrenta do primeiro governo operário depois de apenas 72 dias. Um erro decisivo foi não ocupar os principais correios e, sobretudo, o Banco da França. O saldo de caixa do Banco em 20 de março era de 2,2 bilhões de francos. Que soma! Principalmente quando a Assembleia Nacional, que fugiu para Versalhes, deixou apenas 4,6 milhões de francos para a Comuna, que teve de garantir o trabalho dos serviços públicos e os salários dos 170.000 homens da Guarda Nacional!

Outro erro foi que a imprensa burguesa, que não era apenas reacionária, mas propagou abertamente a derrubada da Comuna, teve permissão para trabalhar sem ser molestada, mesmo depois de 18 de março. Somente nos últimos dias da Comuna todos os jornais burgueses foram gradualmente banidos. Tarde demais, porém, chegou-se à conclusão de que a guerra deveria ser travada em todas as frentes.

A este respeito, a contrarrevolução foi mais intencional: os jornais da Comuna foram proibidos em Versalhes. O veneno da propaganda burguesa nos jornais teve um efeito particular sobre a pequena burguesia, a maioria da qual deu as costas à Comuna ou relutou e foi reticente em apoiar a defesa de Paris.

Em outros lugares, também, a comuna deveria cavar sua própria sepultura por meio de uma atitude hesitante ou, melhor, por meio de um mal-entendido da situação política. Imediatamente depois de 18 de março, a situação era favorável, já que o governo nacional em Versalhes tinha apenas 12.000 soldados exaustos e desmoralizados, e eles estavam a ponto de desertar para a Guarda Nacional e poderiam ter desferido na contrarrevolução um golpe mortal com uma ofensiva militar contra Versalhes. No caso, Versalhes teve tempo suficiente para se reorganizar militarmente e aliar-se aos prussianos, com os quais havia travado uma guerra sangrenta pouco antes, a fim de facilitar o retorno dos prisioneiros de guerra.

A semana de sangue

A ofensiva da contrarrevolução não tardou a chegar. A partir de 20 de maio, cerca de 20.000 soldados bem equipados marcharam para Paris, forçando os trabalhadores e a Guarda Nacional a recuar. O banho de sangue da burguesia custou a vida de 30.000 trabalhadores e condenou 40.000 prisioneiros, exilados e deportados para trabalhos forçados. É por isso que o período entre 21 e 28 de maio ficou conhecido como “Semana do Sangue” em memória do movimento operário internacional, um dos maiores massacres de sua história.

A última reunião da Comuna ocorreu em 25 de maio de 1871. A última barricada foi capturada em 28 de maio. Embora a Comuna tenha sido afogada em sangue, ela se tornou um modelo indelével e um desafio para o movimento socialista mundial. Por causa de sua valiosa experiência, a organização mundial de trabalhadores avançou qualitativa e quantitativamente.

Acima de tudo, a aliança da França e da Prússia, unidas pelo medo de um proletariado reivindicar o poder, mostrou a necessidade de organizar a classe trabalhadora em todo o mundo. Marx tirou uma lição ainda mais importante da experiência: "A Comuna deu a prova de que a classe trabalhadora não pode simplesmente tomar posse da máquina de estado pronta e colocá-la em movimento para seus próprios fins." Isso forneceu uma resposta, um conteúdo positivo, à proposição que ele apresentou no "18º Brumário de Luís Bonaparte" em 1851/52, a saber, que o proletariado não deve se contentar em meramente tomar posse do poder do Estado existente, a burguesia a máquina estatal deve ser destruída e substituída por um novo poder estatal proletário.

Com a Comuna de Paris, a forma de tal estado proletário foi vista pela primeira vez. Ao contrário do estado burocrático e militar da burguesia que, quer seja com fachada parlamentar ou não, está indissociavelmente ligado ao domínio do capital através de milhares de ligações, a Comuna é uma forma de Estado e governo que assegura o poder da população trabalhadora. É também uma forma que possibilita a transição para uma nova sociedade, em última análise, sem classes. É um estado que pode e irá morrer, definhar, no curso do desenvolvimento de um novo modo de produção socialista e finalmente desaparecer com o desenvolvimento da própria sociedade sem classes.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/paris-commune-expropriation-expropriators)

Tradução Liga Socialista em 04/04/2021