A crise global, a classe trabalhadora e a esquerda

30/07/2020 15:25

International Executive Committee Sat, 18/07/2020 - 11:15

 

Durante a primeira metade de 2020, todos os países sofreram um encolhimento maciço do PIB e da produção industrial. O FMI estima que o PIB global cairá 4,9% ao longo do ano - a economia dos EUA em torno de 8%, a da UE em 10,2% em média. O crescimento chinês é estimado em 1,0% para 2020 - e tudo isso é baseado na suposição bastante questionável de que não haverá uma segunda onda da pandemia do coronavirus.

Nesta situação, os governos e os bancos centrais dos países ricos e imperialistas estão tentando impedir o pior com bilhões de dólares, euros ou yuan, para estimular suas economias - em outras palavras, para proteger indústrias de grande escala, comércio e financiamento de capital da quebra. Obviamente, eles também usam partes menores desses pacotes para amortecer os efeitos em seções da classe média, da pequena burguesia.

Mas eles não vão proteger a renda e a vida da massa da classe trabalhadora, nem falar de suas seções mais oprimidas, como a população negra nos EUA ou os trabalhadores migrantes na Europa. Mais de 40 milhões de desempregados nos EUA deixam claro o que estamos enfrentando. Na Grã-Bretanha, o Escritório de Estatísticas Nacionais informou em 15 de maio que os pedidos de subsídio de desemprego aumentaram para 2,1 milhões, o nível mais alto desde 1996. Em 14 de junho, aproximadamente 9,1 milhões de trabalhadores não estavam trabalhando, mas se encontravam no esquema de retenção de empregos do governo (licença).

Cortes nos salários e aumento da exploração serão a norma para aqueles que ainda estão trabalhando. Cortes dramáticos nos salários, benefícios e serviços sociais serão o futuro dos desempregados e dos que trabalham precariamente. Para os capitalistas, a proteção do povo, assegurando renda e saúde, não é a prioridade. Muito pelo contrário, a comunidade negra nos EUA tem que pagar o maior número de mortos com o coronavirus. A burguesia está pressionando para reabrir a economia para obter lucro a quase qualquer custo.

No final de abril, a Organização Internacional do Trabalho alertou que 1,6 bilhão de trabalhadores na economia informal, quase metade da força de trabalho global, corria o risco imediato de ver seus meios de subsistência destruídos. “Estima-se que o primeiro mês da crise tenha resultado em uma queda de 60% na renda dos trabalhadores informais em todo o mundo. Isso se traduz em uma queda de 81% na África e nas Américas, 21,6% na Ásia e no Pacífico e 70% na Europa e Ásia Central ".

Obviamente, isso não significa que não haja medidas para atenuar o fardo da crise e a pandemia para a classe trabalhadora. Muitos países imperialistas introduziram a redução da jornada de trabalho com redução dos salários ou licença para 2020 com 60 a 80% do salário anterior. Da mesma forma, vários países introduziram formas de planejamento estatal no setor da saúde para evitar o pior.

Tais medidas, no entanto, não devem ser confundidas com a mudança para a redistribuição da riqueza, mas devem ser entendidas como parte de uma política para defender o interesse geral do capital a longo prazo. Isso ocorre porque o circuito normal do capital foi interrompido e é provável que seja interrompido novamente, permitindo que o funcionamento "livre" das forças de mercado tornem as coisas piores. Nesta situação, o estado precisa intervir, mas é claro que isso será apenas temporário.

Já podemos observar elementos-chave de como a classe trabalhadora será obrigada a pagar o preço, mesmo no coração imperialista; redução das regulamentações no local de trabalho; fechamentos de empresas; ameaças de demissões em massa; redução de gastos com serviços públicos e cultura, ... e, eventualmente, novas ondas de privatização. Mas também está claro que a crise aguçar maciçamente não apenas as contradições entre os grandes capitalistas do mundo imperialista e seus estados, mas também a luta pela redivisão do mundo.

No entanto, está bastante claro que a pandemia e a crise econômica atingirão os países semicoloniais ainda mais do que as regiões no coração do imperialismo.

Em primeiro lugar, seus sistemas de saúde foram degradados pelo neoliberalismo, austeridade e pilhagem imperialista mais ainda do que nos centros capitalistas. Na maioria desses países, dificilmente existe um sistema de saúde para os pobres, a classe trabalhadora, o campesinato ou até grandes setores da pequena burguesia.

Em segundo lugar, a classe trabalhadora enfrenta um sistema diferente de exploração. A maioria dos assalariados é forçada a entrar em um sistema contratual, de trabalho precário e inseguro, geralmente sem nenhum seguro de saúde e previdência social. Isso significa que milhões e milhões de pessoas enfrentam pobreza, fome ou são forçados a continuar trabalhando em condições perigosas de saúde.

Terceiro, a questão da terra (e implicitamente também a questão ambiental) assumirá uma forma ainda mais aguda. A extrema desigualdade do desenvolvimento capitalista tornará a situação muito explosiva em várias das semicolônias mais avançadas, com uma grande classe trabalhadora e, ao mesmo tempo, enormes populações rurais e setores agrários que estão cheios de contradições internas. Mesmo na China, essa forma extrema de desenvolvimento desigual e combinado pode assumir uma forma explosiva e desestabilizadora, se continuar por um período prolongado.

Como em toda crise, as camadas e seções mais oprimidas da classe trabalhadora e do campesinato são mais atingidas, o que significa migrantes, oprimidos racial e nacionalmente, jovens, idosos e mulheres da classe trabalhadora e camponesas. Durante a pandemia, vimos um aumento maciço da dupla carga que as mulheres enfrentam como trabalhadoras assalariadas, frequentemente em profissões socialmente de extrema importância como o setor de saúde e no trabalho doméstico, que aumentou devido ao fechamento das escolas. Também testemunhamos um aumento dramático na violência doméstica contra mulheres e crianças na família ou "parceria".

Na última recessão global, a resposta à crise foi marcada por um aumento de revoluções, como na Primavera Árabe, e da classe trabalhadora e da esquerda, principalmente na Grécia. Desta vez é muito diferente. Nos últimos anos, houve um aumento do direito sob diferentes formas; regimes autoritários, de direita ou bonapartistas, e movimentos reacionários de massa do populismo de direita, racismo e até (semi) fascismo. Enquanto no período posterior a 2007/2008 a burguesia internacional temia que a (extrema) esquerda se beneficiasse politicamente da crise, agora estamos vivendo uma situação em que, forças de direita antidemocráticas podem tirar proveito da crise.

Claramente, estamos diante de uma situação em que toda a fase de globalização pós-década de 1980 entrou em uma crise histórica global para a burguesia. Não existe uma resposta estratégica acordada ou unificada em suas instituições internacionais, na ONU, no FMI, na OMC, no Banco Mundial, até na OMS ou nos diferentes estados. De fato, a crise destacou divisões internas em muitos lugares (EUA, Brasil, a maioria dos países europeus ...) e essas divisões provavelmente continuarão no próximo período.

Na maioria dos países, as lideranças estabelecidas do movimento operário (social-democratas, trabalhistas, muitos "partidos comunistas", partidos reformistas de esquerda, líderes sindicais e populistas de esquerda) geralmente têm procurado uma aliança com a parte "razoável" da classe dominante, procurando coalizões (informais) sob a bandeira da unidade nacional e da parceria social. Em países como a Alemanha, isso continua assumindo uma forma governamental; em outros, como os EUA, significa que líderes sindicais ou populistas de esquerda como Sanders tentam vincular a classe trabalhadora a alas supostamente mais progressistas da burguesia, neste caso, Biden, dando-lhe apoio eleitoral contra a ameaça de Trump.

Essa é geralmente a política das lideranças oficiais do movimento operário. A ascensão da direita, resultado de concessões passadas e movimentos de direita dos sindicatos e da social-democracia, alimenta tragicamente a política de "unidade nacional", isto é, pactua com as seções "anti-populista" e "democrática" da burguesia.

Isso explica por que os líderes do movimento operário (incluindo a maioria dos reformistas de esquerda) e seu controle dos sindicatos provaram ser uma barreira à ação da classe trabalhadora. Onde ocorreram movimentos, por exemplo, na Itália, a fim de exigir segurança no local de trabalho, foi frequentemente iniciado por setores de base, oposicionistas ou locais, que não receberam apoio de suas lideranças nacionais, mesmo quando se engajaram em importantes ações de greve. Isso também mostra que será necessária forte pressão da esquerda e movimentos de massa para forçar os movimentos operários reformistas ou burocratizados a agirem.

No entanto, as fortes contradições e golpes da luta de classes levarão à resistência, contra-ataques e erupções espontâneas da luta de classes.

A rebelião nos EUA e a disseminação global do movimento Black Lives Matter demonstram isso. Eles mostram o potencial inerente à atual situação global. A disseminação desse movimento de massas de oprimidos, com milhões nas ruas e milhões de trabalhadores e jovens da classe trabalhadora, em particular sendo mobilizados em solidariedade em todo o mundo, pode ser um verdadeiro fator de virada nessa situação.

Nos EUA, abriu uma situação pré-revolucionária que combina o pior surto de pandemia do mundo, a pior resposta de um governo com um sistema de saúde grotescamente desigual, desemprego em massa e, com o assassinato de George Floyd pela polícia, a abertura da contradição racista histórica nas raízes do capitalismo dos EUA.

Não se trata apenas do número de assassinatos cometidos pela polícia, que aumentaram sem arrependimentos na última década. Obama e Clinton enfureceram uma grande minoria de brancos de classe média e trabalhadores precários ​​cujos empregos e salários realmente sofreram durante o período da globalização. Isso os deixou vulneráveis ​​à teoria da conspiração de "grandes deslocamentos" com o direcionamento de imigrantes. Também para esse estrato, existe um profundo sentimento de perda de privilégio racial (muito mais simbólico do que real) sobre os 13% da população negra e uma identificação com a força policial / sindicatos que resistem à "desracialização" e perda de impunidade automática.

Tudo isso encontrará um foco nas eleições presidenciais de novembro, que provavelmente serão as mais amargamente travadas na memória viva.

Trump e seu 'movimento' focaram uma reação supremacista branca a Obama porque ele era negro. A defesa de Trump do movimento "mais íntimo" foi um ponto inicial de reunião e suas reversões obsessivas do chamado Legado de Obama representam uma recusa dos racistas em aceitar a legitimidade de sua presidência. É altamente improvável que Trump aceite a legitimidade da derrota e, portanto, há uma possibilidade real de que seu 'movimento' se transforme em um completo movimento fascista de massa.

As tensões sociais da presidência Trump também levaram a um movimento para a esquerda de seções importantes da esquerda dos EUA, como refletido nas declarações dos Socialistas Democratas da América, DSA, Jacobin e outros, bem como em medidas reais no sentido de unir a rebelião de massas antirracista com unidades base ou as próprias bases do movimento sindical. Além disso, o debate em torno da questão do “desinvestimento” e da supressão da polícia, mesmo que de forma reformista ou utópica, reflete o fato de que a natureza do Estado dos EUA e sua democracia se tornaram questões reais para milhões, para todo um movimento, não "apenas" pequenos grupos.

O fato de grandes seções e figuras proeminentes da burguesia americana estarem tentando fazer concessões ao movimento BLM demonstra tanto o perigo de mais uma integração de seus estratos superiores quanto a pressão de baixo que o movimento construiu. Forçou a classe dominante a ficar na defensiva por enquanto. Além disso, o fato de o imperialismo americano, o coração da besta, poder ser abalado, inspirou milhões em todo o mundo. Demonstrou o potencial de uma luta internacionalista comum contra a crise, contra as ameaças colocadas pela pandemia e contra o racismo, o nacionalismo e a repressão da direita e do Estado.

Certamente, não devemos ficar cegos para as limitações do movimento BLM, suas lideranças e ideologias burguesas, pequeno-burguesas ou reformistas. Também não devemos esperar que o movimento de massas contra o racismo e a repressão policial cresça e se desenvolva continuamente. Em vez disso, passará por fases e alcançará suas próprias limitações. Se ele pode se vincular ao movimento da classe trabalhadora, e isso significa desafiar e superar a barreira do chauvinismo dentro da própria classe trabalhadora, dependerá não apenas da luta e intervenção consciente dos revolucionários, mas também do desenvolvimento internacional das lutas contra a crise. Finalmente, devemos estar cientes de que o próximo período também pode levar ao aumento espontâneo de outros movimentos de massa.

Nessa situação, até pequenos combatentes grupos de propaganda precisam encontrar maneiras de intervir em tais movimentos ou nas lutas da classe trabalhadora onde eles entram em erupção. Isso significa que precisamos fornecer respostas estratégicas e programáticas para os movimentos; precisamos apresentar e argumentar pelas frentes unidas, demandas e formas de organização necessárias para unir os movimentos e lutas dos oprimidos com a classe trabalhadora; isso inclui claramente uma crítica aberta e aguda aos líderes do movimento operário, bem como aos enganadores dos oprimidos.

A chave para isso será o apelo e argumentos para formas de luta que possam trazer a massa de trabalhadores, jovens e oprimidos. Também precisamos abordar a questão de como garantir que a ligação do movimento dos trabalhadores e os oprimidos ocorra de maneira a capacitar os oprimidos racial, nacional e sexualmente deste mundo, ou seja, a maioria de nossa classe.

Enquanto na situação atual os movimentos podem surgir espontaneamente e em setores onde o controle reformista ou burocrático é mais fraco, não há como evitar que esses movimentos precisem ser ligados e integrados ao movimento dos trabalhadores e à luta para construir novos partidos e lideranças da classe trabalhadora.

Lidar com a crise de liderança será fundamental e isso precisa ser adotado dentro do movimento, com o objetivo de reunir os combatentes mais dedicados e politicamente avançados. Isso exigirá a aplicação flexível de táticas como o entrismo; reagrupamento/unidade revolucionária, tática do partido operário e forte ênfase nas lutas contra uma crise econômica, por meio de um programa de demandas transitórias, bem como nos vínculos entre exploração capitalista e opressão social, incluindo uma crítica a falsas ideologias e lideranças enganadoras.

Os próximos meses serão marcados pelas seguintes características:

- Abalo do poder imperialista dos EUA e uma crise política abriram uma situação pré-revolucionária no coração da besta. Os EUA serão fundamentais para a situação global. O movimento BLM e a rebelião serão não apenas centrais para o desenvolvimento político da classe trabalhadora e da esquerda dos EUA, mas também um ponto de referência global.

- Aprofundamento da crise econômica global e expansão da pandemia, em particular para o mundo semicolonial. Isso fará de países como Brasil ou Índia, principais arenas da luta global.

- Divisões internas contínuas dentro das burguesias da maioria das potências imperialistas; não apenas as eleições nos EUA, mas também a crise na UE serão as principais arenas disso, embora países como a Alemanha possam ser relativamente estáveis ​​em comparação com a maioria do mundo no curto prazo.

- Manutenção da estratégia de colaboração de classe, unidade nacional e pactos com diferentes alas da burguesia pela direita e líderes “centrais” do movimento operário. Até os partidos de esquerda e os populistas de esquerda estão defendendo essencialmente a mesma estratégia, embora com uma coloração mais de esquerda, como demandas por políticas transformadoras "reais", por um "real" Novo Acordo Verde Social.

- Ao mesmo tempo, também veremos seções do reformismo de esquerda e da pequena-burguesia mais radical, por exemplo, as alas esquerdas do feminismo ou do movimento BLM e do centrismo, movendo-se para a esquerda sob a influência, pressão e inspiração genuína da rebelião em massa e movimentos semelhantes. A importância disso não é apenas que os grupos que se movem para a esquerda possam romper com seu passado e serem vencidos pela política e programa revolucionários, mas também porque são a expressão ideológica de um movimento à esquerda de camadas muito mais amplas, de alas inteiras ou correntes dentro dos movimentos de massa.

- Isso significa que nossas seções e nossa propaganda precisam abordar essas camadas de uma maneira que incentive o movimento para a esquerda. Isso não significa ocultar ou subestimar nossas críticas ou fazer concessões teóricas ou programáticas, mas significa que apresentamos críticas de uma maneira encorajadora, envolvente e "pedagógica". Ao mesmo tempo, precisamos ser muito atentos aos movimentos à direita ou correntes passivas e aos líderes colaboracionistas de classe das organizações de massa, ao mesmo tempo em que explicamos a necessidade de aumentar a demanda desses líderes.
 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/global-crisis-working-class-and-left)

Tradução: Liga Socialista em 29/07/2020