Abaixo o estupro e tortura! Solidariedade internacional com ativistas climáticos em Karachi!

16/12/2021 20:33

International Secretariat, League for the Fifth International Thu, 16/12/2021 - 12:57

A Liga pela Quinta Internacional está profundamente preocupada com os relatos de estupro e tortura de um ativista climático na noite anterior à Marcha pelo Clima de 12 de Dezembro em Karachi. Condenamos essa barbárie nos termos mais fortes e solidarizamos com os camaradas que trabalharam dia e noite para tornar esta marcha possível enquanto concentramos suas demandas na população da classe trabalhadora de Karachi.

Nossa seção paquistanesa, o Movimento Socialista Revolucionário, também faz parte da ampla coalizão que organizou a Marcha pelo Clima Popular que se reuniu na Bacia do Barco e caminhou até Bilawal Chowrangi. A aliança une direitos de moradia, direitos de terra e ativistas contra as mudanças climáticas, incluindo Karachi Bachao Tehreek (Movimento Save Karachi, uma coalizão de diferentes organizações de esquerda focada na resistência contra a demolição de casas da classe trabalhadora) , o Partido dos Trabalhadores Awami, Frente Democrática das Mulheres, Federação Progressista de Estudantes Karachi, Movimento Maholiati Tahaffuz, Ação Climática Paquistão e 28 outras organizações, como Pashtun Tahaffuz, Movimento Jiye Sindh Federação de Estudantes, Federação de Estudantes Pakhtun, Fórum Sindh Sujaagi, Comitê Baloch Yakjehti e o Sindicato karachi de jornalistas.

Entre todas as diferentes marchas climáticas organizadas em todo o mundo, está claro que a marcha em Karachi foi organizada por forças socialistas que não só eram críticas à devastação ecológica, mas também estavam dispostas a abordar a causa raiz da crise climática, que é o capitalismo. As principais bandeiras da marcha exibiram dois pontos principais: 'Socialismo ou barbárie' e 'Mudança do Sistema Não Mudança Climática'.

As mobilizações para a marcha foram focadas em bairros da classe trabalhadora e estudantes e jovens de estratos socialmente oprimidos. Diante de todos esses fatores, é bastante claro que a repressão enfrentada pela ativista climática feminina transgênero foi uma tática não apenas para usar a violência sexual contra um membro de uma das minorias de gênero mais vulneráveis e oprimidas, mas também ameaçar a maior comunidade de socialistas engajados em lutas por justiça climática. Prestamos homenagem aos camaradas por não se curvarem a esta pressão ou à dos policiais no dia da marcha.

De acordo com a declaração emitida pelo Karachi Bachao Tehreek, uma reunião do comitê organizador foi realizada em 11 de dezembro para finalizar os detalhes da marcha. "Após a reunião, uma de nossas organizadoras, uma mulher trans, foi sequestrada a caminho de casa. Ela foi torturada e estuprada para fornecer informações sobre o programa da marcha e seus discursos", diz o comunicado.

E acrescenta: "No dia da marcha, quando os manifestantes chegaram à Bacia do Barco, eles foram recebidos com contingentes pesados de policiais, e a marcha foi bloqueada e cercada por todos os lados por vans da polícia. Os manifestantes só foram autorizados a avançar em um momento, com o objetivo explícito de não permitir que a marcha se reunisse e chegasse à Casa Bilawal, a casa do presidente do partido no poder no Sindh, um partido que ostensivamente afirma defender a democracia, a liberdade constitucional, os direitos humanos e os direitos ambientais.

A descarada repressão estatal contra esta marcha pelo clima faz parte de uma campanha sustentada de criminalização e violência policial que tem como alvo grupos economicamente e socialmente marginalizados que lutam contra a injustiça climática. Da cidade de Bahria a Gujjar e Orangi Nullah, organizadores que resistem a deslocamentos forçados e injustiça climática foram submetidos a falsas acusações de terrorismo, detenção ilegal, prisões, intimidação e sequestros. Tudo isso porque eles exigem o direito a uma cidade sustentável, equitativa e justa. Como ativistas climáticos, estamos indignados com a violação do nosso direito constitucional de protestar e liberdade de reunião. Exigimos a responsabilização do Governo do Sindh e da Polícia do Sindh em nome de todas as organizações participantes."

Estamos em total solidariedade com o movimento climático em Karachi.

- Pelo fim da violência contra as mulheres trans!
- Parem de assediar ativistas políticos através de táticas de tortura e intimidação!
- Parem de conseguir a aquisição forçada das terras das comunidades da classe trabalhadora em Malir e Gadap Town para construir megaprojetos como a Cidade da Bahria!
- Parem de destruir as casas das pessoas da classe trabalhadora em Gujjar Nullah, Orangi Nullah e outros bairros para empreendimentos capitalistas!
- Controle da classe trabalhadora sobre o desenvolvimento da cidade!
- Ativistas climáticos de todo o mundo devem expressar sua solidariedade com os companheiros em Karachi e protestar contra as agências do governo paquistanês contra a brutalidade da polícia.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (Down with rape and torture! International solidarity with climate activists in Karachi! | League for the Fifth International)

Tradução Liga Socialista