Abaixo o golpe reacionário na Bolívia

20/11/2019 22:36

Dave Stockton Sat, 16/11/2019 - 08:33

O que começou como um protesto contra supostas irregularidades eleitorais nas eleições presidenciais bolivianas, fomentado pelas elites empresariais e fundiárias, com gangues de rua semi-fascistas como executores, terminou em um golpe de estado policial e militar, forçando a renúncia de Evo Morales, primeiro presidente indígena eleito da Bolívia. Ele renunciou depois de receber um ultimato do chefe das forças armadas após um motim da polícia em 8 de novembro, fugindo para o exílio no México.

A vice-presidente do Senado, Jeanine Añez, conservadora de direita, usurpou as funções de presidente interina e prometeu novas eleições. Ela é projetada como uma folha de figueira de legitimidade constitucional para cobrir a determinação da oligarquia capitalista e proprietária de terras do país para reverter os progressivos ganhos sociais e econômicos conquistados pelas lutas de massas entre 2000-2008 e as reformas de Morales e seu partido, o Movimento ao Socialismo, MAS, realizado em mais de 14 anos no governo.

O golpe foi apoiado desde o início pelo governo dos EUA, sua ferramenta, a Organização dos Estados Americanos (OEA) e seus aliados na América Latina e na Europa. Os governos argentino e mexicano o condenaram. O Parlamento da União Europeia, no entanto, se apressou em reconhecer Añez e, assim, aprovar o golpe. 

Para seu crédito, Jeremy Corbyn, líder do Labour Party, na Grã-Bretanha, declarou; 
“Ver Evo Morales que, juntamente com um movimento poderoso, trouxe tanto progresso social, forçado a deixar o cargo pelas forças armadas, é assustador. Eu condeno esse golpe contra o povo boliviano e apoio-o pela democracia, justiça social e independência. ”

A Liga pela Quinta Internacional condena totalmente esse golpe e apela ao movimento dos trabalhadores em todo o mundo para fazer todo o possível para apoiar a resistência dos trabalhadores bolivianos, camponeses e comunidades indígenas contra essa descarada contrarrevolução e impedir o reconhecimento dos usurpadores. O problema não é que Evo Morales tenha sido radical demais em suas reformas ou muito ditatorial com os proprietários de terras e capitalistas. Muito pelo contrário. 

O destino de Morales mostra que medidas de redistribuição parcial e trabalho dentro da máquina da polícia militar do estado burguês não podem alcançar reformas permanentes, muito menos o socialismo. Somente uma revolução anticapitalista, feita pelas próprias massas trabalhadoras, que não para no meio do caminho, pode fazer isso.  

 

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/down-reactionary-coup-bolivia)

Traduzido por Liga Socialista em 20 de novembro de 2019