Agora é derrubar Boris

29/09/2019 20:42

Editorial Board, Red Flag 30, September 2019 Mon, 16/09/2019 - 15:22

COM O VOTO DOS COMUNS PARA ASSUMIR O CONTROLE de sua agenda e a aprovação de um projeto de lei que previne o No Deal, o golpe constitucional de Boris Johnson e seu sinistro conselheiro Dominic Cummings foi frustrado - por enquanto. Se o projeto de lei se tornar um ato do parlamento e for transmitido como um pedido de atraso até janeiro, uma eleição geral se tornará quase certa.

A tentativa de golpe foi o motivo pelo qual centenas de milhares se juntaram à onda de protestos e ações diretas em todo o país para parar o regime trapaceiro de Johnson. Milhões de pessoas reconheceram isso pelo que ele era. A suspensão do parlamento para evitar que ele votasse para impedir um colapso foi um golpe bonapartista, no qual o executivo se eleva acima e frustra a operação do parlamento democraticamente eleito (e supostamente soberano). Revelou algumas coisas fundamentais sobre a constituição britânica não escrita, seus poderosos elementos antidemocráticos que poderiam ser usados ​​contra um governo trabalhista liderado por Corbyn.

O golpe de Johnson foi realizado usando as partes não eleitas do estado britânico; a prerrogativa real, exercida por um primeiro ministro que não foi eleito pelo povo, mas por 90.000 membros do partido conservador. Os marxistas há muito alertam que, em qualquer profunda crise nacional, o "pitoresco espetáculo" da monarquia britânica pode repentinamente ganhar vida e anular os elementos democráticos da constituição.

Johnson até ameaçou ignorar uma votação do Commons para pedir um adiamento à UE ou organizar um voto de confiança que lhe permitiria solicitar à rainha que dissolvesse o parlamento e participasse de uma eleição geral em 14 de outubro.

Jeremy Corbyn disse corretamente que os trabalhistas votarão contra a dissolução, enquanto o prazo de 31 de outubro estiver pendurado como uma espada de Dâmocles sobre qualquer campanha eleitoral. Ficou claro que este era um pretexto para Cummings dirigir uma campanha eleitoral como plebiscito bonapartista - "o povo versus o parlamento". Mas, uma vez que essa ameaça tenha passado, o tempo estará pronto para um voto de confiança que extinguir Johnson e instalar um governo trabalhista sob Jeremy Corbyn. Esse governo provisório deve solicitar à UE uma extensão para realizar uma eleição geral seguida de um referendo sobre o acordo atual.

Corbyn no Número Dez 

O Labour deve rejeitar qualquer proposta de governo interino sob uma figura supostamente neutra como a Tory Ken Clarke, esse compromisso abriria caminho para alianças sem princípios nas eleições gerais subsequentes e até para a participação trabalhista em um governo de coalizão com Lib Dems ou mesmo os conservadores anti-Brexit.

Precisamos intensificar e manter a pressão sobre os deputados para que tudo isso aconteça. A intransigência da parte do Labour será necessária para forçar os rebeldes liberais e Tory a escolher entre um governo interino Corbyn e o No Deal de Johnson. A intransigência sobre os princípios é a única política realista nessa situação.

Enquanto isso, o Labour Party e o TUC precisam apoiar totalmente os protestos em massa em todas as cidades até que Johnson seja derrubado. Isso significa ocupações, bloqueios e paralisações. Se for impossível derrubar Johnson por meios parlamentares ou eleitorais, o TUC deve estar preparado para convocar uma greve geral para forçá-lo a sair.

O movimento nas ruas precisa se preparar para esse próximo passo em potencial, estabelecendo comitês de delegados de sindicatos, partidos trabalhistas e o movimento mais amplo para coordenar a resistência.

Programa do Labour

A menos que uma eleição geral seja convocada nas próximas semanas, precisamos usar o tempo, não apenas para prepará-la, mas para empregar a pressão máxima dos membros trabalhistas e sindicais por um manifesto realmente radical que realmente entregue "aos muitos, não os poucos". O Labour precisa abandonar toda ambiguidade sobre o Brexit e declarar que se opõe a isso. É preciso deixar claro que é para a livre circulação, para defender o direito dos trabalhadores e estudantes do continente de trabalhar e estudar na Grã-Bretanha. Ele deve se comprometer com o fim das deportações e o fechamento dos indecorosos centros de detenção e colocar todas essas políticas em seu manifesto.

Isso significa lançar uma ofensiva contra as instituições do capitalismo internacional a partir de uma posição de força, incluindo uma luta em toda a Europa contra a austeridade e os tratados neoliberais da UE e contra a crescente direita racista, com base em fóruns sociais internacionais democráticos. Deveria fazê-lo em solidariedade aos movimentos da classe trabalhadora do continente sob o lema “Contra a Europa do Capital! Por um Estados Unidos da Europa Socialista!”

O Labour deve denunciar as promessas dos Conservadores de bilhões de dólares em educação e o NHS como suborno cínico, apenas para comprar apoio ao No Deal. O Labour deve abandonar seus próprios limites tímidos de gastos e prometer um grande investimento em habitação, serviços públicos e meio ambiente - financiado não através de empréstimos nos mercados de títulos ou imprimindo dinheiro - mas tributando e expropriando a riqueza dos ricos e investindo em um plano de produção controlado democraticamente.

Deveria deixar claro que lançará um enorme programa de construção de casas e restauração ambiental, visando especificamente áreas que foram deixadas para trás desde os dias de Thatcher. Isso daria substância real ao discurso de uma revolução industrial verde.
Por último, mas não menos importante, o golpe de Johnson revelou a realidade antidemocrática da Constituição Britânica a milhões de pessoas. Um governo trabalhista deve varrer a Lei dos Parlamentos com Termo Fixo e convocar uma Assembleia Constituinte, eleita por sufrágio universal de todos com mais de 16 anos, para varrer o lixo reacionário feudal da monarquia, o Conselho Privado, a Câmara dos Lordes não eleita e defender o direito do Parlamento Escocês de convocar um referendo sobre independência.

A Campanha Eleitoral

O Labour, o Momentum e os sindicatos precisam mobilizar uma campanha eleitoral geral que seja radicalmente diferente da batida usual nas portas e nas caixas. Precisamos de abrigos nos centros das cidades, manifestações e coletas políticas em massa, mobilizando os jovens e a classe trabalhadora e as comunidades étnicas negras e minoritárias, incluindo os trabalhadores da UE. Precisamos mostrar, sem sombra de dúvida, que o povo, o verdadeiro trabalhador, está esmagadoramente do lado do Labour e devemos exigir um governo cujas medidas anticapitalistas abrirão o caminho para uma revolução social e uma república socialista da Grã-Bretanha nos Estados Unidos Socialistas da Europa.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional - https://fifthinternational.org/content/now-finish-boris

Tradução: Liga Socialista em 20/setembro/2019