Alemanha: crise, pandemia e iminente inundação de negacionistas do coronavírus

10/09/2020 13:16

Martin Suchanek, GAM Infomail 1116, September 1, 2020 Fri, 04/09/2020 - 13:46

 

A segunda onda de negacionistas do coronavírus, indo de Querdenken 711 ("Pensamento Lateral 711") ao Alternative fuer Deutschland, AfD (Alternativa para a Alemanha) e vários grupos de direita como os Cidadãos do Reich, o Movimento Identitário e fascistas declarados, ameaçam se tornar uma verdadeira inundação.

Cerca de 40.000 pessoas se reuniram em Berlim em 29 de agosto, o dobro do número de 1º de agosto. Não há dúvida de que a influência e o poder de mobilização da extrema direita aumentaram. Isso ficou claro para todos, desde as centenas de cidadãos do Reich que invadiram os degraus do parlamento, bem como para os talvez 2.000 esquerdistas que protestavam contra toda a manifestação reacionária.

Em frente à embaixada russa e ao longo da Unter den Linden (Principal avenida de Berlim), várias bandeiras imperiais alemãs, bem como as da Rússia e dos EUA eram visíveis - todas elas aparentemente símbolos fiéis da democracia, apresentando o governo de Trump, Putin e o Reich alemão como alternativas reais à "ditadura de Merkel".

Por trás de toda a conversa sobre democracia, direitos fundamentais e necessidade de uma assembleia constituinte, há um apelo a uma "ordem" autoritária e plebiscitária que garantisse novamente a segurança e a "liberdade" dos cidadãos alemães.

Sem dúvida, as várias forças do movimento têm entendimentos diferentes sobre isso. Mas seu vínculo unificador não é apenas a rejeição de todas as medidas do governo contra o coronavírus e a negação do perigo real que a pandemia representa para a saúde de milhões, mas a exigência da abolição de todos (!) os regulamentos de saúde pública.

Isso por si só mostra o caráter real e reacionário da mobilização, independentemente da presença de extremistas de direita. As demandas de Querdenken 711, vários teóricos da conspiração, ativistas antivacinação e "céticos", em última análise, equivalem a nada menos do que a abolição de toda proteção à saúde - na verdade, uma sentença de morte para dezenas de milhares. O fato de alguns membros confusos do chamado movimento pela paz também estarem envolvidos neste processo não melhora as coisas.

Nazistas e extremistas de direita

Não há dúvida de que a maioria dos cerca de 40.000 participantes no comício, muito menos os numerosos apoiadores em todo o país, não são nazistas e não têm planos de se juntar a um grupo fascista ou extremista abertamente de direita como a Terceira Via, o NPD, o Partido dos Cidadãos do Reich ou o Movimento Identitário no futuro próximo. A situação é provavelmente diferente com o populista de direita AfD que, entretanto, entrou na onda do movimento. Ele vê com razão a chance de ganhar não apenas membros, mas também eleitores em grande número.

Os vários grupos radicais de direita e fascistas estão tentando se apresentar como a parte mais determinada do movimento, como seu braço nacionalista, militante e fascista, e assim também abordar a raiva real existente e o medo existencial das massas. Eles são, como ficou claro mais uma vez em 29 de agosto, reconhecidos como aliados pelos organizadores do Querdenken 711. Eles também não são apenas "tolerados" pela grande massa dos manifestantes. Eles são vistos como aliados contra o governo e sua "ditadura do Coronavírus". Portanto, a acusação de que eles estavam marchando com nazistas não quebra o gelo com eles. Eles sabem disso de qualquer maneira, aceitam e provavelmente até acreditam que podem explorar os extremistas de direita para seus próprios fins.

Essas mobilizações, entretanto, são sem dúvida um terreno fértil para a extrema direita. O espetacular golpe da mídia de "assalto" aos degraus do parlamento é uma prova disso. No total, havia vários milhares de nazistas e extremistas de direita representando pelo menos 10%, talvez até 20%, dos participantes.

Populismo de direita

O fato de a maioria não ser fascista não é motivo para complacência. A principal crítica, não apenas do governo e da mídia burguesa, mas também de muitos grupos de esquerda e contra-mobilizações, é que Michael Ballweg e Querdenken 711 se deixaram "instrumentalizar" por radicais de direita, nazistas, cidadãos do Reich, a Seita QAnon e outros. Isso é míope, como se o único problema de Ballweg e de seu movimento fosse a participação dos nazistas.

O que isso ignora é que um novo e perigoso movimento populista de direita surgiu nos últimos meses. Originalmente dirigido contra as medidas do governo contra o coronavírus, agora exige o fim do "regime de Merkel" e de sua "ditadura". O movimento de Ballweg não apenas busca a cooperação com AfD e ainda mais forças de direita como o Movimento Identitário ou figuras como Ken Jebsen, mas também encontrou Max Otte da União de Valores.

Querdenken 711 é uma das forças populistas de direita que surgiram em muitos países nos últimos anos. A crítica irracional e anticientífica ao perigo do coronavírus e às medidas de proteção à saúde associa-o a uma crítica demagógica à "elite", que levaria à ruína os "trabalhadores honestos", ou seja, sobretudo os (pequenos) empresários diligentes. As medidas de combate ao Coronavírus, portanto, acabam sendo parte de uma conspiração de Bill Gates, Angela Merkel, os virologistas "convencionais" ... que querem remodelar a economia em seus próprios interesses com meios injustos e conspiratórios e, além disso, dominar o mundo com sua ditadura Corona.

Ao fazer isso, os negadores assumem problemas reais, como a erosão dos direitos democráticos e a ruína iminente de muitos "trabalhadores árduos", com o que se referem a comerciantes, capitalistas (exceto pessoas como Bill Gates), bem como trabalhadores. Para eles, não é a recessão e a economia de mercado que são responsáveis ​​pela crise, mas sim a sua limitação pelo fechamento de empresas, escolas e instituições públicas no interesse da saúde da população.

O apelo por liberdade e democracia tem, é claro, um significado único. Não são os verdadeiros ataques à "democracia", como a privação de direitos dos migrantes, o bloqueio das fronteiras externas da UE, as restrições ao direito de greve e manifestação, que são criticados, mas sim máscaras faciais obrigatórias nas lojas e no transporte público. Supõe-se que os principais perigos sejam as restrições à vida empresarial, como regras de distanciamento social e normas de higiene em restaurantes e lojas, nas escolas e no mundo do trabalho.

Onde o apelo por "liberdade" se torna concreto, acaba por significar a busca implacável dos interesses comerciais das pequenas empresas. Em contrapartida, aceita-se que haverá riscos para a saúde de outras pessoas, clientes e funcionários. A negação do coronavírus torna-se assim um componente central de uma política de egoísmo desenfreado, da liberdade do proprietário privado.

Crescimento

Mesmo que tudo sobre os argumentos e objeções sobre Corona seja errado, perverso, até mesmo perigoso para o público, surge a questão de por que tal política, tal movimento, está crescendo - não apenas dos nazistas e radicais de direita, mas também da pequena burguesia, das classes médias, tanto dos empresários como dos trabalhadores politicamente atrasados ​​e frustrados?

A razão é simples. Os temores existenciais da pequena burguesia, dos pequenos empresários e ainda mais das massas da população são reais. A atual crise capitalista já está tendo efeitos devastadores - embora alguns deles ainda sejam "socialmente" amortecidos.

É claro que, no final, não serão os pequenos empresários e a pequena burguesia que serão mais atingidos, mas a classe trabalhadora sob a forma de demissões em massa, especialmente mulheres, migrantes, refugiados e trabalhadores precários.

Mesmo assim, grandes setores da classe trabalhadora estavam sofrendo muito antes da crise, basicamente desde as leis Hartz e a Agenda 2010. Ballweg e Querdenken 711 não estão realmente falando sobre eles, não há demandas concretas para eles em todos os discursos. É procurar em vão qualquer referência ao combate às demissões, ao pedido de nacionalização sem indenização de empresas que ameaçam demissões, a defesa de pensões à prova de pobreza, subsídio de desemprego ou um salário mínimo de 13,50 euros / hora, por parte destes "pensadores laterais". Nenhuma surpresa não encontrar nada para proteger a saúde dos funcionários ou pessoas em risco particular devido ao coronavírus. Tais medidas são vistas como parte de uma "ditadura" que prejudicaria as pessoas ao restringir "a economia".

Essa crueldade desumana, que não poderia ser justificada sem a negação do Corona, faz sentido do ponto de vista do empresário individual. Uma vez que eles não podem, ou podem apenas parcialmente, prosseguir com seus negócios por causa de medidas de proteção de higiene, essas medidas devem ser eliminadas. Com essa demanda, ele/ela tenta trazer os trabalhadores politicamente atrasados ​​a bordo, que seriam "autorizados" a trabalhar novamente.

Na última década e especialmente na crise atual, uma parte importante da pequena burguesia não está apenas preocupada com sua existência, mas também está perdendo cada vez mais a confiança em "seus" partidos e no sistema político estabelecido. Isso já era evidente na chamada crise dos refugiados. A migração em massa foi apresentada como uma conspiração da "elite", uma tentativa de repovoamento, assim como os chamados sectários do clima temem a própria ruína no que diz respeito à proteção ambiental e à reestruturação ecológica. Os negadores do Corona representam outra forma disso, que ameaça fortalecer ainda mais o populismo de direita e, em sua esteira, o fascismo também.

O populismo de direita recruta seus seguidores principalmente nas classes e camadas que foram durante décadas os pilares da ordem do pós-guerra, a democracia da República Federal. O Querdenken 711 poderia, em conjunto com a AfD e todas as suas alas, contribuir para um novo renascimento e expansão dessa força pequeno-burguesa reacionária, tanto no movimento quanto na forma de partido. Seu objetivo, como com formações semelhantes nos EUA, América Latina ou outros países europeus, é a transformação "radical" do sistema existente, isto é, o fortalecimento de seus elementos autoritários, repressivos, bonapartistas e antidemocráticos. O nacionalismo, o racismo e um discurso e anti-semita reacionário constituem o cimento necessário para manter unidos os grupos sociais oponentes que o populismo pretende unir. O "povo", a unidade imaginária de todas as classes, deve ser evocado para pavimentar o caminho para um governo autoritário do capital.

Esta é outra razão pela qual movimentos fascistas ou semifascistas podem facilmente se ligar a grupos como Querdenken 711. O populismo de direita representa, portanto, um duplo perigo. Por um lado, a ameaçadora transformação das condições políticas no interesse da classe dominante, que neste processo conta com um movimento popular reacionário contra a esquerda e a classe trabalhadora. Por outro lado, também prepara o terreno para uma solução ainda mais radical e fascista para a crise, caso a transformação autoritária e bonapartista das condições se mostre insuficiente ou impossível.

Como liderar a luta?

A ameaça representada pelo populismo de direita, portanto, certamente não deve ser subestimada. Superá-la exigirá claramente mais do que apenas educação ou contra-mobilizações anti-racistas ou anti-fascistas.

O populismo de direita, em última análise, tira sua força das convulsões da sociedade em crise, da ruína real ou ameaçada de estratos inteiros. Portanto, ele só pode ser interrompido se esse terreno fértil for removido. Isso, por sua vez, requer que a classe trabalhadora apareça como uma força social, como uma alternativa à classe dominante e seu governo.

Mas é precisamente aí que reside um problema crucial. As lideranças sindicais, os dirigentes dos conselhos de empresa, os partidos reformistas, o SPD e o Partido de Esquerda, aparecem como assistentes do governo, melhores gestores de crise, parceiros do grande negócio a nível nacional ou local ou, como no caso do Partido Esquerda, na melhor das hipóteses, como assessores de esquerda do governo.

Isso torna possível que o populismo de direita pose como uma oposição aparentemente radical. Na crise mais profunda do capitalismo, representa uma política que denuncia o governo, que promete uma mudança radical e uma luta contra a "elite" e a "ditadura". Assim, atende a uma necessidade social real de mudança, apesar de suas demandas reacionárias e de seu irracionalismo. Ele reconhece, de forma reacionária, que o próprio sistema é o problema.

O governo, mas também as lideranças do movimento operário, representam o status quo. Andreas Geisel, o senador do Interior de Berlim e social-democrata de direita, deseja proibir todas as manifestações dirigidas contra o sistema burguês e o capitalismo ou "contaminar" os símbolos desta ordem. Com a tentativa de banir a manifestação dos adversários do Corona ele falhou nos tribunais, mas a próxima restrição dos direitos democráticos já está sendo preparada.

Claro, isso certamente não será dirigido apenas contra os nazistas ou a direita, mas, como sempre, contra a esquerda e a classe trabalhadora. Com o mesmo raciocínio usado para justificar a proibição das manifestações contra as medidas de prevenção do Corona, qualquer bloqueio contra despejos de moradias, qualquer manifestação de massa militante, também pode ser ilegal. O fato de Geisel, a burocracia estatal e o aparato policial estarem planejando exatamente isso já foi suficientemente comprovado com o despejo de um bar de esquerda, o Syndikat.

Na luta contra o populismo de direita e o fascismo, não devemos, portanto, confiar no estado ou nas proibições, que em última instância serão dirigidas tanto contra a esquerda quanto contra a classe trabalhadora. Devemos nos mobilizar. É uma vergonha que apenas cerca de 2.000 pessoas tenham se manifestado contra os negacionistas do Coronavírus em 29 de agosto, que, com poucas exceções, não apenas os sindicatos e todas as organizações de massa, mas também grandes setores da esquerda "radical" foram notados apenas por sua ausência. O dia 29 de agosto deve ser um sinal de alerta para todos.

Uma marcha de 40.000 pessoas deve deixar claro que não devemos esperar mais que os aparatos reformistas e sindicais construam um movimento contra o repasse dos custos da crise e da pandemia. A luta contra o populismo de direita não será decidida apenas por contra-mobilizações. Devemos começar a construir um movimento que demonstre uma alternativa de luta de classes à política de gestão de crises no interesse das corporações.

É claro que devemos tentar forçar os sindicatos e os aparelhos reformistas a lutar. Por isso é necessário tomar a iniciativa, com manifestações e ações, de apoiar as lutas coletivas, as mobilizações antirracistas e antifascistas e o movimento ambientalista, a fim de desenvolver a força necessária para obrigar as grandes organizações a mobilizar em primeiro lugar.

Um movimento anti-crise pode então se tornar um foco de luta em fábricas, administrações, escolas e bairros. Agora é a hora de acordar, ou mais tarde haverá um despertar muito mais rude.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/germany-crisis-pandemic-and-looming-flood-corona-deniers)

Traduzido por Liga Socialista em 10/09/2020