Alemanha se rearma

05/03/2022 20:47

Martin Suchanek, Infomail 1179, 27 February 2022 (abridged) Mon, 28/02/2022 - 13:17

Quando o retorno veio, veio rápido. Em uma sessão especial do Bundestag (parlamento) da Alemanha no domingo, 27 de fevereiro, foi acordado mais que dobrar o orçamento do Exército para 100 bilhões de euros. Além disso, o orçamento de "defesa" será aumentado para 2% do PIB nos próximos anos. A Alemanha está se rearmando.

Após meses de críticas da mídia de direita de que ele concedeu demais a Putin, que sua lealdade ao "Ocidente" estava em dúvida, Olaf Scholz agora é um herói, o tablóide Bild o saudou como "Super-Scholz". Seu editor-chefe, Johannes Boie, ficou em êxtase:

"100 bilhões de euros para a Bundeswehr, imediatamente! Aviões de combate e programas de drones devem ser acelerados! Finalmente, dinheiro para a defesa, como a OTAN exige há muito tempo! "

"Medidas para reduzir os custos de energia. Terminais de gás liquefeito para um fornecimento de energia mais independente! "

"Um chanceler de esquerda está implementando demandas pelas quais jornalistas e políticos conservadores e burgueses foram ridicularizados por muitos e muitos anos."

O que realmente temos é um social-democrata de direita que, como Schroeder com sua Agenda 2010, está promovendo os interesses do imperialismo alemão e deixando para trás todos os céticos da ala esquerda e conversa pacifista.

Autocrítica como justificativa

Segundo Scholz, o ataque da Rússia à Ucrânia mudou fundamentalmente a situação mundial. Ministros e parlamentares da coalizão, e alguns dos partidos CDU/CSU, estão fazendo "autocrítica". Durante anos, eles julgaram mal a Rússia sob Putin, foram ingênuos, enganados por Putin e esqueceram seus próprios interesses e, é claro, a democracia e a humanidade. Agora isso tem que parar.

Segundo ex-pacifistas dos Verdes e do SPD, a paz só pode ser criada com armas. A Bundeswehr, as forças de paz que sacrificaram tanto pela "democracia" no Afeganistão e no Mali, deve finalmente ser modernizada, ampliada, atualizada - e, é claro, receber o reconhecimento público que as tropas democráticas merecem.

Drones armados? Aeronave de combate de última geração? Ontem ainda polêmico, hoje indispensável para “defender a democracia”! Entregas de armas para zonas de guerra? Até recentemente apenas nos bastidores, desde 26 de fevereiro, de forma bastante aberta. Os primeiros 1.000 obuses já estão a caminho da Ucrânia. Sanções contra a Rússia, que ontem foram controversas, não podem ser suficientes hoje - e não apenas para o SPD, Verdes, FPD e CDU/CSU. A AfD, de direita, é a única parte a criticar as sanções porque elas também prejudicarão a Alemanha - mas acolhe as entregas de armas para a Ucrânia e o rearmamento que há muito exigia.

Partido de Esquerda

Finalmente, o Partido de Esquerda, DIE LINKE, também fez uma declaração parlamentar. Rejeita o rearmamento da Bundeswehr, embora sem uma explicação muito clara, mas apoia as sanções contra a Rússia. Ele não entende a invasão reacionária russa da Ucrânia como parte de uma luta inter-imperialista mais ampla pela redivisão do mundo e, portanto, deixa de nomeá-la como tal. Ao mesmo tempo, o conflito sobre a Ucrânia está chegando ao auge quase inexoravelmente.

Isso está forçando a burguesia alemã (e não apenas ela) a ajustar sua política. O salto quântico do rearmamento imperialista da Alemanha, bem como a formação do bloco ocidental por trás dos EUA, é enfeitado com as frases usuais sobre "democracia, humanidade, direitos humanos". Onde estavam eles nos bombardeios da OTAN e na ocupação do Afeganistão? Onde estava a humanidade superior na guerra iugoslava? Onde estava quando o governo ucraniano organizou uma guerra civil contra o leste de seu próprio país, custando a vida de cerca de dez mil pessoas? Onde estão os direitos humanos de todos aqueles refugiados que estão amontoados em acampamentos nas fronteiras da Fortaleza UE, no norte da África ou na Turquia, ou se afogando no Mediterrâneo?

Em sua sessão especial, o Bundestag não quis ouvir nada sobre essa realidade da democracia e exploração imperialista alemã e "ocidental". E o Partido de Esquerda também falhou, mais uma vez, pelo menos como oposição de esquerda no parlamento, em denunciar seu próprio governo e suas políticas imperialistas. Não deixa claro que o sofrimento do povo ucraniano é apenas um meio para um fim, não apenas para os EUA e a OTAN, mas também para a UE e a Alemanha; para empurrar para trás a Rússia e, indiretamente, a China. Para isso, não apenas Putin, mas também o Ocidente aceita que o conflito pela Ucrânia possa se transformar em uma guerra inter-imperialista aberta. As decisões do Bundestag (parlamento federal alemão) e toda uma série de sanções recíprocas aumentam o perigo da guerra que eles querem oficialmente banir.

Poder Nuclear Europa

Não é só o governo que fala de um "ponto de viragem". A imprensa burguesa, seja Bild, FAZ ou Spiegel, há muito argumenta que a política da Alemanha em relação à Rússia fracassou em grande escala, deixando-se mostrar por Putin, negligenciando seus próprios interesses e, acima de tudo, a Bundeswehr. Agora eles dizem que a conta por isso está sendo apresentada à Alemanha. Mas, eles sugerem, que o choque de Putin também pode ser positivo se trouxer uma clara mudança de rumo. Em um artigo sinistramente intitulado "Guerra de novo", um dos editores do sofisticado Frankfurter Allgemeine, Berthold Kohler, conclui:

"Se os europeus não querem se curvar à tentativa de Moscou - seguida de perto por Pequim - de criar uma zona de soberania reduzida em torno da Rússia, então a Europa deve se tornar uma potência nuclear digna desse nome. Isso não será possível sem a participação da Alemanha."

Uma declaração de intenções, no sentido de Kohler, foi entregue pelo parlamento e pelo governo em 27 de fevereiro. A quantia de100 bilhões para novas armas e outros equipamentos não será o último orçamento especial, se o gabinete de rearmamento conseguir o que quer. A indústria de armas ficará satisfeita. Mas por trás de tudo isso há um programa para fazer da Alemanha e de uma UE liderada pela Alemanha um verdadeiro ator na luta pela dominação mundial, uma potência imperialista em pé de igualdade militar com os EUA, China e Rússia. A FAZ tem o mérito duvidoso de explicitar as consequências nucleares e militaristas. Nesse sentido, os órgãos da burguesia são mais abertos e honestos do que seu comitê gestor no governo alemão.

Isso certamente está relacionado ao fato de que Scholz e o SPD, e mesmo alguns dos Verdes, são muitas vezes as forças impulsionadas, e não as forças motrizes, da política de rearmamento. Isso tem suas vantagens para a justificação de tal política. A ministra das Relações Exteriores Verde, Annalena Baerbock, o secretário-geral do SPD de "esquerda", Kevin Kühnert, ou mesmo o próprio Olaf Scholz, são muito mais propensos a serem aceitos como comprometidos com a democracia e os direitos humanos, como lutando com um rearmamento de bilhões de euros e como tendo "boas intenções" em geral, do que um chicote neoliberal como o líder da CDU Friedrich Merz ou o ministro das Finanças do FDP, Christian Lindner. No entanto, isso não muda a essência da questão.

Luta de classes contra o militarismo

A classe trabalhadora e a esquerda da luta de classes não devem ser enganadas por tais frases democráticas. O rearmamento continua sendo rearmamento - para o capital e o imperialismo! E os custos do programa de bilhões e das consequências das sanções terão que ser pagos pelos trabalhadores, seja por meio de cortes sociais, continuidade do estado de emergência no sistema de saúde, aumentos de preços ou fechamento de fábricas. Mas eles também terão que pagar através da crescente militarização, aumentada, é claro, exclusivamente para intervenções estrangeiras "democráticas" e por um crescente perigo de guerra.

Portanto, não é apenas necessário ir às ruas contra a guerra reacionária de Putin. Ao mesmo tempo, deve ficar claro que a guerra na Ucrânia faz parte de uma luta maior pela redivisão da Europa e do mundo entre as grandes potências. O programa de armas de bilhões de dólares do governo e suas sanções são os meios pelos quais esta nova guerra fria está sendo travada. E é por isso que precisamos construir um movimento que trate nossa "própria" classe dominante, segundo o lema de Karl Liebknecht: "O principal inimigo está em casa!"

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/germany-rearms)

Tradução Liga Socialista 04/03/2022