As Américas: novo centro da pandemia

12/06/2020 17:42

Markus Lehner, Neue Internationale 247, June 2020 Sat, 06/06/2020 - 13:08

 

Enquanto na Europa, fora da Rússia, a propagação da pandemia de Covid-19 parece estar diminuindo, pelo menos por enquanto, a situação no continente americano e no Caribe é muito crítica. Em uma declaração da Organização Pan-Americana da Saúde, OPAS, a região foi descrita como o novo epicentro da crise. Na época, em 18 de maio, havia mais de 2 milhões de pessoas infectadas testadas no continente, com um aumento semanal de 14%. Somente Canadá e Cuba haviam atingido um "achatamento da curva" até então. Os centros continentais da epidemia: EUA, Brasil, Peru, Equador e Chile ainda estão na zona de crescimento, às vezes dobrando em uma semana.

Embora os meios financeiros e sistêmicos para conter a crise realmente estejam disponíveis nos EUA, os países ao sul estão obviamente muito mais ameaçados pelas consequências médicas e econômicas da onda de pandemia. Embora três quartos das pessoas infectadas (oficialmente testadas) vivam atualmente nos EUA, o desafio imediato para os sistemas de saúde e medidas antipandêmicas nesses países é muitas vezes maior. O Brasil, com 800.000 pessoas infectadas, atualmente fica atrás apenas dos EUA no mundo, mas, em relação à população, a taxa de infecção no Peru, Chile e Equador é muito maior. No entanto, o sistema de saúde brasileiro já está funcionando no limite: em meados de maio, as unidades de terapia intensiva em São Paulo já estavam 91% cheias e, em Fortaleza e Manaus, estavam sobrecarregadas. O mesmo se aplica aos pontos de acesso no Peru e no México. O Chile, ainda mais rico, agora está relatando um perigo de congestionamento nas aglomerações urbanas.

Distribuição desigual

Além disso, existem grandes diferenças sociais e étnicas na distribuição da infecção. Na América Latina, um em cada dois assalariados trabalha no setor informal - um bloqueio significa, portanto, desemprego imediato sem segurança social. Como muitos setores da economia americana também operam no modo de austeridade desde o início de abril, agora há muita pressão para aceitar qualquer trabalho possível, apesar do risco de infecção. Até as medidas de apoio emergencial adotadas em muitos países estão levando à superlotação nos pontos de distribuição. Além disso, existem condições de vida, especialmente no setor informal, que transformam todos os apelos ao "distanciamento social" em uma farsa, sem mencionar questões de condições sanitárias e higiênicas. Em um teste de massa em um dos grandes mercados de rua de Lima, 80% dos comerciantes deram positivo. Os diferentes acessos aos cuidados médicos e amostras aleatórias sugerem que o número real de pessoas infectadas, e provavelmente também de vítimas, é muitas vezes maior que os números oficiais. Em vista da situação econômica, muitos dos afetados não têm escolha a não ser continuar trabalhando apesar de todos os sintomas e, assim, garantir a propagação sem controle do vírus.

Além disso, também existem populações com risco especialmente alto, como os 2.400 grupos indígenas da região amazônica. Hoje já existem oficialmente mais de 20.000 casos de Covid-19 testados com uma taxa de mortalidade muito maior do que em outras áreas. As pessoas carecem de cuidados médicos básicos. Além disso, a imunidade a certas doenças geralmente é menor entre a população indígena devido ao seu relativo isolamento da "civilização". A OPAS teme a extinção de grupos étnicos inteiros se a ajuda não for fornecida. A passividade de certos governos em relação a esse problema é preocupantemente reminiscente do genocídio que os imigrantes europeus causaram entre a população pré-colombiana da América.

Além da crise pandêmica aguda, existe uma preocupação justificada de que os recursos médicos necessários não sejam suficientes. Isso diz respeito não apenas ao fornecimento de ventiladores urgentemente necessários, camas de terapia intensiva, fundos para o pessoal médico e as roupas de proteção necessárias. Também diz respeito ao fornecimento da indústria farmacêutica. Embora em alguns países haja até pessoas se manifestando contra vacinas que ainda não estão disponíveis, no Sul global, há mais preocupação de que os medicamentos e as vacinas sejam entregues principalmente para onde está o dinheiro. Vários países latino-americanos e a OPAS pediram, portanto, a criação de um fundo para atender às necessidades médicas necessárias para combater a pandemia na região.

Distorções econômicas

É evidente que quase todos os países da América Latina estão em situação de crise econômica há vários anos: a Argentina está à beira da próxima falência nacional. O bloqueio, o colapso do comércio mundial e a recessão que se segue agora estão exacerbando ainda mais os problemas de estagnação, inflação e dívida nacional. Desde o resfriamento da economia global a partir de 2016, o capital vem saindo da região em larga escala. Já existe falta de capital para investimentos e medidas necessárias de infraestrutura em todo lugar.

À medida que os problemas de dívida, como na Argentina, por exemplo, se intensificam, pode-se esperar que a saída de capital acelere. Enquanto o BCE e as instituições da UE na Europa estão dizendo que têm "dinheiro suficiente" para colocar trilhões em "programas de reconstrução", sem dizer quem realmente pagará por isso no final, a América Latina não vive em uma região "o que é preciso", parafraseando Mario Draghi. Mesmo que os fundos de resgate viessem do FMI e do Banco Mundial, certamente não viriam sem condições e outros programas de austeridade. Um naufrágio adicional das economias em estagnação e inflação, de fato, em uma grave depressão econômica, é, portanto, considerado muito provável.

Visão sombria

Dadas essas perspectivas de desenvolvimento de pandemia e crise econômica, a situação política na América Latina não é menos sombria. As escapadas do presidente brasileiro Jair Bolsonaro são bem conhecidas em todo o mundo. Ele não apenas distorceu sistematicamente as medidas de controle da doença, como também já passou por vários ministros da saúde que não queriam segui-lo, e ridicularizou publicamente os riscos à saúde. Ele usa a crise cada vez mais abertamente para impulsionar mobilizações reacionárias racistas e de direita, para agir contra oponentes políticos de uma maneira cada vez mais ameaçadora e aparentemente para reforçar uma política de aceitação da pandemia entre a população mais pobre, especialmente entre negros e indígenas. Sua principal preocupação é que a elite branca mantenha seus privilégios e não precise se preocupar com restrições à liberdade".

Mas populistas de "esquerda", como o presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador, "AMLO", também minimizam a escala da crise da pandemia. A AMLO declarou recentemente que o vírus havia sido "derrotado" e que a economia, especialmente nas cadeias produtivas dos EUA, poderia ser totalmente retomada. Isso, apesar do fato de que mesmo os baixos números aparentemente falsificados das agências governamentais mostram claramente um aumento adicional na tendência da região. O sistema de saúde da Venezuela já praticamente entrou em colapso antes da pandemia e atualmente é incapaz de lidar com o crescente número de infecções. No entanto, ainda se afirma alegremente que tudo está sob controle.

De fato, isso só pode ser dito de Cuba, onde, apesar de todas as medidas de austeridade, o sistema de saúde ainda funciona adequadamente pelos padrões latino-americanos e as medidas de controle de doenças foram implementadas de maneira consistente. No entanto, a crise econômica, em parte devido ao fim do turismo, leva a uma situação de oferta ameaçadora. A "exportação" de médicos e a estimulação da indústria farmacêutica doméstica não são, portanto, atos puramente humanitários, mas, acima de tudo, vendas cambiais vitais para o financiamento das importações de alimentos necessárias.

A crise política intensificada no Equador, Chile e Bolívia antes da pandemia recuou em segundo plano no momento. No entanto, o agravamento da crise econômica e de saúde fará com que as forças reacionárias atualmente no poder tomem muito mais medidas autoritárias. Ao mesmo tempo, no entanto, os desenvolvimentos atuais no Chile mostram que pode haver e haverá revoltas da fome e mobilizações de massas no continente, o que pode colocar na agenda uma luta de classes, até mesmo revolucionária.

Alternativa

Diante dessa ameaça política, econômica e epidemiológica combinada que está se aproximando das massas trabalhadoras da América Latina, é necessário mais do que nunca organizar-se também em nível continental e combinar a resistência contra a catástrofe que se aproxima com a luta por uma alternativa socialista. Obviamente, todas as três ameaças não são simplesmente nacionais e não podem ser combatidas em escala nacional. O sonho de Bolívar de uma república latino-americana já era, em sua época, uma ideia ousada em vista do equilíbrio de poder, hoje só pode ser realizado se as massas trabalhadoras reconhecerem que somente os trabalhadores em aliança com todas as camadas oprimidas da população poderão forçar uma alternativa real, os Estados Socialistas Unidos da América Latina! Socialismo ou barbárie é a alternativa.

 

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/americas-new-centre-pandemic)

Traduzido por Liga Socialista em 12 de junho de 2020