Capitalismo global em um momento decisivo

02/12/2019 21:50

Jürgen Roth Sat, 10/08/2019 - 10:10

Juntamente com Marx e Engels, partimos da suposição de que transcender o capitalismo não é um processo automático, por exemplo, como resultado de seu completo colapso em uma enorme crise. Ao contrário, a derrubada consciente e organizada de suas relações de produção, especialmente a propriedade privada dos grandes meios de produção, pelos explorados em uma revolução socialista, é o pré-requisito imperativo. Se a crise do sistema burguês não for resolvida de maneira revolucionária por causa da fraqueza do movimento proletário global e de sua crise de liderança, são inevitáveis ​​longos períodos de ataques e contratempos contrarrevolucionários.

A época histórica da burguesia não é, portanto, uma de sua ascensão linear ininterrupta nem de um declínio automático ininterrupto. A contradição fundamental entre as forças produtivas e as relações de produção não leva a um declínio permanente da primeira, mas a explosões cada vez mais violentas dessa contradição, que ameaçam cada vez mais a sobrevivência da humanidade, por exemplo, durante a guerra mundial ou catástrofe ecológica.

Desenvolvimento das contradições

Cada período da história do capitalismo produziu não apenas modelos diferentes de acumulação e organização da relação entre capital e trabalho assalariado, mas também novas constelações políticas e relações internacionais de poder. As derrotas sofridas pela classe trabalhadora na década de 1980, a reversão neoliberal dos ganhos sociais e, especialmente, o colapso dos estados stalinistas, permitiram que o capital global adiasse temporariamente sua crise às custas dos explorados. Na virada do milênio, no entanto, a globalização neoliberal provou ter vida curta, o "fim da história" havia sido declarado cedo demais. As chamadas crises Tequila, asiática e argentina e a resistência da classe trabalhadora francesa às reformas neoliberais testemunharam eloquentemente isso, mas acima de tudo o fizeram os sangrentos conflitos regionais nos estados sucessores da URSS, nos Bálcãs e especialmente no Oriente Próximo e Médio.

Além disso, desde o início dos anos 2000, a China se tornou um novo e poderoso desafiante imperialista das grandes potências mais antigas. A Rússia também se recuperou da terrível terapia de choque dos anos 90 e foi capaz de se reafirmar no cenário imperialista, com base em suas matérias-primas e reservas de energia e sua força militar contínua.

O dínamo do desenvolvimento no capitalismo global mudou para a Ásia (60% da população mundial, 26% do PIB global, dos quais apenas a China representa 15% em 2017). A participação do G7 (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido) no PIB global caiu de 66,4% em 2000 para 46% em 2017. Após a crise asiática de 1997-98 e a longa estagnação econômica do Japão, o conflito pelo domínio nessa região crucial explodiu ainda mais violentamente.

A América Latina e a África permaneceram na periferia desse boom da globalização. A concentração dos EUA em intervir em conflitos políticos em outras regiões do mundo e a diminuição da importância econômica de seu antigo quintal latino-americano permitiram a criação de vários governos de esquerda que rejeitaram e condenaram abertamente o consenso de Washington; Venezuela, Brasil, Bolívia, Equador.

A África tem uma população quase tão grande quanto a China, mas, devido ao colonialismo europeu, está dividida em 54 estados. Nem a Nigéria nem a África do Sul, os países economicamente mais poderosos do continente, mostraram-se capazes de registrar um desenvolvimento econômico dinâmico e atuar como locomotivas para o continente. A África permaneceu à margem dos principais fluxos de capital durante o período da globalização e saiu do foco da política mundial.

Recomposição da classe trabalhadora

A globalização e seu desenvolvimento das forças produtivas levaram a uma recomposição significativa da classe trabalhadora internacional. Nos centros imperialistas, a proporção de operários caiu drasticamente. Serviços e emprego na extremidade superior da cadeia de valor; especialistas em TI¹, pesquisadores, especialistas em marketing e finanças, por outro lado, expandiram em número. Os estratos sociais de renda mais baixa provaram ser os perdedores nesse desenvolvimento (precarização). Em algumas semicolônias e estados imperialistas em desenvolvimento, especialmente na China, a globalização levou ao crescimento da força de trabalho assalariada, cujo exército de reserva consiste no setor informal e na população rural.

Desde a Segunda Guerra Mundial, o aumento da demanda por trabalho atraiu cada vez mais mulheres ao processo de trabalho social e prejudicou as relações clássicas de gênero. Na esteira da nova qualidade dos fluxos internacionais de capital durante o período da globalização, não surpreende que o Estado-nação burguês e suas instituições tenham sido cada vez mais mergulhadas em uma crise. Essa fase levou à internacionalização acelerada da produção e do comércio e a um enorme aumento da migração em todos os níveis.

Por um lado, o enfraquecimento da "identidade nacional" representa uma promessa para um futuro mundo cosmopolita além da intolerância nacional. Por outro lado, promoveu elementos de fobias reacionárias e um aumento da política racista.

A ideologia neoliberal predominante da globalização é: "Não há alternativa", TINA². As derrotas e a transformação da classe trabalhadora na década de 1980 tiveram um efeito ideológico na esquerda, levando muitos a "dizer adeus ao proletariado" e capitular às ideologias pós-modernas. A perda de força e o número de sindicatos, o surgimento do que era aparentemente uma "nova classe média", empurraram os partidos social-democratas "ocidentais" ainda mais para a direita (New Labour da Grã-Bretanha, New Centre da Alemanha). O colapso da União Soviética e do bloco oriental levou muitas organizações de esquerda a abandonar o "Modelo da Revolução de Outubro" e quaisquer ambições revolucionárias. Na melhor das hipóteses, eles se orientaram para uma "transformação social", que eles justificaram com a guerra de posição, isto é, um longo período de medidas "transformadoras", salvaguardadas pelo estabelecimento da "hegemonia" ideológica. Mais esquerdistas "radicais" descobriram novos assuntos revolucionários em movimentos contra a opressão de gênero, o racismo, a crise ambiental ou o chamado precarizado.

Consequentemente, muitos movimentos de protesto emergentes são caracterizados pelo pós-modernismo, incluindo uma forte dose de reformismo e populismo. A "política de identidade" levou a uma fragmentação dos movimentos contra diferentes formas de opressão, em vez da "descoberta" de um denominador comum nas sociedades de classe. A "interseccionalidade", e a tática de construir alianças entre várias correntes autônomas, no entanto, mostrou-se incapaz de uni-las. Isso não significa que o desenvolvimento de lutas e movimentos contra a opressão racista, nacional ou de gênero seja uma distração ou desvio da luta de classes. Pelo contrário, essa noção em si é uma distorção econômica que iguala a política de classe a "puro sindicato" e lutas econômicas. De fato, a vitória da classe trabalhadora é impossível se não for liderada por um partido operário revolucionário que responda a toda rebelião contra a tirania e a opressão e a vincule à luta para derrubar a sociedade exploradora do capitalismo. No entanto, à medida que as contradições da globalização se condensavam em uma crise no final da primeira década do novo milênio, a esquerda se viu severamente enfraquecida e desorientada.

O período de crise desde 2008

A expressão mais clara da "Grande Recessão" foi o colapso financeiro de 2007-2008 e a profunda recessão que se seguiu em 2008-2009, marcando um ponto de viragem histórico, pois suas contradições dominadas pela crise culminaram e exigiram imperativamente novas demandas das relações entre capital e trabalho assalariado, bem como entre as classes burguesas e seus estados-nação e blocos. Desde então, entramos em uma fase em que a atual ordem mundial está se deteriorando e a luta para redefinir o mundo está assumindo uma forma cada vez mais aberta.

Graças ao peso específico da economia americana desde a Segunda Guerra Mundial, as tendências de longo prazo da acumulação de capital e a taxa de lucro em seu setor, isto é, excluindo o setor financeiro, são aproximadamente paralelas aos centros imperialistas "ocidentais".

Com o início da superacumulação, evidenciado pela crise asiática de 1997-98, os mercados financeiros desregulados se transformaram em bumerangues. Apoiadas nas políticas de baixa taxa de juros dos bancos centrais, as diminutas perspectivas de retorno dos investimentos no setor industrial levaram esses investimentos a entrar na esfera financeira, tendo como resultado o volume de capital fictício bastante inflado.

O colapso do banco de investimentos americano Lehman Brothers em 18 de setembro de 2008 provocou um efeito dominó. Em outubro de 2008, o capitalismo foi ameaçado por "ficar sem dinheiro". Vários grandes bancos, diante de insolvências, pararam de conceder crédito um ao outro. O comércio mundial ameaçou parar. Apelou-se para que o Estado, há muito criticado pelos ideólogos do neoliberalismo, entre em ação. Somente em 2009, US $ 20 trilhões foram distribuídos para a socialização de uma grande parte das perdas totais de US $ 34 trilhões. O colapso das economias do G7 foi cinco vezes pior do que o ocorrido após a chamada "crise do petróleo" de 1973/1974. A crise de acumulação excessiva que surgira 10 anos antes no horizonte no leste da Ásia agora começou de forma concentrada e global.

No entanto, a intensificação da crise econômica foi apenas a expressão de um problema mais geral e mais profundo da globalização. A expansão do investimento estrangeiro afetou apenas parte do mundo (veja acima). O fracasso dos EUA em conseguir policiar os pontos problemáticos do Afeganistão, Paquistão, Somália, Bálcãs, América Latina e Guerras do Golfo deixou claro que, apesar de ser a única superpotência remanescente, não era capaz de impor uma "nova ordem mundial".

Queda da supremacia dos EUA

A longo prazo, o domínio econômico dos EUA se desintegrara desde o final da década de 1960. Sua posição econômica global aparentemente confortável era baseada no dólar americano, que efetivamente funcionava como dinheiro mundial. Déficits crescentes no comércio exterior poderiam ser absorvidos por dívidas denominadas em dólares, mas, no entanto, minavam a hegemonia dos EUA. Nas décadas de 1970 e 1980, a Alemanha e o Japão se tornaram sérios concorrentes, depois a China, nos anos 90. As importações chinesas baratas e o aumento da dívida privada nos EUA formaram a combinação que parecia garantir o crescimento econômico mundial a longo prazo - mas agravou a quebra e a fez sentir em todo o mundo. Durante a "Grande Recessão" de 2007-2009, a China, com seus enormes programas de infraestrutura estatal e como maior financiadora, tornou-se o principal fator de recuperação e o grande poder que começou a desafiar os EUA globalmente.

Ao mesmo tempo, a Rússia havia se recuperado da terapia de choque dos anos 90 e resolvido seus conflitos internos de uma maneira autoritária e sangrenta (Chechênia). Tanto nos conflitos na Geórgia quanto na Ucrânia, seu exército e as milícias que apoiava se mostraram mais poderosos do que seus adversários pró-ocidentais. Começou a explorar as fraquezas dos imperialismos dos EUA e da UE, principalmente em aliança com a China, e voltou ao palco de grandes eventos políticos mundiais, destruindo o sonho dos EUA de uma nova ordem mundial unipolar na Crimeia e na Síria, a aliança com o Irã, um papel cada vez mais ativo na África e apoio à Venezuela, Nicarágua e Cuba.

Economicamente e politicamente, a globalização falhou. A posição hegemônica dos EUA é ameaçada não apenas pela China e Rússia, mas também pela UE, que está em crise. O mundo globalizado caiu novamente em vários blocos imperialistas e em suas esferas de influência, como antes da Primeira Guerra Mundial.

Consequências sociais

Nos países imperialistas, o período neoliberal da globalização minou a parceria social do pós-guerra. Os conflitos sobre pensões, sistemas de saúde e educação e, acima de tudo, previdência social assumiram proporções explosivas. Apesar do enfraquecimento dos sindicatos, as lutas de classes se intensificaram, assumindo formas políticas na Grécia, Espanha, Portugal, em defesa do salário social e como resultado da crise da dívida.

Nas semicolônias, esse tipo de movimento foi acompanhado por aqueles contra a venda de propriedade pública a multinacionais (água, energia, patentes de sementes) ou a ruína da agricultura de subsistência doméstica por meio de importações agrícolas baratas (muitas vezes altamente subsidiadas como no caso de a UE). A bolha financeira levou a especulações nos mercados agrícolas mundiais a partir de 2006 e a enormes aumentos nos preços dos alimentos a partir de 2008. A insatisfação com regimes autoritários de longa data e conflitos sociais não resolvidos transformou os distúrbios de fome no norte da África em revoluções democráticas, a Primavera Árabe. O fato de os países imperialistas exportarem seus problemas ambientais, como lixo plástico, sucata eletrônica e "áreas de compensação" para as emissões de CO2 para as semicolônias também contribuiu para esse imperialismo ambiental.

O movimento antiglobalização se formou contra as contradições da globalização na virada do milênio. Centenas de milhares de pessoas foram às ruas no início da segunda guerra contra o Iraque. Protestos de cúpulas e fóruns sociais foram o cenário da luta pela hegemonia dentro deles. Os sindicatos e os partidos de esquerda formaram o polo reformista e vários governos latino-americanos uma esquerda, populista, mas os reagrupamentos anticapitalistas também lutaram por influência. No auge da crise de 2007-2009, no entanto, o movimento se rompeu. Os líderes sindicais fizeram todas as concessões possíveis ao capital. A rede antiglobalização pouco unida não tinha nada a oferecer contra essa capitulação.

Medidas de resgate

Os líderes imperialistas aproveitaram a fraqueza da resistência para superar a crise a partir de 2009. Uma ação internacionalmente combinada para apoiar bancos em dificuldades, programas de estímulo governamental e o renascimento dos empréstimos interbancários impediu a queda da depressão como na década de 1930. Isso foi acompanhado por derrotas severas para o movimento dos trabalhadores:

a) Demissões em massa nos EUA e na UE, acompanhados por um concerto de parceria social, por exemplo, na Alemanha.

b) Aumento da dívida nacional através da socialização da dívida, especialmente a dos bancos privados, a partir de 2010. Isso afetou particularmente os elos mais fracos da cadeia imperialista ou dos países semicoloniais, como o sul da Europa a partir de 2012, com fuga de capitais e especulação contra seus títulos do governo, o que provocou uma crise permanente na UE.

c) 2014/2015 marcou o fim da Primavera Árabe. As velhas elites recuperaram o poder, muitas vezes confrontadas por um aumento renovado do Islã político reacionário. 2015 viu o início de um grande movimento de refugiados.

O movimento Occupy, no sul da Europa, rejeitando a necessidade de desenvolver liderança, atrair o movimento dos trabalhadores e adotar táticas de luta de classes, morreu na praia. Tudo o que resta é o populismo de Podemos na Espanha. Suas estruturas pseudodemocráticas, com um líder carismático, estrela da mídia, evitando toda a clareza política, também provaram ser um beco sem saída. O mesmo se aplica ao desamparo da "Esquerda Radical" diante da capitulação do governo grego Syriza ao ultimato da Troika - seja como resultado de uma adaptação oportunista ou de uma capitulação passiva diante das lutas em Syriza.

Esses sucessos do capital global no enfrentamento da crise, no entanto, não anunciaram uma nova recuperação. O capital superacumulado foi protegido da destruição por enquanto pela intervenção do estado. Com exceção da China, os principais países imperialistas de 2010-2015 foram caracterizados por estagnação geral, capacidades subutilizadas, baixa rentabilidade e falta de investimento em expansão. Nos EUA, apenas os principais players nos setores de alta tecnologia e TI são lucrativos; Google, Amazon, Apple, Facebook, Netflix e Microsoft. A principal tarefa de Trump é, portanto, consolidar sua liderança tecnológica sobre a concorrência chinesa emergente. Isso é mais do que um conflito comercial, como mostra o cabo de guerra sobre a Huawei e a ZTE.

Os programas de estímulo econômico e a política de facilitação do suprimento de dinheiro (QE)³, beneficiaram não apenas os grandes da TI, mas também os fornecedores de matérias-primas (Brasil, Rússia, Venezuela). Com o esfriamento do boom chinês após 2013, no entanto, Brasil e Venezuela, em particular, enfrentaram perigos econômicos, e a crise política se seguiu rapidamente. Após seu fracasso diante da "Grande Recessão", a "Esquerda" também está agora em retirada na América Latina.

Essas derrotas levaram a uma recuperação mais firme, mas leve, após 2016, novamente com o apoio do Estado (reforma tributária de Trump, protecionismo, condições de investimento mais favoráveis; reformas econômicas de Xi Jinping). Isso incluiu todos os países da OCDE em 2016-2019.

A próxima crise certamente virá

As opiniões diferem quanto a quando essa mini-recuperação terminará e quão profunda e abrangente será a próxima queda. No entanto, a maioria dos analistas espera que a queda ocorra em 2020. Os seguintes fatores serão decisivos em sua extensão:

a) Crise dos mercados emergentes
O refluxo de capital dos países que se beneficiaram dos investimentos em QE a partir de 2010 e assumiu pesadas dívidas na crença de que essas importações de capital continuariam, agora enfrentam um refluxo de capital que os afetará tanto quanto os que antes se beneficiavam do boom das commodities: Argentina, Egito, Paquistão, Turquia.

b) Crise da UE
A UE é o elo mais fraco da cadeia dos países do G7: a crise da dívida no sul da Europa não está resolvida, como é o caso do Brexit. As tensões entre o núcleo da Europa e os países do Báltico e Visegrad estão aumentando, a França está enfraquecendo como uma das duas maiores potências no eixo com Berlim.

c) Nacionalismo crescente
Os efeitos políticos de "Make America Great Again!" estão destruindo o sistema de instituições do pós-guerra (OMC, FMI, ONU, OTAN, Banco Mundial ...). Uma intervenção conjunta das principais potências se tornará improvável na próxima crise. Isso não só terá um impacto na próxima crise econômica, mas também agravará os problemas regionais no Oriente Médio, subcontinente indiano, leste e sudeste da Ásia e a crise sócio-ecológica.

d) "Guerra comercial"
Fortalecer a indústria dos EUA, chantagem para reformular acordos comerciais (NAFTA) e protecionismo agressivo são todos elementos de uma rejeição multifacetada do relacionamento anterior com a China, incluindo um apelo para que outros poderes do G7 correspondam a Trump, por exemplo, para excluir Huawei e ZTE do G5.

e) A crise do mercado financeiro
QE e o surgimento de novos jogadores, ainda maiores, na forma de gestores de ativos e fundos como o BlackRock, mais uma vez lançaram uma pirâmide de capital fictício no céu. Enquanto na última crise eram imóveis privados, agora a dívida corporativa é o principal alvo dos especuladores.

f) Taxa de lucro
Mesmo a recente mini-recuperação não prova uma recuperação das taxas de lucro no setor produtivo. As inovações técnicas somente serão totalmente lucrativas se a próxima crise destruir grandes quantidades de capital de investimento.

Em contraste com 2008-09, não esperamos nenhuma ação concertada, como estímulo econômico de governos e bancos centrais, dos países do G7, porque as dívidas nacionais já são muito altas, o QE tem pouco efeito e as taxas de juros já são baixas. Em vez de uma transição para a paralisia como em 2010, provavelmente haverá uma luta decisiva sobre a qual as potências imperialistas terão que suportar o peso da destruição de seu capital social nacional.

Fase contrarrevolucionária

No contexto da derrota do movimento operário e do fracasso das revoluções democráticas, não surpreende que massas de pequena burguesia e partes da classe trabalhadora se voltassem para movimentos populistas. Para milhões, a democracia burguesa parece uma concha vazia. Portanto, é fácil para os populistas de direita colocá-los demagogicamente em movimento contra a "elite". Mas seu objetivo final é mobilizar a pequena burguesia e a classe média ao lado de trabalhadores desmoralizados como soldados de infantaria dos interesses capitalistas - em casos extremos como uma ponte para a formação de um militante movimento de massa fascista organizado. A próxima crise reforçará essas tendências. Este grande perigo para o proletariado e todos os oprimidos não deve ser banalizado pela esquerda,

Hoje em vários países, já vemos um fortalecimento das tendências bonapartistas (Brasil, Índia, Filipinas, Polônia, Hungria, EUA). Os liberais e, acima de tudo, os verdes burgueses de esquerda, alguns deles social-democratas, apresentam-se como uma força respeitável, invocando democracia, justiça e a combinação de um mercado parcialmente controlado e a democracia parlamentar burguesa reformada, o "New Deal verde".

A capacidade das ideologias e programas pequeno-burgueses de encontrar apoio muito além de sua clientela regular e da classe trabalhadora é o resultado das derrotas do proletariado, da crise de seus partidos e organizações tradicionais e, em menor grau, do fracasso da esquerda "radical" e o declínio dos movimentos anti-crise e antiglobalização em face da Grande Recessão. O fato de populistas de direita e esquerda, bem como correntes liberais e verdes, poderem dominar o discurso em tempos de erosão do sistema partidário burguês aponta para a crise do movimento operário.

Crise do movimento operário

A burocracia sindical e os partidos reformistas de massa, especialmente os social-democratas, provaram ser defensores da globalização, exigindo regulamentação reduzida, padrões sociais mínimos moderados e uma "política de redistribuição" keynesiana para assalariados, tanto quanto a ala "razoável" do país, a classe dominante, em troca de uma política de "reforma" da parceria social. Os requisitos do capital monopolista devem ser combinados com algumas concessões sociais e políticas para salvar a "coesão social". Esta política é diametralmente oposta às tendências históricas atuais! Se eles evoluírem para a esquerda, como os trabalhistas sob Corbyn, na Grã-Bretanha, alcançarão rapidamente seus limites, levando a conflitos e divisões, e oferecerão uma oportunidade para intervenção revolucionária. O mesmo se aplica ao PT no Brasil e ao populista de esquerda, PSUV, na Venezuela. O populismo de esquerda é um passo perigoso em direção à subordinação aberta à burguesia. Até que ponto isso pode ir para a direita é demonstrado pelo Movimento Cinco Estrelas na Itália.

Os partidos reformistas de esquerda enfrentam problemas fundamentais comparáveis ​​aos da social-democracia. Os Partidos de Esquerda Europeia (ELP) estão divididos na questão do reformismo de esquerda e do populismo, este último incorporando claramente um desenvolvimento de direita em um esforço para afrouxar os laços orgânicos com a classe trabalhadora em favor de uma orientação para "o povo". Ironicamente, essa divisão está ocorrendo em um momento em que os projetos do reformismo de esquerda, o PT do Brasil e o populismo de esquerda da Venezuela, PSUV, caíram em uma crise histórica!

A crise da liderança proletária também significa que movimentos progressivos que mobilizaram milhões contra a mudança para a direita são frequentemente liderados por forças não proletárias, mesmo quando articulam sérios problemas da classe trabalhadora. Isso se aplica às correntes feministas, antirracistas e ecológicas, bem como aos movimentos de libertação nacional. O movimento dos trabalhadores organizados é cada vez menos capaz de desempenhar um papel de liderança. Partidos reformistas e sindicatos lutam pelo controle burocrático, na melhor das hipóteses. Em vez da política de classe proletária independente, prevalecem nos movimentos ideologias como (pós-) feminismo, teoria queer, política de identidade ou pós-modernismo.

A esquerda deve, portanto, não apenas intervir ativamente, mas também trazer uma perspectiva proletária. O último é indispensável. Toda rebelião espontânea no capitalismo permanece antes de tudo um reflexo da consciência burguesa. Isso também se aplica à luta proletária, econômica e sindical. O ponto de vista da classe proletária deve antes de tudo ser estabelecido através de uma organização revolucionária, um partido.

Em contraste com a virada do milênio, quando uma tendência internacionalista espontânea se tornou visível nos fóruns sociais, hoje em grande parte da esquerda "radical" há uma rejeição da política revolucionária de classe, uma restrição da própria política à política nacional ou mesmo à estrutura local. A adaptação acrítica a movimentos como os Gilets Jaunes, a adoção de ideologias antimarxistas da moda (pós-modernismo, desconstrutivismo, política de identidade, pós-colonialismo ...) deixaram traços profundos.

Isso também se aplica ao trotskismo pós-guerra. Em seu último Congresso Mundial, a Quarta Internacional (antigo Secretariado Unificado) desistiu de qualquer reivindicação de representar uma corrente internacional com uma perspectiva e um programa leninista-trotskista. As outras organizações centristas que se mantêm nas tradições de Nahuel Moreno, como o LIT, Tony Cliff, o SWP no Reino Unido, a ISO nos EUA e Ted Grant, o CWI, também estão em crise.

Para os revolucionários, isso torna ainda mais clara a agonia da morte do trotskismo degenerado do pós-guerra: rompa com essas tradições em colapso! Não há como evitar uma corrente revolucionária com um programa marxista claro! Avançar para a construção de uma Quinta Internacional!

Notas:

  1. TI - Tecnologia da Informação - recursos de tecnologia para o processamento de informações, incluindo softwares, hardwares, tecnologias de comunicação e serviços relacionados.
  2. TINA - There is no alternative
  3. QE - Quantitative Easing, visa a criação de quantidades significantes de dinheiro novo eletronicamente, por um banco, mas autorizado pelo Banco Central

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/global-capitalism-turning-point)

Traduzido por Liga Socialista em 01 de dezembro de 2019