Chile: Apoio eleitoral crítico para Boric!

16/12/2021 19:28

Markus Lehner Thu, 16/12/2021 - 09:26

Em 19 de dezembro, acontecerá a eleição para a presidência no Chile. No primeiro turno de votação, o extrema-direita Antonio Kast estava à frente do candidato da aliança de esquerda "Apruebo Dignidad", Gabriel Boric, com 27,9% e 25,8% dos votos.

Como relatamos antes do primeiro turno no artigo "O fim do modelo chileno?", essas eleições estão ocorrendo em uma situação que tem sido marcada por protestos há dois anos. Desde outubro de 2019, o "modelo chileno", há muito considerado um Eldorado das políticas econômicas e sociais neoliberais, vem sendo atacado por um crescente movimento de protesto do grande número de atingidos por esse modelo. Jovens, mulheres, trabalhadores, indígenas, migrantes assumiram a liderança em ação e também expulsaram a liderança anterior da oposição, a social-liberal "Concertación" (social e democratas cristãos), que havia sido integrada à era pós-Pinochet.

Em vez disso, as alianças em torno do Partido Comunista do Chile, especialmente a "Frente Amplio", vieram à tona. Gabriel Boric, ex-porta-voz dos protestos estudantis e representante desta frente, trabalhou com líderes sindicais e dirigentes do PC para canalizar o movimento de protesto para o processo de reformulação constitucional. É claro que, com o referendo sobre o processo constitucional e a eleição para a Assembleia Constituinte em maio deste ano, este caminho reformista está agora mostrando seus limites esperados. Cada vez menos manifestantes acreditam agora que este caminho parlamentar-institucional poderia atacar fundamentalmente os pilares das injustiças sociais do "Modelo Chile". Isso se expressou não apenas na participação extremamente baixa para a Assembleia Constituinte, mas também no veemente ressurgimento do movimento de protestos desde setembro de 2021. Apesar desse crescente descontentamento, a massa do movimento e as classes oprimidas depositam esperanças em Boric nas eleições, e ainda mais diante da alternativa: uma vitória eleitoral da direita pelo admirador de Pinochet, Kast.

A direita une a burguesia

Com a confiança no processo constitucional diminuindo, a direita também se sente forte o suficiente para mobilizar suas forças. Há muitos nas classes médias e no campo que se beneficiaram das altas taxas de exploração do Chile e de sua posição no mercado mundial. Os protestos e as promessas eleitorais da esquerda têm sido, portanto, usados pela direita para elevar o espectro do declínio econômico precisamente entre esses estratos. Além disso, em Kast, eles encontraram um candidato que pode se mobilizar muito além dos conservadores habituais com todos os elementos do populismo de direita. Em particular, o Chile tornou-se um ímã para migrantes de toda a América Latina, por exemplo, do Haiti. Estes têm sido cada vez mais marginalizados nos últimos anos e são alvo de forte discriminação racista. Para Kast, a agitação contra migrantes e indígenas (especialmente os Mapuche) como "focos criminosos" e "parasitas" são tanto um elemento central de sua propaganda como a negação das mudanças climáticas, a agitação contra os homossexuais e a invocação dos "perigos do feminismo".

Apesar dessas características repugnantes de um Bolsonaro andino (com quem também gosta de se mostrar em fotos), Kast tem o total apoio do establishment chileno. O medo da vitória eleitoral, mesmo da esquerda reformista, faz com que a burguesia chilena aposte em Kast para ter não apenas um fantoche do neoliberalismo sentado no palácio presidencial, mas também um arqui-reacionário, apoiado pelo aparato estatal e um reacionário pequeno-burguês, e pronto para pôr fim à ameaça esquerdista.

Nas últimas pesquisas (embora esteja proibida a publicação das pesquisas eleitorais no Chile desde a semana passada) Boric estava um pouco à frente de Kast. O movimento de massa progressista, mas também a maioria dos eleitores de partidos centristas, tendem a votar em Boric. Ele também está à frente por uma proporção de 40:20, especialmente entre mulheres, jovens e trabalhadores. As organizações feministas, em particular, se mobilizaram justamente contra o programa reacionário e misógino de Kast e estão convocando um grande número para a eleição de Boric. O mesmo se aplica a todas as importantes lideranças sindicais. Boric promete, acima de tudo, reverter as políticas de privatização em áreas como saúde e previdência. Isso também leva a um forte apoio nas urnas entre os eleitores mais velhos.

A eleição presidencial representa um importante confronto não apenas entre dois candidatos, mas entre as principais classes sociais, entre o trabalho assalariado e o capital, dada a crise política e a intensificação da polarização social nos últimos anos. Apesar dos limites reformistas da política e do programa de Boric, a classe trabalhadora não pode e não deve permanecer neutra aqui. Todas as forças revolucionárias de esquerda devem ajudar com seu voto para derrotar Kast nas urnas. Sua vitória seria uma derrota para toda a classe trabalhadora, a juventude, as mulheres, os indígenas, os camponeses pobres do Chile e toda a América Latina.

Limites do reformismo

Ao mesmo tempo, não devemos fechar os olhos para o fato de que Boric, o PC e a "Frente Amplio" não são a resposta revolucionária necessária para os problemas da desigualdade social e da opressão no Chile. Sua manobra para direcionar o movimento de protesto para o beco sem saída do processo constitucional sufocou a possibilidade de uma escalada revolucionária dos protestos de 2019, permitindo que a reação recuperasse a iniciativa. No final, não é de admirar que, com a decepção nos objetivos reais do protesto, a contrarrevolução agora esteja agora levantando a cabeça ainda mais. Daí a polarização na eleição atual, entre um candidato da esquerda reformista representando os assalariados e oprimidos, e a extrema direita apoiada pela burguesia.

Embora as eleições e o parlamentarismo não possam, em última análise, mudar as questões reais de poder (isto é, as relações de propriedade implícitas), é precisamente em uma eleição tão polarizada que o equilíbrio de poder entre as classes se reflete. O resultado em si entrará nessa relação.

A classe trabalhadora não pode ser indiferente a quem vence tal eleição. Uma vitória eleitoral para Kast certamente seria um incentivo para a classe dominante para novos ataques e também daria um mandato "democrático" à contrarrevolução. Para os socialmente oprimidos e os manifestantes dos últimos anos, este seria um grave retrocesso e não um incentivo para uma luta adicional. Provavelmente teria um efeito desanimador.

Mesmo uma vitória eleitoral de Boric não é, naturalmente, garantia para melhores condições de luta ou mudança real. De qualquer forma, apenas a luta nos locais de trabalho e centros de treinamento, nas ruas e nos protestos sociais é a verdadeira alavanca contra o ressurgimento da direita e para uma mudança social drástica. Acima de tudo, temos que reconhecer que grande parte dos trabalhadores, mulheres, indígenas etc., atualmente acreditam que uma vitória eleitoral de Boric avançaria sua luta. Isso é bastante claro tanto nas pesquisas quanto no apoio dos sindicatos e dos movimentos sociais. Os revolucionários devem, naturalmente, advertir contra ilusões em Boric (como suas ações no acordo para "pacificar os protestos") e convocar as organizações que o apoiam a mobilizar-se independentemente na luta contra a direita, nacionalizar o sistema de saúde, introduzir uma previdência estatal etc.

Boric tentará chegar a um acordo com a burguesia e seus partidos no parlamento para manter a velha ordem. Isso já pode ser visto em suas recentes "promessas" de que, infelizmente, alguns dos presos no movimento de protesto não podem ser anistiados.

O apoio crítico a Boric nas eleições deve denunciar tais concessões e exigir que ele e a organização de massa rompam esta política. Os revolucionários devem estar cientes de que Boric e as lideranças dos sindicatos burocratizados e partidos reformistas e organizações nas quais ele confia não querem dar esse passo. No entanto, se queremos avançar na mobilização e aguçar a luta, devemos combinar apoio a Boric com a ajuda de seus apoiadores para ir além das limitações de suas políticas. Ao fazê-lo, é necessário acompanhar as promessas bastante significativas do candidato, como um sistema de saúde unificado e público para todos, um regime de previdência solidária, aumentos de impostos para os ricos e corporações e reconhecimento, e diálogo com os povos indígenas, bem como o fechamento de todas as usinas a carvão até o final de seu mandato.

Por isso, pedimos apoio eleitoral crítico a Boric sem ilusões e vinculamos isso à necessidade de continuar o movimento de protesto e avançar uma oposição organizada à ordem existente. Convocamos ele, o PC e a “Frente Amplio” a romper com a burguesia e formar um governo de trabalhadores e camponeses, baseado na mobilização das massas, nos comitês distritais e industriais e seu desenvolvimento em conselhos nas cidades e no campo; em uma mobilização que desarma a contrarrevolução e arma os trabalhadores e camponeses, que convoca os soldados rasos para romper com os oficiais e formar conselhos de soldados. Tal governo teria, ao mesmo tempo, de tomar medidas drásticas para implementar suas promessas eleitorais e expropriar grandes empresas chilenas e estrangeiras e estabelecer uma economia planejada democrática.

Mesmo que Boric, o PC e a Frente não queiram dar esses passos radicais e anticapitalistas em direção a uma revolta socialista e revolucionária, essas demandas podem e devem ajudar a convencer os trabalhadores e camponeses a fazê-lo. Mas isso só será possível se os revolucionários estiverem preparados para apoiá-los na luta contra Kast.

O abstencionismo não é revolucionário!

Neste contexto, precisamos olhar para as respostas de outros esquerdistas no Chile. Certamente, é compreensível que muitos dos participantes mais ativos dos protestos retomados não tenham esperança em Boric e o vejam como um "traidor" por causa de sua participação no "acordo de pacificação". No entanto, a política revolucionária não pode ser guiada por desgostos compreensíveis. Deve ser guiada pelas necessidades da situação dada; nesta situação decisiva e polarizada, não há precisamente nenhum candidato do movimento de protesto com um programa para uma solução revolucionária para a crise que se candidate à eleição.

Há, no entanto, um candidato fortemente ancorado no movimento operário e social e que está recebendo muito apoio justamente deste lado. Podemos declarar isso uma ilusão e alertar contra suas prováveis políticas futuras, mas isso não pode ser um argumento para não tomar uma posição clara no atual confronto de classes, que a eleição também representa.

Aqueles que nem sequer estão preparados para apoiar Boric e o movimento de massa nas urnas estão, na verdade, recusando-se a apoiar a classe trabalhadora neste confronto. Isso só pode contribuir para melhorar as chances de Kast. Aqueles que contribuem para uma vitória kast, abstendo-se de votar, justamente, não encontrarão uma boa audiência entre os trabalhadores desiludidos, mulheres, jovens, indígenas e camponeses que votaram em Boric pela necessária continuação da luta contra a direita e pela mudança social. Pelo contrário, o perigo da desmoralização é grande se a esquerda reformista reunir seus apoiadores em torno de projetos de frente popular "contra a direita", como no Brasil.

Por isso, consideramos errada a posição eleitoral do "Partido dos Trabajadores Revolucionarios" (PTR, seção chilena da Fracción Trotskista). Em várias declarações sobre a eleição em segundo turno, eles dão como slogan para a eleição: "Derrote Kast e a direita, mas sem ilusões em Boric e seu projeto" (por exemplo: https://www.laizquierdadiario.cl/A-derrotar-a-Kast-y-la-derecha-sin-conf...). Eles não combinam as críticas justificadas a Boric e seu papel no "acordo de pacificação", bem como seu programa tímido com a tática de apoio eleitoral crítico - como desenvolvemos com base no método de Lênin e Trotsky.

Embora enfatizem corretamente que apenas mobilizações independentes da classe podem avançar a luta contra a direita e para a mudança social, eles fingem que o resultado da eleição e o fato de ilusões das massas em Boric são completamente irrelevantes para isso. Tentam então se salvar com a fórmula contraditória e vaga: "Organizamos essa luta com os camaradas que, cientes do que Boric representa, votarão criticamente nele, bem como naqueles que querem confrontar o direito e não votarão porque acham que Boric não representa as exigências de outubro". Em outras palavras, eles próprios não pedem a eleição de Boric (presumivelmente defendem a abstenção), mas "toleram" a eleição de Boric, desde que seja feita criticamente "na consciência do que Boric representa".

Se Boric deveria ser um traidor tão traidor que o apoio eleitoral crítico é proibido, por que eles estão trabalhando precisamente com aqueles que sabem exatamente o que Boric representa e não, por exemplo, com os milhares que têm ilusões em Boric, mas realmente querem ver as exigências corretas, que ele também tem, implementadas?

Em futuras mobilizações, o PTR verificará se só as pessoas que sabem o que Boric e sua corrente política realmente representam participam? Os trabalhadores que esperam que Boric, as lideranças sindicais, o PC etc., introduzam um sistema de saúde e previdência estatal em uma base social e venham abolir as leis trabalhistas antissindicais, em grande número, não aprenderão que esta não é uma liderança adequada para isso simplesmente por meio da educação ou treinamento ou da "mobilização totalmente independente".

Devemos ajudar os trabalhadores na luta para reconhecer as barreiras da liderança reformista. Isso significa não apenas alertar contra essas políticas, mas também aguçar a mobilização e o confronto para permitir que os trabalhadores de forma organizada vão além da política de Boric e construam a partir dela uma liderança alternativa e revolucionária com raízes nas massas. Afastar-se do confronto eleitoral, sobretudo para alertar contra ilusões no candidato reformista Boric e convocar a pequena minoria radical a lutar independentemente contra o perigo da direita "além do espetáculo eleitoral", esta é uma postura pseudo-revolucionária.

Na realidade, equivale à abstenção do verdadeiro confronto nas eleições, uma recusa em lutar contra a reação. Aqueles que usam a "crítica" do reformismo e a invocação da "mobilização independente da classe" como justificativa para a abstenção das eleições estão apenas se recusando a apoiar os trabalhadores e oprimidos contra o candidato da burguesia unida e da reação. Superar a crise de liderança da classe trabalhadora é impossível nessa base.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (Chile: Apoio eleitoral crítico para Boric! | Liga para o Quinto Internacional (fifthinternational.org))

Tradução Liga Socialista