Chile: Movimento de massas conquista Assembleia Constituinte

09/11/2020 20:03

Chris Clough, Red Flag, November 4, 2020 Mon, 09/11/2020 - 11:24

 

No ano passado, as massas no Chile travaram uma luta heroica contra a classe dominante, forçando-os a conceder reformas democráticas e econômicas na tentativa de aplacar o movimento. Porém, o movimento continuou forte nas ruas do país e somente se aplacou devido ao Covid-19. Um ano depois, no dia 19 de outubro, o povo chileno voltou às ruas para mostrar às elites que o movimento continua. Então, no dia 25, em um referendo concedido pelo governo, a população votou de forma esmagadora pela reescrita da antiga constituição, estabelecendo uma convenção constitucional de 155 cidadãos. Com 90% de comparecimento, quase 80% votaram a favor da remoção da antiga constituição de 1980 que foi instituída pelo brutal ditador do Chile, Augusto Pinochet.

2019: Quando “o Chile acordou”

Há pouco mais de um ano, a classe dominante chilena proclamava o país como um farol de estabilidade e sucesso, sendo o país per capita mais rico da América do Sul. Mas este não foi o Chile vivido pela grande maioria das pessoas comuns. O Chile é a nação mais desigual da América do Sul, com mais de um terço das pessoas que vivem em cidades em extrema pobreza.

Um pequeno aumento nas tarifas do metrô foi o suficiente para inflamar o barril de pólvora e engolfar o país nas semanas de agitação em 2019, com grandes manifestações, greves crescentes e confrontos diários com as forças de segurança. O país viu algumas das maiores manifestações de todos os tempos, e um movimento de greve de mineiros, estivadores, motoristas de caminhão e ônibus forçou os líderes sindicais a convocar greves gerais que forçaram o governo antes intransigente a oferecer desesperadamente reformas para salvar sua administração.

Antes de conceder as reformas, o governo tentou reprimir e derrotar o movimento. Eles mobilizaram a polícia em grande número e liberaram a odiada polícia nacional, os carabineros, para brutalizar os manifestantes. Eles acabaram até mesmo mandando militares para as ruas pela primeira vez desde a ditadura. O resultado foi 30 mortos, centenas cegos e gravemente feridos, e milhares presos, 2.500 dos quais ainda estariam na prisão 6 meses depois.

Mesmo esta repressão não silenciou as massas, as manifestações tornaram-se cada vez mais militantes. Os manifestantes usaram métodos criativos para combater a tropa de choque militarizada, como o uso em massa de ponteiros laser para impedir o uso de capacetes de choque, veículos blindados e helicópteros. Mais significativamente, a crescente onda de greves e, ao lado dela, o início de uma democracia popular da classe trabalhadora formando-se em assembleias de base para coordenar o movimento, deixou o governo em pânico e o forçou a aceitar que o movimento não poderia ser reprimido.

Em seguida, o governo de direita do bilionário Sebastian Piñera ofereceu grandes reformas econômicas, incluindo um aumento nos salários, impostos sobre os ricos e um aumento na pensão miseravelmente baixa. Isso também não era suficiente: a greve geral estava escalando junto com os apelos pela queda do governo. Finalmente, a classe dominante e os partidos políticos (incluindo os principais partidos que afirmam representar a classe trabalhadora, como a Frente Amplio e o Partido Comunista) fecharam as fileiras e ofereceram uma saída, tentando limitar o movimento à convocação de uma assembleia constituinte para reescrever a Constituição.

Depois dessas concessões e depois de semanas de repressão, as manifestações continuaram, mas em menor escala. Quando a pandemia atingiu, o movimento silenciou em grande parte. A classe dominante sem dúvida deu um suspiro de alívio hesitante. Mas essa trégua durou pouco, pois a pandemia alimentou a crise econômica, expondo as desigualdades e inadequações dos cuidados de saúde e do capitalismo em geral, exacerbando as condições que causaram a rebelião inicial.

Além da assembleia constituinte

Em um país de 19 milhões, o coronavírus matou 18.000, incluindo mais de 3.500 que não receberam tratamento médico. Paralelamente, a pobreza atingiu níveis nunca vistos desde a depressão econômica do início dos anos 80, e cerca de um terço da população está desempregada ou subempregada. Não é surpresa, então, que greves e protestos, inclusive por parte da população indígena Mapuche, tenham se intensificado nos últimos meses. O governo tentou esmagá-los, auxiliado por leis repressivas (como permitir a mobilização de militares sem a declaração da lei marcial) que haviam preparado, com o apoio de partidos políticos, incluindo Frente Ampla, nos meses seguintes. Mas isso, incluindo a muito divulgada hospitalização pela polícia de Anthony Araya, de 16 anos, só serviu para aumentar o fogo, resultando no comparecimento massivo para a manifestação em 19 de outubro.

A continuação do movimento, tanto nas ruas como nos locais de trabalho, escolas e universidades, é um imperativo para que haja uma mudança duradoura. A vitória do referendo para estabelecer uma convenção constitucional é, sem dúvida, um passo na direção certa, uma força da classe dominante a fazer uma enorme concessão democrática. Sozinho, no entanto, representa um beco sem saída. O processo está cheio de armadilhas e obstáculos destinados a diminuir sua eficácia em representar verdadeiramente a vontade do povo. Baseia-se no mesmo processo eleitoral antidemocrático da eleição para o parlamento. É um processo lento (já adiado) que deve se arrastar até 2022 no mínimo, mas, mais significativamente, está atrelado a uma política de apenas permitir que as decisões sejam aprovadas por 2/3 da maioria, regra que irá tirar seu radicalismo.

Mais fundamentalmente, mesmo um corpo tão democrático quanto uma convenção ou assembleia constituinte existe dentro dos limites do sistema capitalista antidemocrático. Um sistema dominado por um pequeno grupo de pessoas ricas (o 1% do topo possui 26% da riqueza) que, através da exploração da população, possui toda a riqueza e poder econômico da sociedade e que usaram isso para construir um Estado poderoso que serve seus interesses e impõe sua vontade por meio de uma força policial brutal e hierarquia militar.

Os socialistas certamente deveriam fazer campanha para que a nova constituição fosse o mais radical possível, lutando pelo reconhecimento dos direitos indígenas, a expropriação sem indenização da grande indústria, a propriedade da terra para quem nela trabalha e a dissolução da polícia e sua substituição milícias democráticas compostas por trabalhadores. Mas qualquer ilusão de que uma convenção pode impor essas demandas, ou esperar que um governo capitalista as implemente, seria um erro mortal.

Qualquer tentativa de impor tais medidas radicais será recebida com sabotagem e, em última análise, violência pela classe dominante e seu estado. Essa é a lição contundente da experiência dos anos 1970 no Chile. Naquela época, Salvador Allende, um autodeclarado marxista, foi eleito presidente do país e, ainda assim, todo o seu governo foi atacado, desorganizado e sabotado pela classe dominante do Chile, apoiada por seus senhores imperialistas no exterior. Quando isso não conseguiu esmagar o movimento, eles apoiaram um golpe liderado pelo brutal general Pinochet (o próprio ministro da defesa de Allende) que afogou a revolução em sangue.

As lições do passado não devem ser esquecidas, a convenção constitucional pode fornecer uma plataforma para popularizar as ideias de como o novo Chile deve ser, mas a única maneira de fazer as mudanças necessárias para ganhar uma vida digna para a maioria das pessoas no Chile é em última análise, por meio de uma revolução. Para fazer isso, é necessário alertar sobre os perigos de se acreditar na boa vontade democrática da classe dominante. Em vez disso, uma democracia rival separada deve ser construída entre as massas, como a que estava se formando durante os protestos do ano passado.

Esta democracia, composta de assembleias em massa da classe trabalhadora, dos pobres e da base dos militares, enraizada nos locais de trabalho, escolas e bairros, pode atuar como um polo de poder separado que pode lutar pelas rédeas do poder, espalhar o movimento para os trabalhadores de outros países e decretar as mudanças necessárias para acabar com o capitalismo e seus sintomas inevitáveis ​​de pobreza, guerra, exploração e opressão.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/chile-mass-movement-wins-constitutional-convention)     Tradução Liga Socialista em 09/11/2020