Colômbia: Solidariedade com a revolta de massas

18/05/2021 16:58

Tom Burns, Workers Power, USA and Carlos Magrini, Liga Socialista, Brazil Sun, 16/05/2021 - 11:15

O presidente de extrema direita da Colômbia, Iván Duque, acendeu o estopim de uma revolta da classe trabalhadora e da classe média colombiana com um aumento de impostos proposto, levantando US $ 8 bilhões ostensivamente para pagar a dívida do país, calculada pelo FMI entre 43 (líquido) e 49 por cento (bruto) do PIB do país. O projeto de reforma tributária, enviado ao Congresso em 15 de abril, incluía um aumento no Imposto sobre Valor Agregado, IVA, de 19 por cento sobre serviços básicos como eletricidade, gás, Internet, água e saneamento, mas também, estranhamente, sobre serviços funerários.

Além disso, foi anunciado um aumento no preço da gasolina e todo trabalhador que ganhasse mais do que o dobro do salário mínimo passaria a pagar o imposto de renda. A classe média também seria duramente atingida com aumentos de impostos de 300 a 500%, enfrentando a ruína de muitas pequenas empresas.

Corrupção, desigualdade, pobreza, repressão brutal do estado: todos os quatro foram os catalisadores por trás da explosão de um movimento de massa. Todos os quatro foram intensificados e agravados pela pandemia do coronavírus, cujo início e o locdown nacional que se seguiu neutralizaram a greve geral do país contra as anteriores “reformas” fiscais de Duque. Assim, o segundo ataque de Duque às rendas desesperadoramente baixas do povo provou ser a gota d'água. O desemprego já era de 19%; quatro milhões em uma nação de 50 milhões.

A resposta das massas foi imediata. As federações sindicais Central Unitária dos Trabalhadores da Colômbia, CUT, Confederação dos Trabalhadores Colombianos, CTC e Federação Geral do Trabalho CGT, convocaram uma greve geral para quarta-feira, 28 de abril, apesar de uma decisão judicial proibindo manifestações naquele dia e em 1º de maio. Embora a filiação sindical em si seja apenas 4 por cento da força de trabalho, 850.000 membros, a resposta popular ao apelo dos sindicatos foi massiva.

Mesmo assim, Duque, sem se intimidar, desencadeou violenta repressão sobre os manifestantes, particularmente o notório Esquadrão Móvel Anti-Distúrbios, ESMAD. Este foi formado em 1999 no governo do presidente Andrés Pastrana, durante a guerra com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, FARC, e o Exército de Libertação Nacional, ELN. Desde a sua formação, não se passou um ano sem que a ESMAD não se envolvesse na violência contra as organizações populares. Em 2013, seus operativos empalaram um fazendeiro durante uma greve de camponeses. Mas desta vez a repressão não funcionou.

Os sindicatos decidiram manter as manifestações em todo o país e no dia 1º de maio, trabalhadores, estudantes, indígenas, trabalhadores precários e desempregados mais uma vez tomaram as ruas das principais cidades do país. E mais uma vez a polícia disparou granadas de choque, canhões de água e balas de borracha.  Durante os cinco dias de confronto, segundo o próprio Ministério da Defesa, 19 pessoas morreram, 846 ficaram feridas e 431 pessoas foram detidas pelo polícia. Duque também posicionou tanques nas ruas e até usou helicópteros Black Hawk.

Então, em 2 de maio, incapaz de conter o levante, Duque retirou o projeto de reforma tributária e Alberto Carrasquilla, o ministro da Economia, renunciou. Apesar disso, os protestos continuaram com o próximo ponto alto sendo 5 de maio. Manifestantes encheram as ruas de Bogotá e caminhoneiros bloqueando estradas arteriais entre as principais cidades. Esquadrões armados de extrema direita atacaram manifestantes indígenas em Cali, a terceira maior cidade do país, e tentaram quebrar os bloqueios. Em 7 de maio, 26 manifestantes estavam mortos e 90 pessoas “desapareceram”.

A resposta do governo aos manifestantes foi tanto de cenoura quanto de pau, uma pequena cenoura e um grande pau. Por um lado, Duque apelou a um diálogo nacional enquanto, ao mesmo tempo, chamava os manifestantes de terroristas e ameaçava declarar um estado de agitação civil, uma forma de lei marcial. Sandra Borda, colunista do jornal colombiano El Tiempo, em entrevista ao New York Times, expressou de forma sucinta: “As pessoas não podem se sentar para dialogar com um governo que mata à noite quem protesta e de dia estende a mão na conversa. ”

O ex-presidente e padrinho da direita, Álvaro Uribe, que havia criticado o aumento de impostos, tuitou apelos por uma intervenção militar em grande escala, ou seja, um golpe de Estado. Mas ninguém se esqueceu de que foi Uribe, que cumpriu dois mandatos como presidente e é o chefe de uma camarilha política mafiosa corrupta, que supervisionou os abusos e assassinatos em massa cometidos pela ESMAD e pelos militares. A guerra de décadas com as FARC e o ELN terminou há cinco anos, quando Uribe finalmente negociou um acordo de cessar-fogo. Na verdade, a guerra das forças governamentais e dos esquadrões da morte de direita contra as organizações de trabalhadores, camponeses e comunidades indígenas nunca acabou realmente. Mais de mil de seus líderes foram assassinados desde o acordo de paz.

A insatisfação de Uribe com Duque é que suas políticas de austeridade e repressão tornam cada vez mais certo que o candidato da direita perderá a eleição do ano que vem para o ex-guerrilheiro M-19 dos anos 1980, Gustavo Petro, agora senador e líder da Colômbia Humana, um social-democrata de esquerda. Seu apoio, de acordo com as pesquisas de opinião, aumentou de 25,9% em agosto do ano passado para 38,3% em abril.

O movimento de massa espontâneo nas ruas envolve as bases dos sindicatos, jovens trabalhadores em empregos precários, estudantes, desempregados, coletivos indígenas, camponeses e setores progressistas da classe média. Mas o movimento enfrenta uma crise de liderança. Os dirigentes da CUT e da CGT, no Comitê Nacional de Greve, têm tentado restringir a ação dos trabalhadores à paralisação de um dia de trabalho, na esperança de forçar uma concessão aceitável do governo. Eles esperam ver Petro vencer as eleições presidenciais do próximo ano, em vez de arriscar convocar uma greve geral por tempo indeterminado para derrubar o governo.

Obviamente, nada sairá de negociações que deixem a máfia de Duque e Uribe e os generais no poder. O governo de Duque está oscilando à beira do colapso e a Colômbia está claramente em uma situação revolucionária, que apresenta a alternativa: revolução ou contra-revolução. Mas nenhum movimento pode ser prolongado indefinidamente e o esgotamento das massas pode se instalar, abrindo caminho para um golpe militar. Portanto, o movimento precisa adotar o objetivo de derrubar Duque e toda a classe dominante que há tanto tempo assalta os colombianos comuns.

Isso exigiria a formação de conselhos de delegados de todas as organizações populares e de trabalhadores em nível de base. Eles precisariam estar armados para sua própria segurança. Ao mesmo tempo, significa a criação de um partido que pode liderar a luta por um governo operário e camponês. Nesta revolução, o aparato brutal de repressão precisa ser desfeito, conquistando os soldados rasos para o lado do povo. Em suma, os trabalhadores, camponeses e jovens precisam assumir o controle do país.

O papel do imperialismo dos EUA

Os Estados Unidos compartilham a responsabilidade de longo prazo pelas repetidas crises econômicas e guerras da Colômbia. O Plano Colômbia, acordado pelo presidente Andrés Pastrana com o presidente dos Estados Unidos Bill Clinton em 1999, visava ostensivamente acabar com o tráfico de drogas, mas, na realidade, ajudar o governo a vencer seu longo conflito com as FARC. Assim, centrou-se no fortalecimento dos militares colombianos. Helicópteros Black Hawk e outros equipamentos militares foram transferidos para as forças de segurança da Colômbia. No decorrer dos programas de erradicação das drogas, agricultores e aldeias inteiras sofreram ataques assassinos. Os militares e seus esquadrões da morte associados usaram a generosidade dos EUA para travar uma guerra suja contra organizações camponesas e sindicatos em nome da elite totalmente corrupta do país. Seu efeito foi piorar muito a desigualdade e a pobreza já galopantes no país.

Os militares da Colômbia têm sido uma ferramenta de domínio do imperialismo dos EUA na região e sua elite política está fortemente ligada a seus mestres no Norte. Isso tem sido verdade sob os presidentes democratas e republicanos dos EUA; Clinton, Bush, Obama e Trump, todos usando o pretexto da “guerra às drogas”. No Plano Colômbia, entre 2000 e 2014, soldados americanos forneceram treinamento militar, apoio de inteligência e apoio tático durante as operações contra as FARC e o ELN. As Forças Especiais dos EUA usam bases militares colombianas para direcionar medidas de desestabilização, como na Venezuela, ou golpes diretos, como na Bolívia.

Isso mudará com o novo presidente? Não, se for deixado para ele e para a elite política, econômica e militar do país, isso é certo. Joe Biden foi uma figura-chave na condução do Plano Colômbia no Senado dos Estados Unidos e, mais tarde, como vice-presidente de Obama, foi um defensor ferrenho da militarização da polícia colombiana. Também há importantes investimentos norte-americanos na região, que abriga oleodutos de propriedade de empresas norte-americanas.

A Casa Branca e o Congresso estavam perfeitamente cientes de que o governo colombiano usou esse equipamento para massacrar milhares de civis e atingir comunidades indígenas. Recentemente, foi revelado que um oficial militar dos EUA esteve presente no massacre de El Mozote em El Salvador. O golpe de Obama em Honduras também causou a morte de indígenas maias nas mãos de policiais e soldados hondurenhos treinados e assessorados pelos EUA. Como sempre, os EUA têm procurado aumentar os lucros de seus bancos e corporações em toda a América Latina, por meio de privatizações e da presença de empresas americanas na região, lutando contra rivais chineses e europeus.

A repressão durante a atual onda de protestos atraiu a condenação das Nações Unidas, da União Europeia e de grupos de direitos humanos como a Anistia Internacional. Também no Congresso, alguns senadores democratas já criticaram a repressão policial na Colômbia. Parece que Duque e seus comparsas estão em pânico por medo de não receberem o apoio sincero de sempre que esperam de Washington. Certamente, não devemos confiar nisso, mas indica que se nos EUA fizermos uma campanha forte, isso ajudará o movimento no país.

Solidariedade

A repressão tem muitos paralelos dentro dos Estados Unidos. Testemunhamos assassinatos policiais em primeira mão, quando marchamos por George Floyd e Breonna Taylor e enquanto marchamos por Andrew Brown, Daunte Wright e Adam Toledo. Também experimentamos políticas brutais promulgadas por agências de repressão às drogas em casa. Milhares de pessoas negras povoam as prisões do país devido à Guerra às Drogas. Também vimos uma militarização crescente de nossas próprias forças policiais à medida que veículos blindados pesados ​​e armamentos do Afeganistão são trazidos de volta e entregues à polícia.

Os manifestantes na Colômbia precisam do apoio de seus irmãos e irmãs de classe na “Barriga da Besta”, o imperialismo dos EUA. É por isso que devemos nos manifestar diante dos consulados e embaixadas colombianas no momento em que marchamos contra nossa própria brutalidade policial, mostrando assim que nosso inimigo comum é o imperialismo norte-americano. Os sindicatos e os socialistas democratas da América devem lutar pela suspensão imediata de toda a ajuda financeira e logística dos Estados Unidos aos militares colombianos. Devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para impor sanções aos trabalhadores sempre que possível.

Uma demonstração semelhante de solidariedade é vital em países da América Latina. Todos os países aqui viram o PIB de suas economias diminuir em pelo menos 7% e o desemprego disparar. No Brasil, temos sofrido o governo autoritário de Jair Bolsonaro, cujas políticas criminais, como o bloqueio de medidas sérias contra a Covid por iniciativa parte dos governos estaduais, têm resultado em um grande número de mortos. A situação piorou em 2021 em meio à disseminação do P.1, a variante brasileira, que dilacerou as populações, contribuindo para o aumento das taxas diárias de mortalidade.

Bolsonaro tem encorajado abertamente os militares a darem um golpe para evitar a derrota nas próximas eleições presidenciais. Isso mostra não apenas o quanto precisamos da solidariedade internacional de classe, mas também com que rapidez as situações revolucionárias podem se desenvolver em qualquer país de nossa região, apresentando as mesmas questões, incluindo uma estratégia comum para o poder da classe trabalhadora e um partido revolucionário internacional para lutar por ele.