Declaração de Bolsonaro é um ataque do governo contra as mulheres

08/07/2019 11:50

No dia 6/7 (sábado), Bolsonaro, mais uma vez dá uma declaração que choca o mundo inteiro. Dessa vez atinge às mulheres, quando compara o Brasil a uma “virgem que todo tarado de fora quer” (Folha de São Paulo, 06/072019 - https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2019/07/brasil-e-virgem-que-todo-tarado-de-fora-quer-diz-bolsonaro-sobre-amazonia.shtml).

Não é a primeira vez que ele faz isso. Há pouco tempo atrás ele disse que que, se alguém "quiser vir aqui fazer sexo com uma mulher, fique à vontade. ... o Brasil não pode mais ser um país do mundo gay, de turismo gay. Temos família.” (Plantão Brasil, 26/04/2019 -  https://www.plantaobrasil.net/news.asp?nID=103992)

Temos um presidente machista, racista e misógino. Vivemos um momento de profundo retrocesso nas lutas sociais, que por décadas avançaram em direitos para minorias sociais- mulheres, negros, LGBT+. Desde o golpe contra Dilma os ataques aumentam e vão se consolidando a cada declaração e ação violenta de Bolsonaro - que insiste em fazer apologia à cultura do estupro - e seu governo de retrocessos. Não podemos nos esquecer os ataques contra a Deputada Maria do Rosário, ao então Deputado Jean Wyllys, aos quilombolas e tantos mais.

Não podemos aceitar isso como apenas mais uma demonstração da incompetência e total falta de respeito do governo Bolsonaro. Ele afirma todas essas barbaridades como presidente do Brasil numa clara ofensiva machista e misógina. Temos enquanto trabalhadoras, que reagir a mais essa agressão. Temos de ir às ruas protestar contra esse governo machista, racista e fascista. A classe trabalhadora e a juventude desse país devem apoiar as mulheres e juntamente com elas ocupar as ruas desse país. Essa luta não é apenas das mulheres, é de toda a classe trabalhadora. Como disse a ativista Angela Davis, “é tempo de unir as pautas sindicais e feministas”.

Dia 12/07 teremos as mobilizações contra a Reforma da Previdência. Temos que repetir a unidade que levaram milhares de trabalhadores a lutar com a juventude contra os cortes na educação. Vamos à luta! Construir um ato do dia 12/07 contra a Reforma da Previdência; contra os cortes de verbas na educação; e contra o machismo expresso na declaração do presidente Bolsonaro.

Não à Reforma da Previdência!

Não aos cortes de verbas na educação!

Não ao machismo!