Declaração do Primeiro de Maio da Liga pela Quinta Internacional

03/05/2020 17:51

- International Secretariat, Thu, 30/04/2020 - 11:20 -

A catástrofe iminente e como combatê-la.

Não pagaremos pela pandemia! Não vamos pagar pela crise!

O dia 1º de maio de 2020 será diferente de qualquer outro na história. Não haverá comícios em massa, nem manifestações, com a probabilidade de preciosas e poucas reuniões públicas de qualquer tamanho. A pandemia de coronavírus já matou 200 mil principalmente nos países imperialistas mais ricos do hemisfério norte. Agora, ela está pronta para engolir enormes populações nos países semi-coloniais da América Latina, África e sul da Ásia.

Mesmo sem as manifestações e marchas, no entanto, o Dia Internacional do Trabalhador é um lembrete oportuno de que, embora o próprio vírus não respeite fronteiras nem status social, a pandemia que causou revela claramente as divisões e desigualdades em todos os países.

Mesmo antes da emergência da saúde pública, o capitalismo global estava enfrentando uma crise econômica comparável em escala à depressão dos anos 30. A pandemia garantirá que será mais profunda e ainda mais sincronizada globalmente do que a crise de 2008.

Todas as principais economias, incluindo antigas e novas potências imperialistas, EUA, China, Japão, Alemanha, França, Grã-Bretanha, Rússia ou UE - já haviam registrado declínios no PIB. O mundo semi-colonial, incluindo países com ambições regionais como Índia, Turquia, Arábia Saudita, Brasil ou Argentina, agora serão atingidos de forma ainda pior.

Após inicialmente minimizar o perigo, a maioria dos governos percebeu a necessidade de "bloquear" a vida pública, incluindo escolas, restaurantes e lojas, e fechar as fronteiras nacionais ou até internas. Em alguns dos países imperialistas mais ricos, a seguridade social era garantida, pelo menos no curto prazo, para a maioria da classe trabalhadora, mas o "bloqueio" tem um significado muito diferente no mundo semi-colonial.

Aqui, “isolamento social” significa basicamente aprisionar os pobres urbanos e a classe trabalhadora em suas favelas ou nas imensas favelas das mega-cidades ou, como na Índia, forçá-los a sair completamente das cidades.

No mundo imperialista, governos e bancos centrais forneceram bilhões para apoiar as grandes corporações, industriais e financeiras. Mas suas reservas para combater os efeitos da crise são muito mais limitadas do que em 2008. As medidas adotadas na época, como Quantitative Easing, não tratavam das raízes da crise. Pelo contrário, eles resolveram o risco de curto prazo de falências generalizadas à custa de armazenar dificuldades de longo prazo. Em vez de recuperar as taxas de crescimento pré-crise, a estagnação e o crescimento vacilante levaram ao aumento da rivalidade entre as potências imperialistas e ao aumento da xenofobia dentro dessas.

Tais desenvolvimentos limitam todas as tentativas de coordenação global para combater a pandemia ou a crise econômica. Embora algumas frentes, como a pesquisa científica, revelem o potencial de colaboração internacional, o fechamento de fronteiras e as medidas para "proteger" as economias nacionais só irão piorar a perspectiva econômica globalmente.

Portanto, não resta dúvida de que a crise colocará a questão da destruição maciça de capital, e não apenas das pequenas e médias empresas, mas também das grandes corporações, como a indústria automobilística. Por sua vez, isso ameaçará ainda mais a economia mundial com protecionismo e guerras comerciais.

O aumento da rivalidade global também levará a mais confrontos militares, inicialmente através do armamento de estados agentes das grandes potências. Apesar da atual redução das emissões de CO2, ao longo do tempo, também aumentará os perigos ambientais, porque os acordos sobre medidas sérias para combater as mudanças climáticas entre os EUA, China, Europa e outros países serão quase impossíveis.

Mesmo antes de sentir o impacto total da crise econômica, a pandemia já deixou claro quem mais sofrerá; a classe trabalhadora global e o mundo semicolonial. Em todos os países existem padrões claros; aqueles que trabalham no setor da saúde, particularmente os estratos mais baixos da classe trabalhadora, geralmente não cobertos pelo seguro de saúde ou pela previdência social; os nacional e racialmente oprimidos; os jovens e os idosos. As mulheres enfrentarão não apenas o ônus do aumento do trabalho doméstico, imposto a elas pelo isolamento, mas também o aumento da violência contra elas e seus filhos.

Nos Estados Unidos, mais de 25 milhões já se inscreveram, na França, mais de 10 milhões estão em trabalho de curta duração e na Alemanha, 4 milhões. Este é apenas o começo. A classe trabalhadora globalmente está ameaçada por um ataque à sua saúde, padrões de vida e direitos em uma escala verdadeiramente histórica.

As massas nas nações semicoloniais e exploradas serão particularmente atingidas na próxima crise. Na Índia, milhões de trabalhadores migrantes foram forçados a voltar para suas províncias “de origem”, presos sem provisões médicas ou renda. Este é apenas um exemplo dramático da crescente catástrofe humana que enfrentaremos nos próximos meses. A maioria dos países semicoloniais não possui um sistema de saúde funcionando e milhões estão ameaçados de fome.

Ao mesmo tempo, as nações ricas e imperialistas que as saquearam e as exploraram, ou dão as costas a esses países, como demonstra a retirada de fundos da OMS pelos EUA, ou limitam sua ajuda a rações que podem limitar a tragédia, mas manterá as cadeias de dependência e exploração. Mesmo dentro da UE, as economias mais fortes, como a da Alemanha ou da Holanda, não estão preparadas para dar ajuda sem condições ao sul da Europa e muito menos aos países da África, Ásia ou América Latina.

No período atual, seria difícil superestimar os desafios para a classe trabalhadora, os camponeses pobres, os pobres urbanos e rurais e as nações oprimidas. A crise coloca a questão de como revidar, como impedir que as classes dominantes e seus estados forcem os custos humanos e sociais da pandemia, a recessão e todos os outros aspectos da crise global do capitalismo.

Atualmente, a maioria dos governos, em particular no mundo imperialista, apela à unidade nacional de todas as classes. Eles exigem que a grande maioria das pessoas aceite a necessidade de sacrifício para superar o colapso pandêmico e econômico. Na realidade, isso significa que os trabalhadores e oprimidos devem suspender todas as lutas para garantir provisão de saúde e benefícios sociais, proteger salários ou empregos ou defender os direitos democráticos até que a crise termine.

Nesse engano, que só pode servir aos interesses dos capitalistas, os governos encontram muitos apoiadores entre os líderes dos sindicatos, dos partidos social-democratas e trabalhistas, bem como dos chamados "partidos de esquerda". Muitos deles cancelaram lutas salariais e concordaram em pactos sociais e econômicos com os chefes ou seus governos. Eles afirmam que “parceria social” e unidade nacional são a única maneira de proteger os trabalhadores na situação atual. Assim como nas crises anteriores, ao suspender as lutas sociais, econômicas e políticas dos trabalhadores, eles os vinculam ao destino de "sua" nação, "seu" estado.

Dada a crise histórica do capitalismo, não há espaço para grandes concessões. Na melhor das hipóteses, eles podem pegar migalhas para pequenas seções da aristocracia trabalhista nas mesas de negociação da parceria social ou no engajamento em uma política de "unidade nacional" nos governos burgueses ou como uma falsa oposição.

O resultado real disso é ajudar a classe dominante a fazer com que os trabalhadores e camponeses paguem pela crise do capitalismo. O resultado real será dividir ainda mais os trabalhadores e os pobres de acordo com gênero, nacionalidade, etnia e idade. O resultado real será que as poderosas organizações da classe trabalhadora e de massa existentes serão usadas como um obstáculo à resistência, desde que sejam enganadas pelas políticas de parceria social e unidade nacional.

No entanto, já existem sinais claros de que essa política traiçoeira será questionada pelo desenrolar da própria crise. Trabalhadores na Itália e Espanha entraram em greve, exigindo o fechamento de produção desnecessária; da mesma forma, trabalhadores dos EUA entraram em greve exigindo medidas de segurança a serem implementadas pelos capitalistas.

No Paquistão, organizações de esquerda e de mulheres começaram a organizar apoio a trabalhadores ameaçados de fome; nas favelas do Brasil, as pessoas se organizaram para introduzir, organizar e supervisionar medidas higiênicas elementares.

Tais exemplos mostram que, mesmo em uma situação tão defensiva, onde muitos trabalhadores e pobres se sentem impotentes e paralisados, onde movimentos de massa como o movimento ambiental em muitos países latino-americanos parecem ter sido interrompidos, resistência e luta ainda são possíveis. Todo exemplo precisa ser apoiado, difundido e adotado como inspiração para nossa classe. Mas, para espalhar isso e formar uma ampla frente unida de todas as organizações da classe trabalhadora, de todos os movimentos sociais, de todos os oprimidos - é necessário romper com as políticas de parceria social e unidade nacional.

Não fazer isso permitirá que as forças de extrema direita, populista de direita, ou mesmo fascistas, explorem a raiva de pequenos capitalistas e até seções desesperadas da classe trabalhadora, soldando-as a movimentos reacionários de massa que exigem ou apoiam regimes autoritários ou ditatoriais. Já antes da crise, pudemos observar esse movimento à direita em nível global. Se a classe trabalhadora se mostrar incapaz de se apresentar como uma força global de esperança e inspiração revolucionárias, a extrema direita se mobilizará como uma alternativa contrarrevolucionária e pseudo-radical de racismo, nacionalismo, sexismo - levando a ataques frontais em todas as classes trabalhadoras e organizações progressistas e às formas bonapartistas e ditatoriais de governo.

Portanto, revolucionários e todas as forças dispostas a lutar nessa situação defensiva precisam se unir para construir um movimento global de resistência. Enquanto muitas lutas começarão em um terreno local ou nacional, não pode haver solução nacional para a atual crise. A pandemia, a recessão, a crise ambiental, todas precisam ser combatidas globalmente - ou não serão combatidas até o fim.

Precisamos tomar a iniciativa agora para criar um movimento global comum, uma frente unida de luta sob o lema “Não pagaremos pela pandemia, não pagaremos pela crise!” Apelamos a todas as organizações operárias e camponesas, a todos os sindicatos, todos os partidos que reivindicam representar os trabalhadores e os oprimidos, todos os movimentos sociais, a se unirem nessa luta.

Para isso, devemos começar agora a criar comitês de ação conjuntos nos locais de trabalho e nas propriedades, para transformar as assembleias de bairro em organizações de luta. Apelamos a todas as organizações da classe trabalhadora - incluindo os sindicatos de massa e os partidos reformistas - para romper com sua política de unidade nacional, romper com a subordinação à classe dominante e se mobilizar na luta.

Por experiência passada, sabemos que muitos dos líderes rejeitam, sabotam ou até combatem abertamente essa política. É por isso que direcionamos esse apelo não apenas aos líderes dessas organizações, mas, sobretudo, às associações em massa. É por isso que nós os apoiamos na luta para recuperar o controle dos sindicatos, construindo movimentos de base para desafiar a burocracia. É por isso que apoiamos a base nos partidos reformistas contra seus líderes, tanto para se envolver em uma luta conjunta quanto para conquistá-los em um programa e organização revolucionários.

A criação de uma frente unida de luta da classe trabalhadora, jovens, mulheres, pobres e oprimidos também exige demandas e slogans claros que atendam às necessidades urgentes do dia.

- Prestação de cuidados de saúde gratuitos para todos; nacionalização e expansão de instalações, pagas pela tributação de bens patrimoniais e de capital, sob o controle da classe trabalhadora.
- Investimento maciço em pesquisa de vacinas e fornecimento de sistemas de teste e rastreamento!
- Cessação de todo o trabalho não essencial! O que é essencial, ou não, será determinado pela classe trabalhadora e pelas massas populares.
- Não a todas as perdas de emprego - remuneração e benefícios completos para todos aqueles que não têm trabalho! Por um salário mínimo, pensões e subsídios para os estudantes cobrirem seus custos de vida!
- Não ao fechamento das fronteiras para migrantes e refugiados! Fim dos campos de refugiados e fornecimento de abrigo. Plenos direitos dos cidadãos, moradia, trabalho ou benefícios sociais para todos os imigrantes.
- Habitação para todos; não para todas as expulsões de trabalhadores e pobres. Para fornecimento de moradias elementares, condições sanitárias nas favelas do mundo semicolonial.
- Terra para quem trabalha. Expropriação dos grandes proprietários de terras e multinacionais agrárias! Pelo controle dos trabalhadores e camponeses sobre o uso da terra e da produção agrícola!
- Por um plano global de combate à pandemia, fome e pobreza no sul global. Cancelamento de todas as dívidas dos países semicoloniais - faça os imperialistas pagarem o custo expropriando seus bens e capital sem remuneração e sob controle dos trabalhadores.
- Não à destruição dos direitos democráticos; combater todos os ataques aos direitos dos trabalhadores e dos sindicatos, revogar todas as leis anti-sindicais e todas as limitações ao direito de manifestar, protestar e fazer greve.
- Organizações de autodefesa dos trabalhadores e oprimidas contra a direita, organizações racistas ou fascistas e repressão estatal.

Claramente, tais demandas não serão concedidas pelas negociações entre capitalistas, governos, sindicatos e líderes reformistas, nem serão alcançadas pela “transformação” fragmentada do Estado burguês. Cada uma dessas demandas precisaria ser conquistada por meio de lutas políticas em massa, por ocupações de locais de trabalho e terra, por greves setoriais ou gerais, por manifestações militantes e levantes em massa.

Os revolucionários apoiam todas essas lutas. A situação atual não torna supérflua a luta por demandas imediatas, direitos democráticos ou reformas, mas permite e exige que elas estejam ligadas à luta contra o sistema capitalista como um todo. Toda grande reforma social significativa, toda medida decisiva para combater a pandemia no interesse dos pobres, necessariamente se depara com as necessidades de lucro do capital.

A campanha para que a classe trabalhadora assuma o controle é central para vincular todas essas questões à luta por uma sociedade livre de exploração, onde a produção e a vida social são organizadas para atender às necessidades de muitos, e não para aumentar os lucros de poucos.
Portanto, lutamos pelo controle hierárquico dessas lutas, pela criação de órgãos de controle dos trabalhadores - comitês no local de trabalho e comitês de ação nas cidades e no campo. Lutamos pela criação de fóruns sociais locais, regionais, nacionais e internacionais, que possam se basear na experiência do passado. Eles podem se tornar organizações para coordenar ações de massa, se não repetirem os erros dos movimentos antiglobalização quando líderes reformistas e libertários foram capazes de impedir que se tornassem algo mais do que conversas.

Onde a luta toma uma forma aguda, os comitês por locais de trabalho podem ser transformados em conselhos de trabalhadores, pobres, camponeses e soldados comuns no exército, para quebrar o controle sobre o aparato repressivo da burguesia.

Se ameaçada pela revolução, a burguesia pode fazer concessões e precisamos levar em conta as lições dos movimentos revolucionários de massas e desenvolvimentos pré-revolucionários da última década. Nas revoluções árabes, as massas mostraram-se capazes de derrubar regimes ditatoriais de longa data, como Mubarak, no Egito. Mas, sem programas e lideranças revolucionárias, que poderiam tornar permanentes as revoluções democráticas iniciais, transformando-as em revoluções socialistas e criando governos de trabalhadores e camponeses, a contrarrevolução recuperou a iniciativa, levando à derrota.

Na Grécia, greves gerais consecutivas levaram à queda dos partidos tradicionais da burguesia grega e levaram ao governo um partido reformista de esquerda. Mas o Syriza capitulou para a UE, os capitalistas europeus e gregos e, eventualmente, deu lugar a um governo de direita.

Todos esses exemplos demonstram uma coisa. Aqueles que não querem lutar até o fim pela luta revolucionária, não ganharão meia revolução, mas uma contrarrevolução completa.
Enquanto estamos em uma situação defensiva agora, a defesa dos ganhos e medidas do passado para superar a pandemia e o desemprego em massa, a pobreza e a fome gerará lutas que colocarão a questão: quem deve governar?

Portanto, mesmo para vencer tais lutas, teremos que lutar pelo poder, pela criação de governos dos trabalhadores das cidades e do campo. Eles precisam acabar com o poder do aparato estatal burguês e basear-se nos conselhos de trabalhadores e camponeses, no povo armado, não no exército burguês. Eles precisam expropriar e nacionalizar o capital em larga escala sob o controle dos trabalhadores e reorganizar a economia com base em um plano democraticamente acordado, que seria voltado para as necessidades sociais e a sustentabilidade ambiental. Esse governo não deve se limitar a criar uma nova sociedade em um país, mas apoiar a revolução global. Somente assim será capaz de sustentar e expandir os ganhos revolucionários e abrir caminho para um novo capítulo na história da humanidade - o socialismo.

No entanto, a revolução não exige apenas a unidade dos trabalhadores e oprimidos - exige liderança, estrategista, partido revolucionário da classe trabalhadora e Internacional. Hoje, não existe um partido desse tipo; de fato, dificilmente existe um embrião desse partido. Todos aqueles que afirmam ser revolucionários são fragmentados em pequenos grupos e correntes - e a maioria deles até rejeita a necessidade de construir um novo partido com um conjunto claro de ideias, sobre a teoria revolucionária e um programa revolucionário. Mas precisamos dessa organização se queremos transformar o próprio movimento dos trabalhadores. Precisamos de uma organização que combine flexibilidade tática nas próximas lutas e sua intervenção no movimento, com clareza política e programática. A Liga pela Quinta Internacional e suas seções estão comprometidas com esse objetivo - se você concordar com isso, entre em contato, junte-se a nós!

 

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/may-day-statement-league-fifth-international)

Traduzido por Liga Socialista em 03/05/2020