Estudantes mortos pela polícia - Solidariedade com o movimento estudantil indiano!

22/12/2019 20:52

League for the Fifth International, Mon, 16/12/2019 - 10:25

No domingo, 15 de dezembro, a polícia de Délhi atacou brutalmente estudantes da Universidade Jamia Millia Islamia e moradores de Jamia Nagar, que protestavam contra a Lei de Emenda à Cidadania.

O ataque não foi um ato isolado de violência do governo do BJP de Narendra Modi. Em muitas partes da Índia, as pessoas, em particular os muçulmanos, se levantaram contra a nova lei, aprovada pelo parlamento dominado pelo BJP em 11 de dezembro de 2019. A Emenda à Lei da Cidadania de 1955 dá cidadania indiana a migrantes ilegais que são hindus, sikhs, budistas, jainistas, analistas e cristãos do Afeganistão, Bangladesh e Paquistão, e que entraram na Índia em ou antes de 31 de dezembro de 2014. Mas exclui os muçulmanos do regulamento. Essa discriminação contra a maior minoria do país é parte integrante da vil campanha hindu-chauvinista do governo Hindutva contra os muçulmanos.

No mesmo contexto, o governo indiano também introduziu um novo Registro Nacional de Cidadãos (NRC). Inicialmente, isso se aplicaria apenas a Assam, mas em 20 de novembro o ministro do Interior, Amit Shah, declarou que seria estendido a todo o país. Este novo regulamento exigiria que as pessoas fornecessem documentação para provar seu status legal e, portanto, os direitos de cidadania. Isso pode ser usado não apenas contra os chamados imigrantes ilegais, mas também para remover os direitos de cidadania de minorias não-hindus e, em particular, muçulmanas, que podem não ser capazes de provar seu status legal. Tal exigência teria um impacto em muitas das seções mais exploradas da classe trabalhadora, sobrevivendo na pobreza mais extrema em empregos mal remunerados, que simplesmente não possuem essa documentação, mesmo que suas famílias vivam na Índia há séculos.

Essas mudanças constitucionais racistas e novas leis de registro despertam raiva e protesto em massa por estudantes e muçulmanos em todo o país.

Repressão policial maciça

A polícia está reprimindo o movimento de protesto com a máxima brutalidade. Vídeos nas mídias sociais mostram a polícia atacando a biblioteca da universidade, onde os alunos estavam estudando. A polícia usou gás lacrimogêneo, explosivos e até munição verdadeira. A mídia informou que três estudantes morreram como resultado do ataque e cerca de 50 outros tiveram ferimentos a bala. A polícia também disparou contra a Universidade de Aligarh. Essas universidades foram atacadas porque têm estudantes muçulmanos que protestam contra o CAB (Citizenship Amendment Bill - 2016) e o NRC.

Também há relatos de que muitos estudantes foram sequestrados pela polícia de Délhi. Eles estão fazendo isso para aterrorizar e dividir a população indiana. Isso é racismo total contra estudantes e pessoas muçulmanas, mas, em Jamia, estudantes não-muçulmanos estão ajudando seus colegas e se levantando contra a brutalidade policial, especialmente as mulheres demonstraram uma tremenda coragem.

Milhares se juntaram ao protesto do lado de fora da sede da polícia de Delhi, após uma ligação dos estudantes da Universidade Jawaharlal Nehru. Em muitas outras partes do país, os estudantes também saíram às ruas. Eles estão exigindo que as forças repressivas sejam responsabilizadas por sua brutalidade na Universidade Muçulmana Jamia e Aligarh. Todos os detidos devem ser libertados imediatamente e incondicionalmente.

Em Delhi, as manifestações de milhares levaram à libertação de estudantes detidos. Em todo o país, podemos ver sinais de um poderoso movimento estudantil emergindo contra o governo Modi. Eles exigem a retirada imediata da polícia do campus de Jamia, Jami Nagar e Aligarh Muslim University.

Temos total solidariedade com os estudantes da Índia e todos os outros que protestam contra a CAA (Citizens Amendment Act - 2019) e o NRC. A resistência e a coragem dos alunos para revidar são uma fonte de inspiração. Unidos, podemos lutar contra o governo Hindutva e o estado que deseja dividir as pessoas segundo linhas sectárias-religiosas. Apelamos à classe trabalhadora indiana para apoiar os estudantes que lutam contra o governo Hindutva. A classe trabalhadora internacional e os movimentos estudantis precisam avançar e criar solidariedade com os estudantes e o movimento contra a CAA e o NRC e organizar protestos, piquetes e manifestações contra as leis racistas, repressão e assassinato de manifestantes!

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/students-killed-police-solidarity-indian-student-movement)

Traduzido por Liga Socialista