França: abaixo as leis de “segurança” e a impunidade policial!

07/12/2020 09:29

Marc Lasalle Mon, 30/11/2020 - 16:11

 

A segunda onda da pandemia, combinada com um segundo bloqueio de um mês, certamente está muito distante das melhores condições para organizar uma luta contra a nova e draconiana lei de segurança global do presidente Emmanuel Macron. No entanto, seu governo repentinamente está sendo confrontado com grande resistência: mais de cem mil marcharam em 28 de novembro em dezenas de manifestações em todo o país. Só em Paris, a manifestação foi massiva e até mesmo o Ministério do Interior, conhecido por minimizar tais números, falou de 46.000 pessoas nela (200.000 de acordo com os organizadores).

As pessoas nas ruas estão absolutamente certas em rejeitar a nova lei de segurança ultra-repressiva. Se aprovada, punirá quem difundir imagens de policiais com o “objetivo de comprometer sua integridade física ou mental”. Claro, os termos são deliberadamente vagos, mas, se aprovados, restringiriam seriamente os direitos dos jornalistas, bem como a liberdade de qualquer pessoa de filmar ações abusivas ou violentas da polícia como prova para denunciá-las.

“Em direção a um estado policial?”, é o título de uma análise dessa lei feita pelo Syndicat de la Magistrature, o sindicato dos magistrados, alegando que a lei enfraqueceria ainda mais qualquer controle democrático sobre a polícia. Gérald Darmanin, Ministro do Interior e principal defensor desta lei, já havia assegurado aos representantes da polícia antes da votação da lei na Assemblée Nationale: “Estejam certos que, juntamente com o presidente e o primeiro-ministro, estaremos sempre lá para protegê-los”.

De acordo com a ONG Reporter Sans Frontières “confrontados com um jornalista que as filma, os policiais podem presumir que essas imagens serão amplamente reproduzidas com o objetivo de comprometê-los e podem, portanto, prender as pessoas em questão a fim de processá-las por cometer um crime óbvio”. Na verdade, Darmanin já deixou claro que os jornalistas que desejam cobrir as manifestações devem se credenciar junto às autoridades policiais, outra violação óbvia dos direitos de imprensa.

Dois episódios recentes de métodos policiais deixam claro por que todos deveriam defender as liberdades existentes. A primeira aconteceu em 24 de novembro, quando a polícia expulsou violentamente uma centena de migrantes que haviam armado barracas na Place de la République, no centro de Paris. Alguns migrantes foram brutalmente jogados no chão, outros arrastados para fora de suas tendas como lixo, duramente reprimidos com cassetetes e gás lacrimogêneo. Até Darmanin se sentiu obrigado a chamar essas imagens de “chocantes”. No entanto, elas têm sido o tratamento diário de migrantes e ciganos por meses, expulsos aos milhares de campos em ruínas em toda Paris e em outros lugares.

A agressão violenta de quatro policiais contra Michel Zecler, produtor musical, só por não estar usando máscara, acompanhada de insultos racistas, foi mais um lembrete de que as brutalidades policiais não são acontecimentos isolados. Sem essas imagens, esses ataques teriam permanecido desconhecidos ou não comprovados e a polícia se beneficiaria com a impunidade total. Em junho, em resposta ao protesto Black Lives Matter nos EUA, vinte mil pessoas marcharam em Paris para denunciar este uso sistemático da violência do Estado, como a morte por asfixia sob custódia policial de Adama Traoré em 2016, o estupro de um jovem, Théo, com cassetete policial, necessitando de cirurgia, ambos em Aulnay-sous-Bois ao norte de Paris etc.

A nova lei de segurança global é apenas a mais recente de uma longa lista de medidas repressivas, muitas vezes aplicadas às pressas na esteira de ataques terroristas: 30 dessas leis nos últimos 20 anos. Há um mês, o brutal assassinato de Samuel Paty, um professor, em um ataque terrorista, chocou todo o país. Usando isso como pretexto, o governo, pretendendo defender a “liberdade de expressão”, uma piada de mau gosto considerando o que ele próprio está fazendo, tentou reforçar o arsenal de leis de segurança e preparar uma repressão brutal a quaisquer protestos.

O mesmo aconteceu com todos os presidentes anteriores: com Jacques Chirac, depois com Nicolas Sarkozy e com François Hollande. Além de reforçar um estado policial, essas medidas também têm um objetivo de mais curto prazo: visam convencer os eleitores de direita, e até mesmo apoiadores do reacionário Rassemblement National (o ex-FN), de que Macron busca uma vigorosa política de direita, e que, portanto, deveriam votar nele nas próximas eleições presidenciais previstas para 2022. Não é por acaso que todos os principais ministros do atual governo Macron eram anteriormente figuras do partido gaullista de direita UMP (Union pour un mouvement populaire), mais notavelmente Jean Castex (primeiro-ministro), Gerald Darmanin (Interior), Bruno Le Maire (economia).

Outra lei recente proposta pelo governo, contra os “separatismos” (ideias antirrepublicanas), é realmente outra lei islamofóbica, sugerindo que o Islã está inevitavelmente por trás da insegurança e do terrorismo. Junto com isso, tem havido uma campanha de caça às bruxas difundida na mídia, incentivada pelo governo, denunciando as prateleiras halal nos supermercados como sinais de separatismo, além de ataques ao “islamo-esquerdismo” como uma perigosa gangrena nas universidades, ou o fechamento do Coletivo Contra Islamophobia (CCIF), uma organização que defende vítimas de ataques anti-muçulmanos.

Enquanto o governo agora está oferecendo pequenas mudanças simbólicas na lei, os sindicatos têm razão em exigir o abandono de todo o projeto. A solidariedade entre todas as vítimas do racismo e a classe trabalhadora organizada é essencial. Diante de uma nova onda de demissões em importantes empresas como a Renault, que planejam fechar sua fábrica de Flins, sua principal unidade francesa, com perda de 2.574 empregos, a nova lei será amanhã usada contra trabalhadores e jovens em piquetes, nas ocupações ou nas ruas, defendendo seus empregos e seus direitos democráticos.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/france-down-%E2%80%9Csecurity%E2%80%9D-laws-and-police-impunity)

Tradução: Liga Socialista em 06/12/2020