Grã-Bretanha: Relaxando o bloqueio? Vamos precisar do controle dos trabalhadores

19/05/2020 14:17

Dave Stockton redflagonline.org 7 de maio de 2020 qua, 13/05/2020 - 15:22

 

Boris Johnson deve anunciar o relaxamento do "bloqueio" do Covid-19 no domingo. O Times informa que os ministros estão preocupados com o risco de os trabalhadores se tornarem "viciados". É provável que eles incluam Dominic Raab e Priti Patel, que em 2012 chamaram os trabalhadores britânicos de "os piores usuários do mundo" e afirmaram que "muitas pessoas na Grã-Bretanha preferem uma mentira ao trabalho duro". Então agora estão de volta ao trabalho depois do que eles veem como algum tipo de feriado nacional.

No entanto, no final de abril, todos os especialistas sérios relatavam que os cinco famosos testes do governo não haviam sido todos cumpridos: enfrentamento do NHS; queda sustentada na taxa de mortalidade diária; taxa de infecção abaixo de um; testes adequados, rastreamento e EPI; evitando um segundo pico. Com as mortes quebrando a barreira dos 30.000, a Grã-Bretanha tornou-se o número 1 na Europa e o número 2 no mundo pela mortalidade por COVID-19. Substituir a mensagem "fique em casa" por "ir para o trabalho" acarreta precisamente o perigo de um segundo pico.

Enquanto isso, o Banco da Inglaterra alertou que a economia do Reino Unido está caminhando para sua recessão mais profunda já registrada. Ele diz que a economia está a caminho de encolher 14% em 2020, "reduzindo drasticamente empregos e renda no Reino Unido", mesmo que o bloqueio seja substancialmente relaxado em junho. Com as taxas de juros em um recorde de 0,1%, a flexibilização quantitativa do Banco está se aproximando de seus limites, embora dois de seus nove membros tenham votado para aumentar esse valor de £ 100 bilhões para £ 300 bilhões.

A economia do Reino Unido está agora em sua primeira recessão em uma década, o PIB encolhendo 3% no primeiro trimestre de 2020, com uma queda nunca antes vista de 25% prevista para os três meses até junho. Não é de admirar que Johnson esteja sob forte pressão da imprensa conservadora como a voz dos empregadores, desesperado para girar as rodas da exploração e lucrar mais uma vez. Seu chanceler Rishi Sunak está planejando encerrar o esquema de licença até julho para forçar esses 3,2 milhões de "ociosos" de volta aos seus empregos - se esses empregos ainda estiverem lá. Mais de 1,5 milhão de pessoas solicitaram o principal crédito universal de desemprego.

Na mensagem "voltar ao trabalho, não importa o custo da vida humana", eles contam com o apoio de suas bancadas e, sem dúvida, o sinistro conselheiro de Johnson, Dominic Cummings. Essas foram as pessoas que - com bravura do tipo Trump - atrasaram a imposição de medidas sérias de quarentena e até mesmo lançaram a bobagem eugenista de deixar o vírus se espalhar sem controle para criar "imunidade ao rebanho". Tudo isso sem a menor evidência da eficácia ou duração da imunidade adquirida a esse vírus.

Eles naturalmente tiveram o apoio total da imprensa bilionária para essa doutrina reacionária de lucros acima de tudo. De fato, as manchetes do Express, do Mail e do Sun estão gritando por uma suspensão do bloqueio há semanas. Com a notícia do relaxamento das restrições, sua alegria foi ilimitada: “Primeiros Passos para a Liberdade!” (Express), “Viva a liberdade acena!” (Correio), “Feliz Segunda- feira” (Sol) e, na retaguarda, “Segunda-feira Mágica!” (Estrela).

Atirar no mensageiro

Foi em grande parte graças ao professor Neil Ferguson, da Escola de Saúde Pública do Imperial College, e à previsão de sua equipe de modelagem de 500.000 mortes em 16 de março, que o governo foi forçado a abandonar sua estratégia de imunidade ao rebanho, mas, como resultado, Ferguson tornou-se instantaneamente uma figura de ódio online pela direita libertária.

Assim, os intrépidos jornalistas do Telegraph vieram em socorro e agora têm o couro cabeludo no cinto. Forçado a renunciar, não por causa de qualquer erro científico, mas porque um artigo do jornal Tory “quality” de 5 de maio o expôs como tendo “pelo menos dois” “delatores ilegais” com seu “amante casado” que, para piorar a situação, também é um "ativista de esquerda". De fato, Ferguson deveria ter recebido uma medalha não caçada às bruxas pela imprensa de répteis.

Esse incidente lança uma luz instrutiva sobre a falange das forças reacionárias que guardam e orientam esse governo no interesse do lucro. Também mostra a terrível fraqueza do movimento trabalhista, sem meios de comunicação próprios e um novo líder expressando apoio a Johnson e seus ministros pelo tratamento da crise do coronavírus ou alegando que críticas mais severas não seriam "do interesse nacional". A fragilidade de Keir Starmer - aprovada pela mídia Tory - está espalhando inquietação, se não indignação, nas fileiras do Labour.

Registro terrível

Este governo tem um histórico terrível de como lidar com o novo vírus. Primeiro, o atraso na imposição de medidas sérias de quarentena, de 20 a 23 de março, quando o vírus já havia chegado à Grã-Bretanha no final de janeiro. Durante esse período, o principal consultor científico do governo, Patrick Vallance, revelou que eles estavam trabalhando com base na imunidade do rebanho, ou seja, quando 60% da população fosse infectada e centenas de milhares morrerem. O choque de revelar isso e a intervenção do professor Ferguson acabaram com esse absurdo reacionário.

O segundo foi a descoberta de uma falta crônica de ventiladores para as unidades de terapia intensiva, a falta real de EPI nos hospitais e a total ausência dele nos lares, levando a uma grande perda de vidas. Essa lista deve ser suficiente para qualquer pessoa não expressar confiança nesse governo. E agora, com o Reino Unido superando a Itália como o país com o maior número de mortes na Europa, as falhas do governo são claras para todos ... exceto para o líder do Labour Party, que tem algo mais importante para se preocupar, elogiando os aplausos da mídia conservadora e liberal por sua responsabilidade e patriotismo por não criticar Johnson.

A Dra. Claudia Paoloni, presidente da Associação de Consultores e Especialistas em Hospitais, disse que a posição número um da Grã-Bretanha em mortes por Covid-19 “põe em dúvida se as táticas do governo no início da pandemia eram suficientemente rápidas, e principalmente se o bloqueio deveria ter acontecido mais cedo e se deveríamos estar melhor preparados com maior capacidade para testes virais e rastreamento de contatos desde o início. Ambos se mostraram inadequados. ”

Controlando o retorno

Enquanto isso, o TUC, sob pressão de sindicatos individuais e de seus membros, tem sido mais crítico, atacando a falta crônica de EPI e de testes desde o início. Agora, tendo visto um rascunho dos planos do governo para um "retorno ao trabalho", sua secretária geral Frances O'Grady disse que não pode apoiá-los em sua "forma atual" porque há "grandes lacunas" nos kits e testes de proteção. Ela afirmou: "O problema é que o governo está nos pedindo para confiar na discrição do empregador, usar palavras como 'considerar o distanciamento social', 'considerar ter desinfetante para as mãos ou sabão disponível' e, francamente, isso não é bom o suficiente". 

O TUC produziu suas próprias “Propostas para Garantir um Retorno Seguro ao Trabalho” exigindo que o governo e os empregadores concordem com o TUC e com os planos dos sindicatos para o uso de transporte público, retorno às escolas, creches, locais de trabalho, com níveis acordados de proteção, testes e rastreamento e avaliações de riscos.

De fato, o TUC deve ir além de apenas criticar os planos do governo e dos empregadores ou exigir restrições legais para este último. Deveria vetá-los ou, melhor dizendo, incentivar ativistas sindicais a vetar sua implementação e elaborar sua própria lista de condições essenciais para trabalhar e, em seguida, impor-lhes a ameaça de ação industrial, se necessário. Os membros do sindicato, antes de tudo no serviço de saúde, além de órgãos profissionais de médicos, pesquisadores de universidades etc, devem elaborar um plano de ação alternativo.

Da mesma forma, deve se opor a qualquer abandono ou redução de pagamentos para quem não trabalha nos níveis habituais e aos inevitáveis ​​fechamentos e demissões em massa, como os que já foram ameaçados na Caterpillar, Rolls Royce, Virgin Atlantic e British Airways. Além disso, os sindicatos de classe e a base, como o Sindicato dos Trabalhadores Independentes da Grã-Bretanha (IWGB) ou os Trabalhadores Industriais do Mundo (IWW), que começaram a organizar os “trabalhadores independentes”, aqueles em zero hora e o crescente número de trabalhadores da entrega, podem desempenhar uma tarefa vital para esses trabalhadores cujo sofrimento durante a pandemia foi amplamente ignorado pela mídia.

Mas são as forças de trabalho afetadas que devem tomar seu destino em suas próprias mãos, ou seja, decidir por ações, incluindo greves e ocupações no local de trabalho, para impedir que os chefes saiam com os frutos de seu trabalho e o das gerações anteriores. Precisamos nos organizar no nível da comunidade e no local de trabalho. Os conselhos trabalhistas devem ajudar e coordenar com os órgãos de ajuda mútua que surgiram em resposta à crise para criar um órgão para assumir o controle efetivo. Não apenas um retorno ao trabalho, mas para organizar uma reação contra o aumento maciço do desemprego que o acompanhará.

Os ramos sindicais e locais de trabalho, os conselhos comerciais, a esquerda Labourista e outros socialistas devem estabelecer as bases de um conselho de ação. Tais órgãos serão imensamente úteis quando a escala da crise econômica ficar clara - o que será o mais tardar no outono.

Quando o “retorno ao trabalho” começa, o TUC e seus sindicatos, vitalmente no nível do local de trabalho (atendentes de lojas ou representantes no local de trabalho), precisam estabelecer controle sobre os locais de trabalho e os empregos, tanto aqueles que permaneceram em operação por toda a empresa quanto nas fábricas, administrações e construção de sites voltando ao trabalho. O mesmo vale para os trabalhadores dos transportes para os quais os trens lotados de ônibus representarão um perigo grave.

O que precisamos é o controle dos trabalhadores do equipamento usado, das práticas de trabalho seguras, dos testes e rastreamentos disponíveis para minimizar os perigos da transmissão. A ação dos correios na CWU, recusando uma ordem imposta da gerência para fazer seis dias de trabalho em cinco e forçando o Royal Mail a recuar mostra que temos a força se estivermos dispostos a usá-la.

Do bloqueio ao bloqueio?

Além disso, existe o perigo iminente de desemprego em massa, com a eliminação gradual da licença e os empregadores anunciando enormes cortes em sua força de trabalho devido à perda de mercados e à redução de lucros. Isso também exigirá a luta pelo controle dos trabalhadores sobre o “direito de gestão da administração”. Incluirá uma recusa em voltar em condições inseguras ou uma recusa em aceitar demissões ou reduções das jornadas de trabalho com redução dos salários. Se alguém for deixado de fora, todos devem ficar de fora. Os sindicatos precisam começar a recrutar todos os trabalhadores que enfrentam essas ameaças e que não têm a autoproteção da organização sindical.

Uma grande batalha política também enfrentará a classe trabalhadora, porque esse governo certamente nos apresentará a enorme lei do Coronavírus. Eles exigirão um retorno de austeridade - como Osborne e Campbell fizeram em 2010 - para pagar a enorme quantidade de empréstimos que Sunak empreendeu. Em vez disso, Labour e os sindicatos deveriam exigir que os grandes acionistas, os CEOs e os bilionários do fundo de hedge pagassem a conta. Um super-imposto sobre o Coronavírus, suficiente para pagar toda a conta da pandemia e iniciar a restauração dos serviços públicos: seria um começo modesto.

Começando pelos enormes elogios prestados aos trabalhadores da saúde e pelo serviço vital que prestam, precisamos mostrar como os cortes anteriores tornaram seu trabalho mais perigoso e difícil. Precisamos mostrar como o Brexit e o fim da livre circulação receberão direitos de muitos desses trabalhadores vitais, incluindo aqueles que estão arriscando suas vidas nos lares.

O movimento sindical e o Labour Party precisam ser colocados em pé de guerra. Precisamos reafirmar o direito de demonstrar e realizar reuniões, com as devidas precauções, é claro. Mas se as pessoas puderem trabalhar juntas com segurança, poderão agir juntas para defender seus empregos e segurança. Os trabalhadores ameaçados de demissão, como os 12.000 trabalhadores da British Airways ou os 3.150 da Virgin Atlantic, devem exigir a nacionalização sem compensação aos proprietários.

O Labour deve lutar

O Labour Party não deveria apenas expor a inadequação da resposta do governo à pandemia, mas fazer tudo o que pode no parlamento para impedir o término dos pagamentos de suspensão dos contratos aos trabalhadores que ainda não conseguiram voltar ao trabalho. Eles devem deixar claro que o Labour irá se opor a qualquer retorno à austeridade para pagar as enormes dívidas estatais. Ele deveria rejeitar "pacotes de resgate" para bilionários como Richard Branson. Se eles não podem administrar suas empresas, eles devem ser assumidos pelo Estado e sob o controle dos trabalhadores.

O Labour deve responder renovando as promessas feitas ao eleitorado nas eleições de 2017 e 2019. Para a mortandade nos lares, seus porta-vozes no parlamento e prefeitos devem defender com ousadia o seu manifesto compromisso de um sistema nacional de atendimento a idosos e enfermos equivalente e vinculado ao NHS. Para o NHS quebrado, ele deve responder exigindo que os Conservadores anulem todos os contratos de PFI e cancelem todas as dívidas do hospital, trazendo todo o sistema internamente. Para a crescente linha de desempregados, deve exigir a semana de quatro dias, sem perda de salário e intervenção do Estado, não para sustentar bilionários fracassados, mas para iniciar a Revolução Industrial Verde.

Mas o Labour não é apenas o PLP - é um partido de mais de meio milhão de membros e sindicatos de mais de seis milhões. Já é hora de os ativistas de ambas as alas do movimento Labourista combinarem essas e outras questões e lutas em um programa de ação para afastar os inevitáveis ​​ataques dos Conservadores e uma iminente catástrofe econômica global pior que a de 2008. Tão severos são os desafios e tão radicais as medidas que exigem encontrá-los e vinculá-los ao objetivo de uma economia socialista e de uma sociedade sem classes.

A crise de Coronavírus (e futuras pandemias que são quase inevitáveis ​​em uma economia globalizada), a catástrofe ambiental iminente, a expansão dos movimentos populistas de direita e o racismo anti-migrante gerado pelo Brexit apontam para a necessidade da esquerda, atordoada pela derrota de Corbyn, se reagrupar - rapidamente. Precisamos sair do pequeno mundo de Westminster para o campo de batalha da luta de classes. Em resumo, não lamente, organize.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/britain-relaxing-lockdown-we%E2%80%99ll-need-workers-control)

Traduzido por Liga Socialista em 1905/2020