Inferno na Terra - refugiados reunidos como animais

19/04/2020 21:32

Dilara Lorin, GAM Infomail 1096, March 2020 Sat, 11/04/2020 - 11:12

 

Apenas algumas semanas atrás, houve um escândalo quando a Turquia abriu suas fronteiras com a UE, apesar da UE oferecer a Ancara vários bilhões de euros por ano para impedir que refugiados entrem na Europa. Hoje, isso é esquecido há muito tempo. No entanto, vários milhares de pessoas estão presas na área de fronteira entre a Turquia e a Grécia. Sua situação é cada vez mais desesperadora, porque a Grécia não permite mais pedidos de asilo desde 1º de março.

A UE e sua força de fronteira, Frontex, fecharam as fronteiras e adotaram medidas rigorosas contra as pessoas de lá. Granadas de mão, gás lacrimogêneo e balas de borracha foram usadas. Onde vídeos e relatórios ainda são possíveis, eles mostram uma imagem clara e terrível da UE e da Turquia e Grécia. Alguns vídeos mostram as forças de segurança turcas, de mãos dadas com organizações fascistas, primeiro arrastando fugitivos para dentro de ônibus e depois, na terra de ninguém na área de fronteira, arrastando-os à força com armas de fogo.

Outras imagens mostram claramente guardas costeiros gregos tentando afastar um bote de borracha carregando várias dezenas de refugiados com uma barra de ferro, ou habitantes das ilhas e fascistas de toda a Europa esperando nas costas, apenas para atacar e perseguir de volta as pessoas que fogem do sofrimento da miséria, guerra e morte. Quadros de organizações neofascistas e o "Movimento Identitário", inclusive da Alemanha, foram vistos na Grécia. Eles estavam lá apenas para caçar fugitivos com armas e proteger "suas" fronteiras. Embora alguns deles, incluindo Mario Müller, tenham sido espancados, infelizmente isso é apenas uma gota no oceano. Não altera a imagem geral.

Medo do COVID-19 e medo de refugiados

A situação nos campos nas cinco ilhas da Grécia sempre foi terrível e está piorando. Até 42.000 requerentes de asilo vivem nas ilhas de Lesbos, Samos, Chios, Leros e Kos. Cada campo está superlotado e abriga muito mais pessoas do que foi projetado. Moria, um dos maiores campos de Lesbos, era destinado a 3.000 pessoas, mas, segundo as estimativas atuais, 20.000 a 24.000 vivem lá nas piores condições:
- Há um toque para cada 1.300 pessoas
- 167 pessoas compartilham um banheiro
- 240 as pessoas compartilham um chuveiro
- Sabonetes ou desinfetantes dificilmente estão disponíveis
- Famílias com cinco ou seis pessoas devem dormir no máximo em 3 metros quadrados. Se o vírus surgisse ali, teria consequências desastrosas e causaria muitas mortes.

"Lavem as mãos! Mantenham distância social!” Tais medidas de higiene são completamente impossíveis! Até agora, há apenas um caso confirmado de COVID-19 em Lesbos. Isso foi no sul da ilha, que quase não teve contato com os refugiados. No entanto, é certamente apenas uma questão de tempo até que o vírus chegue ao campo.

Um ativista antifascista local de Dresden diz: "Em geral, há um grande medo de um surto de corona no campo. O perigo é que a doença seja trazida de fora, não que as pessoas que estão lá tenham trazido a doença com elas, como os racistas gostam de afirmar."

E como o governo grego reage? O partido conservador populista de direita de Kyriakos Mitsotakis, Nova Democracia, sempre suscitou ódio e hostilidade contra os refugiados. Isso não parou por causa do vírus corona. Nos meios de comunicação e também nas entrevistas, ouve-se e vê-se repetidamente como os refugiados são comparados aos criminosos e traficantes de drogas.

Eles também estão sendo usados ​​como bodes expiatórios para o declínio da economia grega. O fato da Troika da UE ter sugado a economia grega com seus ditames de austeridade quase não é mais mencionado. Os refugiados são os novos bodes expiatórios para conservadores, racistas, populistas de direita e fascistas. Já vimos isso na Alemanha, França, Polônia ou Turquia.

Isolamento dos refugiados

Pelo menos por duas semanas, nenhum visitante pode entrar nos campos. Mesmo os ajudantes das ONGs não podem entrar. Somente uma pessoa por família pode deixar o campo uma vez por dia para realizar tarefas na ilha. Outras atividades ao ar livre não são mais permitidas. Isso significa: sem escolas, sem atividades esportivas, sem visitas à biblioteca. Vinte e quatro mil pessoas serão mantidas em uma prisão ao ar livre nas piores condições de higiene possíveis. É claro que essa situação causará ainda mais danos às pessoas que já estão traumatizadas e enfraquecidas. Sem distrações externas, as crianças que já tentaram tirar a própria vida antes da pandemia do COVID 19 sofrerão de condições psicológicas ainda mais graves. E não estamos falando de apenas alguns.

O crescente racismo dos habitantes das ilhas também se reflete no fato de que o Cidadão Livre (Eleftheri Politis), um partido explicitamente racista, senta-se nos parlamentos da vila e tem 12 cadeiras nos parlamentos regionais do Egeu Meridional. George Hatzimarkos, governador do Egeu Meridional, anunciou que teria uma cerca construída ao redor do Campo Moria como uma suposta "medida protetora" contra a propagação do vírus, tornando-o ainda mais obviamente uma prisão a céu aberto.

O incentivo racista da Turquia, Grécia e dos países da Europa incentivou as quadrilhas fascistas a patrulhar as fronteiras e ilhas. A violência nas ilhas foi tão longe que os jornalistas foram espancados e seus equipamentos foram jogados na água. A situação ainda é tensa, especialmente quando a sociedade civil está preocupada apenas com o vírus Corona. Os refugiados estão em uma situação tripla de risco de vida.

Tratamento vergonhoso das crianças

Sete países da UE, incluindo a Alemanha, declararam-se "prontos" para aceitar apenas 1.600 crianças do campo, após semanas de discussões. Agora, mesmo esse gesto completamente inadequado foi polêmico. Está sendo sugerido que o número de infecções por vírus aumentaria se houvesse a entrada de refugiados. Isso é claramente racista. Atualmente, a maioria dos infectados está em países como China, Itália, Alemanha, França, Espanha - e felizmente não está nos campos.

Para toda a UE acolher apenas 1.600 crianças refugiadas, não é uma virtude, mas uma desgraça. É apenas um gesto simbólico para encobrir a real política de fronteira racista. O que é realmente necessário agora? O cancelamento do acordo de refugiados com a Turquia, que foi renovado e prorrogado em 13 de março! Os refugiados não devem ser um peão no jogo entre os poderes, preocupados apenas com seus interesses e lucros! Pela abertura de todas as fronteiras e o desmantelamento da Frontex - agora!

Por causa das crises e guerras em curso, especialmente em Idlib, milhões de pessoas são forçadas a fugir e devemos lutar por uma vida digna para todos e todas! Não em campos ou na terra de ninguém entre cercas de fronteira! Para a evacuação imediata de todos os campos. Existe apenas uma solução humanitária digna desse nome; a abertura das fronteiras da UE, o acolhimento de pessoas nos estados da UE de sua escolha, a criação e provisão de moradia, assistência médica e psicológica gratuita, educação, treinamento e empregos pagos com salários acordados coletivamente. Os refugiados que se acredita terem sido infectados pelo vírus devem ser acomodados e atendidos gratuitamente nos hospitais.

Para impedir que governos burgueses e demagogos de direita joguem os fugitivos contra assalariados - por exemplo, desempregados, empregados precariamente ou pessoas em situação de pobreza na velhice, é necessário lutar por trabalho, uma renda mínima, benefícios sociais como provisão de velhice para todos, paga pela tributação de lucros e grandes fortunas. Para conseguir isso, movimentos anti-racistas devem se unir a sindicatos, organizações de trabalhadores, refugiados e organismos migrantes!

 

 

Tradução: Liga Socialista, em 19 de abril de 2020

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/hell-earth-%E2%80%93-refugees-herded-together-animals)