Labour Party suspende Jeremy Corbyn

04/11/2020 18:49

Red Flag statement, October 31, 2020 Sun, 01/11/2020 - 18:36

Jeremy Corbyn foi suspenso do Labour Party por apontar que a burocracia do partido obstruía as tentativas de lidar com casos genuínos de antissemitismo, e seus oponentes políticos exageraram dramaticamente a escala do antissemitismo por razões faccionais.

Keir Starmer - escondido atrás da figura do secretário-geral de Blairite David Evans - endossou a decisão. A suspensão é um assassinato político, sem qualquer resquício de justificativa legal ou democrática.

É uma declaração de guerra à esquerda do homem que se candidatou às eleições com a promessa de unificar o partido. O partido unido que Starmer e seus apoiadores no PLP, na mídia e nas bancadas conservadoras desejam, é um expurgado das centenas de milhares que se uniram na crença de que o partido havia dado as costas ao Novo Trabalhismo e seu apoio ao imperialismo, guerras e austeridade Tory.

Toda a carreira política de Jeremy Corbyn é um testemunho de sua oposição ativa ao antissemitismo e a todas as outras formas de racismo. A acusação de antissemitismo tornou-se uma arma nas mãos de todas aquelas correntes dentro do Labour Party que se opunham a todo o programa de Corbyn.

Também foi parte da tentativa de impedir que os trabalhistas cumprissem suas promessas de conferências de 2018 e 2019 de apoiar o direito dos palestinos de retornar e a um estado soberano. Anti-sionismo não é antissemitismo nem é anti-judeu. Apenas os verdadeiros antissemitas veem a oposição à expansão implacável dos assentamentos por Israel como oposição ao povo judeu como tal ou o resultado de alguma conspiração internacional imaginária. Condenamos sem hesitação todas essas tolices venenosas. Mas aqueles que fazem falsas acusações de antissemitismo alarmam e prejudicam o povo judeu em todo o mundo.

A publicação do relatório EHRC apenas forneceu a oportunidade para Starmer dar o passo que foi planejado há muito tempo. Em poucos meses, Starmer já deixou claro que pretende que o Labour Party seja mais uma vez um servidor confiável do capital britânico. A suspensão de Corbyn é mais um sinal para os chefes britânicos de que, sob sua liderança, o partido sabe o que quer e trabalhará para consegui-lo.

Starmer afirmou em sua campanha para líder que ele não iria "derrapar" as políticas de Corbyn e que ele uniria o partido. Em um momento em que o governo conservador está cada vez mais desordenado por causa da pandemia, em vez de liderar a luta contra esta, ele opta por orquestrar uma campanha contra os membros do partido.

Ele usou a suspensão de Corbyn como seu momento de definição, como o ataque de Kinnock ao Militant ou o despejo de Blair da Cláusula Quatro. Ele está dizendo ao sistema que o Labour está de volta em boas mãos e pode ser confiado ao governo de seu estado.

Alguns membros, já desanimados com a sabotagem interna do partido pelos inimigos de Corbyn, podem considerar a suspensão como a gota d'água, o último insulto que vão receber e concluem que não podem apoiar o partido por mais um momento. Essa raiva é compreensível, mas mal direcionada. Starmer e companhia não gostariam de nada mais do que a perda de dezenas ou mesmo centenas de milhares de socialistas do partido sem luta.

Para os membros do partido, agora caluniados como antissemitas por seu próprio líder e seu vice, chegou a hora de tomar uma posição. Apesar do fato de terem sido proibidos de aprovar resoluções sobre questões disciplinares, cada seção e CLP deveriam inundar o NEC com resoluções exigindo a reintegração imediata e incondicional de Corbyn e condenando as ações de Keir Starmer e Angela Rayner. Eles são claramente inadequados para serem líderes do “partido da classe trabalhadora britânica” em qualquer cargo.

Mesmo se, como há rumores, Corbyn fosse reintegrado pelo NEC ou pela unidade de governança e legalidade, sem um pedido de desculpas e o direito de criticar tais decisões estabelecidas, a própria possibilidade de que tais ações possam ocorrer permanecerá uma espada de Dâmocles pendurada sobre a adesão, sufocando a democracia no partido.

Os de esquerda que aconselham o silêncio para preservar a unidade com a direita estão totalmente errados. Desafiar decisões e regras injustas, não cumpri-las, é a única maneira de nos defendermos. É a única maneira de garantir que o partido desempenhe um papel útil na resistência da classe trabalhadora à pandemia, ao aumento do desemprego em massa e ao caos que o Brexit irá desencadear.

Nos sindicatos afiliados, os membros devem insistir que nenhum apoio financeiro seja dado ao partido até que Corbyn seja reintegrado. Apelamos ao Socialist Campaign Group and Momentum, amplamente considerado como as principais organizações da esquerda trabalhista, para dar uma liderança na oposição à suspensão e qualquer tentativa de negar o direito dos membros do partido de discordar das ações da liderança. Os grupos de esquerda Momentum e EsquerdaTrabalhista devem organizar reuniões em todo o país para coordenar a luta, unindo as centenas de milhares de membros irritados e fazer campanha por um partido no qual Starmer e Rayner e seus aliados não têm lugar!

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/labour-party-suspends-jeremy-corbyn-membership) Tradução: Liga Socialista – 02/11/2020