Macron declara guerra aos trabalhadores ferroviários

26/03/2018 18:07

Marc Lasalle, Paris Sáb, 24/03/2018 - 04:13

 

Em 22 de março, greves e manifestações ocorreram em toda a França. Elas foram convocadas por uma frente unida da maioria dos sindicatos do setor público que representam trabalhadores ferroviários, funcionários de escolas e hospitais, funcionários públicos, controladores de tráfego aéreo e trabalhadores do metrô de Paris. Seu alvo era o "Projeto de Lei para um Novo Pacto Ferroviário", emitido pelo presidente Emmanuel Macron, o “outdoor” da burguesia internacional.

Consiste em apenas quatro páginas e oito artigos curtos, mas contém uma declaração real de guerra. Com ele, Macron abriu hostilidades contra trabalhadores ferroviários com um amplo ataque: mudando o status da SNCF (o grupo ferroviário estatal, empregando 146.000 trabalhadores) para se tornar uma empresa privada, abrindo a concorrência das ferrovias francesas (atualmente é um monopólio estatal), cortando de 4000 a 9000 km de linhas secundárias e interrompendo o recrutamento de novos trabalhadores sob as condições de trabalho coletivamente acordadas pela SNCF.

Este último está no centro do ataque. Trabalhadores ferroviários, como resultado de muitas lutas do passado, se beneficiam de boas condições de trabalho, bem como a compensação pelo trabalho noturno e no fim de semana. Esses “privilégios” estão sob ataque da mídia e da política há décadas, apesar do fato de que os salários correspondem à média nacional e os trabalhadores já perderam condições especiais de aposentadoria. No entanto, a principal razão para o ataque é que os trabalhadores da SNCF continuam a ser um reduto do sindicalismo militante, de fato, um dos últimos setores industriais bem organizados e combativos na França.

Afastado de seu sucesso no outono, quando seu governo impôs uma nova lei trabalhista (Code du Travail), totalmente favorável aos patrões, sem qualquer oposição séria, Macron está disposto a impor uma grande derrota estratégica nessa vanguarda da classe trabalhadora francesa, o núcleo da resistência dentro dos vários movimentos sociais das últimas duas décadas. Todo mundo ainda tem em mente a longa greve de 1995, quando os ferroviários paralisaram o país por três semanas e no final infligiram uma derrota humilhante ao governo de direita de Alain Juppé.

Macron, se beneficiando de uma maioria parlamentar excepcionalmente forte, gostaria de forçar esta nova “reforma” sem debate público, por meio de ordens executivas, tal como fez com o Code du Travail. Estas serão leis que possibilitam a curto prazo e cujo efeito é como um cheque em branco ao governo para fazer o que quiser. Essa pressa não tem justificativa real além de tentar encurtar o debate no parlamento e no país e enfrentar os trabalhadores com um “fato consumado”.

Ele também pretende aproveitar a crise política que assola o movimento dos trabalhadores. Seus partidos tradicionais, o Partido Socialista(OS) e o Partido Comunista(PCF), estão em total desordem, enquanto o Novo Partido Anticapitalista, NPA, está severamente enfraquecido. As tentativas de Jean-Luc Mélenchon de usurpá-las com seu populista La France Insoumise, movimento que nunca decolou, apesar das repetidas insuflações de “retórico ar quente”.

Embora os requisitos da União Europeia sejam citados como a causa da mudança, isso é apenas uma desculpa. A UE está tão enfraquecida hoje que teria que aceitar a França escolhendo outra opção para o setor ferroviário. A verdade é que o governo quer transformar esse serviço público em uma empresa privada, com foco em lucro. Gostaria que a rede ferroviária fosse restrita a conexões de alta velocidade entre as principais cidades, com trens locais em áreas urbanas densas. Usuários em áreas rurais, de classe trabalhadora e empobrecidas estão claramente fora do escopo deste novo plano de negócios.

A abertura do mercado, bem como uma cláusula que obrigue os trabalhadores ferroviários a aceitar qualquer novo emprego no setor, inclusive com empresas privadas, resultará em uma piora de suas condições de trabalho, e o que restar das condições atuais será em perigo constante. Ao atacar a SNCF, Macron também está buscando uma grande vitória política que pode abrir o caminho para novas "reformas" contra o setor público.

Uma das promessas de campanha de Macron era reduzir o número de trabalhadores do setor público em 120.000. Estão em preparação “reformas” semelhantes, incluindo a administração da autoridade local, a educação e os serviços de saúde. Macron pretende minar “empregos vitalícios” para os funcionários do estado, substituindo-os por trabalhadores “precários” com salários mais baixos e pensões baixas ou inexistentes.

Campeão sem vergonha do neoliberalismo, elogiando o sucesso econômico individual como o único critério importante, Macron sonha com uma reformulação importante da economia francesa, que ainda depende de um importante setor público. Até agora, ele encontrou pouca resistência às suas táticas de choque.

No entanto, a atual onda de ataques não passará sem uma séria luta de classes. O dia de ação e greves em 22 de março foi um sucesso claro, mas levantou a questão de quais devem ser os próximos passos, na verdade o último dia semelhante de ação foi em… outubro de 2017.

Táticas 
Todos os sindicatos da SNCF rejeitaram a reforma e os sindicatos mais fortes, incluindo a CGT, estão pedindo greves em abril e maio. Infelizmente, a tática de ataque escolhida é burocrática desde o início. Consiste em dois dias por semana em greve, decididos antecipadamente pelos órgãos principais da TU. A tradição sindical francesa, especialmente na SNCF, é para ações ilimitadas, onde a greve é ​​decidida coletivamente todas as manhãs em cada local de trabalho pela assembleia geral dos trabalhadores. Ao planejar a greve com antecedência para os próximos meses, os burocratas do sindicato estão impondo um controle mais rigoroso da luta a partir de cima, o que será útil se decidirem acabar com ela.

Como era de se esperar, Laurent Brun, chefe da CGT-Cheminots, está defendendo uma boa briga. “Aceitaremos o desafio. Esse certamente será um dos maiores movimentos sociais da história da SNCF”, afirmou. Mas parece que Macron pode ter perdido o apoio de Laurent Berger, chefe da federação CFDT, que acusou o governo de "cuspir na cara de trabalhadores das ferrovias e do setor público". Na reforma do Code du Travail, Macron usou Berger para dividir os sindicatos e isolar a CGT.

De fato, a luta dos trabalhadores da SNCF é tão crucial que é necessário que todos os trabalhadores franceses a apoiem ativamente, o melhor de tudo, entrando em greve com suas próprias demandas. De fato, em vários outros setores, os trabalhadores foram ou serão mobilizados recentemente: na Air France, no gigante varejista Carrefour, no EHPAD (trabalhadores que cuidam de idosos) e nos professores das escolas. Os estudantes também têm estado ativos nas últimas semanas contra uma reforma de seus liceus que restringirá severamente o acesso às universidades.

Neste contexto, o apelo à solidariedade iniciado por Olivier Besancenot do NPA e assinado por 16 grupos, incluindo o PCF, é um passo na direção certa. Um movimento de massas e uma vitória dos trabalhadores ferroviários seria um ponto de convergência para a esquerda francesa dividida, assim como para os sindicatos.

22 de março, o dia da greve, foi o 50º aniversário da ocupação do campus universitário de Nanterre, que deu início ao movimento que culminou na greve geral e na barricada de maio de 1968. Hoje, os trabalhadores e jovens franceses precisam seguir o exemplo dessa greve com mobilizações em massa nas ruas, ocupações no local de trabalho e uma greve geral controlada pelos filantropos. De fato, apenas um movimento dessa força pode derrotar todo o pacote de reformas de Macron. Na luta, os trabalhadores e os jovens precisam criar órgãos de auto-organização para assumirem o controle da greve e impor suas demandas não apenas ao governo, mas também a seus próprios líderes nacionais.

 

Traduzido por Liga Socialista em 26/03/2018