O 80º aniversário da morte de Leon Trotsky

27/08/2020 19:21

Dave Stockton Fri, 21/08/2020 - 17:37             -                                     

 

Passaram-se 80 anos desde que Leon Trotsky, de 60 anos, morreu às 19h25 em um hospital na Cidade do México devido a um ferimento infligido no dia anterior por Ramón Mercader, agente de Joseph Stalin, o então todo-poderoso ditador da União Soviética. Stalin ordenou diretamente o assassinato, tendo já assassinado dois dos filhos de Trotsky, Sergei e Liova, sua primeira esposa e milhares de seus seguidores na URSS e vários na Europa Ocidental também.

Mercader foi condenado por um tribunal mexicano a 20 anos de prisão. Quando foi libertado em 1960, foi recebido em Cuba por Fidel Castro e condecorado com a medalha de Herói da União Soviética pelo Politburo russo. Assim, o stalinismo mundial confessou sua cumplicidade no assassinato de um dos dois líderes mais proeminentes da Revolução de Outubro e o fundador do Exército Vermelho.

Trotsky morava há mais de três anos na Cidade do México graças ao refúgio que lhe foi concedido pelo presidente populista de esquerda do país, Lázaro Cárdenas. Depois de uma tentativa de assassinato em 24 de maio de 1940, liderada pelo famoso muralista e stalinista David Siqueiros, os partidários de Trotsky no México e nos EUA fortificaram e guardaram sua pequena villa na rua Viena, no subúrbio de Coyoacán. O neto de Trotsky, Seva Volkov, então com 14 anos, estava na casa durante as duas tentativas e lembrou que as medidas dificilmente foram profissionais. Mercader ganhou acesso à casa iniciando um relacionamento com Sylvia Ageloff, uma jovem apoiadora de Trotsky.

Registro de Trotsky

Stalin, como o líder dos partidos de massa em todos os continentes, apoiado por uma enorme rede de agentes do serviço secreto (o NKVD) há muito dirigia uma incrível campanha de mentiras e ódio contra o homem cujo histórico como revolucionário colocou o seu na sombra. Trotsky havia trabalhado no jornal Iskra em Londres com Lenin em 1902, construindo as bases do Partido Operário Social-Democrata Russo (POSDR).

No entanto, em sua conferência de fundação em 1903, ele cometeu o pior erro político de sua vida, aliando-se aos mencheviques contra Lenin e os bolcheviques. Tendo rompido com eles pouco mais de um ano depois, ele assumiu uma posição “não fracionária”, convocando a reunificação das duas organizações, posição que manteve até a eclosão da Revolução de 1917. Seu papel como “conciliador” frequentemente o envolvia em polêmicas agudas com Lenin, mais tarde usadas por seus oponentes para denegrir sua ficha. Isso apesar de Lenin ter dito, em outubro de 1917, que desde que abandonou seu papel de conciliador, "não houve melhor bolchevique do que Trotsky".

Na Revolução de 1905, que Lenin chamou de ensaio geral para 1917, Trotsky foi o presidente do Soviete de São Petersburgo. Em 1917, ele tornou-se mais uma vez presidente do Soviete de Petrogrado e, trabalhando ao lado de Lenin, liderou o Comitê Revolucionário Militar do Soviete, que organizou a insurreição de outubro. Ele continuou, como comissário de guerra do primeiro estado operário do mundo, a fundar o Exército Vermelho e desempenhou um papel fundamental em sua vitória na Guerra Civil.

Durante os anos do pós-guerra, ele foi uma figura central nos congressos da Internacional Comunista, redigindo muitos de seus manifestos e declarações. Ele desempenhou um papel fundamental na conquista das novas seções da IC na Europa Ocidental para as táticas da frente única, que foram vitais para capacitá-los a enfrentar as ainda poderosas forças da social-democracia e do trabalhismo.

Anos antes de Antonio Gramsci contrapor uma "guerra de posição" a uma "guerra de manobra" e culpar Trotsky por tentar impor apenas táticas ofensivas aos comunistas ocidentais, este último reconheceu plenamente que, para derrubar a burguesia "ocidental", mais rica e mais firmemente enraizada nas instituições sociais do que tinha sido o caso na Rússia, exigiria táticas pacientes de frente única para conquistar o apoio de massa dos partidos reformistas.

Convocar esses partidos e seus líderes para lutar em questões importantes para toda a classe trabalhadora não apenas aumentou a eficácia das lutas dos trabalhadores, mas, se e quando os líderes reformistas os enganaram ou traíram, isso fortaleceu os partidos comunistas às suas custas.

Durante a doença final de Lenin em 1923-4, os oponentes de Trotsky dentro da liderança bolchevique; Grigory Zinoviev, Lev Kamenev, Joseph Stalin e Nicolai Bukharin conseguiram afastá-lo do papel de liderança que desempenhou quando Lenin estava ativo. Isso foi possível por causa das derrotas que o movimento revolucionário sofreu nestes anos e do isolamento e burocratização pelo qual passava o jovem estado operário.

Lenin, atingido por um derrame, havia, de seu leito de doente, proposto a remoção de Stalin de seu cargo de secretário-geral, o que lhe deu o controle do aparelho do partido. Trotsky, novamente uma decisão fatal, não pressionou o “testamento” de Lenin e a liderança do partido o encobriu.

Em oposição

Apesar desse grave erro, Trotsky e a Oposição de Esquerda de 1923 logo desenvolveram propostas para democratizar o partido e controlar a burocracia que se cristalizava em torno de Stalin.

Trotsky também criticou o erro de longo alcance que a Internacional Comunista cometeu na Alemanha em 1923 quando Zinoviev, totalmente apoiado por Stalin, deixou escapar a oportunidade de trabalhar para a tomada do poder. Um “outubro alemão” poderia ter acabado com o isolamento da URSS, ajudado seu rápido desenvolvimento econômico e levado à propagação da revolução europeia, na verdade mundial.

Na Grã-Bretanha, ele criticou o impulso acrítico do Partido Comunista aos líderes sindicais de esquerda no Conselho Geral do TUC (Trade Union Congress) que, na greve geral de 1926, efetivamente deixou os líderes de direita traí-lo sem oposição séria. Enquanto isso, os sindicatos russos mantiveram o Comitê Anglo-Russo com o TUC até que uma ruptura fosse tarde demais para ter qualquer efeito.

Em 1926, na União Soviética, Trotsky formou a Oposição Unida com Zinoviev e Kamenev, apesar de seu papel em 1923-5 em isolá-lo e caluniá-lo como um oponente do leninismo e até mesmo pedir sua expulsão do PCUS. A Oposição Unida atacou a industrialização de "passo de caracol" promovida por Bukharin, em aliança com Stalin, e seu estrangulamento da democracia no partido e nos sovietes, bem como a extensão da burocracia e expurgo de oponentes em outras seções da Internacional Comunista.

No mesmo ano, ele criticou a estratégia fatal que Stalin e Bukharin impuseram à liderança do Partido Comunista Chinês, que levou à sua quase destruição por Chiang Kai-shek nos massacres de 1927.

O décimo aniversário da Revolução de Outubro viu Trotsky, junto com Zinoviev e Kamenev e milhares de seus apoiadores no partido e na Liga dos Jovens Comunistas, expulsos do partido. Trotsky, sua companheira, Natalia Sedova, e seu filho de 22 anos, Leon Sedov, foram deportados à força para Alma-Ata, na Ásia Central. Zinoviev e companhia logo capitularam, mas, porque os “trotskistas” continuaram as atividades de oposição, um ano depois o pequeno grupo familiar foi deportado da União Soviética para a Turquia.

Exílio

Eles se estabeleceram na pequena ilha de Prinkipo no Mar de Mármara perto de Istambul e esta se tornou a base para comunicar ao mundo a crítica ao stalinismo feita pela Oposição de Esquerda Internacional. Aqui, ele foi acompanhado por um punhado de jovens apoiadores da França, Alemanha, Tchecoslováquia e dos EUA. Com a ajuda deles, Trotsky lançou as bases de uma tendência política internacional, que ele chamou de "facção expulsa" da Internacional Comunista, baseada na tentativa de reformar os partidos comunistas mundiais.

Todos os comunistas que manifestaram seu apoio foram rapidamente expulsos das seções da IC e sujeitos a calúnias e ataques físicos. Na realidade, isso marcou uma virada forçada para a construção de pequenos grupos de propaganda. O maior deles, na França e nos Estados Unidos, tinha apenas algumas centenas ou mais. Aqueles que zombam disso devem explicar se eles acham que teria sido melhor não fazer nada ou permanecer um literato isolado. Para um revolucionário, a própria ideia de fazer qualquer uma dessas coisas seria impensável, particularmente na esteira do Crash de Wall Street, quando o capitalismo mundial estava entrando na Grande Depressão e Hitler e os nazistas estavam marchando em direção ao poder e a destruição do movimento operário mais poderoso do mundo capitalista.

Em qualquer caso, esta estava longe de ser a primeira vez que os revolucionários tiveram que partir da qualidade, de alguns quadros treinados e de um programa elaborado por eles. Marx e Engels fizeram isso com a Liga Comunista na década de 1840, assim como Lenin com a organização Iskra na década de 1890 e início de 1900.

Esses minúsculos agrupamentos deveriam primeiro se concentrar na análise da situação e no desenvolvimento de uma estratégia para conduzir a luta de classes, em suma, um programa. Acima de tudo, isso deveria ser dirigido à vanguarda do movimento operário, então nos partidos comunistas. Desde o início, buscaram contatos com alguma influência dentro do movimento operário. Nesse sentido, eles não eram seitas. Sua propaganda nunca foi abstrata ou atemporal, mas focada em questões candentes de estratégia e tática para o movimento dos trabalhadores em todas as principais lutas da época.

Para este fim, Trotsky, de seu isolamento forçado em Prinkipo, escreveu uma série de obras brilhantes que estão entre os principais clássicos do marxismo, incluindo The Communist International After Lenin, que reuniu as principais obras que ele escreveu na Rússia. A Revolução Permanente, combinada com uma tradução de sua obra Resultados e Perspectivas de 1906, foi uma das primeiras novas obras. Este tinha previsto brilhantemente que as tarefas da revolução burguesa na Rússia (democracia, terra para os camponeses, jornada de oito horas etc.) só poderiam ser realizadas pelos próprios trabalhadores tomando o poder do Estado em aliança com o campesinato. Foi exatamente isso o que aconteceu em 1917, depois que os bolcheviques adotaram essencialmente a mesma perspectiva nas teses de abril de Lenin.

A Revolução Permanente expandiu essa perspectiva para a maior parte do mundo, as colônias e semicolônias, onde as revoluções burguesas não haviam ocorrido ou estavam apenas começando a se desenvolver. Baseou-se na experiência da Revolução Chinesa onde, mais uma vez, se provou a futilidade de contar com a burguesia nacional para liderar uma revolução democrática, à custa da matança da flor do movimento dos jovens trabalhadores chineses.

Ao mesmo tempo, as ilusões do Comintern quanto ao caráter revolucionário do Kuomintang e sua subordinação do Partido Comunista Chinês a ele, atestavam o fato de que foram Stalin e Bukharin que adotaram a posição dos mencheviques em 1905 e 1917, em vez de Trotsky. Para enfatizar isso, seus apoiadores na Rússia e internacionalmente se autodenominavam bolcheviques-leninistas.

De seu exílio turco (1929-33), Trotsky também escreveu uma autobiografia, Minha Vida, em parte para ganhar dinheiro para seu trabalho político, mas também para limpar seu nome das calúnias de Stalin e companhia e para explicar do que se tratava a luta da Oposição de Esquerda na União Soviética. Aqui, também, ele escreveu sua magnífica História da Revolução Russa, para extrair todas as suas ricas lições de outubro para as gerações futuras, bem como para expor o papel inflado e os relatos mentirosos que emanavam de Stalin e seus acólitos.

Rumo a uma Nova Internacional

De Prinkipo, ele também analisou o desastre da chamada linha do Terceiro Período do Comintern, que proibiu os comunistas do mundo inteiro de operar na frente única com os líderes dos partidos reformistas e centristas. Na Alemanha, que ele considerava a chave da situação internacional, o fascismo dava grandes passos rumo ao poder, graças ao desemprego em massa e à ruína da pequena burguesia.

Stalin impôs ao Partido Comunista Alemão (KPD) sua infame afirmação de que “social-democracia e fascismo eram gêmeos”, que o SPD alemão havia se tornado “social fascista” e era um inimigo mais perigoso que os nazistas. Em 1931, o KPD até se juntou ao NSDAP em um referendo para remover o governo liderado pelo SPD no maior estado federal alemão, a Prússia. Toda uma série de artigos e panfletos de Trotsky (coletados em The Struggle Against Fascism In Germany) brilhantemente analisou o fascismo como um movimento social de massa da pequena burguesia que poderia ser usado pela burguesia imperialista para pulverizar o movimento dos trabalhadores. No panfleto, que vem a seguir, ele escreveu:

“Quando a crise social assume uma agudização insuportável, um determinado partido entra em cena com o objetivo direto de agitar a pequena burguesia e direcionar seu ódio e seu desespero contra o proletariado. Na Alemanha, esta função histórica é cumprida pelo nacional-socialismo (nazismo), uma ampla corrente cuja ideologia é composta de todos os vapores pútridos da sociedade burguesa em desintegração”.
Trotsky advertiu que se Hitler chegasse ao poder, ele quebraria em pedaços não apenas o KPD, mas a social-democracia e os sindicatos, todas as conquistas conseguidas pelos trabalhadores alemães ao longo de um período de 70 anos. Os líderes do KPD descartaram isso como pessimismo e até sugeriram que se Hitler chegasse ao poder, seu regime logo entraria em colapso e seria, “nossa próxima vez”.

Na verdade, o KPD, a IC e o SPD não uniram suas forças massivas e foram destruídos quase sem luta. Wilhelm Pieck, um dos mais antigos líderes do KPD, disse certa vez em uma reunião quando outros líderes do Comintern mais tarde zombaram do KPD por serem covardes, por não terem lutado em 1933; “Moscou ordenou que não resistíssemos”. A partir de então, Trotsky tinha certeza de que o mundo se encaminhava para uma segunda guerra mundial, na qual a Alemanha atacaria a URSS.

A única esperança era que as situações revolucionárias restantes que se desenvolveram na Espanha e na França em 1936 tivessem sucesso. Mais uma vez, ele devotou enorme energia para analisar os eventos e desenvolver estratégias e táticas para essas revoluções em formação - aquelas, entretanto, de que o stalinismo deveria contribuir maciçamente para o aborto.

Como a própria declaração de missão da Terceira Internacional, em oposição à Segunda Internacional, era liderar revoluções, Trotsky concluiu que o desastre alemão, vindo em cima do desastre chinês, especialmente quando seu Comitê Executivo em Moscou declarou que a tática na Alemanha havia sido completamente correta, provou sem sombra de dúvida que a IC estava morta para a revolução. A tarefa da Oposição de Esquerda Internacional (ILO) agora era trabalhar para construir uma Quarta Internacional.

Grupos de Propaganda e Ação

Muitos na esquerda, tanto naquela época como agora, consideram esta decisão utópica. As internacionais, dizem eles, só podem ser construídos por partidos nacionais de massa ou "quando chegar a hora". Isso ignora o fato de que este método, aquele sobre o qual a Segunda Internacional foi construída, falhou dramaticamente em 1914. Além disso, Lênin, em setembro de 1914, declarou a Segunda Internacional morta e imediatamente levantou o slogan Viva a Terceira Internacional. De fato, quando a Terceira Internacional foi fundada, em 1919, ela tinha poucos ou nenhum “partido de massa” além dos bolcheviques.

Claro, Trotsky não “encontrou” imediatamente a Quarta, mas se propôs a ganhar forças substanciais para o projeto, por meio da discussão sobre qual deveria ser seu programa. Uma dessas tentativas foi a Declaração dos Quatro - feita com quatro partidos importantes, incluindo o Partido Socialista dos Trabalhadores Alemão (SAP). Uma tentativa semelhante foi feita com Andreu Nin e o que se tornou o Partido Operário da Unificação Marxista(POUM), na Espanha . Mas esses partidos mostraram-se instáveis, oscilando entre a ILO, a Segunda e a Terceira Internacionais e insistindo que era prematuro fundar uma Quarta ou trabalhar em um novo programa. Eles provaram ser, na expressão de Trotsky, “centristas incorrigíveis”.

O julgamento de Trotsky sobre o trabalho que empreendeu nos últimos sete anos de sua vida muitas vezes surpreende aqueles de esquerda que consideram “sucesso” a construção de partidos de massa ou a participação em grandes eventos. Em seu Diário no Exílio, escrito na França para onde se mudou em 1933, ele afirmou:

“Acho que a obra a que me dedico agora, apesar do seu caráter extremamente insuficiente e fragmentário, é a obra mais importante da minha vida, mais importante que 1917, mais importante que o período da Guerra Civil ou qualquer outra. ……. Assim, não posso falar da “indispensabilidade” do meu trabalho, mesmo sobre o período de 1917 a 1921. Mas agora o meu trabalho é “indispensável” no sentido pleno da palavra ... Agora não há ninguém além de mim para realizar a missão de armar uma nova geração com o método revolucionário, sobre as cabeças dos líderes da Segunda e Terceira Internacional”.
Sob a orientação de Trotsky, seus apoiadores e defensores em outros países como França, Estados Unidos e, em menor grau, na Grã-Bretanha, formaram grupos com algumas centenas de membros. No caso do grupo dos Estados Unidos, a Liga Comunista da América, eles intervieram vigorosamente na grande greve dos Teamsters, de Minneapolis, dando-lhe um modelo de liderança e vitória. Como resultado, nos anos seguintes, a seção dos EUA cresceu para mais de 2.000 membros.

Os grupos trotskistas também traduziram e publicaram suas obras e artigos, engajaram-se em polêmicas com os stalinistas e, mais importante, treinaram uma nova geração de jovens quadros, fortes e resistentes como resultado de “nadar contra a corrente”. Com algumas exceções, eles não permaneceram em um isolamento auto-satisfatório, mas, como a seção dos Estados Unidos, se lançaram à luta onde puderam. Na China, na guerra anti-japonesa, eles formaram uma brigada, embora esta tenha sido posteriormente liquidada pelos maoístas.

Entrismo

Em fevereiro de 1934, na esteira de uma provocação fascista que desencadeou uma greve geral e mobilização de massa contra as ligas fascistas francesas, os trotskistas franceses, a conselho dele, entraram no Partido Socialista Francês (SFIO) como uma facção aberta, inicialmente reconhecida por suas lideranças. Aqui, eles ganharam uma influência poderosa e recrutaram membros, especialmente nos Jovens Socialistas, onde ajudaram a criar grupos de defesa antifascistas.

No entanto, quando o Comintern abandonou a linha sectária de chamar os socialistas de fascistas sociais e propôs primeiro uma frente unida e depois popular com a SFIO (e os radicais burgueses), o preço que cobraram foi que os socialistas expulsassem os trotskistas. Infelizmente, as correntes oportunistas e sectárias dentro deste último levaram a divisões que dissiparam muitas das forças ganhas com esse trabalho.

Nos EUA, os trotskistas se saíram melhor. Primeiro, eles se fundiram com outro grupo de esquerda, o Partido dos Trabalhadores Americanos, de AJ Muste, e depois entraram no Partido Socialista dos EUA, desta vez como membros individuais. Quando foram expulsos, levaram consigo um número significativo de militantes.

Muitos comentaristas, antes e agora, atacam a disposição dos trotskistas em certas condições de entrar (isto é, juntar-se) a partidos reformistas de massa, especialmente quando estes estão se movendo para a esquerda e seus líderes até convidam revolucionários para se juntarem a seus partidos de "ampla igreja" ou "grande tenda". Não há nada exclusiva ou originalmente trotskista nisso. Marx e Engels, quando se propuseram a criar um grupo ou partido comunista na década de 1840, para o qual escreveram o famoso Manifesto, também reconheceram a importância de trabalhar com ou nos movimentos de massa dos trabalhadores, como os cartistas e sempre buscaram se juntar ou influenciar estes últimos.

Um grupo de propaganda de algumas centenas, se não for uma seita que se contenta com a abstenção da luta de classes ou com o ensino passivo de suas ideias, não pode simplesmente se opor a tais partidos operários. Não pode ignorar ou virar as costas às organizações reformistas de trabalhadores, mas deve procurar fortalecer sua independência de classe de todos os partidos burgueses e tentar conquistá-los pacientemente e democraticamente para um programa comunista.

Enquanto isso, na União Soviética, Stalin, diante das greves de grãos dos camponeses ricos (os kulaks) fortalecidas pelo lento ritmo da industrialização, havia girado violentamente para a esquerda em 1928, adotando elementos do programa da Oposição de Esquerda, mas sem a expansão da democracia operária que havia proposto.

Os Planos Quinquenais foram lançados sob o lema da construção do “socialismo em um só país” e foram acompanhados pela “liquidação dos Kulaks”, ou seja, uma brutal coletivização forçada do campesinato que levou a uma fome na qual milhões morreram. O ritmo vertiginoso da industrialização levou a grande sofrimento e à necessidade dos burocratas de reprimir qualquer oposição. Stalin começou a cercar e enviar para campos de concentração, trabalhadores que se manifestavam e todos os seus oponentes políticos, de direita ou de esquerda.

Os locais de exílio de Trotsky mudaram depois da Turquia e da França para a Noruega e finalmente em 1937 para o México. Na França, ele testemunhou e criticou a virada do Comintern para a política da Frente Popular; aplicada na França para bloquear uma situação potencialmente revolucionária e ainda mais desastrosa na Espanha, onde a supressão da revolução social em nome da defesa da república burguesa levou à supressão brutal dos anarquistas e do POUM em Barcelona em 1937. O NKVD foi lançado na Espanha como uma versão dos expurgos então em andamento em sua terra natal. Tudo isso contribuiu em grande medida para a vitória de Franco.

Depois de 1936, Stalin deu início a expurgos assassinos contra supostos “inimigos do povo”, nos quais é provável que 750.000 tenham sido executados e mais de um milhão enviados para campos de trabalhos forçados. Este Grande Terror se centrou em uma série de julgamentos espetaculares nos quais os acusados, incluindo os companheiros próximos de Lênin como Zinoviev, Kamenev, Radek e Bukharin, confessaram crimes grotescos, como conspirar para assassinar Lênin.

Trotsky foi anunciado como fomentador e organizador desses crimes em conjunto com a Gestapo e outras agências estrangeiras. Os vários milhares de trotskistas nos "campos isoladores" localizados na tundra ártica foram eliminados por pelotões de fuzilamento entre 1938 e 1940. O grande terror de Stalin se estendeu ao exterior, onde o filho de Trotsky, Leon Sedov, seus secretários, Erwin Wolff e Rudolph Klement, foram assassinados pelo NKVD agentes.

Em 1936, enquanto na Noruega, ele escreveu The Revolution Betrayed, que definiu a URSS como um estado operário degenerado. Enquanto a economia permanecia nas mãos do Estado e sujeita a um plano burocrático e ao monopólio do comércio exterior e, assim, suprimia o funcionamento da lei do valor, o poder político estava nas mãos de uma vasta burocracia ou melhor, de sua elite em torno de Stalin. Todo pensamento independente e democracia foram eliminados do PCUS.

Portanto, Trotsky convocou uma revolução política para derrubar Stalin e a elite burocrática e restaurar a democracia dos sovietes (conselhos de trabalhadores). No entanto, ele pediu a defesa da economia planejada e de propriedade do Estado contra a restauração de dentro (por setores da burocracia) ou de fora (pelas potências imperialistas). No caso de uma guerra, ele declarou sua defesa incondicional da URSS, embora pudesse ser necessário remover Stalin para evitar a derrota. Ele previu que, a menos que a classe trabalhadora fizesse uma revolução política, eventualmente a burocracia restauraria o capitalismo, fragmentando a economia planejada. Embora essa perspectiva parecesse indefinidamente adiada depois de 1945, quatro décadas e meia depois, sob Gorbachev e Yeltzin, foi exatamente o que aconteceu.

Fundando a Quarta

A conferência de fundação da Quarta Internacional aconteceu na villa de Alfred Rosmer na vila de Périgny, a 23 km de Paris, em 3 de setembro de 1938. Foi mantida em profundo sigilo porque agentes stalinistas haviam assassinado naquele fevereiro Leon Sedov, o organizador europeu da obra e o editor do Boletim da Oposição em língua russa. Em julho, Rudolf Klement, secretário do Movimento pela Quarta Internacional, responsável pela preparação do congresso, foi sequestrado e seu corpo foi encontrado desmembrado no Sena. Tragicamente, a pessoa Mark Zborowski (nome do partido, Etienne) que quase certamente dirigiu essas mortes, um ucraniano que se infiltrou no movimento trotskista, tornou-se então o delegado russo na conferência de fundação.

Apenas vinte ou mais estiveram presentes e os procedimentos duraram apenas um dia. A conferência aprovou uma série de documentos, o mais importante dos quais foi o programa da Internacional, A Agonia da Morte do Capitalismo e as Tarefas da Quarta Internacional, a partir de então conhecido como Programa de Transição. A conferência de fundação reivindicou 5395 membros da Quarta Internacional, quase metade dos quais eram do Partido Socialista dos Trabalhadores dos EUA (SWP).

Na Agonia da Morte do Capitalismo, Trotsky descreveu as condições enfrentadas pela classe trabalhadora; uma crise global histórica do capitalismo, minando as forças produtivas que ele havia criado anteriormente pelo desemprego em massa e pela guerra. Isso, por sua vez, levou a crises em um país após o outro, que repetidamente colocaram a questão do poder para o movimento operário com a alternativa de derrotas terríveis como a da Alemanha ou a que estava se aproximando da Espanha.

Por último, mas o mais importante para os revolucionários, houve uma crise global da liderança da classe trabalhadora. Duas Internacionais em 25 anos falharam, mas suas seções ainda dominavam e enganavam a classe trabalhadora. No entanto, outra guerra imperialista estava iminente, mais destrutiva do que a anterior. Poderia, como o último, minar o domínio dos social-democratas e stalinistas e abrir oportunidades para a Quarta Internacional se tornar uma força de massa.

A estimativa de perspectiva de Trotsky não era uma profecia ao estilo de Nostradamus ou um Almanaque de Old Moore, como afirmam muitos críticos simplórios. Em vez disso, foi um prognóstico razoável. Embora o stalinismo e a social-democracia tenham sobrevivido à guerra e, de fato, depois de 1945, tenham se expandido e florescido, e embora não tenha havido uma onda revolucionária comparável à de 1919-21, isso estava longe de ser um resultado provável visto em 1938, na verdade não em 1941.

Trotsky disse em outro lugar que, se a classe trabalhadora não conseguisse tomar o poder nos próximos anos, o capitalismo poderia, com base na terrível destruição, testemunhar outra fase de expansão. Foi essa alternativa que destruiu a Quarta Internacional do pós-guerra, por causa da incapacidade de seus líderes de reelaborar o programa e suas respostas oportunistas ou sectárias ao estalinismo e à social-democracia revividos. Um boom de vinte e cinco anos nos centros imperialistas, a expansão do modelo stalinista para a Europa Oriental, China, Sudeste Asiático e Cuba, selou isso. Ao mesmo tempo, a luta anticolonial e anti-imperialista substituiu a Europa como centro da imagem revolucionária. Por mais importantes que sejam os prognósticos e as perspectivas para um programa revolucionário, eles devem ser testados, corrigidos ou rejeitados à luz dos desenvolvimentos reais.

O núcleo do Programa de Transição, no entanto, continua a ter um valor imenso hoje. Trotsky teve de abordar a própria natureza de um programa revolucionário e compará-lo aos desenvolvidos pelas Internacionais anteriores. No período da Segunda Internacional (1889-1914) abriu-se um abismo entre os chamados programas de máximo e mínimo de suas seções, cujo modelo foi o programa Erfurt da Social-Democracia Alemã de 1891, elaborado por Karl Kautsky e Eduard Bernstein .

O “programa máximo” passou a ser tratado como uma descrição de uma sociedade socialista baseada na expropriação da classe capitalista. Como ou quando isso seria alcançado, entretanto, foi deixado em aberto. Quanto mais radical acreditava que viria por meio de um colapso cataclísmico do capitalismo, menos radical seria cair como uma ameixa madura nas mãos de um partido com um grande número de parlamentares.

O “programa mínimo”, entretanto, continha todas as demandas imediatas pelas quais a classe trabalhadora precisava lutar dentro da sociedade capitalista. Isso permitiu pregar um futuro socialista no primeiro de maio, enquanto trabalhava por reformas totalmente alheias a isso por meio de eleições para o parlamento e do trabalho sindical de rotina. Bernstein, já em 1896, argumentou que, uma vez que o partido estava totalmente empenhado em trabalhar por reformas, deveria “ousar dizer o que realmente é, um partido de reforma social” e, assim, juntar-se aos governos com os liberais para promulgá-la. Embora Bernstein tenha sido derrotado e o SPD permanecesse um partido ortodoxo, sua prática não mudou e a eclosão da guerra o forçou a alinhar sua teoria com a prática.

Os bolcheviques sempre trabalharam de forma diferente, devido à imediação das tarefas revolucionárias que enfrentavam e que, portanto, interagiam com suas táticas imediatas. Em 1917, eles usaram reivindicações relacionadas ao controle dos trabalhadores sobre a economia e os locais de trabalho, como mostrado no panfleto de Lenin, A catástrofe iminente e como combatê-la. Codificar e desenvolver esse método “transicional” tornou-se parte do trabalho do Comintern entre 1919 e 1923. Assim, a Resolução sobre Táticas do Terceiro Congresso da IC descreveu apropriadamente a essência de um sistema de demanda transicional:

“No lugar do programa mínimo dos reformistas e centristas, a Internacional Comunista luta pelas necessidades concretas do proletariado, por um sistema de reivindicações que em sua totalidade desintegre o poder da burguesia, organize o proletariado, represente etapas na luta pela ditadura do proletariado, e cada uma das quais exprime em si a necessidade das mais amplas massas, mesmo que as próprias massas ainda não sejam conscientemente a favor da ditadura do proletariado”.

Isso resumia o próprio método que Trotsky iria reaplicar no programa de 1938.

“A tarefa estratégica do próximo período, um período pré-revolucionário de agitação, propaganda e organização, consiste em superar a contradição entre a maturidade das condições revolucionárias objetivas e a imaturidade do proletariado e sua vanguarda, a confusão e a decepção das gerações mais velhas, a inexperiência da geração mais jovem. É necessário ajudar as massas no processo da luta diária para encontrar a ponte entre as reivindicações atuais e o programa socialista da revolução. Esta ponte deve incluir um sistema de demandas transitórias, decorrentes das condições de hoje e da consciência de hoje de amplas camadas da classe trabalhadora e conduzindo inalteravelmente a uma conclusão final: a conquista do poder pelo proletariado”.

O ano de1939 testemunhou não apenas a eclosão da Segunda Guerra Mundial na Europa, mas também o traiçoeiro Pacto Soviético Nazista. Publicamente, isso foi anunciado como um pacto de não agressão e os stalinistas o justificaram alegando que a Grã-Bretanha e a França haviam rejeitado um pacto defensivo com a União Soviética. Isso era mais ou menos verdade, uma vez que os dois países eram venenosamente antissoviéticos, mas eles também estavam bem cientes da ameaça que lhes era apresentada por uma Alemanha rearmada, processo no qual os fabricantes de armas britânicos obtiveram lucros consideráveis. O verdadeiro crime, porém, foi que, na realidade, foi um pacto cujas cláusulas secretas significavam a divisão militar da Polônia.

Quando o pacto foi assinado em Moscou por Ribbentrop para o Terceiro Reich e Molotov para a URSS, Stalin não só se juntou a eles para propor vários brindes ao Pacto e dizer "ele sabia o quanto o povo alemão amava seu Führer", mas também os membros dos partidos comunistas no Ocidente foram repentinamente e inexplicavelmente instruídos a abandonar suas Frentes Populares Antifascistas com as "democracias" que agora se tornaram ladrões imperialistas novamente. E quando o Reichswehr invadiu a Polônia e ocupou Varsóvia, Stalin os parabenizou por sua conquista enquanto ele por sua vez apreendeu a Polônia oriental.

Esses eventos (e o ataque soviético anterior à Finlândia) deram início a uma grande luta de facções na maior seção da Quarta Internacional, o SWP. Uma oposição, liderada por James Burnham, Max Shachtman e Martin Abern, exigiu o abandono da defesa da URSS se ela fosse arrastada para a guerra e desenvolveu a visão de que havia deixado de ser um Estado operário degenerado passando a ser curiosamente uma nova forma de sociedade de classes chamada coletivismo burocrático. Assim, a última batalha de Trotsky, consubstanciada nos artigos posteriormente coletados como, Em defesa do marxismo, foi em defesa da fórmula dialética do Estado operário degenerado e do método da dialética materialista que o subjazia, contra a noção eclética de coletivismo burocrático.

Em fevereiro de 1940, como resultado de sua pressão alta, que ele achava que poderia resultar em um ataque cardíaco súbito ou derrame, Trotski havia escrito uma breve despedida.

“Durante 43 anos da minha vida consciente, permaneci um revolucionário; por 42 deles lutei sob a bandeira do marxismo ... Vou morrer um revolucionário proletário, um marxista, um materialista dialético e, consequentemente, um ateu irreconciliável. Minha fé no futuro comunista da humanidade não é menos ardente; na verdade, é mais firme hoje do que na época da minha juventude. Natasha acabou de chegar à janela do pátio e a abriu mais para que o ar pudesse entrar mais livremente em meu quarto. Posso ver a faixa verde brilhante de grama abaixo da parede, o céu azul claro acima da parede e a luz do sol em todos os lugares. A vida é Bela. Deixe as gerações futuras limpá-la de todo o mal, opressão e violência, e desfrutá-la ao máximo.

Em conclusão

No 80º aniversário de sua morte, podemos listar suas realizações assim:
A teoria do desenvolvimento desigual e combinado e a perspectiva estratégica da revolução permanente.
A defesa do internacionalismo contra o projeto reacionário utópico de construir o socialismo em um país.
Seu papel de liderança em 1905 e 1917 e as lições históricas que deram à classe trabalhadora internacional.
Sua compreensão e luta incessante contra a degeneração burocrática dos primeiros trabalhadores do primeiro estado operário do mundo.
A análise do fascismo e as táticas necessárias para derrotá-lo.
Sua defesa das táticas da frente unificada dos trabalhadores e sua crítica ao desastroso oposto, a Frente Popular.
O desenvolvimento do método transitório de reivindicações que partem das lutas de hoje, dizem respeito à consciência dos trabalhadores ainda reformistas, mas que, se perseguidas, revelam a necessidade da tomada do poder pela classe trabalhadora.
E por último, mas não menos importante, a sua formação de uma rede internacional de revolucionários corajosos.

No Programa de Transição, ele escreveu que:
“... esses quadros são promessas para o futuro. Fora desses quadros, não existe uma única corrente revolucionária neste planeta que realmente mereça esse nome. Se a nossa Internacional ainda é fraca em números, é forte na doutrina, no programa, na tradição, no temperamento incomparável de seus quadros”.

Alguns desses quadros sobreviveram à guerra - resistindo heroicamente a ataques assassinos de fascistas e stalinistas e também à prisão dos "imperialistas democráticos". Eles reconstruíram a Quarta Internacional e as ligações entre as suas secções. Como e porque não conseguiram analisar com sucesso o mundo do pós-guerra e reelaborar o programa de Trotsky para isso, é um assunto separado que pode ser lido em:

A Agonia da Morte da Quarta Internacional - em breve será reimpresso
https: //fifthinternational.org/content/publications/pamphlets/death-agon ...

e no trotskismo no século XXI

https://fifthinternational.org/content/trotskyism-twenty-first-century

Quaisquer que sejam suas deficiências, quaisquer que sejam os erros que nós, que viemos depois deles, agora podemos ver, foi sua coragem e seus sacrifícios que mantiveram viva a tradição do marxismo revolucionário - e que eles foram capazes de fazer isso foi, em última análise, a maior conquista de seu professor e sua inspiração: Leon Trotsky, que escreveu,

"A maior felicidade humana não é a exploração do presente, mas a preparação do futuro."

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/80th-anniversary-death-leon-trotsky)

Traduzido por Liga Socialista em 27/08/2020