O golpe de novembro na Bolívia e como revertê-lo

17/01/2020 12:38

KD Tait, Red Flag 33, January 2020 Tue, 14/01/2020 - 12:09

 

O primeiro presidente indígena da Bolívia, Evo Morales, e seu vice-presidente, Alvaro García Linera, foram derrubados em um golpe que culminou em 10 de novembro de 2019. Ambos renunciaram e fugiram para o exílio no México. Suas renúncias se deram após os motins na força policial e o comandante em chefe do exército, general Williams Kaliman, "sugerindo" que renunciassem.

A vice-líder do Senado, Jeanine Áñez, instalou-se na residência presidencial, carregando uma grande Bíblia, exclamando: “Graças a Deus. Ele permitiu que a Bíblia retornasse ao palácio”. Añez, uma católica fanática, já twittou como ela “sonha com uma Bolívia livre de ritos satânicos indígenas” e que La Paz “não é para os índios - eles pertencem ao Altiplano ou ao Chaco”.

O líder da extrema direita do golpe, o multimilionário Luis Fernando Camacho, tem ligações com a fascista União Juvenil Cruceñista, que o acompanhou até o Palácio Quemado, a residência presidencial em La Paz, onde proclamou: “Pachamama nunca mais voltará ao palácio, a Bolívia pertence a Cristo”. (Pachamama é a figura da mãe terra para os povos andinos nativos.)

Os líderes do partido de Morales, o Movimento ao Socialismo, Movimiento al Socialismo ou MAS, refugiaram-se na Embaixada do México. Os deputados e prefeitos do MAS foram espancados nas ruas e forçados a realizar atos de auto-humilhação pelos apoiadores do golpe. Multidões derrubaram e queimaram o Wiphala, a bandeira quadriculada de arco-íris da maioria indígena do país que Morales reconheceu ao lado do tricolor boliviano, e policiais e soldados arrancaram-no de seus uniformes.

Depois que Áñez emitiu um decreto isentando o exército e a polícia da responsabilidade criminal por qualquer ação tomada para restaurar a ordem, os militares abriram fogo contra manifestantes desarmados em Senkata e Sacaba, matando mais de 30 deles. Esses massacres demonstram que o golpe representa uma contrarrevolução, não apenas contra as reformas de Morales, mas também contra as lutas revolucionárias em massa do início dos anos 2000, as chamadas guerras de água e gás, que o levaram ao poder e derrubaram o regime neoliberal da elite fundiária e empresarial.

Não surpreende, portanto, que o colega supremacista branco de Áñez, o presidente dos EUA, Donald Trump, afirme que a expulsão de Morales foi "um momento significativo para a democracia no Hemisfério Ocidental", acrescentando: "os Estados Unidos aplaudem o povo boliviano por exigir liberdade e o Exército boliviano por proteger a Constituição” e proclamar que “esses eventos enviam um forte sinal aos regimes ilegítimos da Venezuela e Nicarágua”. É claro que Trump tem feito tudo o que pode, além de enviar tropas, para incentivar contrarrevoluções semelhantes nesses países.

Qual o próximo passo?

Os golpistas, no entanto, obviamente não se sentiram totalmente seguros na sela porque aceitaram a oferta da Igreja Católica de mediar as negociações com o MAS, que tem uma maioria de dois terços na Assembleia Nacional da Bolívia. Em troca, o MAS reconheceu efetivamente o golpe e a exclusão de Morales da disputa (que de qualquer forma é o que a Constituição determina e o referendo de 2016 não conseguiu derrubar). Áñez também revogou o decreto de impunidade por qualquer assassinato policial/militar no futuro, mas não o estendeu aos massacres cometidos durante o golpe.

As eleições, previstas para 3 de maio, não serão apenas para a presidência e vice-presidência, mas também para o congresso, órgãos do governo regional e local. No entanto, praticamente todos os meios de comunicação social e trabalhadores de oposição e meios de comunicação indígenas estão atualmente fechados.
A principal preocupação dos golpistas é como continuar a saquear as riquezas naturais da Bolívia, que incluem 50 a 70% das reservas conhecidas de lítio no mundo inteiro, vitais para muitos fabricantes de alta tecnologia como Apple, Samsung e Tesla. O fato de Morales ter recorrido recentemente a empresas chinesas para trabalhar ao lado de parceiros estatais bolivianos provavelmente contribuiu para o incentivo dos conspiradores nos EUA e na UE.

Ao longo dos séculos, a Bolívia foi saqueada por prata, estanho e cobre, além de gás natural e petróleo - as “veias abertas” descritas no famoso livro de Eduardo Galleano - pelas quais o continente foi sangrado por séculos. Minerados por uma força de trabalho indígena no altiplano dos Andes, o Altiplano, os minerais enriqueceram uma pequena elite no arco das províncias de planície de Santa Cruz, Beni, Pando e Tarija, conhecida como Media Luna, ou meia-lua, além de, é claro, as multinacionais nos EUA, Europa e Brasil.

A elite da “supremacia branca”, centrada em Santa Cruz de La Sierra, que, com uma população de 1,4 milhão em 2012, é a maior cidade e de crescimento mais rápido do país, se ressente profundamente do que vêem como desvio de royalties dos minerais e hidrocarbonetos do país para os programas de bem-estar, saúde e educação que beneficiam a maioria da população do país.

A velha oligarquia latifundiária e as elites empresariais mais recentes das províncias orientais tentaram repetidamente estabelecer autonomia ou mesmo independência para manter e, de fato, aumentar a parte do leão desses recursos.

Não que os apoiadores do golpe possam afirmar que a presidência de 14 anos de Morales arruinou o país. Ele foi elogiado pelo FMI, pelo Financial Times e pelo Economist, por criar reservas financeiras sólidas, mais do que equilibrar o orçamento, banir a inflação e iniciar grandes projetos de infraestrutura.

Segundo um relatório de 2014 do Centro de Pesquisa Econômica e Política de Washington, “a Bolívia cresceu muito mais rápido nos últimos oito anos do que em qualquer período das últimas três décadas e meia”. Esse crescimento econômico teve efeitos sociais positivos: a pobreza diminuiu 25% e a pobreza extrema 43%; os gastos sociais aumentaram em mais de 45% e o salário mínimo real em 87,7%.

As falhas fatais de Morales

Mas, Morales e o MAS transformaram os períodos pré-revolucionários e revolucionários de 2000-2006, quando o poder poderia ter sido tomado pelos trabalhadores, camponeses e comunidades indígenas pobres, de uma potencial revolução social em uma série de reformas. Assim, a nacionalização do gás significou, na verdade, espremer royalties consideravelmente mais altos das multinacionais estrangeiras de extração de hidrocarbonetos, usadas em projetos de infraestrutura, como o Teleférico, o sistema de teleférico que liga El Alto, uma cidade de um milhão de habitantes indígenas, à capital La Paz. Consistindo em oito linhas e cobrindo 17 milhas, custou US $ 700 milhões.

Os ganhos mais impressionantes da renacionalização dos hidrocarbonetos e do aumento dos royalties foram as medidas de bem-estar social, subvenções (bônus) para mães, idosos, alunos de escolas e fundos para projetos de alfabetização e saúde que reduziram significativamente a pobreza. Desde 2006, o desemprego caiu pela metade, para 4,5%, e a diferença entre os salários de homens e mulheres foi drasticamente reduzida.

No entanto, em vários momentos desde sua eleição, Morales e o MAS se viram sob ataque de “ataques cívicos” organizados por líderes empresariais, igrejas evangélicas, bloqueios de estradas organizados por gangues fascistas como a juventude de Cruzena e ameaçaram motins policiais contra os quais eram obrigados a mobilizar sua base entre os trabalhadores e as comunidades indígenas. Quando essas mobilizações foram seguidas de compromissos podres, estes enfraqueceram e dividiram sua base.

Não há dúvida de que Morales violou a constituição, convencendo a Suprema Corte a permitir que ele estendesse o número de mandatos que ele poderia cumprir e a ignorar o referendo perdido por ele. No entanto, ele não foi o primeiro a fazer isso; sob a maioria de seus antecessores, o judiciário não mostrou independência do executivo. Quando Morales usou isso contra a direita, é claro, tornou-se evidência de uma ditadura insuportável. Na verdade, ele foi preso por seu próprio culto à personalidade. Somente ele poderia ser o candidato; o fenômeno bonapartista comum ao populismo, de direita ou de esquerda.

Uma crítica ainda mais séria a Morales é que, durante seus 14 anos no poder, além de realizar reformas sociais e reconhecimento cultural dos povos indígenas, ele desviou os movimentos de massa em Cochabamba e El Alto, que o levaram ao poder, em canais predominantemente eleitorais, desmobilizando-os e recentemente entrando em conflito com partes deles, em busca de concessões ao capital nacional e internacional. De fato, ele e Linera dividiram muitas das organizações e promoveram lideranças burocráticas, que então recorreram a medidas repressivas contra seus oponentes, levando alguns deles ao campo da oposição de direita.

Desde o início, Morales resistiu à plena nacionalização dos hidrocarbonetos exigida pelo movimento de massas e, no final, impôs apenas um aumento nos royalties e no controle do governo sobre as vendas. Esse era o conteúdo real da teoria da “revolução” de Garcia Linera, que combinava “democracia comunitária” e uma “república plurinacional” com a promoção do “capitalismo andino” com base nas receitas da exportação de recursos minerais. Em essência, isso funcionou enquanto a China, o Brasil e a crescente demanda dos outros países do BRICS elevaram o preço dessas commodities.

Politicamente, dentro da Assembleia Constituinte, que se reuniu em Sucre de agosto de 2006 a dezembro de 2007, Morales defendeu as demandas por uma democracia radical baseada em assembleias nos locais de trabalho e comunidades indígenas. Em vez disso, ele se comprometeu com os grandes proprietários de terras e capitalistas industriais e comerciais da Media Luna e deu-lhes considerável autonomia.

Ele também rejeitou as demandas do movimento de massas por uma profunda revolução agrária, particularmente a nacionalização dos grandes latifúndios. As reformas de Maduro deixaram intactas as propriedades dos oligarcas, mas promovendo fazendas de tamanho médio em terras não utilizadas para um setor de sua base indígena. Muitos deles, graças ao seu status de pequeno proprietário, o abandonaram no momento crítico.
Assim, Morales frustrou as aspirações democráticas da massa de organizações de trabalhadores e camponesas e as enfraqueceu e as dividiu com um sindicato e burocracias indígenas apoiadas e corrompidas pelo Estado. As grandiosas celebrações de aimará, quíchua e outras culturas indígenas, no centro, foram substitutos pobres das demandas fundamentais do movimento, cuja satisfação exigiria uma luta revolucionária para romper a base social dos oligarcas e esmagar o maquinário estatal que defendia sua legislação de classe.

No final, foi essa recusa em romper de uma vez por todas com o maquinário burocrático e repressivo do estado capitalista boliviano e expropriar os oligarcas da Media Luna, isto é, destruir seu poder em vez de apenas contrabalançá-lo, organizando mobilizações limitadas dos seus apoiadores. As forças armadas, não o povo armado, continuaram sendo o garante do governo na Bolívia.

O general Williams Kaliman e o Alto Comando são graduados na famosa Escola das Américas, Fort Benning, Geórgia, e os comandantes da polícia são participantes de um programa de intercâmbio realizado em Washington. O investimento despejado nas forças armadas latino-americanas pelos Estados Unidos é um mecanismo central para manter o status formalmente independente, mas economicamente e militarmente subordinado, isto é, semicolonial, de grande parte do continente. Ai de qualquer país, como Venezuela ou Bolívia, que tentar alcançar uma independência genuína.

Kaliman foi nomeado Comandante em Chefe das Forças Armadas da Bolívia pelo próprio Morales em dezembro de 2018 e pensava-se que era leal a ele e a seu projeto. No entanto, apesar de seu papel no golpe, Añez prontamente o derrubou alguns dias depois, substituindo-o pelo general Carlos Orellana.

Mesmo quando finalmente enfrentou um golpe de direita cada vez mais militante, Morales seguiu uma política de apaziguamento. Ele se ofereceu para aceitar uma auditoria da OEA, depois substituir os membros da comissão eleitoral e realizar novas eleições. Por fim, ele respondeu com uma tentativa de convocar novas eleições. Por medo das consequências, ele considerou apenas mobilizar as pessoas da maneira mais tímida e de última hora. Seu problema era que suas políticas e ações autoritárias mais recentes haviam alienado seções da classe trabalhadora e da juventude que formavam parte de sua base social.

Por esse motivo, parece que as assembleias dos trabalhadores em La Paz e Cochabamba declararam inicialmente nem apoio para Morales nem para a "oposição cívica". Isso levou a uma perda devastadora de apoio quando a burocracia da principal central sindical, a Central Obrera Boliviana, a COB, pediu a destituição de Morales, sem fazer nada para preparar os trabalhadores para derrotar o golpe de direita. Desde então, o COB reconheceu a legalidade da ascensão de Áñez.

Essa vacilação e apaziguamento simplesmente encorajaram a oposição de direita que apenas endureceu suas demandas, pedindo a renúncia de Morales e seu ex-vice-presidente e companheiro de chapa Álvaro García Linera.

Em um sentido importante, Morales e Linera são vítimas do sucesso de sua política de redistribuição de riqueza, que beneficiou uma nova classe média indígena que agora entra em conflito com a estratégia de compromisso do MAS entre as elites capitalistas e os pobres. A consequência de dez anos de prosperidade capitalista abastecida por recursos naturais foi a criação de uma classe média recém-próspera - uma nova força social à qual seus oponentes poderiam apelar. A ruptura com seções da base pequeno-burguesa de Morales começou com a tributação da economia informal, 60% do PIB, 70% da economia, particularmente dos cholos, a pequena-burguesia indígena que faz a transição de país para cidade. Por outro lado, a COB, os operários e os mineiros foram alienados.

As tensões exercidas pelas elites da Media Luna, por um lado, e pelos trabalhadores e comunidades camponesas indígenas, por outro, acabaram por levar ao colapso o projeto de Morales, e seu recurso a medidas cada vez mais bonapartistas, incluindo um culto à personalidade.

Tarefas do dia

A estratégia seguida pela direita na Bolívia foi uma repetição da tentativa sem sucesso contra Maduro na Venezuela. Primeiro, encontre um candidato à presidência “moderado” que oculte o programa reacionário da oposição real, depois lute contra a fraude quando não vencer e mobilize a classe média nas ruas. A opinião liberal internacional declarará o regime autoritário ou uma ditadura. Se tudo mais falhar, os EUA podem impor sanções ou um bloqueio.

A estratégia fracassou na Venezuela por causa da lealdade do exército a Hugo Chávez e seu consagrado sucessor Maduro, além do fato de haver milícias populares armadas significativas que poderiam tornar um golpe de exército um empreendimento sangrento, não um golpe judicial, parlamentar ou eleitoral como foi o caso no Brasil e na Bolívia.

No caso da Bolívia, no entanto, o poder dos repetidos grandes movimentos em El Alto e Cochabamba não deve ser esquecido, não foi totalmente destruído. Em El Alto, a Federação dos Conselhos de Bairro, FEJUVE, reúne mais de 600 desses órgãos e sempre desempenhou um papel importante na mobilização em massa. Certamente, ele precisa ser expurgado dos capituladores e de uma nova liderança eleita, escolhida pelos militantes que corajosamente organizaram greves e bloqueios, e enfrentaram as armas da polícia e do exército.

É evidente a necessidade de organizações de autodefesa, capazes no momento crítico de iniciar uma greve geral, paralisando a economia e o estado burguês. Os militantes devem fazer todo o possível para conquistar o posto de soldados, que por sua vez podem desarmar a polícia, armar e treinar as massas. A COB e todos os seus sindicatos devem ser expurgados de seus líderes corruptos e covardes.

Trabalhadores e outras forças populares podem eleger, dos “cabildos abiertos”, reuniões em massa ao ar livre, delegados aos conselhos de ação locais. Tais órgãos também podem, uma vez rompido o regime do golpe, organizar eleições para uma assembleia constituinte revolucionária que pode tomar as medidas necessárias para finalmente privar a burguesia de seus meios de repressão, colocando a classe trabalhadora no poder sobre a economia. Uma revolução na Bolívia, nas condições atuais, pode se espalhar facilmente para o Chile, Brasil, Equador e Venezuela.

O que falta é um partido revolucionário da classe trabalhadora e os pobres rurais e urbanos para liderar essa revolução. A fundação do Partido dos Trabalhadores, PT, em um congresso em Huanuni em março de 2013, parecia um grande passo em direção a isso. Foi fundado por iniciativa do sindicato dos mineiros, FSTMB, e uma resolução da conferência da COB exigindo um "instrumento político" dos sindicatos.

O programa adotado em Huanuni pedia "nacionalização dos bancos sem compensação", "nacionalização da indústria de mineração e de todos os recursos naturais" e "expropriação de grandes propriedades". Essas demandas estavam ligadas à demanda por “controle coletivo dos trabalhadores”.

Mas a liderança do PT permaneceu firmemente nas mãos da burocracia sindical que, em um ano, voltou a colaborar (e desmoronar) com Morales. Claramente eles viam o PT como um agente de barganha com o governo e os empregadores, não como um candidato ao poder; e isso não apenas nas urnas, mas também na arena da revolucionária luta de classes.

Como os socialistas de todo o mundo podem ajudar seus camaradas bolivianos? Devemos protestar contra o apoio de nossos governos ao golpe e exigir a libertação de prisioneiros e a restauração da liberdade de imprensa. Deveríamos expor o patrocínio da Casa Branca às oligarquias de direita tentando reverter a chamada Maré Rosa. As vitórias dos candidatos de direita, começando na Argentina há quatro anos e se espalhando para a vitória de Bolsonaro no Brasil e a tentativa de golpe de Juan Guaidó na Venezuela, são parte integrante. Os eventos na Bolívia são um sintoma de um agudo desenvolvimento da luta de classes em todo o mundo.

  • Abaixo o golpe racista!
  • Pela vitória de uma revolução social boliviana!
  • Abaixo a pilhagem imperialista do sul global!

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/november-coup-bolivia-and-how-reverse-it)

Traduzido por Liga Socialista em 17 de janeiro de 2020