OTAN, EUA, UE, Rússia, Ucrânia: antecedentes da guerra de propaganda

22/02/2022 12:08

Frederik Haber, Neue Internationale 262, February 2022 Mon, 07/02/2022 - 10:36

Os comunistas revolucionários não devem ser enganados pela propaganda dos governantes, especialmente as dos países imperialistas. Já poderosos o suficiente para oprimir e explorar outros países, seu único objetivo é fazer isso de forma mais eficaz do que seus concorrentes.

É especialmente importante expor as mentiras dos governantes em seu próprio país. Na Alemanha, por exemplo, o fato de que tanto a mídia burguesa de esquerda quanto a de direita, do Tageszeitung ao Der Spiegel ao Frankfurter Allgemeine e Die Welt, sigam a mesma linha e usem as mesmas palavras, não prova sua veracidade. Apenas mostra unanimidade em todas as alas do imperialismo alemão.

Mentiras e falsificações

Uma maneira de mentir é não dizer nada, então, enquanto os movimentos de tropas da Rússia são relatados, os da OTAN não são. Por exemplo, o Tagesschau em 22 de dezembro de 2021: "Tendo em vista o movimento de tropas russas na fronteira com a Ucrânia, a OTAN aparentemente reagiu com uma primeira medida militar concreta. A prontidão da força de reação rápida foi aumentada, relata o 'Welt', citando um diplomata sênior da OTAN."

Isso é uma mentira. Não foi a "primeira" medida: a OTAN já havia se reunido em Riga no início de dezembro e realizado a primeira de 5 manobras planejadas na Letônia. Ainda mais para "uma primeira ação militar concreta"! Foi a OTAN que havia iniciado "movimentos de tropas na fronteira" semanas antes.

A pergunta óbvia é: por que Putin realmente quer invadir a Ucrânia? Não só esta pergunta não é respondida, como nunca é feita. Em vez disso, sugere-se que esse sempre foi seu objetivo, comprovado pela anexação da Crimeia em 2014 e apoio aos "separatistas". A história, ao que parece, só começou em 2014.

A mídia, os políticos e os militares não falam sobre como surgiu a "separação" no leste da Ucrânia ou a anexação da Crimeia. As meias-verdades e meias-verdades propagandísticas reforçam a suposição de que o atual confronto geoestratégico trata apenas de sanear a situação no leste da Ucrânia.

O golpe de 2014 ...

No final de 2013, um movimento difuso de protesto surgiu na Ucrânia, então como hoje um dos países mais pobres da Europa. Foi iniciado por ativistas de direita e ONGs pró-ocidentais que queriam uma nova edição da "Revolução Laranja" de 2004, que trouxe o presidente neoliberal e pró-ocidente, Viktor Yushchenko. Na eleição de 2010, no entanto, ele foi derrotado e o pró-russo Viktor Yanukovych assumiu o cargo. A brutalidade da resposta de seu governo aos protestos desencadeou um verdadeiro movimento de massa que também levantou questões sociais. A praça central de Kiev foi ocupada, dando ao movimento seu nome: Maidan. Muito rapidamente, forças nacionalistas, radicais de direita e fascistas assumiram a liderança dessas ações.

O movimento tornou-se politicamente de direita. As demandas sociais foram marginalizadas e, na melhor das hipóteses, receberam uma forma populista de direita. A solidariedade ampla diminuiu e estruturas políticas de direita se estabeleceram, especialmente no oeste do país.

O Maidan conseguiu derrubar o governo politicamente fraco de Yanukovych com provocações e muito apoio dos EUA, que haviam investido US$ 5 bilhões na batalha pela Ucrânia, mas também da Alemanha e, em seu rastro, da UE. Um ponto central do conflito foi a relutância de Yanukovych em ratificar um tratado com a UE que teria garantido investimentos e, portanto, exploração do Ocidente. A Rússia, por outro lado, queria manter a Ucrânia como seu satélite e ofereceu empréstimos favoráveis.

Depois de tomar o poder, o novo governo tentou implementar seu programa. Para garantir o orçamento do Estado e a guerra contra o Leste, precisava de empréstimos do FMI e ajuda da UE e dos EUA. Com a UE, o Acordo de Associação foi decidido em duas etapas. Os custos sociais dessas medidas tiveram que ser arcados pela classe trabalhadora e pelas massas camponesas, e não apenas no Oriente.

Ao mesmo tempo, o governo de Kiev seguiu um caminho agressivo para afirmar suas reivindicações de poder no leste do país: uma política linguística nacionalista, ou seja, banir a língua russa, substituir governadores, legitimar o novo governo por meio de um golpe do "nova" maioria parlamentar e por meio de ações de rua.

Após a tomada do poder pelo "Maidan", todos aqueles esquerdistas que resistiram ao governo e aos fascistas foram brutalmente atacados. O Partido Comunista da Ucrânia e organizações socialistas como Borotba foram banidos. Em 26 de junho de 2014, por exemplo, o fascista "Setor Direito" atacou brutalmente uma reunião sindical, enquanto a polícia ficou assistindo. Essa repressão contra esquerdistas, sindicatos e movimentos sociais continuou. Recentemente, 5 emissoras de rádio foram banidas por não serem suficientemente complacentes com o governo, sendo que a mídia democrática ocidental não fez qualquer crítica.

... e o contra-movimento

O Maidan nunca foi um movimento nacional e a maior parte da classe trabalhadora estava com reservas em relação ao mesmo, por razões compreensíveis. O nacionalismo ucraniano formou o cimento ideológico do Maidan desde o início, isso inevitavelmente repeliu a população de língua russa, especialmente no leste e sul do país.

Um contra-movimento surgiu no Leste, que não apenas se opôs ao nacionalismo ucraniano, à supressão da língua russa e ao terror dos fascistas, mas também entendeu corretamente que uma Ucrânia sob o imperialismo da UE teria sua indústria e mineração no Leste, bem como os estaleiros no Mar Negro, esmagados, sofrendo o mesmo destino que outros recém-chegados da UE.

Em contraste, a continuação da estreita divisão industrial do trabalho com a Rússia prometia a essas indústrias, se não um futuro dourado, pelo menos sua existência.

Isso levou a um referendo na Crimeia, com uma participação de mais de 80%, a anexação à Rússia ganhou com uma votação de 96,7%. Ao mesmo tempo, tropas russas sem insígnias ocuparam todos os centros de poder local.

A Ucrânia e a ONU consideram a anexação da Crimeia ilegal, enquanto o golpe em Kiev e a remoção do parlamento da Crimeia pelo governo de Kiev são legais. (Notavelmente, eles consideram legal o procedimento comparável de secessão do Kosovo da Sérvia, enquanto a Rússia, por sua vez, considera isso ilegal sob o direito internacional).

Donbass

O movimento democrático popular no leste não aceitou a remoção pelo governo golpista de seus representantes locais eleitos. Eles temiam com razão os pogroms dos nacionalistas em um momento em que a "democrata" Yuliya Tymoshenko falava em "eliminar todos os russos com suas próprias mãos".

Houve ocupações de prefeituras em quase todas as cidades do leste e sudeste. Na maioria delas, tropas governamentais, policiais e fascistas conseguiram reprimir a revolta. Em Lugansk e Donetsk, no entanto, os insurgentes conseguiram resistir. Nos combates que se seguiram, houve cerca de 10.000 mortes em ambos os lados, incluindo muitas baixas civis nas mãos das forças do governo.

Ao mesmo tempo, pelo menos 43 pessoas foram vítimas do terrível pogrom em Odessa. Os perpetradores eram esquadrões de ataque intimamente ligados ao governo golpista em Kiev. Eles atacaram um acampamento do movimento popular, muitos fugiram de lá para o centro sindical. Os fascistas incendiaram, pessoas foram queimadas ou espancadas até a morte. Nem os bombeiros nem a polícia intervieram.

Lugansk e Donetsk constituíram-se como "repúblicas populares". Eles foram capazes de desafiar a aparente superioridade de Kiev, por várias razões: o exército de conscritos do governo era inadequado para uma guerra civil, muitos desertaram. Uma força de elite, a Guarda Nacional, teve que ser formada primeiro. As unidades fascistas do lado do governo, financiadas por oligarcas ucranianos e fontes internacionais, tendiam a provocar resistência com suas ações. Havia muitos voluntários da Rússia, mas também de outros países, e suprimentos militares, com pelo menos o acordo do governo russo.

Acordo de Minsk

Quando as frentes se solidificaram até certo ponto, um cessar-fogo foi acordado sob a liderança de Ângela Merkel. O governo central ucraniano, as repúblicas populares, a Rússia e a França, bem como a OSCE, estiveram envolvidos. Dois acordos estabeleceram o status quo militar, que estava sujeito a mudanças até o fim: o governo queria capturar o aeroporto de Donetsk, os insurgentes tentaram reconquistar Mariupol e foram bem-sucedidos cercando as tropas do governo perto de Debaltsevo. A ameaça de derrota acabou levando Kiev a ceder. Além de estabelecer o status quo, havia formulações vagas para o futuro que permitiram que ambas as partes da guerra civil salvassem as aparências, mas que não puderam ser implementadas.

Os anos desde o Acordo de Minsk mudaram a situação no Donbass. Em 2014/15, também houve iniciativas progressistas de esquerda nas repúblicas populares. A nacionalização das minas e da indústria foi discutida e parcialmente implementada, as cooperativas agrícolas surgiram - em parte por coerção militar e econômica, em parte por iniciativas ideológicas de esquerda pequeno-burguesa. Hoje, essas iniciativas de esquerda foram sinalizadas e destruídas, alguns dos líderes populistas de esquerda, como Mozgovoi e Bednow, foram assassinados. Nas próprias repúblicas, certamente há dúvidas sobre como proceder e conflitos entre os futuros líderes sobre isso.

Em 2014, a Federação Russa se absteve de uma integração direta e estatal do leste da Ucrânia, embora fosse militarmente fácil. Por um lado, isso tinha a ver com as condições internas incertas da época. Por outro lado, o status incerto das repúblicas de Donbass serve como moeda de troca diplomática. Para Putin e o imperialismo russo, representam uma pequena mudança na luta pela reorganização da região.

EUA contra a Alemanha

Além da guerra civil na Ucrânia e do conflito global dos EUA contra a Rússia, havia uma terceira frente - dentro da aliança ocidental. O imperialismo alemão e, em seu rastro, a UE, queriam atrair a Ucrânia para sua órbita, como fizeram com outros países da Europa Oriental: inundando o mercado de commodities, integrando-os na divisão geral do trabalho (fechando grandes partes da indústria, comprando as partes interessantes e desenvolvendo a produção com baixos salários) e estabelecendo um reservatório de mão-de-obra barata. A Ucrânia também é particularmente procurada por suas áreas agrícolas grandes e muito férteis, que o agronegócio alemão está de olho avidamente.

Ao mesmo tempo, a Alemanha se esforçou e continua lutando por boas relações com a Rússia em nível econômico: importando petróleo e gás, exportando máquinas e carros. Pouco antes da crise da Ucrânia em 2014, a UE e a Rússia estavam quase prontas para facilitar o regime de vistos uma da outra.

O imperialismo norte-americano abrigou e ainda abriga outros interesses. Suas relações econômicas com a Ucrânia e a Rússia são fracas. Sua prioridade é quebrar o poder militar da Rússia e impedir que o imperialismo russo atrapalhe em todos os cantos possíveis do mundo.

Em segundo lugar, para os EUA, a UE e a Alemanha também são concorrentes, de modo que interromper a cooperação econômica com a Rússia é pelo menos algo importante para eles. Hoje, a luta dos EUA contra o "Nordstream 2" (gasoduto entre o oeste da Rússia e o nordeste da Alemanha sob o Mar Báltico) mostra isso. Também sempre foi do seu interesse manter a UE desunida, ou melhor, tornar o mais difícil possível para o imperialismo francês e alemão não apenas dominar economicamente a UE, mas também transformá-la em um bloco imperialista independente. Incentivar conflitos na Europa Oriental sempre mobilizará os países bálticos, Polônia ou Hungria contra a Alemanha e a UE.

Em 2014, em Kiev, esse conflito se apresentou assim: o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, havia acordado um governo de transição conjunto para incluir Yanukovych e os "porta-vozes Maidan". Os EUA interromperam isso convocando as gangues nacionalistas e fascistas de direita do "Setor Direita" para invadir o parlamento. Yanukovich fugiu. As palavras (interceptadas) da enviada dos EUA Victoria Nuland neste contexto esclareceram a posição: "Foda-se a UE".

Os acordos de Minsk, como tentativa da Alemanha de normalizar as relações com a Rússia, sempre foram rejeitados pelos EUA. Mais uma vez, Nuland foi claro sobre as questões na época: "Eles temem danos à sua economia, contra-sanções dos russos" e "Podemos combater os europeus, combatê-los retoricamente ..."

Hoje, essa frente ainda é visível, por exemplo, quando o líder da CDU, Friedrich Merz, se opõe à proposta de sanção de Washington de barrar a Rússia do sistema internacional de transferência de dinheiro "SWIFT", o que seria altamente perturbador para a UE. Além disso, os antagonismos dentro da UE acabam se revelando como conflitos internos nas classes dominantes, tanto no governo quanto na oposição parlamentar. Na Alemanha, o FDP Liberal e os Verdes são os maiores belicistas pró-EUA, enquanto o SPD e a CDU/CSU estão divididos – veja a rejeição de Markus Söder às entregas de armas à Ucrânia.

A classe trabalhadora não deve apoiar nenhum dos lados na grande luta global entre a aliança ocidental liderada pelos EUA/OTAN por um lado e a Rússia, com o apoio da China, por outro, as diferentes alas dentro do establishment político alemão representam apenas diferentes orientações estratégicas dentro da classe dominante.

A classe trabalhadora e a esquerda deveriam usar essas contradições internas para construir um poderoso movimento antiguerra, baseado no lema de Karl Liebknecht: O principal inimigo está em nosso próprio país!

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/nato-usa-eu-russia-ukraine-background-propaganda-war)

Tradução Liga Socialista 22/02/2022