Paquistão: a luta de Gwadar contra o "desenvolvimento" capitalista

26/02/2022 12:36

Sheraz Arshad Fri, 18/02/2022 - 09:09

 

A cidade portuária de Gwadar, no Baluchistão, é o ponto de partida para o Corredor Econômico China-Paquistão, CPEC, um elo estratégico fundamental na "Belt and Road Initiative" de Pequim. Apesar dos projetos de prestígio de um aeroporto internacional, usinas, novas instalações portuárias e vias expressas, no entanto, a população local de toda a região não viu benefícios. Pior ainda, a base da economia local, a pesca costeira, foi praticamente destruída pela chegada de poderosas traineiras da China.

Após anos de promessas quebradas de novos empregos e indústrias, novembro viu uma mudança radical na escala dos protestos quando um novo movimento, Gwadar Haq Do, Direitos para Gwadar, foi lançado. Sua ocupação na cidade atraiu centenas de milhares de pessoas em apoio às suas 19 demandas, incluindo a proibição de traineiras, remoção de barreiras para o comércio transfronteiriço com o Irã, remoção de postos de controle de segurança, repressão ao tráfico de drogas, emprego prioritário para a população local, fim do assédio policial e ação sobre as centenas de "Pessoas Desaparecidas" - ativistas que se acredita terem sido sequestrados pelos serviços de segurança.

A escalada do movimento por si só fez disso um marco na luta do Baluchistão pelo desenvolvimento, mas ainda mais significativo foi o envolvimento, pela primeira vez, de um grande número de mulheres. Elas disseram que foram forçadas a deixar suas casas porque seus homens perderam seus empregos após a pesca ilegal por traineiras e restrições ao comércio na fronteira iraniana. Queixavam-se da extrema pobreza, das famílias passando fome, da falta de água potável e eletricidade e da completa ausência de serviços de saúde e educação.

O movimento Gwadar se espalhou para outras cidades e conseguiu apoio de todo o Baluchistão. Isso está acontecendo porque houve uma mudança significativa desde o início da pandemia do covid 19. Isso teve o efeito de mobilizar a grande massa de pessoas cujos números superaram o medo do estado.

Agora, os estudantes balúchis também estão protestando por seus direitos, enfrentando a brutalidade policial e prisões, mas exigindo que o governo recue na privatização do Bolan Medical College e da Universidade do Baluchistão. Os estudantes fecharam a universidade em protesto contra o desaparecimento forçado de dois de seus colegas. Em seu apoio, houve um fechamento em grande escala de instituições educacionais no Baluchistão e o governo foi forçado a negociar e garantir o restabelecimento. Resta saber até que ponto isso será bem-sucedido, mas é uma grande conquista para os estudantes balúchis.

A sociedade balúchi está agora se tornando mais ativa politicamente. Anteriormente, o único confronto era entre os serviços de segurança e os guerrilheiros, mas agora estudantes, mulheres, trabalhadores, classe média baixa e pobres, enfim, a massa da população, entraram na arena política, exigindo o controle sobre seu próprio futuro.

Este movimento, portanto, é um grande passo à frente para a sociedade balúchi, mas para avançar deve se organizar. Não surpreendentemente, a liderança inicial do movimento veio de figuras religiosas, notadamente Maulana Hidayat, Secretário Geral do Jamaati-Islami no Baluchistão. Foi ele quem negociou o acordo com o governo que encerrou o protesto. Mas o Jamaati-Islami era anteriormente um aliado dos serviços de segurança, e o movimento precisa de uma liderança mais confiável e, acima de tudo, responsável.

Apelamos a todos os setores: pescadores, trabalhadores, organizações de mulheres, estudantes, para elegerem os seus próprios comitês de ação e para a coordenação entre eles. Exigimos que todos os projetos realizados em Gwadar estejam sujeitos ao acordo dessas organizações populares. Quaisquer que sejam as lealdades políticas ou religiosas, o movimento é objetivamente uma luta contra a exploração capitalista e a subordinação da região aos interesses do imperialismo chinês e os socialistas devem apoiá-lo de todas as maneiras possíveis.

O melhor apoio será difundir a compreensão do movimento e a solidariedade com ele entre a classe trabalhadora e os agricultores pobres do resto do Paquistão. Em todo o país, milhões estão enfrentando dificuldades crescentes não apenas como resultado direto da pandemia e do aumento dos preços dos itens essenciais, mas também das políticas governamentais para proteger os interesses das maiores corporações, paquistanesas e imperialistas.

Os socialistas devem liderar a organização das lutas pelas demandas econômicas e políticas, clamando pela auto-organização democrática nos sindicatos e organizações comunitárias. Somente essas organizações podem fornecer uma liderança eficaz e responsável na luta e construir as bases para a derrubada do sistema existente e sua substituição por uma sociedade socialista democraticamente planejada. Todos aqueles ativistas que entendem a necessidade desta luta devem se organizar, construindo um novo partido revolucionário dos trabalhadores no Paquistão.

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/pakistan-gwadars-struggle-against-capitalist-development)

Tradução Liga Socialista – 23/02/2022