Paquistão: Solidariedade com o movimento Baloch por justiça

27/06/2020 18:57

Beberg Baloch, published in solidarity with Baloch Student Organisation, Sun, 14/06/2020 - 08:32

 

O Baluchistão testemunhou revoltas em massa em toda a província depois do que ficou conhecido como o Incidente de Dannuk. Multidões raivosas, mas pacíficas, entoavam slogans contra o regime opressivo e seus esquadrões da morte contratados, envolvidos em assassinatos de pessoas comuns, sequestros por resgate e várias atividades criminosas. Manifestantes exigiram justiça para Bramsh Baloch, de quatro anos, cuja mãe Malik Naz foi morta há alguns dias por membros do esquadrão da morte durante um assalto em sua casa em Kech.

Representantes do governo do Baluchistão afirmaram na grande mídia que a lei e a ordem na província estão sob controle. Mas incidentes ocorrem diariamente e as patrulhas de para-militares em áreas civis contam outra história. Por um lado, os governantes fingem pedir paz, mas, por outro lado, esquadrões da morte são treinados e protegidos à sua sombra. Como os esquadrões da morte podem ser tão poderosos e operar com total impunidade? Quem os financia e facilita? Onde fica a administração civil? Todas essas questões foram levantadas no passado, mas se destacam claramente na frente do mundo inteiro depois que Malik Naz sacrificou sua vida resistindo a elas. Não é como se as pessoas não soubessem de tudo isso, mas o medo e as restrições dos opressores os impediam de falar e assumir uma posição aberta. O assassinato de Malik Naz, fotos e vídeos dos ferimentos de Bramsh atingem o povo Baloch como uma onda de choque. Eles sentem dor e humilhação e buscam justiça por Bramsh Baloch. Isso quebrou o medo do estado opressivo e de seus esquadrões da morte.

O papel dos esquadrões da morte na região é proteger os interesses dos narcotraficantes, que de alguma forma também entram no parlamento. A estrutura do mercado no Baluchistão é bem diferente do resto do mundo, portanto, esses assassinos são contratados por pessoas autorizadas de colarinho branco (oficiais do estado?) para realizar suas ações obscuras. Do tráfico de seres humanos à extorsão, do tráfico de drogas a outros crimes hediondos, assassinos armados operam para protegê-los e criar o caos na sociedade. Embora deva haver medo dos criminosos, o medo foi doutrinado nas pessoas comuns, que lutam pela mera sobrevivência. Não podemos entender tudo isso sem entender o papel do Estado, apadrinhando essas gangues para atacar, matar e pressionar a luta do povo Baloch por seus direitos democráticos.

A cadeia de protestos realizada em Gwadar, Turbat, Quetta, Awaran, Naseerabad, Karachi e outros lugares criou uma nova onda na sociedade Baloch. O medo morreu e a tradição de resistência à opressão reviveu, à medida que as pessoas não se curvavam mais aos assassinos e às armas. Embora tenha sido o incidente de Dannuk que provocou a revolta na sociedade de Baloch, ele tem raízes e causas muito profundas. O povo baloch enfrenta o racismo e, se elevar sua voz em defesa dos direitos democráticos, terá apenas um destino: sequestros e corpos humilhados. Esta é a situação da qual o movimento Baloch está surgindo. Precisa de solidariedade internacional da classe trabalhadora, partidos socialistas e movimentos antirracistas. Antes que esses assassinos contratados joguem a sociedade em mais caos e conflito, é necessário o desarmamento do opressor e a paz para os oprimidos.

No que diz respeito às forças parlamentares aqui, elas têm estado ocupadas em pontuar pontos e política com bandeiras do partido. Não é que eles não tenham condenado o Incidente Dannuk, mas o Baluchistão precisa de muito mais. Os partidos políticos parlamentares não têm a capacidade de fornecer nenhum programa político e mostrar orientação consciente ao povo. Portanto, a sociedade Baloch precisa de uma liderança jovem, capaz de dirigir e liderar as massas com uma posição clara, em vez das ideias podres dos partidos atuais, que só podem oferecer reivindicações altas com sua narrativa nublada.

Os protestos não acabam com essa tragédia, com certeza, e as pessoas que buscam justiça têm uma posição clara contra os esquadrões da morte. As autoridades precisam aprender que o medo e a colaboração com os assassinos contratados não devem continuar, pois tudo está exposto. Malik Naz não existe mais e Bramsh não pode remover a tragédia de seu cérebro inconsciente, mas o povo do Baluchistão acordou.

Apesar dos desafios que o Baluchistão está enfrentando hoje, é essencial se conectar internacionalmente e deixar que as pessoas ao redor do mundo escutem suas misérias. A Organização de Estudantes de Baloch apela às massas de todo o mundo para expressar solidariedade com Bramsh e a nação de Baloch.

 

 

Fonte: Liga pela 5ª Internacional (https://fifthinternational.org/content/pakistan-solidarity-baloch-movement-justice)

Traduzido por Liga Socialista em 27/06/2020