Parar o Golpe no Sudão

01/11/2021 11:02

International Secretariat, League for the Fifth International Tue, 26/10/2021 - 09:24

 

Na manhã de 25 de outubro, um golpe foi lançado em Cartum. O General Abdel Fattah al-Burhan, presidente do Conselho Soberano de compartilhamento de poder militar-civil, anunciou a prisão do primeiro-ministro Abdalla Hamdok e seu gabinete. Hamdok, um economista e ex-funcionário sênior da ONU que foi nomeado como primeiro-ministro tecnocrático em 2019, está atualmente em um local desconhecido, depois de se recusar a apoiar a tentativa de golpe.

Milhares de manifestantes imediatamente saíram às ruas, como na Revolução de 2019. Eles marcharam para sitiar o quartel-general militar na capital apenas para serem recebidos a tiros pelos soldados. Entre as pontas de lança da contrarrevolução estão as tropas das Forças de Apoio Rápido, uma unidade criada a partir das milícias que realizaram crimes homicidas durante a guerra em Darfur, e mais tarde durante a revolução de 2019.

Enquanto isso, a Associação de Profissionais do Sudão, SPA, um dos principais organizadores da Revolução 2019, emitiu um apelo para resistir:

"Pedimos às massas que saiam para as ruas e as ocupem, fechem todas as estradas com barricadas, organizem uma greve geral dos trabalhadores e não cooperem com os golpistas e usem a desobediência civil para enfrentá-los."

Da mesma forma, o Partido Comunista Sudanês convocou os trabalhadores a entrar em greve e por desobediência civil em massa contra o golpe. O PC vinha alertando sobre o perigo iminente desde um golpe fracassado em 21 de setembro, quando declarou: "Precisamos de medidas mais sérias para desmantelar os pilares do antigo regime, especialmente nas forças armadas, no serviço de segurança e nas forças policiais".

Nesta ocasião, Hemeti e Abdelfattah El Burhan correram para os quartéis em questão para reprimir o golpe, e este último tranquilizou os soldados: "As forças armadas estão liderando a mudança e levando-a para onde quiserem". Agora vemos exatamente para onde levaram.

A tomada militar vem após uma tentativa de golpe de Estado em setembro e um bloqueio dos portos do país no Mar Vermelho, fomentados por forças leais à antiga ditadura de Omar al-Bashir.

Além disso, nas últimas semanas houve mobilizações por gangues de apoiadores do antigo regime, bem como uma reunião de legalistas, protegidos pelos militares, que abertamente pediram um golpe. Essas foram respondidas por dezenas de milhares de manifestantes que defendiam a supremacia do governo civil, que foram recebidos por uma reação violenta da polícia.

É provável que esses eventos nefastos das últimas semanas tenham sido uma preparação por generais e forças rebeldes contrarrevolucionárias para um golpe de Estado. Ao mesmo tempo, o governo existente passou por uma crescente pressão popular para tomar medidas em direção a um maior controle civil, combinado com frustrações sobre o desempenho econômico e social do regime.

A escassez de alimentos estava crescendo nas cidades, somada ao acordo do governo Hamdok de elevar os preços dos combustíveis e outros itens essenciais, condições exigidas pelo FMI para aliviar a dívida do Sudão, o que levou à inflação desenfreada. Temendo uma resolução progressiva da atual crise em uma onda de mobilizações sociais, parece que os militares decidiram agir de forma decisiva.

Enquanto isso, a UE e os EUA condenaram o golpe e se manifestaram pela democracia. Mas foram as instituições sob seu controle que contribuíram para esta situação, seja através do financiamento das Forças de Apoio Rápido no âmbito do Processo de Cartum da UE, destinadas a deter os refugiados, ou através das políticas econômicas do FMI.

Isso mostra o perigo das potências imperialistas como aliadas na busca pela democracia. Sua democracia sempre tem um preço alto para os trabalhadores e os pobres. Um terço da população já sofre com a grave escassez de alimentos. Como o governo estava fazendo o seu lance, os EUA e a UE condenaram fortemente o golpe. Na verdade, um enviado dos EUA tinha acabado de visitar Hamdok.

O futuro da democracia limitada conquistada em 2019 depende agora do poder da classe trabalhadora e da juventude para paralisar o país, conquistar os soldados e levar adiante a revolução que foi interrompida pelo acordo com os militares para um regime conjunto até as eleições de 2023. Os Comitês de Resistência formados em 2019 ainda existem e precisarão ser reforçados em conselhos representando todos os trabalhadores, mulheres, estudantes e soldados. O golpe prova que o compartilhamento de poder com os generais do antigo regime era uma ilusão perigosa, confirmando o ditado do revolucionário francês Jacobin Saint-Just, "quem faz uma revolução apenas até o meio do caminho cava sua própria cova".

Sempre argumentamos que todos um exército permanente - desde que esteja sob o comando dos generais e do corpo de oficiais - é uma arma mortal contra o povo. Uma tarefa inicial e essencial de qualquer revolução genuína do povo é quebrar seu comando do aparato da repressão, libertar os soldados rasos e conquistá-los para o lado das massas, especialmente os trabalhadores, e formar uma força de defesa revolucionária sob o controle democrático dos conselhos operários e populares.

Crucialmente, tudo depende da eficácia de uma greve geral e resistência em massa nas ruas em apelar aos soldados comuns e oficiais subalternos e sargentos para virem ao povo. O atual movimento de resistência deve se basear particularmente na força das mulheres e jovens revolucionárias que desempenharam um papel de liderança na revolução em 2019. E se isso acontecer, desta vez a revolução não deve parar no meio do caminho. Também não deve se contentar com um governo de tecnocratas civis, trabalhando de mãos dadas com o FMI, os EUA, a UE e as outras potências imperialistas.

O que pode resolver a crise atual de forma social, democrática e sustentável é um governo totalmente comprometido com a revolução, um governo baseado nos conselhos operários e populares, capaz de tomar medidas socialistas para atender às necessidades urgentes da população rural e urbana.

Em outros países, socialistas e sindicalistas precisam unir as mãos aos exilados sudaneses para protestar contra o golpe e exigir ajuda alimentar e médica para combater o COVID, e a crise econômica, bem como o fim dos ditames do FMI.

 

Liga pela 5ª Internacional (Halt the Coup in Sudan | League for the Fifth International)

Tradução Liga Socialista